Revista Contexto Geográfico https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico <div id="janelamailtopopupMail" style="z-index: 1;"> <div id="janelamailtocontentPopupModalMail"> <div id="janelamailtomailClosePopup"><img src="https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/management/settings/context//index.php/contextogeografico/manager/setup/" alt="" />A Revista Contexto Geográfico consiste em uma publicação do Instituto de Geografia, Desenvolvimento e Meio Ambiente – IGDema, unidade acadêmica pertencente a Universidade Federal de Alagoas. O seu principal propósito é a difusão de conhecimento e o debate em um espaço aberto para todos aqueles que se interessam, pensam e fazem pesquisas no âmbito do interesse da Ciência Geográfica, em diferentes circunstâncias, de todas as correntes teórico-metodológicas e linhas de pensamento.</div> </div> </div> Edufal pt-BR Revista Contexto Geográfico 2595-7236 <span>Os Autores dos trabalhos aceitos para publicação na revista CONTEXTO GEOGRÁFICO devem concordar com os termos a seguir: a) Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado sob a </span><a href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/" rel="license">Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional</a>;<span> b) Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online;e c) Considerando que o acesso a revista é público, os artigos publicados são de uso gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais.</span><div id="janelamailtopopupMail" style="z-index: 1;"><div id="janelamailtocontentPopupModalMail"><div id="janelamailtomailClosePopup"> </div><div id="janelamailtopopupMailModal"> </div></div></div> V SGFNE: EXPLORANDO AS MUDANÇAS AMBIENTAIS E AS TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM NO NORDESTE BRASILEIRO https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/17339 <p>V SIMPÓSIO DE GEOGRAFIA FÍSICA DO NORDESTE (SGFNE)</p> Antonio Carlos de Barros Correa Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 10.28998/contegeo.9i.18.17339 MORFOLOGIA ORIGINAL E ANTROPOGÊNICA DA PORÇÃO OESTE DO SISTEMA FLUVIO-LAGUNAR DE TERESINA – PIAUÍ https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16700 <p>A acelerada urbanização sobre diferentes classes de relevo auxilia na formação de feições antropogênicas principalmente quando há considerável diferenciação altimétrica, impulsionada por atividades minerárias e industriais. Considerando as especificidades de cada área, este estudo objetiva compreender as classes de relevo a partir da concepção de morfologia original e morfologia antropogênica considerando os processos e materiais na porção oeste do sistema fluvio-lagunar de Teresina – Piauí. Metodologicamente foram adotadas atividades de gabinete, campo e geoprocessamento (QGis/versão 3.18), auxiliando na discussão dos aspectos físico-naturais e das tipologias de feições antropogênicas original/pré-intervenção (1972) e atual/pós-intervenção (2022). Os principais resultados apontaram para a existência inicialmente de morfologias, como terraço fluvial, lagoas, terreno alagadiço e planície de inundação que foram modificadas com a formação de morfologias antropogênicas agradacionais e degradacionais, a exemplo dos depósitos antropogênicos e das cavas de mineração, interferindo consideravelmente nos processos e materiais existentes, tais como os processos erosivos em sulcos e ravinas.</p> Hikaro Kayo de Brito Nunes Frederico de Holanda Bastos Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 01 15 10.28998/contegeo.9i.18.16700 ILHAS DE CALOR E CONFORTO TÉRMICO NA CIDADE DO CRATO - CE https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16796 <p>O presente trabalho objetivou mensurar a temperatura do ar e umidade do sítio urbano da cidade do Crato - CE através de transectos móveis, a fim de identificar a relação entre a temperatura do ar e o grau de urbanização na formação de ilhas de calor, sua intensidade, e o conforto térmico. Tendo como metodologia: levantamento bibliográfico, coleta de dados, transecto móvel nos meses de julho, outubro e dezembro de 2022 com o uso de termohigrômetro. Após a organização dos dados realizou-se o cálculo da ilha de calor Intra-urbana e com o diagrama do INMET, o conforto térmico. Diante dos resultados percebeu-se que as temperaturas variaram de acordo com os meses analisados, e grau de ocupação e vegetação, sendo as intensidades das ilhas entre ‘fraca’ a ‘moderada’. Conclui-se que a urbanização e a falta de cobertura vegetal influenciam no aparecimento das ilhas de calor e suas diversas intensidades, e nos diferentes tipos de conforto térmico.</p> Vinicius Ferreira Luna Ana Poliana Fernandes Alcântara Juliana Maria Oliveira Silva Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 16 29 10.28998/contegeo.9i.18.16796 DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DA PRECIPITAÇÃO EM CAMPINA GRANDE-PB E SUAS POSSÍVEIS CORRESPONDÊNCIAS COM ELEMENTOS CLIMÁTICOS E FATORES GEOGRÁFICOS https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16877 <p>O presente estudo teve como objetivo compreender a relação entre a distribuição espacial das chuvas na cidade de Campina Grande com os elementos climáticos e fatores geográficos. Para isso, foram coletados dados de precipitação do Centro Nacional de Alerta de Desastres Naturais (CEMADEN), entre os anos de 2016 e 2022 e os totais anuais e o máximo diário foram interpolados e relacionados com fatores como o relevo, orientação das encostas, e fenômenos e elementos climáticos, como sistemas atmosféricos atuantes e direção e velocidade do vento. Os resultados apontam uma diminuição das chuvas no sentido Leste-Oeste, relacionados à variação altimétrica e direção predominante dos ventos, uma vez que ao ocorrer variações na direção dos ventos, os resultados apresentam mudanças na concentração espacial das chuvas. O estudo destacou a relação complexa entre a distribuição das chuvas em Campina Grande com os diferentes fenômenos meteorológicos e com fatores como o relevo e a hipsometria da cidade, com potencial para melhorar o planejamento urbano e medidas preventivas.</p> Igor Wanderley de Araújo Alana Gabriela Silva de Melo Lillian Souza dos Anjos Vinicius Ferreira Luna Ranyére Silva Nóbrega Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 30 40 10.28998/contegeo.9i.18.16877 IDENTIFICAÇÃO DO RISCO GEOMORFOLÓGICO DE EROSÃO COSTEIRA EM PRAIAS DO LITORAL LESTE DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16837 <p>O presente artigo buscou apresentar uma reavaliação da vulnerabilidade erosiva da costa leste do município de Ilha de Itamaracá-PE, investigada na produção científica de dissertação de mestrado em Geociências defendido em 2009. A reavaliação consiste em considerar as principais variáveis que caracterizam o risco e a vulnerabilidade, identificar os pontos mais vulneráveis à erosão costeira apresentados na pesquisa original e compará-los por meio de fotointerpretação. Para tal, foram utilizadas imagens disponíveis nas ferramentas Google (Earth e Maps), afim de validar as tendências ou identificar mudanças espaço-temporais da configuração costeira, entre erosão e progradação. Os resultados demonstram que um terço das praias reavaliadas fogem da tendência de erosão costeira, enquanto que dois terços confirmam a tendência erosiva, não tendo sido analisados os trechos correspondentes a vulnerabilidades intermediárias e baixas.</p> Ariadne Fernanda Ferraz Vieira Jonas Herisson Santos de Melo Osvaldo Girão da Silva Wemerson Flávio da Silva Daniel Rodrigues de Lira Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 41 56 10.28998/contegeo.9i.18.16837 AS FLORESTAS SECAS DO SETOR MERIDIONAL DA SERRA DA IBIAPABA (PI/CE): SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS E CONSERVAÇÃO https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16827 <p>O bioma Caatinga apresenta fisionomias florestais que são taxonomicamente enquadradas como Florestas Tropicais Sazonalmente Secas (FTSS). As florestas secas da Caatinga desempenham importantes serviços ecossistêmicos para as comunidades, mas apresentam menos de 2% de áreas protegidas de forma integral. O objetivo principal desse artigo é investigar as pressões que as FTSS do setor meridional do glint da Ibiapaba sofrem, quantificar suas emissões e capturas anuais de CO<sub>2</sub>. Os procedimentos ocorreram em 03 etapas: 1) Seleção e organização dos arquivos de variáveis ambientais; 2) Tratamento dos dados; e 3) análise estatística e discussão. De 2001 a 2022, foram perdidos ou convertidos em outras fisionomias cerca de 7,58 mil ha; a média de emissões foi de 108 ktCO₂eyr<sup>–1</sup>, e foi registrado remoção líquida de -240 ktCO₂eyr<sup>–1</sup> da atmosfera. Os resultados apontam que a abordagem dos serviços ecossistêmicos endossa os apelos conservacionistas das florestas da área de estudo.</p> Alisson de Oliveira Thais Menezes Lopes Maria Lúcia Brito da Cruz Diógenes Félix da Silva Costa Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 57 – 68 57 – 68 10.28998/contegeo.9i.18.16827 CARACTERIZAÇÃO GEOAMBIENTAL DO BAIXO CURSO DO PIRANHAS-AÇU (RN) https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16806 <p>A pesquisa tem como objetivo realizar uma descrição geoambiental do baixo curso do Piranhas-Açu, localizado no estado do Rio Grande do Norte. Para o entendimento holístico da área, utilizou-se dados disponibilizados por órgãos competentes, além de técnicas de geoprocessamento para a produção e composição cartográfica. Em se tratando dos resultados, observou-se que a geologia apresenta uma predominância de formações sedimentares, e a geomorfologia corresponde a terrenos planos e ligeiramente elevados, na qual compreende em seis subunidades morfoesculturais. Em relação aos aspectos hidroclimáticos, o clima é semiárido com temperatura média de 27°C, e a pedologia, por &nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;sua vez, é composta por três principais classes de solos: Cambissolo Flúvico, Latossolo Amarelo e Neossolo Flúvico. Desse modo, considerando a importância ecológica e econômica da área, contatou- se que os aspectos naturais são fundamentais para a oferta de serviços ecossistêmicos, sendo necessário a compreensão integrada para entender o funcionamento e as dinâmicas da paisagem.</p> Anderson Rodrigues Denise Santos Saldanha Saldanha Emanoel Souza da Silva Silva Jonas Valdevino de Lima Lima Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 69 – 77 69 – 77 10.28998/contegeo.9i.18.16806 A FUNÇÃO DAS ÁREAS VERDES URBANAS NA REDUÇÃO DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL: ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE RECIFE, PE-BRASIL https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16811 <p>O avanço da urbanização gerou impactos na redução da cobertura vegetal, que podem provocar inúmeras problemáticas ambientais e socioeconômicas, como o aumento da suscetibilidade ao escoamento superficial. O objetivo deste trabalho foi analisar a função das áreas verdes urbanas, na redução do escoamento superficial na cidade do Recife - PE. Foi realizada uma análise multitemporal para os anos de 1991, 2006 e 2018, por meio de técnicas de geoprocessamento. Analisou-se aspectos da paisagem como, unidades geológicas, pedológicas, declividade, forma das vertentes e a cobertura vegetal através do NDVI. Foi gerada uma álgebra de mapas, por meio de uma matriz de ponderação de pesos. Verificou-se através do NDVI uma redução da cobertura vegetal de 17,57% ao longo do período analisado.&nbsp; Com a álgebra de mapas se verificou que esse processo impactou no aumento de 5,22% da alta susceptibilidade ao escoamento superficial, sendo um processo preocupante para o município do Recife.</p> Caio Maurício Manuella Vieira Barbosa Neto Carlos Eduardo Menezes da Silva Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 78 – 93 78 – 93 10.28998/contegeo.9i.18.16811 MAPEAMENTO DOS IMPEDIMENTOS LONGITUDINAIS NA SUB-BACIA DO RIACHO SÃO GONÇALO, BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO BASTIÕES, CEARÁ https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16819 <p>O ser humano vem interferindo cada vez mais no fluxo hidrossedimentológico dentro dos sistemas fluviais de todo o mundo, criando barreiras de transmissão, os quais são geradoras de impactos de diversos níveis sobre a hidrodinâmica fluvial. Este trabalho objetiva apresentar a atual distribuição de impedimentos longitudinais na sub-bacia do riacho São Gonçalo (bacia hidrográfica do rio Bastiões - CE). A identificação dos impedimentos foi realizada considerando parâmetros pré-estabelecidos, e o mapeamento foi feito através de imagens de satélite do <em>Google Earth Pro </em>e geoprocessamento no ArcGIS 10.8. Por fim, foram realizadas atividades de campo para validação dos dados. Dentre os impedimentos mapeados estão barragens, vias de acesso, canais descontínuos e zona urbana. Concluímos que a maioria dos impedimentos são barragens pequenas e vias de acesso, ou seja, são barreiras de transmissão que não tem sido o cerne da gestão de recursos hídricos, que está voltada para barragens de maior porte.