A CONSTRUÇÃO DISCURSIVA DA SECA EM ALAGOAS EM REPORTAGENS

Maria Nadine Batalha Dantas

Resumo


RESUMO: A partir do contato com a Linguística Aplicada por intermédio do professor Doutor Ismar Inácio dos Santos Filho e com minha participação como colaboradora no PIBIC (Programa de Institucional de Bolsas de Iniciação Científica) e no GELASAL (Grupo de Estudo em Linguística Aplicada em Questões do Sertão Alagoano), busquei desenvolver este trabalho. Como corpus da minha pesquisa trago a reportagem impressa em jornal da Gazeta de Alagoas lançado nos dias 19 e 20 de agosto de 2017. Assim, questiono-me como a mídia tem poder de construir por meio da língua(gem) significados em prol de sentidos que ela quer alcançar. Por isso, faço uma leitura enunciativo-discursiva do enunciado analisando a interação entre o “eu” e o “outro”, inferindo que o gênero discursivo analisado se utiliza de determinados recursos semióticos verbais e não verbais para construir determinados sentidos.

 


Palavras-chave


Reportagem, Discurso, Seca, Linguística Aplicada.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

______. A poesia do sol: o discurso popular sobre a seca. In: SILVA, Gian Carlo de Melo; GOMES, Gustavo Manoel da. Memória, história e cordel em Alagoas: teorias, práticas e experiência. Maceió: EDUFAL, 2014. p. 62- 88.

DURVAL: é preciso dissolver esse Nordeste! 10min 26seg. Disponível em: . Acesso em 22 de mar. de 2017.

CAFÉ filosófico com Durval Muniz. 48min 32seg. Disponível em . Acesso em 19 de maio de 2018.

ENTRE um café, uma prosa com Durval Muniz - parte 1. 20min 05seg. Disponível em . Acesso em 22 de maio de 2018.

ENTRE um café, uma prosa com Durval Muniz – parte 2. 18min 48seg. Disponível em . Acesso em 06 de jun. de 2018.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec, 2006. Disponível em . Acesso em 01 de ago. de 2018.

______. Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34, 2016.

BAZERMAN, Charles. O mundo no texto: indexado e criado. In:______. Teoria da ação letrada. Tradução Milton Camargo Mota, Angela Paiva Dionísio, Judith Hoffnagell. São Paulo: Parábola Editorial, 2015. p. 163-180.

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso das Mídias. Tradução Angela M. S. Corrêa. – São Paulo: Editora Contexto, 2006.

GAZETA de Alagoas, agosto de 2017.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da Moita. Contemporaneidade e construção de conhecimento na área de estudos linguísticos. Belo Horizonte: Scripta, 2004. p. 159-171.

SCHISTEK, Haroldo. O desconhecimento da caatinga e o mito da seca. In: Biomas brasileiros e as teias da vida. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, nº 500, 03, 2017. p. 46-50.

SCHWARZBOLD, CAROLINE. Desenvolver a competência leitora: desafio ao professor do ensino fundamental. Pelotas: Universidade Federal de Pelotas, 2011.

SANTOS FILHO, Ismar Inácio dos. Do dialogismo Bakhtiniano: interdiscurso e intertextualidade. Arapiraca, UNEAL, 2012.

______. 100 anos do Curso de Linguística de Linguística Geral: na construção da linguística, “diálogos” com Saussure. Universidade Federal de Alagoas: Campus do Sertão, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários