Revista Contexto Geográfico https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico <div id="janelamailtopopupMail" style="z-index: 1;"> <div id="janelamailtocontentPopupModalMail"> <div id="janelamailtomailClosePopup"><img src="https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/management/settings/context//index.php/contextogeografico/manager/setup/" alt="" />A Revista Contexto Geográfico consiste em uma publicação do Instituto de Geografia, Desenvolvimento e Meio Ambiente – IGDema, unidade acadêmica pertencente a Universidade Federal de Alagoas. O seu principal propósito é a difusão de conhecimento e o debate em um espaço aberto para todos aqueles que se interessam, pensam e fazem pesquisas no âmbito do interesse da Ciência Geográfica, em diferentes circunstâncias, de todas as correntes teórico-metodológicas e linhas de pensamento.</div> </div> </div> Edufal pt-BR Revista Contexto Geográfico 2595-7236 <span>Os Autores dos trabalhos aceitos para publicação na revista CONTEXTO GEOGRÁFICO devem concordar com os termos a seguir: a) Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado sob a </span><a href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/" rel="license">Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional</a>;<span> b) Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online;e c) Considerando que o acesso a revista é público, os artigos publicados são de uso gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais.</span><div id="janelamailtopopupMail" style="z-index: 1;"><div id="janelamailtocontentPopupModalMail"><div id="janelamailtomailClosePopup"> </div><div id="janelamailtopopupMailModal"> </div></div></div> O Editorial https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/12989 <p>Resumo de novo número da Revista Contexto Geográfico</p> Antonio Alfredo Teles de Carvalho Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2021-09-08 2021-09-08 6 11 10.28998/contegeo.v6i11.12989 AOS POBRES PERTENCE O REINO DA TERRA https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/12978 <p>Texto transcrito a partir dos manuscritos do discurso proferido por Josué de Castro ao presidir a sessão dedicada aos estudos sobre as armas atômicas no Conselho Mundial da Paz na cidade de Estocolmo (Suécia), em 1954. Posteriormente foi publicado no livro <em>Ensaios de Biologia Social,</em> pela Editora Brasiliense (1957). Por sua incansável luta no combate à fome e a miséria, o autor foi agraciado por este mesmo Conselho Mundial da Paz com o Prêmio Internacional da Paz.</p> Antonio Alfredo Teles de Carvalho Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2021-09-08 2021-09-08 6 11 01 05 10.28998/contegeo.v6i11.12978 ENTREVISTA COM A PROFA. DRA. ANA FANI ALESSANDRI CARLOS, DO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP) https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/12977 <p>Entrevista com a Professora Titular do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, com Graduação em Geografia pela Universidade de São Paulo, com títulos de Mestrado (1979), Doutorado (1987) e Livre-Docência (2000) em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo (USP). Pós-Doutorado na Universidade de Paris VII e Paris I. É professora do programa de Pós-graduação em Geografia Humana/FFLCH-USP nos programas de mestrado e doutorado. Foi professora convidada na Universidade de Barcelona (Espanha) na Universidade de Buenos Aires (Argentina) na Universidade de Colômbia -sede Medellin. Atualmente coordena o Grupo de Estudos sobre São Paulo (GESP), e a FFLCH Edições (editora eletrônica do GESP- /DG/FFLCH/USP). É Membro do Núcleo de apoio à Pesquisa da Universidade de São Paulo. Autora e organizadora de vários livros na área de Geografia Humana, sendo o mais recente o livro: “Crise Urbana” (2015) como autora e organizadora. O conteúdo da entrevista versa sobre questões abordadas no livro e a entrevista é conduzida pela Profa. Dra. Gilcileide Rodrigues da Silva da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).</p> Gilcileide Rodrigues da Silva Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2021-09-08 2021-09-08 6 11 01 07 10.28998/contegeo.v6i11.12977 A REALIDADE PRODUTIVA DO SETOR SUCROALCOOLEIRO ALAGOANO NO PERÍODO DE 2008 A 2018 https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/11416 Diante da dinâmica que marca o setor sucroalcooleiro alagoano ao longo dos anos de sua história, o presente texto tem como objetivo analisar a realidade produtiva no período 2008 a 2018. São utilizadas as bases de dados oficiais ligadas a produção nacional agrícola como: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB). Também são utilizadas as bases de dados de organismos que representam o setor, em âmbito local, Sindicato da Industria do Açúcar e Álcool de Alagoas (SINDAÇÚCAR) e, nacional, União da Indústria da Cana-de-açúcar (UNICA). Pode ser percebido que ocorreu uma retração na produção alagoana em decorrência da crise que atingiu o setor sucroalcooleiro nacional e houve, consequentemente, perda de protagonismo no cenário produtivo brasileiro. Por fim espera-se que o texto possa contribuir para o debate sobre um setor que ainda possui grande representatividade na realidade socioeconômica alagoana.<div id="janelamailtopopupMail" style="z-index: 1;"><div id="janelamailtocontentPopupModalMail"><div id="janelamailtomailClosePopup"> </div><div id="janelamailtopopupMailModal">What do you want to do ?</div><a id="janelamailtobuttonOpenEmailAppNew">New mail</a><button id="janelamailtoclipboardButtonCopyEmail">Copy</button><textarea id="janelamailtotoSelectClipboardCopyText"></textarea></div></div><div><img src="/index.php/contextogeografico/editor/viewMetadata/" alt="" /></div> JOSE RODOLFO TENORIO LIMA Copyright (c) 2021 JOSE RODOLFO TENORIO LIMA https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2021-09-08 2021-09-08 6 11 01 18 10.28998/contegeo.v6i11.11416 GESTÃO COMPARTILHADA, ENTES TERRITORIAIS, REGIÕES METROPOLITANAS E OS CONSÓRCIOS INTERMUNICIPAIS https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/11931 <p align="center"><strong>Resumo:</strong> Cooperações intermunicipais tem sido uma alternativa para viabilizar o acesso a alguns serviços básicos para diversos munícipes, especialmente aos que reside em pequenas localidades não-metropolitanas. Este artigo apresenta um debate a respeito dos consórcios intermunicipais apontando sua importância e suas fragilidades. Neste texto focamos nos consórcios intermunicipais na Região Metropolitana de Maringá-PR. Quando bem estruturado e definidas suas competências, esses poderiam ser formas alternativas às regiões metropolitanas, pois eles respondem concretamente a necessidade de gestão compartilhada de municípios, e no Brasil, são uma prática comum, desde que foram legalizados e trazidos mais uma vez como um instrumento do Estatuto da Metrópole.</p> Marinalva dos Reis Batista Angela Maria Endlich Copyright (c) 2021 Marinalva dos Reis Batista https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2021-09-08 2021-09-08 6 11 19 30 10.28998/contegeo.v6i11.11931 CONTRIBUIÇÕES DO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO PARA ANÁLISE INTEGRADA DA PAISAGEM DO PARQUE NACIONAL SERRA DE ITABAIANA E IDENTIFICAÇÃO DE ESPAÇOS DE ACOMODAÇÃO DE SEDIMENTOS NA ENCOSTA A BARLAVENTO https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/12059 Os estudos geomorfológicos são de grande importância no ordenamento territorial e no entendimento da paisagem. Concatenado aos estudos geomorfológicos está o estudo dos sedimentos oriundos das formas de relevo, que ajudam no entendimento da dinâmica de processos atuais e pretéritos das formas terrestres. Este estudo propôs realizar um mapeamento geomorfológico da área do Parque Nacional de Serra de Itabaiana/SE e áreas de <em>locis</em> deposicionais nas formas de relevo cartografadas. Desta forma por meio de um mapa índice foram traçados perfis topográficos no qual as morfoesculturas puderam ser individualizadas possibilitando assim a observação de suas unidades. Seguindo da proposta do manual técnico de geomorfologia para identificação de formas de relevo de acordo com os tipos de modelados e com auxílio das geotecnologias, caso do software ArcGIS e Surfer; para a identificação dos <em>locis </em>foram utilizados MDE (Modelo Digital de Elevação) e aplicação da ferramenta <em>Flow Direction</em> a fim de identificar áreas de estocagem de sedimentos. Foram mapeadas 4 unidades do relevo, sendo elas: unidade Maciço Estrutural, Rampa Coluvial, Tabuleiros Dissecados e Depósitos de Tálus. No caso dos sedimentos, foram encontrados 7 <em>locis</em> deposicionais, sendo que 4 estão inseridos no modelado Rampa Coluvial e 3 no modelado Tabuleiros de Dissecados. José Danilo da Conceição Santos Paulo Vitor Souza dos Santos José Lucas Santos Iasmin Teles de Carvalho Daniel Rodrigues de Lira Copyright (c) 2021 José Danilo da Conceição Santos https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2021-09-08 2021-09-08 6 11 31 43 10.28998/contegeo.v6i11.12059 DIAGNÓSTICO Y ZONIFICACIÓN DE ÁREAS SUSCEPTIBLES A INUNDACIONES EN LA COMUNA DE ANDACOLLO – REGIÓN DE COQUIMBO - CHILE https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/12517 <p>La comuna de Andacollo se encuentra ubica en la pampa ondulada de los valles transversales de la cuenca hidrográfica del Arrayan, región de Coquimbo, al norte de Chile. Es una zona reconocida por la intensa actividad minera de extracción de cobre y oro, y por los inúmeros depósitos de relaves abandonados e inactivos en los alrededores de la zona urbana de la comuna. Es un área susceptible a inundaciones, destacando las ocurridas en 1997, 2015, 2017 y 2020. La dinámica hídrica en zonas de alto número de depósitos de relaves abandonados e inactivos puede representar un agravamiento potencial del riesgo, considerando el arrastre de metales pesados y la contaminación del agua y suelo. Como resultado, por medio de modelación matemática en SIG se identificó que, de los 108 depósitos de relaves instalados en la zona urbana de la comuna, 54 se encuentra instalados en zonas inundables. </p> Keyla Manuela Alencar da Silva Alves María Carolina Parodi Dávila Erik Zimmermann Copyright (c) 2021 Keyla Manuela Alencar da Silva Alves, María Carolina Parodi Dávila, Erik Zimmermann https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2021-09-08 2021-09-08 6 11 44 55 10.28998/contegeo.v6i11.12517 PANDEMIA DE COVID-19 NO BRASIL: O ACESSO E A QUALIDADE DOS SERVIÇOS DE SAÚDE COMO DETERMINANTE SOCIAL https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/12811 <p>Analisamos a pandemia de Covid-19 no Brasil sob a perspectiva do acesso e da qualidade dos serviços de saúde pública, à luz das discussões sobre os determinantes sociais da saúde. O objetivo é avaliar se as políticas adotadas no Brasil para o enfrentamento da Covid-19 são condizentes com as desigualdades socioespaciais pré-existentes, considerando-se, também, o seu agravamento em decorrência da crise pandêmica. Por meio de análise bibliográfica e documental e de análise espacial, examinamos: (i) as desigualdades socioespaciais no acesso aos serviços de saúde, (ii) a dinâmica da pandemia de Covid-19 no território brasileiro, (iii) as medidas adotadas pelo Estado brasileiro para o enfrentamento da pandemia, e (iv) o planejamento governamental na área de saúde pública. Concluímos que as políticas adotadas nos diversos níveis da federação brasileira têm pouca aderência com a realidade do país. Contudo, advogamos que os problemas do planejamento na área de saúde não se devem à falta de conhecimento sobre as desigualdades socioespaciais pré-existentes e suas tendências de agravamento no âmbito da pandemia de Covid-19. Em parte, as lacunas e ineficiências verificadas se devem às políticas de caráter neoliberal que têm fragilizado o Sistema Único de Saúde (SUS) e à postura negacionista e negligente do governo brasileiro perante a pandemia.</p> Simone Affonso da Silva Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2021-09-08 2021-09-08 6 11 56 76 10.28998/contegeo.v6i11.12811 O USO DO JOGO SIMCITY PARA DISCUTIR PLANEJAMENTO URBANO-REGIONAL NO ENSINO REMOTO https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/12505 <p>O presente artigo expõe a experiência do uso de jogo digital como ferramenta didático-pedagógica para apropriação de conceitos sobre planejamento urbano-regional no ensino remoto. A discussão se apresenta a partir do projeto “<em>SimCity</em>: criando cidades, discutindo gestão” que utilizando o jogo digital <em>SimCity</em> possibilita maior apropriação teórica e prática dos conceitos a partir do processo de criação e gerenciamento de cidades virtuais que espelham problemas encontrados na realidade concreta. O projeto foi desenvolvido em duas etapas, sendo a primeira realizada nas aulas remotas na qual foi feito o debate normativo do planejamento urbano no Brasil com suas regras constitucionais, o estatuto da cidade e suas normatizações e instrumentos dentro de um plano diretor. A segunda etapa trabalhou com as simulações das cidades virtuais pelos estudantes, os quais traçaram correlações com a base teórica trabalhada nas aulas remotas e a realidade concreta das cidades em que residiam. As cidades virtuais construídas e as analises desenvolvidas pelos estudantes representaram o êxito do projeto. A maioria dos estudantes desenvolveu conhecimentos técnicos analíticos para interpretar os conceitos e as normas, tendo ainda, a grande maioria, excelente nota a partir de uma banca de avaliação.</p> José Geraldo Pimentel Neto Keilha Correia da Silveira Copyright (c) 2021 José Geraldo Pimentel Neto, Keilha Correia da Silveira https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2021-09-08 2021-09-08 6 11 76 87 10.28998/contegeo.v6i11.12505 ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRAFICA DO RIO MUNDAÚ (PE/AL) A PARTIR DA APLICAÇÃO DE ÍNDICE DE HACK E INDICE DE SINUOSIDADE DE FRENTE DE ESCARPA https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/12389 <p>A análise quantitativa das drenagens tem sido uma prática sistematizada há pelo menos meio século. A relação destas com o relevo, entretanto, vem sendo aplicada desde os primórdios dos estudos geográficos/naturalistas. No intuito de contribuir para análises do relevo, foi aplicado o Índice de Hack (SL) no canal principal da Bacia Hidrográfica do Rio mundaú. Foram identificadas áreas anômalas de 1ª e 2ª ordem em seu perfil longitudinal, apresentando a existência de uma ruptura de patamar principal na cota de 250 metros. A partir desta definição, procedeu-se com a aplicação do Índice de Sinuosidade de Frente de Escarpa (Smf), verificando a ocorrência de diferentes setores com maiores e menores graus de influência de atividades tectônicas recentes, a depender do nível de detalhamento que se aplica. Por fim verificou-se que este método é eficaz na identificação e quantificação de anomalias e nos estudos de evolução do relevo, contribuindo com a compreensão geomorfológica regional.</p> Jonas Melo Kleython Monteiro Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2021-09-08 2021-09-08 6 11 77 90 10.28998/contegeo.v6i11.12389 ANÁLISE DOS CONDICIONAMENTOS ESTRUTURAIS DA REDE DE DRENAGEM DE SUB-BACIAS DO ALTO CURSO DO RIO PRETO USANDO ÍNDICES MORFOMÉTRICOS, REGIÃO OESTE DO ESTADO DA BAHIA https://www.seer.ufal.br/index.php/contextogeografico/article/view/12513 <p>A morfogênese do relevo resulta de complexo emaranhado de relações e interações ocorrendo interna e externamente ao sistema geomorfológico, de modo que a compreensão da evolução das formas de relevo demanda o uso de diferentes abordagens analíticas. Nesta perspectiva, a região oeste da Bahia exibe relevos que registram a ação de complexos processos morfogenétricos ainda pobremente conhecidos e, deste modo, e suscitando a necessidade de estudos geomorfológicos sistematizados. Com base nisso, o presente trabalho se desenvolveu em sub-bacias que compõem o alto curso do Rio Preto, um importante afluente da margem esquerda do Rio Grande que aflui para o Rio São Francisco. Foram utilizadas análises morfométricas com o objetivo de identificar evidências de condicionamentos lito-estruturais da rede de drenagem, os quais seriam expressões geomorfológicas de estruturas geradas ao longo do Ciclo Brasiliano, além de aspectos concernentes à litologia. Foram aplicados os índices de compacidade, circularidade, densidade hidrográfica, SL-index e analisado os perfis longitudinais dos canais principais de cada sub-bacia. Os resultados mostraram evidências de forte controle estrutural da rede de drenagem, os quais estão associados ao mergulho regional do embasamento que sustenta o relevo cuestiforme conhecido como Serra Geral, possíveis reativações neotectônicas de falhas vinculadas à Faixa Móvel Rio Preto, além de evidência geomorfológicas de soerguimentos que teriam sido destacadas devido a intensificação dos processos erosivos induzidos por atividade neotectônica. Os resultados apesar de serem ainda incipientes, possibilitam <em>insights</em> para estudos futuros e fornecem as primeiras evidências geomorfológicas de atividades neotectônicas na bacia do Rio Preto.</p><p> </p> Artur Magalhães Brito André Oliveira Souza Copyright (c) 2021 Artur Magalhães Brito, André Oliveira Souza https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 2021-09-08 2021-09-08 6 11 91 108 10.28998/contegeo.v6i11.12513