</p> Vanessa Martins Lopes Osvaldo Girão Jonas Otaviano Praça de Souza Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 94 – 107 94 – 107 10.28998/contegeo.9i.18.16819 ANÁLISE DAS TRANSFORMAÇÕES DO USO E COBERTURA DA TERRA NO NÚCLEO DE DESERTIFICAÇÃO DO SERIDÓ POTIGUAR https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16829 <p>No processo de organização do espaço, ocorre uma série de interações entre a natureza e seus agentes transformadores, dentre eles, o homem. Este, com suas habilidades e ferramentas, transforma a paisagem e desenvolve suas atividades, como mineração, agricultura, entre outras. Entretanto, tais ações geram impactos cada vez maiores na dinâmica natural do ambiente e colocam em risco os ecossistemas nele presentes. Sabendo disso, este artigo, com base em levantamentos bibliográficos, análises históricas e utilização de Sistemas de Informações Geográficas, objetiva estudar, através de uma análise multitemporal, as transformações no uso e cobertura da terra em um período de 32 anos, como se deu esse processo de ocupação no Núcleo de Desertificação do Seridó Potiguar e quais as consequências dessas modificações, no tocante à retirada predatória da vegetação, diante da ausência de planejamento e gestão ambiental.</p> Luana Ramos de Oliveira Saulo Roberto de Oliveira Vital Luana Carla Mariz da Silva João Victor Araújo da Silva Christianne Maria da Silva Moura Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 108 – 122 108 – 122 10.28998/contegeo.9i.18.16829 ANÁLISE DO USO E COBERTURA DA TERRA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIMENTA, ILHA DO MARANHÃO – MA, BRASIL https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16799 <p>O conhecimento sobre as dinâmicas de uso e cobertura da terra ganham cada vez mais força diante da necessidade de sustentação das questões ambientais ligadas às relações sociedade/natureza. Partindo desse pressuposto, objetivou-se neste trabalho analisar o uso e cobertura da terra da bacia hidrográfica do rio Pimenta no ano de 2023 e sua relação com os impactos gerados na área de estudo. Para alcançar o objetivo proposto realizou-se procedimentos como: levantamento bibliográfico, trabalhos de campo e mapeamento em gabinete. A partir disto diagnosticou-se que as morfologias da bacia em questão têm sido alteradas pela urbanização e que os canais de primeira ordem têm sido alterados, prejudicando a dinâmica hídrica da região. Os padrões atuais de uso são áreas urbanas de alta e média densidade e mata secundária fragmentada.&nbsp; Salienta-se também que diversos canais fluviais de primeira ordem desapareceram em virtude da pressão urbana na localidade</p> Cristina Gomes de Lima Danyella Vale Barros França Quésia Duarte Silva Ricardo Gonçalves Santana Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 123 – 132 123 – 132 10.28998/contegeo.9i.18.16799 ANÁLISE ESPAÇO-TEMPORAL DO USO DA TERRA EM MUNICÍPIOS DO NÚCLEO DE DESERTIFICAÇÃO DE CABROBÓ, PERNAMBUCO https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16810 <p>A pressão antrópica no sentido das mudanças de uso e cobertura da terra têm sido responsáveis pelo aumento de áreas degradadas em diversos ecossistemas. Objetivou-se a realização de uma análise espaço-temporal do uso da terra nos municípios de Belém do São Francisco, Cabrobó e Itacuruba, no contexto do Núcleo de Desertificação de Cabrobó, Pernambuco. A metodologia empregada envolveu técnicas de Geoprocessamento e uso de imagens de Sensoriamento Remoto da série Landsat 5 e 8 para os anos de 1989, 2005 e 2019. Verificou-se o aumento de áreas de pastagem natural em detrimento da vegetação natural, além do crescimento das áreas de solo exposto e das áreas de agricultura. Nesse sentido, conclui-se que a redução da cobertura vegetal e o aumento das áreas de solo exposto podem aumentar a suscetibilidade a processos erosivos na área de estudo, o que pode levar a perda da capacidade produtiva do solo e sua degradação.</p> Deivid Damião Roque de Souza Souza José Coelho de Araújo Filho Maria do Socorro Bezerra de Araújo Deyse Ferreira da Silva Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 133 – 142 133 – 142 10.28998/contegeo.9i.18.16810 PERCEPÇÃO SOCIOAMBIENTAL E TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM DUNAR: ANÁLISE COMPARATIVA DA DUNA DO PÔR DO SOL, JERICOACOARA – CEARÁ https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16702 <p><strong>RESUMO</strong> – Sob a égide de um delineamento paisagístico, destaca-se em consideração a paisagem dunar do trecho litorâneo de Jericoacoara – Ceará: Duna do Pôr do Sol, recorte analítico do presente trabalho. A transformação paisagística desta importante unidade litorânea, associada aos díspares fatores e intervenções, faz-se notória, o que vem contribuindo para o espraiamento e diminuição do coeficiente sedimentar e (re)configuração da sua dinâmica socioambiental. Neste sentido, o objetivo norteador do presente trabalho fundamenta-se na apresentação de uma análise comparativa acerca da percepção socioambiental, frente ao processo de transformação e definição paisagística da Duna do Pôr do Sol (DPS), nos anos de 2019 e 2023. A abordagem técnica-metodológica utilizou-se de levantamento bibliográfico, observações/trabalhos de campo, e aplicação de questionários com os turistas e residentes. Em resultado, sob enfoque da análise comparativa, constata-se uma proeminente intervenção e interação do fator socioambiental, provocando, assim, significativa transformação no processo de configuração da paisagem natural da área em voga.</p> <p>Palavras-chave: Duna do Pôr do Sol; Jericoacoara; Paisagem Dunar; Percepção Socioambiental.</p> José Hélio Alves Gondim Fábio Perdigão Vasconcelos Yammê Batista Joca Adely Pereira Silveira Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 143 – 155 143 – 155 10.28998/contegeo.9i.18.16702 MUDANÇAS DE USOS DA TERRA NOS ANOS DE 1985, 2010 E 2020 NA MICRORREGIÃO DE CAXIAS - MA https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16831 <p style="font-weight: 400;"><strong>RESUMO </strong>– A crescente utilização das terras, sem levar em consideração suas potencialidades elimitações, sucede em alterações nos atributos dos solos, sobretudo quando não há um manejo adequado.&nbsp; Dessa maneira, o objetivo principal deste artigo foi avaliar as mudanças de usos da terra na Microrregião de Caxias – MA. A região conhecida historicamente por sua importância econômica e ambiental vem passando por fortes problemas associados ao uso da terra, interligados aos manejos inadequados dos solos. Nesse ínterim, esta pesquisa foi desenvolvida a partir do conceito de paisagem, consistindo na discussão da Geografia enquanto ciência que compreende o processo de construção entre o tempo e o espaço através da inter-relação entre natureza e sociedade assistido na paisagem. Para tanto, foi realizada pesquisa bibliográfica sobre a temática central da pesquisa e assuntos relacionados à temática. Para isto, foi realizada a caracterização das relações de usos da terra na Microrregião de Caxias sob sistema de capoeira, pastagem, área de vegetação primária e reserva legal e a análise temporal das mudanças de usos da terra dos municípios pertencentes à Microrregião nos anos de 1985, 2010 e 2020, conforme dados do MapBiomas coleção 7.1 (2020). Como resultados, observou-se que houve significativo aumento da pecuária e redução da vegetação natural.