A seca em Alagoas noticiada

Maria da Saúde Barros Nascimento Barros Nascimento

Resumo


Este artigo tem como objetivo fazer uma análise da seca discursivamente construída em notícias de jornais que circulam em Alagoas, procurando compreender quais os discursos que circulam e que sentidos são forjados a esse respeito, se são discursos de convivência com a seca ou de enfrentamento com essa, compreendendo a língua por uma perspectiva transversal, percebendo a pratica social por uma perspectiva da Linguística Aplicada. Após as análises, compreendemos que o discurso que se repete nas notícias analisadas é o discurso que coloca a seca como culpada dos problemas vividos pela população sertaneja, nordestina, precisando, portanto, ser enfrentada, combatida, e não um discurso de convivência. Logo, trata-se de um discurso político que não compreende a seca como sendo um fenômeno natural da região, já que se trata de uma região semiárida, em que ocorre um déficit hídrico.


Palavras-chave


Nordeste; Seca; Enunciação; Discurso.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Munis de. A poesia do sol: o discurso popular sobre a seca. In: SILVA, Gian Carlos de Melo; GOMES, Gustavo Manoel da Silva (Org). Memória, história e cordel em Alagoas: teorias, práticas e experiências. Maceió. EDUFAL, 2004.

______. A invenção do Nordeste e outras artes. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34, 2016.

BAZERMAN, Charles. Enunciados e seus significados. In: ______ Teoria da ação letrada. São Paulo: Parábola Editorial, 2015. p. 163-180.

BENASSI, Maria Virginia Brevilheri. O gênero “notícia”: uma proposta de análise e intervenção. In: CELLI – Colóquio de Estudos Linguísticos e Literários. 3, 2007, Maringá. Anais... Maringá, 2009, p. 1791-1799.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Postulados do paradigma positivista. In.:______. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Ediorial, 2008 (p. 13-18)

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Uma linguística aplicada mestiça e ideológica; interrogando o campo como linguista aplicado. In: ______. (org.) Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 13-27.

SANTOS FILHO, Ismar Inácio dos. A crítica ao estruturalismo e ao formalismo, a enunciação concreta: Bakhtin/Volochinov. In: ______ Fundamentos da Linguística II. Maceió, 2012. p. 40-54.

______. Do Dialogismo Bakhtiniano: interdiscurso e intertextualidade. In:


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo