Formação e profissionalização de professores(as) da educação infantil

Autores

  • Rejane Maria de Araújo Lira Prefeitura Municipal de João Pessoa
  • Adelaide Alves Dias Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2022v14nEspp332-352

Palavras-chave:

Formação, Profissionalização, Professores(as), Educação infantil

Resumo

O objetivo principal desta pesquisa foi investigar as políticas públicas educacionais e sua interlocução com a formação e a profissionalização do(a) professor(a) de educação infantil e foi realizada junto a 11 (onze) professoras, de dois Centros de Referência em Educação Infantil (CREI) do município de João Pessoa-PB. Partimos do pressuposto que as políticas públicas educacionais para a infância brasileira incidem, em graus e níveis diferenciados, sobre a formação e a profissionalização do(a) professor(a)  de educação infantil e não são suficientes para garantir a qualidade do atendimento educacional prestado à criança de 0 (zero) a 6 (seis) anos. Com base nesse pressuposto, questionamos: a) Como as políticas públicas de formação inicial e continuada têm incidido sobre a profissionalização docente do(a) professor(a) de educação infantil? b) De que forma a formação docente reverbera sobre a profissionalização dos(as) professores(as) que atuam com crianças de 0 a 6 anos? Para a produção dos dados foi utilizado a entrevista semiestruturada e os resultados foram submetidos à Análise Categorial. Os principais achados apontam para uma persistente desarticulação entre as políticas de formação de professores(as) e as necessidades reais dos profissionais que estão atuando na educação infantil, sobretudo, no tocante à: formação teórica e prática, operacionalidade das exigências da profissão, indispensável valorização salarial e as condições de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adelaide Alves Dias, Universidade Federal da Paraíba

Departamento de Psicopedagogia / Centro de Educação

Referências

ARROYO, Gonzales Miguel. Imagens quebradas: trajetórias e tempos de estudantes e mestres. Petrópolis: Vozes, 2009.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Ministério da Educação. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 5 out. 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>.Acesso em: 10 jan. 2010.

BRASIL. Base nacional comum curricular. Brasília: MEC, 2016. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/documentos/bncc-2versao.revista.pdf>. Acesso em: 10 mai. 2016.

BRASIL. Decreto nº 6.755, de 29 de janeiro de 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica, disciplina a atuação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Brasília, 29 jan. 2009. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6755.htm>. Acesso em: 10 jan. 2014.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais gerais da educação básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. Disponível: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15548-d-c-n-educacao-basica-nova-pdf&Itemid=30192>. Acesso em 20 out.2015

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Brasília, Brasília, 25 jun. 2014. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm>. Acesso em: 11 jul. 2015.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 20 dez. 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>. Acesso em: 11 jul. 2015.

BRASIL. Parecer CNE/CP nº: 2/2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Brasília, 9 maio 2015. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17625-parecer-cne-cp-2-2015-aprovado-9-junho-2015&category_slug=junho-2015-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 23 nov. 2015.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019- pdf/135951-rcp002-19/file . Acessado em: 25 de agosto de 2020.

BRASIL. Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em: http://pronacampo.mec.gov.br/images/pdf/res_cne_cp_02_03072015.pdf Acessado em: 25 de agosto de 2020.

BRASIL. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, 17 dev. 2009. Disponível em: <http://www.seduc.ro.gov.br/portal/legislacao/RESCNE005_2009.pdf>.Acesso em: 10 jan. 2010.

BRASIL. Parecer CNE/CP nº 22/2019, de 7 de novembro de 2019 . Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNCFormação). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=133001- pcp022-19&category_slug=dezembro-2019-pdf&Itemid=30192 . Acessado em: 25 de agosto de 2020.

BRZEZINSKI, Iria. A formação de professores(as) no Brasil: avanços e retrocessos. In: ENCONTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES(AS) (ENFOPE), 7., / FÓRUM DE INOVAÇÃO EDUCACIONAL (FOPIE), 8., 2014, Aracaju. Anais eletrônicos... Aracaju: UNIT, 2014. Disponível em: <http://ww3.unit.br/7enfope/files/2014/06/7o-ENFOPE-8o-FOPIE.Aracaju-Iria-Brzezinski.pdf>. Acesso em: 20 nov. 2015.