&nbsp; O município de Caxias, por se tratar de um centro urbano, embora de pequeno a médio porte, corresponde aproximadamente a 1,55% do território maranhense e teve um crescimento populacional considerável nos últimos tempos, consequentemente aumentando os níveis de tráfego de veículos, maior consumo de energias e geração de resíduos sólidos. Desse modo, após todo o processo de expansão agrícola, urbana e rural de Caxias, o município recebeu mudanças significativas em relação aos usos da terra, sobretudo com o avanço da pecuária e da agricultura. Com a utilização dos dados disponibilizados pelo MapBiomas é possível determinar de maneira satisfatória as mudanças no uso da terra da microrregião de Caxias ocorridas nos municípios de Caxias, Buriti Bravo, Timon, Parnarama e São João do Sóter nos anos de 1985, 2010 e 2020.</p> Vitoria Gleyce Sousa Ferreira Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 156 – 172 156 – 172 10.28998/contegeo.9i.18.16831 IDENTIFICAÇÃO DA DEGRADAÇÃO DOS SOLOS NO SEMIÁRIDO PERNAMBUCANO: A PARTIR DE UMA ANÁLISE TEMPORAL EM ÁREAS DE VULNERABILIDADE DO MUNICÍPIO DE BELÉM DO SÃO FRANCISCO – PE https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16860 <p>A atuação dos agentes externos junto com o processo de apropriação da natureza pelo homem tem causado um aceleramento de diversos problemas no contexto da biosfera. Este trabalho visa a identificação da degradação dos solos a partir dos condicionantes topográficos, pluviométricos e os índices de cobertura vegetal no município de Belém do São Francisco, localizado no sertão pernambucano, Nordeste do Brasil. O objetivo principal deste da pesquisa é a identificação dos processos de degradação dos solos, utilizando escalas espaciais e temporais no intuito de entender os processos e respostas refletidos na paisagem.</p> Kaio César de Oliveira Tavares André Felipe da Silva George Pereira de Oliveira Antonio Carlos de Barros Corrêa Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 173 – 184 173 – 184 10.28998/contegeo.9i.18.16860 POTENCIAL GEOTURÍSTICO DO MUNICÍPIO DE JARDIM DO SERIDÓ-RN, NE DO BRASIL https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16740 <p>O município de Jardim do Seridó abrange diversos atrativos naturais, que se destacam pela beleza cênica e pelo valor educacional, científico e turístico, além de um importantíssimo patrimônio histórico-cultural, a exemplo de várias pinturas e gravuras rupestre encontradas em painéis e abrigos rochosos, deixadas por povos pré-históricos. Levando em conta estas características e conjugando-as com as exposições geológicas e geomorfológicas expostas na área, foram previamente selecionados dois geossítios, Sítio Tanques e Ponte da Pedra Lavrada, que apresentam potencial para o desenvolvimento do geoturismo. Os processos metodológicos consistiram na revisão da literatura e incursões de campo, as quais possibilitaram o reconhecimento e a análise geomorfológica do território e, especialmente, na identificação das macro e microformas graníticas dos geossítios. Pode-se destacar como resultados a possibilidade de inserção do município, no roteiro geoturístico do Estado do Rio Grande do Norte, e dos geossítios identificados, no Seridó Geoparque Mundial da UNESCO.</p> Wendel Marlyson Silva Medeiros Abner Monteiro Nunes Cordeiro João Rafael Vieira Dias Assucena Nogueira Batista Dantas Raiane Islane Araújo de Souza Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 185 – 196 185 – 196 10.28998/contegeo.9i.18.16740 OFICINA DE MAPEAMENTO DIDÁTICO E GEODIVERSIDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16823 <p>As ações de divulgação de conhecimento geocientífico estão articuladas a uma série de estratégias que podem ser empregadas visando promover aprendizagens significativas. Diversas são as formas de realização de dinâmicas que buscam essa finalidade, e uma delas é através de oficinas de conscientização e popularização englobando áreas-chave da ciência geográfica – como é o caso da cartografia –, e um ramo interdisciplinar que está sendo cada vez mais trabalhado por geólogos, geógrafos, turismólogos, ecólogos, biólogos e tantos outros profissionais: a Geodiversidade. Dessa forma, o objetivo é apresentar um relato de experiência de uma oficina que teve como título: “mapeamento didático de Geossítios do Geoparque Seridó: conceitos e aplicações”, realizada durante a 14ª Semana de Meio Ambiente do IFRN. Para consecução de tal objetivo, metodologicamente foram realizadas revisões bibliográficas e descrição de todas as etapas realizadas, expondo como resultado a importância das atividades vinculadas ao tripé educação, sustentabilidade e sensibilização.</p> Joanderson Fernandes Simões Zuleide Maria Carvalho Lima Simone Cardoso Ribeiro Carlisson Gleidson Silva de Oliveira Maria Luiza de Oliveira Terto Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 197 – 208 197 – 208 10.28998/contegeo.9i.18.16823 DIVERSIDADE FLORÍSTICA E GEOECOLOGIA DE BACIA HIDROGRÁFICA NO SEMIÁRIDO EM PERNAMBUCO https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16868 <p>É importante estudar a diversidade da fitogeografia do semiárido para revelar os contrastes associados aos componentes geoecológicos da paisagem e contribuição ambiental local. Nessa intenção, teve-se o objetivo de mensurar a diversidade florística da bacia hidrográfica do Riacho São José a partir de índices para refletir sobre as interações dos componentes geoecológicos que compõem a paisagem e as relações destes com os valores mensurados de diversidade. O aporte metodológico foi a abordagem sistêmica, intercalando trabalho de campo e atividades de gabinete para tabulação e análise dos dados, fazendo uso de técnicas estatísticas e de base cartográfica. Constatou-se que as áreas amostrais apresentam bons índices de diversidade, os quais variam de acordo com o contexto geoecológico e disposição no terreno; a bacia, no geral, apresentou valores considerados elevados, quando comparado com outros estudos realizados no ambiente seminários. Tais aferições reforçam a necessidade de desenvolver ações voltadas à conservação ambiental da bacia estudada, de modo a manter e/ou melhorar a diversidade florística da mesma, o que irá impactar positivamente nas condições ambientais e na vida silvestre da área.