Estranhos à Nossa Porta

Francisco José passos soares

Resumo


O processo civilizatório tem modificado lentamente a condição tribal, nômade, até a atual de renúncia ao egoísmo, e de convivência pacífica, entre indivíduos e entre nações. Dito assim, parece que se vive em uma época em que a civilização encontrou seu ápice desenvolvimentista econômico, político e moral. No entanto, logo, ao acordar, fica-se atordoado por informações de todos os cantos do mundo, com conteúdos dramáticos, aterradores, consequentes ao litígio entre as nações, entre as pessoas de um mesmo país, nas comunidades, entre vizinhos e mesmo entre familiares. O fim de uma tragédia é logo substituído por outras, por vezes, ainda mais dramáticas. Quem decretou o fim da história arrepende-se, nesse momento, do apressurado prognóstico. O processo civilizatório não se resume nem se interrompe com um discurso político ou acadêmico. A história ultrapassa os seres humanos e os impõe desafios à maneira de Sísifo, condenados que estão a rolar, há milênios, as pedras da construção do edifício da solidariedade e da unidade humana, sem fronteiras políticas, econômicas, religiosas, morais.

Texto completo:

PDF PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.28998/rpss.v4i1.7789

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Endereço postal

Núcleo de Saúde Pública- NUSP /FAMED

Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Av. Lourival Melo Mota, s/n

Tabuleiro dos Martins CEP:57072-900

Maceió - AL

 E - ISSN 2525-4200 

Indexação:            


Apoio: