No tempo dos Loronhas se erguia uma ilha-presídio no Atlântico (1504-1800)

Grazielle Rodrigues do Nascimento

Resumo


Como disse Américo Vespúcio, em 1503: O Paraíso é aqui, referindo-se a ilha de Fernando de Noronha. Analisar a participação desta ilha como um espaço construtor de relações econômicas e sociais para a história do Brasil, nos remete ao inicio do povoamento português, cujo período das descobertas Lusa pelo Atlântico insere Fernão de Loronha, fidalgo da Casa Real Portuguesa, neste contexto. Diferentes são os relatos a respeito da ilha. Sinônimo de paraíso, o estigma de ilha do terror viria conforme a utilidade de Fernando de Noronha ao recebimento de gente presa, cujo período marca a estrutura erguida para acomodar quem estava a serviço da Ordem e quem estava condenado as duras penas. Portanto, neste trabalho, especificamente, procuramos abordar o período da passagem portuguesa pela ilha de Fernando de Noronha, que a utilizam como ponto estratégico a segurança da rota comercial entre a recém colônia portuguesa (a Terra de Santa Cruz) e a metrópole. Assim, a chamada Ilha-Presídio construiria o estigma de terror e expiação aqueles que se aventurava a povoá-la.


Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM NETO. Fernando de Noronha – 2a edição. Editora a noite, Rio de Janeiro: 1946.

ARAGÃO, Campos de. Guardando céu nos trópicos: ilha de Fernando de Noronha. Editora Biblioteca do Exército. Rio de Janeiro: 1950.

Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano – PE, Arquivos permanentes.

AULER, Guilherme. Os Fortes de Fernando de Noronha. In: Revista do Arquivo Público de Pernambuco, Recife, v.1, n.2, 1946.

BURKE, Peter. A Escrita da História: novas perspectivas /Peter Burke (org.); tradução de Magda Lopes. – São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1992. – (Biblioteca básica).

CANDIOTTO, César. Foucault: uma história Crítica da verdade. Trans/Form/Ação: Revista de Filosofia, Unesp - Marília (SP), v. 29, n. 02, p. 65-78, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php. Acesso em 02 de abril 2010.

COSTA, Pereira da. A ilha de Fernando de Noronha: notícia histórica, geográfica e econômica. Pernambuco, 1887.

DIEGUES, Antonio Carlos. Ilhas e mares: simbolismo e imaginário. São Paulo: Editora HUCITEC, 1998.

HULSMAN, Lodewijk; TEENSMA, B. N.; BOOGAART, Ernst Van Den; MENEZES, Jose Luiz Mota; SCHALKWIJK, Frans Leonard. Viver E Morrer No Brasil Holandes. Org: Marcos Galindo. Recife: Fundaj. Ed. Massangana, 2007.

IMBIRIBA, Beatriz de Lalor. História de Fernando de Noronha. Imprensa Industrial. Recife, 1951.

PIERROT, Michelle. Os excluídos da História: operários mulheres e prisioneiros. Tradução Denise Bottman. – 3ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

Plano de manejo da área de preservação ambiental de Fernando de Noronha, atol das Rocas e São Pedro e São Paulo, junho de 2005.

SERRÃO, Joel. Dicionário Histórico de Portugal. Vol. III, pág. 164-165, Porto, 1975.

VIANNA, Hélio. História do Brasil. Editores melhoramentos, 1961.

VIEIRA, Alberto. As ilhas, as rotas oceânicas, os descobrimentos e o Brasil. Funchal-Centro de Estudos de História do Atlântico. Madeira (Portugal): Biblioteca Digital, 2000. Disponível em http://www.madeira-edu.pt/Portals/31/CEHA/bdigital/brasil-av.pdf. Acesso em 14 de outubro de 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.28998/rchvl1n01.2010.0008

Apontamentos

  • Não há apontamentos.