</p> Ana Maria Severo Chaves Elaynne Mirele Sabino de França Alexandre Gomes Teixeira Vieira Rosemeri Melo & Souza Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 209 – 224 209 – 224 10.28998/contegeo.9i.18.16868 GEOCONSERVAÇÃO E GEODIVERSIDADE DO SÍTIO URBANO DE TANQUINHO – BAHIA: PRIMEIROS LAMPEJOS https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/17262 <p>O presente artigo busca realizar um estudo introdutório visando analisar os aspectos e alterações ambientais do patrimônio físico-natural, do sítio urbano de Tanquinho. Os pressupostos metodológicos utilizados fundamentam-se no levantamento bibliográfico e cartográfico (artigos e obras científicas, mapas temáticos e fotografias digitais etc.) somado às visitas técnicas em campo, sistematização, interpretação e análise dos dados. Como resultado, percebe-se: a carência de dados e informações ambientais; desatenção e a ausência quase total dos poderes públicos (federal, estadual e municipal) frente às ações de conservação e planejamento ambiental, revelando um quadro preocupante de alterações negativas do patrimônio de Tanquinho, em especial, a geodiversidade local. As principais ameaças constatadas estão associadas às intervenções socioeconômicas desorientadas, a ausência de consciência ecológica e ambiental que aponta para urgência do desenvolvimento de ações que contribuam positivamente para conservação dos locais de relevância geomorfológica, histórica, dentre outros, bem como para ampla difusão de conhecimentos (geoeducação).</p> Jémison Santos Giordania dos Santos Viana Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 225 – 236 225 – 236 10.28998/contegeo.9i.18.17262 GEODIVERSIDADE DE MACAU/RN: AVALIAÇÃO QUALITATIVA DOS LOCAIS DE INTERESSE ABIÓTICO https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16878 <p>A geodiversidade é uma das mais importantes áreas das geociências, e presta um papel fundamental na busca por uma conservação ampla dos ambientes abióticos, o presente estudo tem como objetivo realizar o inventário dos locais de interesse da geodiversidade do município de Macau no estado do Rio Grande do Norte, Brasil. Durante a produção do mesmo, foram identificados quatro sítios de notável interesse: os Desertos Hipersalinos, o Estuário da Ponta do Tubarão, o afloramento do Magmatismo Macau e o Domo do Mangue Seco. Com os mesmos sendo avaliados qualitativamente, com todos destacando-se por peculiaridades únicas no contexto regional e até mesmo nacional. O produto realizado na presente pesquisa fornece subsídios essenciais para futuras avaliações quantitativas e medidas de geoconservação e geoturismo.</p> Fernando Eduardo Borges da SIlva Matheus Dantas das Chagas Francisco Hermínio Ramalho de Araújo Isa Gabriela Delgado de Araújo Marco Túlio Mendonça Diniz Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 237 – 252 237 – 252 10.28998/contegeo.9i.18.16878 GEODIVERSIDADE E PATRIMÔNIO GEOMORFOLÓGICO EM MARTINS/RN https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16876 <p><span style="font-weight: 400;">A Geodiversidade ganhou força no meio científico, principalmente a partir do surgimento do seu termo nos anos 90 do século XX, consequentemente, estudos voltados ao patrimônio geomorfológico também foram crescentes. Nessa perspectiva, o presente trabalho tem como objetivo geral realizar uma avaliação qualitativa e quantitativa de dois Locais de Interesse Geomorfológico em Martins, no estado do Rio Grande do Norte, destacando que esses locais possuem relevância, principalmente científica e estética, através de uma metodologia que tratará do patrimônio geomorfológico, fazendo assim uma análise por meio da inventariação e quantificação. Portanto, com a metodologia adotada iremos considerar se o local é um geomorfossítio, sítio da geomorfodiversidade ou uma área comum, utilizando parâmetros que correspondem aos tipos de valores, considerando dois valores centrais, o científico e o estético, de modo que os dois elementos quantificados se enquadraram como geomorfossítios, e nesse sentido, serão considerados elementos com alto valor e são dignos de serem preservados.&nbsp;</span></p> Marcelo Alves de Souza Marco Túlio Mendonça Diniz Larissa Queiroz Silva Mônica Raylla Dantas Magno Isa Gabriela Delgado de Araújo Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 253 – 261 253 – 261 10.28998/contegeo.9i.18.16876 ASPECTOS DA GEODIVERSIDADE ASSOCIADOS AO PATRIMÔNIO CULTURAL E HISTÓRICO DO CENTRO DE SÃO CRISTÓVÃO - SE https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16869 <p>Uma das possibilidades para viabilizar a geoconservação de uma área é o uso geoturístico da mesma, desde que tal uso faça parte de um conjunto de estratégias que garantam a integridade do local possibilitando com isso associar espetacularidade cênica, contemplação e Geoturismo mostrando a influência da geodiversidade no caráter dos valores históricos e culturais. São Cristóvão está localizado na região centro-leste de Sergipe. A metodologia consistiu na inventariação utilizando o Sistema de Cadastro e Quantificação de Geossítios a partir do que foi observado nos trabalhos de campo. Todos os pontos mencionados têm um alcance de importância nacional e necessitam de medidas de proteção a médio prazo. O Centro Histórico de São Cristóvão possui valiosos componentes de geodiversidade, indicando seu enorme potencial para a exploração do geoturismo local.</p> Carolina Oliveira Andrade Rafael Barbosa do Espirito Santo Taís Kalil Rodrigues Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 262 – 276 262 – 276 10.28998/contegeo.9i.18.16869 DESEMPENHO DO MÉTODO ESTATÍSTICO DE REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA NO PREENCHIMENTO DE FALHAS EM DADOS PLUVIOMÉTRICOS https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16816 <p>Esta pesquisa tem como objetivo aplicar o método estatístico de regressão linear múltipla no preenchimento de falhas para uma região do semiárido e com isso observar o seu desempenho conforme cinco intervalos de faixas de falhas. Para tanto, o trabalho utilizou-se de uma série histórica de 59 anos disponibilizada pela Agência Nacional de Águas, onde, através do processo de regionalização escolheu-se outras três estações próximas para estimar os dados da estação com falha através de modelo de regressão linear múltipla. Após tratamento e interpretação dos resultados, foi observado que a faixa de falha na ordem de 20% apresentou o maior coeficiente de variação de erros relativos, enquanto que na faixa de 30% de falhas houve menor índice de erros relativos. Porém analisando a qualidade (avaliação de desempenho) dos dados, observou-se que os mesmos demonstraram que a estimação apresenta uma baixa confiabilidade, apesar de sua vantagem no baixo desvio entre os dados reais e estimados.</p> Luis Felipe Santos Moura Carlos Henrique Sopchaki Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 277 – 289 277 – 289 10.28998/contegeo.9i.18.16816 MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DA DENSIDADE DA COBERTURA VEGETAL DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: REGRESSÃO LINEAR APLICADA A PARTIR DO ÍNDICE MSAVI2 E ORTOFOTOS DO PE3D https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16795 <p>Este artigo traz uma aplicação do geoprocessamento aliado a estatística, utilizados em conjunto para o mapeamento e classificação da densidade da cobertura vegetal do semiárido brasileiro. Foram utilizadas informações do índice de vegetação MSAVI2 e ortofotos do Projeto Pernambuco Tridimensional (PE3D), aplicando análise bivariada e regressão linear para extrapolação dos dados espaciais. Por meio dessa metodologia foi possível estender as informações obtidas nas ortofotos da Serra Negra, entre os municípios de Floresta, Inajá e Tacaratu (Pernambuco), e assim classificar a densidade da vegetação do semiárido brasileiro. A análise estatística permitiu ainda validar os dados correlacionados e confirmar a classificação da densidade da cobertura vegetal proposta para a região semiárida em questão.</p> Riclaudio Silva Santos Lucas Costa de Souza Cavalcanti Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 290 – 301 290 – 301 10.28998/contegeo.9i.18.16795 ANÁLISE MULTICRITÉRIO COMO SUPORTE PARA ESTABELECIMENTO DE REDE DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR NA CIDADE DO RECIFE-PE https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16851 <p>Este artigo visa apoiar estudos ambientais sobre a qualidade do ar, utilizando a análise multicritério como metodologia. O estudo apresenta uma metodologia para identificar áreas apropriadas para a instalação de estações meteorológicas e sensores de poluição do ar em Recife, PE. Embora a região já tenha 23 postos pluviométricos, ainda existem áreas sem monitoramento adequado da qualidade do ar. Utilizando variáveis como Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), cobertura da terra e topografia, foram identificadas áreas de alta, média e baixa prioridade para a instalação das estações. O método de análise de processo hierárquico (APH ou AHP – Analytic Hierarchy Process) integrado a um SIG revelou-se eficaz na seleção de locais adequados para instalação das estações em áreas sem monitoramento, contribuindo para um planejamento mais eficiente e para a compreensão da qualidade ambiental e do bem-estar social. Essa abordagem pode ser aplicada em regiões com desafios similares de monitoramento ambiental.</p> Tamires Mendes Rosane Santos Carlos Silva Cristiana Duarte Anselmo Bezerra Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 302 – 316 302 – 316 10.28998/contegeo.9i.18.16851 MAPEAMENTO DE ÁREAS POTENCIAIS À EROSÃO LAMINAR NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOS CACHORROS, SÃO LUÍS- MARANHÃO https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16887 <p>A pesquisa tem como objetivo o mapeamento do potencial laminar&nbsp; na bacia hidrográfica do rio dos Cachorros,Os procedimentos metodológicos constaram de: levantamento bibliográfico; atividade de campo; elaboração dos mapas temáticos; e análise dos dados.O potencial à erosão está em nível baixo, apresentando valores de 44, 24%, e apresenta médio potencial de 37,06 %. Possui classe de solo com argissolos vermelho-amarelos distróficos; e uso e ocupação de áreas com vegetação, mineração e solo exposto.</p> GILBERLENE SERRA LISBOA JOSÉ FERNANDO RODRIGUES BEZERRA KARINA VIEIRA DE GOVÊA Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 317 – 325 317 – 325 10.28998/contegeo.9i.18.16887 GEOTECNOLOGIAS E O ESTUDO DA DEGRADAÇÃO DO PATRIMÔNIO NATURAL COSTEIRO: O CASO DO MORRO DO CARECA, NATAL – RIO GRANDE DO NORTE (2023) https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16885 <p>A preservação de patrimônios naturais tem se tornado destaque nas discussões científicas e da sociedade civil a partir da década de 1970. No contexto da zona costeira, a erosão causada pelo balanço negativo do aporte de sedimentos e variação no nível do mar têm se caracterizado como principais fatores para degradação desses patrimônios. Assim, este artigo objetiva mensurar os impactos da erosão costeira no patrimônio natural do Morro do Careca, <br>Natal, Rio Grande do Norte (2006-2023). Utilizou-se instrumentos de alta precisão ancorados no sensoriamento remoto e Sistemas de Informação Geográfica para determinar os impactos na área. Foi constatado a redução de 2,7 metros na altitude do Morro do Careca em 17 anos e a redução de uma área de 318,5 m² na linha da escarpa da duna. Essas reduções foram ocasionadas pelo balanço negativo no volume de aporte de sedimentos na rampa da duna, expondo a base da falésia da formação Barreiras.</p> Daniel Carlos Alves Santos Silvio Braz de Sousa Rodrigo de Freitas Amorim Ana Paula Rodrigues Feitosa Frazão Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 326 – 336 326 – 336 10.28998/contegeo.9i.18.16885 A CARTOGRAFIA DO RELEVO E SUAS CONTRIBUIÇÕES AO PLANEJAMENTO DE ÁREAS SUSCEPTÍVEIS À DESERTIFICAÇÃO: APLICAÇÕES NO SUBMÉDIO VALE DO SÃO FRANCISCO https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16844 <p><span style="font-weight: 400;">As Áreas Susceptíveis à Desertificação (ASD) ocorrem pela degradação do solo, dos recursos hídricos e da vegetação, resultante das ações antrópicas, das variações climáticas e outros fenômenos naturais, que se configuram por um processo, quase sempre lento, mas que vem sendo acelerado em decorrência da intensificação das atividades humanas. Assim, o presente estudo objetiva uma compartimentação geomorfológica, levando em consideração os processos morfogenéticos e morfodinâmicos do relevo. A metodologia baseou-se na elaboração de uma revisão bibliográfica sobre a cartografia geomorfológica em âmbitos semiáridos tropicais, desenvolvida através da aquisição de dados com base no TOPODATA (INPE, 2008) e do georreferenciamento, vetorização e integração de dados em ambiente de Sistema de Informação Geográfica (SIG) com o uso do software QGIS. Os resultados obtidos possibilitarão o desenvolvimento de pesquisas geomorfológicas no Submédio do Vale do São Francisco, partindo do pressuposto da carência de estudos e mapeamento de maior detalhe voltados à desertificação no semiárido baiano.</span></p> Kelly Beatriz Silva Santos Antonio Felipe Rodrigues Santos Éverton Vinicius Valézio Matheus de Alencar Almeida Sirius Oliveira Souza Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 337 – 352 337 – 352 10.28998/contegeo.9i.18.16844 APLICAÇÃO DO SL-INDEX E KSN-INDEX NO ESTUDO DE KNICKPOINTS DOS AFLUENTES DO ALTO CURSO DO RIO PRETO, REGIÃO OESTE DO ESTADO DA BAHIA https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16817 <p>Perfis longitudinais sempre estiveram presentes nos estudos geomorfológicos, uma vez que constituem uma das principais formas de compreensão dos processos e dinâmicas fluviais. Nesse sentido, o principal objetivo do presente estudo foi comparar os resultados da aplicação dos índices SL e Ksn para avaliar a influência de aspectos litoestruturais e autogênicos na formação de knickpoints e/ou knickzones presentes nos perfis longitudinais de cada rio principal das sub-bacias do alto curso do Rio Preto, localizadas na região oeste do estado da Bahia. Os resultados demonstraram que os índices manifestaram diferentes sensibilidades às características físicas de cada bacia, indicando que a origem dos knickpoints se relaciona com fatores litoestruturais, tectônica e autogênicos.</p> Artur Magalhães Brito André Oliveira Souza Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 353 – 365 353 – 365 10.28998/contegeo.9i.18.16817 CARACTERIZAÇÃO DAS FALÉSIAS COSTEIRAS RUINIFORMES DO RIO GRANDE DO NORTE, NORDESTE DO BRASIL https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16857 <p>O litoral do Rio Grande do norte, com seus 410 km de extensão, apresenta variadas feições geomorfológicas que incluem dunas, falésias, lagoas e feições ruiniformes. O objetivo deste trabalho é caracterizar feições ruiniformes costeiras (falésias) presentes no litoral potiguar. Os percursos metodológicos incluem a revisão de literatura, trabalhos de campo e interpretação dos dados obtidos, a partir da abordagem indutiva. Os resultados apontam que os seis relevos ruiniformes identificados são falésias ativas, modeladas na Formação Touros, depositada aos 120 ky, no Pleistoceno Tardio. A deposição desta formação ocorreu após a elaboração de terraços marinhos sobre a então geomorfologia sedimentar da Formação Barreiras, evidenciado etapas da evolução geomorfológica do litoral potiguar, segundo as variações do nível do mar no Quaternário. Essas feições, embora possuam alto valor científico e estético, estão sendo bastante afetadas pela erosão costeira. Tal contexto, a longo prazo, levará à degradação, e até mesmo, ao completo desaparecimento dessas topografias ruiniformes.</p> João Correia Saraiva Junior Zuleide Maria Carvalho Lima Silas Samuel dos Santos Costa Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 366 – 379 366 – 379 10.28998/contegeo.9i.18.16857 ANÁLISE ESPACIAL EM ARQUEOLOGIA – INTERAÇÃO ENTRE A GEOMORFOLOGIA GRANÍTICA E MORFOLOGIA DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS NO LAJEDO DO BRAVO - PB https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16886 <p>A Geoarqueologia como uma ciência multidisciplinar, busca com o auxílio das geociências, a interpretação das ocupações humanas pré-históricas e históricas. Este trabalho procura conseguir através das feições graníticas que compreendem a paisagem no Plúton do Bravo, localizado no semiárido paraibano. O motivo pelo qual a área foi escolhida durante o Quaternário para a ocupação de grupos humanos pode estar relacionada às várias feições graníticas que auxiliaram para esta permanência, que são evidenciadas por registros rupestres, além de vestígios líticos. Na área estudada, o Lajedo do Bravo é possível identificar diversas fáceis esculpidas no granito, que modelam a paisagem, criando formas que propiciavam a permanência desses grupos humanos como tafonis, karrens e gnammas. Essas formas graníticas propiciaram aos grupos humanos pré-históricos que ocuparam o Plúton do Bravo, condições para a possível subsistência na área, pois essas formas eram responsáveis por assegurar recursos para esses grupos como abrigos e reservatórios que acumulavam água durante o período de estiagem. Os sítios são representados por pinturas em boulders e tafonis que estão associados a possíveis abrigos e sítios a céu aberto com a presença de indústria lítica.</p> Rafael Oliveira de Araújo Bruno de Azevedo cavalcanti Tavares Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 380 – 391 380 – 391 10.28998/contegeo.9i.18.16886 AVALIAÇÃO DE POSSÍVEIS CONTROLES ESTRUTURAIS EM SUB-BACIAS UTILIZANDO ÍNDICES MORFOMÉTRICOS: ESTUDO DE CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO MEIO, PE-AL https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16884 <p><strong>RESUMO</strong> - A identificação do controle estrutural é essencial para compreender fatores que moldam a paisagem, especialmente nas bacias hidrográficas, que desempenham um papel fundamental na modelagem da paisagem natural através de suas dinâmicas. O uso de índices morfométricos desempenha um papel crucial na detecção de possíveis controles estruturais. A relação de bifurcação, por exemplo, permite avaliar o impacto de perturbações estruturais na drenagem e pode ser associada a outros índices, como a curva e a integral hipsométrica, que medem o equilíbrio da bacia hidrográfica. Valores entre 0,60 e 0,35 nessa curva indicam relevo senil, ligado a estágios de equilíbrio. Além disso, o índice de assimetria de bacia hidrográfica revela basculamentos associados à migração lateral de canais fluviais. Esses índices foram aplicados à BHRPM e a sub-bacias para identificar possíveis controles estruturais, levantando hipóteses sobre a presença destes controles e estabelecendo relações com o substrato rochoso e a presença de estruturas geológicas.</p> <p>&nbsp;</p> <p>Palavras-chave: Índices morfométricos, geomorfologia estrutural, morfometria.</p> Jonas Herisson Santos de Melo Osvaldo Girão Kallyne Teixeira Santos José Danilo da Conceição Santos Kleython de Araújo Monteiro Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 392 – 403 392 – 403 10.28998/contegeo.9i.18.16884 ENSINO DE GEOGRAFIA ATRAVÉS DO ESTUDO INTEGRADO DA PAISAGEM: AULA PRÁTICA DE CAMPO NO AGRESTE SERGIPANO https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16849 <p>Para entender como se deu a origem das paisagens que são observadas na atualidade é preciso recorrer aos acontecimentos passados estabelecendo assim uma reconstrução paleoambiental. Os aspectos paisagísticos de Sergipe compõem quadros complexos e diversos. Sendo assim, o presente estudo tem como objetivo analisar o agreste sergipano tendo a paisagem do Domo de Itabaiana seu recorte espacial para estudo de caso a partir da perspectiva integrada, em que diferentes aspectos estão envolvidos nas transformações da paisagem, além de propor uma abordagem de ensino em que a teoria e a prática estejam conectadas procurando compreender as singularidades dessa área de transição. Para realizar uma análise da paisagem, foi feito pesquisa de campo e aprofundamento teórico de autores que discorrem sobre este tema. Com a finalidade de assegurar o (re)conhecimento e a articulação teórico-prática no ensino de Geografia.</p> Tiago de Jesus Santos Maria Daniele Oliveira dos Santos Cristiano Aprigio dos Santos Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 404 – 416 404 – 416 10.28998/contegeo.9i.18.16849 A AULA DE CAMPO COMO INSTRUMENTO DE APRENDIZAGEM TEÓRICA E PRÁTICA NO ENSINO DA CLIMATOLOGIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16753 <p>O trabalho de campo no Ensino Superior é considerado um aporte metodológico que visa contribuir no processo de ensino e aprendizagem dos discentes (de bacharelado e licenciatura). A partir desse pressuposto o presente artigo tem como objetivo relatar a atividade de campo no Parque Campos do Jordão, ocorrida nas turmas de graduação em Geografia da Universidade Federal do Paraná (UFPR), pertencente ao componente curricular da disciplina de Climatologia Aplicada. Para a efetivação da pesquisa foi utilizado como recurso metodológico levantamento bibliográfico e o relato de campo da experiência vivida. O resultado obtido mostrou que o Parque Campos do Jordão possui área bastante atrativa e preservada, o que se torna um ponto referencial para a aprendizagem dos alunos, bem como a visitação de turistas. Diante disto concluísse que atividade de campo é um método que contribuem significativamente no processo de aprendizagem dos discentes.</p> Maria do Socorro Silva Salvador Rafaela Melissa Andrade Ferreira Andrei Tavares Fernandes Pedro Augusto Breda Fontão Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 417 – 427 417 – 427 10.28998/contegeo.9i.18.16753 DESCOBRINDO A COSTA DA BAHIA: CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA DIGITAL DE INFORMAÇÕES COSTEIRAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16883 <p><span style="font-weight: 400;">Este projeto vem sendo desenvolvido na modalidade de Projeto de Iniciação ao Desenvolvimento Tecnológico e Científico, com o apoio do Instituto Federal da Bahia e do Conselho Nacional de Pesquisa. Objetiva criar uma plataforma com dados da Zona Costeira, inicialmente contemplando informações do Estado da Bahia. Atualmente, contempla dados climáticos, de marés e ondas, que datam de 1990 a 2022. Para tanto, conta com a pesquisa bibliográfica, documental e cartográfica sobre o tema, tendo em vista, que a zona costeira é dinamicamente equilibrada pela interação entre as forças naturais, e também a intervenção humana através do uso e ocupação do solo. Dessa forma, espera-se contribuir, agregando informações mais precisas sobre a estrutura morfodinâmica do Estado, que possui uma costa extensa, alvo de interesse turístico e imobiliário, auxiliando professores, estudantes e interessados no tema, de forma didática e simplificada, e na formação profissional qualificada do(a) professor(a) de Geografia.</span></p> <p>&nbsp;</p> Larissa Da Silva Santana Jackson Borges Coelho Plínio Martins Falcão Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 428 – 439 428 – 439 10.28998/contegeo.9i.18.16883 DESAFIOS NO ENSINO DA CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA: PROPOSIÇÃO DO JOGO “O OBSERVADOR” COMO DISPOSITIVO DIDÁTICO https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/17011 <p>A pesquisa apresenta um instrumento didático ao docente de Geografia para o ensino da Climatologia Geográfica por meio de uma abordagem lúdica, apresentando uma estação climatológica para os discentes, seguindo as etapas metodológicas: (I) Pesquisa bibliográfica e visita a estação meteorológica da cidade de Salvador; (II) Elaboração da ferramenta didática; (III) Planejamento da sequência didática e do uso do jogo em sala de aula e aplicação; (IV) Coleta de <em>feedback</em> dos discentes que participaram. Como resultado o jogo de tabuleiro “O Observador”, pautado em perguntas e respostas acerca do tempo e clima e dos componentes da estação meteorológica e ao tabular os dados do questionário aplicado, obteve-se o apontamento para a necessidade de uma maior explicação dos conteúdos e melhoria da sequência didática e repetição da aplicação do jogo, forte interesse dos discentes e habilidades notadas durante a prática. Com isso, o jogo afirma-se como nova alternativa didática e possibilidade de ampliação.</p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> Estações Meteorológicas, Jogo de tabuleiro, Climatologia Geográfica.</p> Juliana Pereira Petronilio dos Santos Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 440 – 451 440 – 451 10.28998/contegeo.9i.18.17011 CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-AMBIENTAL DA PLANÍCIE DO RIACHO DAS PORTEIRAS, ALTO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16854 <p>O Riacho das Porteiras afluente intermitente do Rio São Francisco, bem como sua planície, situado no município de Petrolina – PE, desempenha um importante papel na vazão e escoamento das águas das chuvas e no equilíbrio natural dos sistemas hidro-geomorfológicos. Neste, sobretudo, ao apresentar vários hábitats transicionais entre os meios terrestres e aquáticos, se diferencia pela sua morfologia e seu grau de comunicação constante ou intermitente com os rios e seus tributários, apresentando um ambiente ecossistêmico de maior riqueza em biodiversidade. A ocupação e o uso desordenado das suas terras intensificadas pelas práticas agrícolas e a expansão dos loteamentos urbanos no seu leito, vêm ocasionando forte degradação e impactos socioambientais. Portanto, o presente estudo ao caracterizar e analisar integralmente os condicionantes físico-ambientais da planície do Riacho das Porteiras poderá contribuir para o planejamento do ordenamento territorial urbano e o desenvolvimento socioeconômico e ambiental da cidade e do Submédio São Francisco.</p> Breno dos Santos Costa Luiz Henrique de Barros Lyra Samara Izabel de Souza Felipe Gonçalves Campos Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 452 – 467 452 – 467 10.28998/contegeo.9i.18.16854 VULNERABILIDADE À EROSÃO DO SOLO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO BAIXO SÃO FRANCISCO: UMA VISÃO INTEGRADA ENTRE GEOMORFOLOGIA E COBERTURA E USO DA TERRA https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/16866 <p>O processo erosivo é um fenômeno intrinsecamente natural, que tem sido agravado e acelerado ao longo do tempo pelas ações humanas. Variáveis geomorfológicas e de cobertura e uso da terra influenciam, tanto os processos naturais quanto os antrópicos. Este estudo visa analisar a vulnerabilidade à erosão com ênfase nos componentes da geomorfologia e da cobertura e uso de terra na bacia hidrográfica do baixo São Francisco. Utilizando a análise integrada da paisagem e a teoria da Ecodinâmica, os ambiente foram classificados em termos de estabilidade ou instabilidade. Os resultados revelam que a média estabilidade predomina em 66% da bacia, situando-a em uma preocupante fronteira entre a pedogênese e a morfogênese. Este estudo constatou que o uso e cobertura do solo são fatores-chave para determinação da vulnerabilidade à erosão da Bacia e que as características geomorfológicas estáveis da região tendem a estabilizar os processos erosivos em diversas áreas.</p> Jessyca Janyny de Oliveira Saraiva-Maia David Luiz do Nascimento Santos Ana Luiza Epifanio de Souza Milena Dutra da Silva Nadjacleia Vilar Almeida Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2024-02-22 2024-02-22 9 18 468 – 484 468 – 484 10.28998/contegeo.9i.18.16866