CÔCO, Valdete; GALDINO, Luciana; VIEIRA, Marle Aparecida Fidéles de Oliveira. Trajetórias de Formação: perspectivas para a docência na Educação Infantil. Rev. Espaço do Currículo (online), João Pessoa, v.10, n.2, p. 272-289, mai./ago. 2017. Disponível em: <http://www.periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/viewFile/rec.v10i2.35502/18296>. Acesso em: 20 jan. 2019.

DIAS, Adelaide Alves; PEQUENO, Maria Gorete Cavalcante. Formação docente e currículo: possíveis encontros entre educação infantil e educação ambiental. Espaço do Currículo, v. 5, n. 1, p. 197-206, jun./dez. 2012. Disponível em: <http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rec/article/view/14056/7990>. Acesso em: 15 jun. de 2018.

DOURADO, Luiz Fernandes. Valorização dos profissionais da educação: Desafios para garantir conquistas da democracia. Revista Retratos da Escola, Brasília, v.10, n.18, p.37-56, jan./jun. 2016. Disponível em: . Acesso em: 26. Set. 2017.

FREITAS, Helena Costa Lopes de. A (nova) política de formação de professores(as): a prioridade postergada. Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. 100 (esp.), p. 1203-1230, out. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a2628100>. Acesso em: 21 de out. 2018.

GATTI, Bernadete Angelina. Formação de professores(as) no Brasil: características e problemas. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out./dez. 2010. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 21 jul. 2018.

GATTI, Bernadete Angelina. Formação inicial de professores(as) para a educação básica: pesquisas e políticas educacionais. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 25, n. 57, p. 24-54, jan./abr. 2014. Disponível em: <http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1899/1899.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2018.

GOMES, Marineide de Oliveira. Formação de professores na educação infantil. São Paulo: Cortez, 2009. (Coleção docência em formação: Série educação infantil).

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2010.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Pedagogia e a formação de professores(as) de educação infantil. Pro-Posições, v. 16, n. 3 (48), set./dez. 2005. Disponível em <http://www.proposicoes.fe.unicamp.br/proposicoes/textos/48_artigos_kishimototm.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2015

KRAMER, Sônia. Formação de profissionais de educação infantil: questões e tensões. In: MACHADO, M. L. de A. (Org.). Encontros e desencontro em educação infantil. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

LIBÂNEO, José Carlos; PIMENTA, Selma. Garrido. Elementos para a formulação de diretrizes curriculares para cursos de pedagogia. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 130, p. 63-97, jan./abr. 2006.

LIBÂNEO, José Carlos. Formação de profissionais da educação: visão crítica e perspectiva de mudança. Educ. Soc., Campinas, v. 20 n. 68, dez. 1999. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S010173301999000300013>. Acesso em: 20 dez. 2015.

LIBÂNEO, José Carlos. (Org.) Profissionais de educação infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2015.

MACEDO, Elizabeth. “A base é a base”. E o currículo o que é? In: AGUIAR, Márcia Ângela da Siva; DOURADO, Luiz Fernandes. (Orgs.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018, p.28-33.

NÓVOA, Antônio. Para o estudo sócio-histórico da gênese e desenvolvimento da profissão docente. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 4, p. 109-139, 2005.

NÓVOA, Antônio. A importância de rever a formação dos professores(as). Revista Educação, n. 154, fev. 2010. Disponível em: < http://www.inclusive.org.br/?p=13881>. Acesso em: 15 jun. 2015.

NÓVOA, Antônio. Professores(as): imagens do futuro presente. Lisboa, Pt: Educa, 2010.

OLIVEIRA, Zilma de Moraes Ramos de. Currículo na educação infantil: dos conceitos teóricos à prática pedagógica. In: SANTOS, Marlene Oliveira dos; RIBEIRO, Maria Izabel Souza (Orgs.). Educação infantil: os desafios estão postos e o que estamos fazendo? Salvador: Sooffset, 2014.

OLIVEIRA, Zilma de Moraes Ramos de. Formação e profissionalização de professores(as) da educação infantil. Revista acadêmica de Educação do ISE Vera Cruz, v. 2, n. 2, 2012. Disponível em: <http://site.veracruz.edu.br/instituto/revistaveras/index.php/revistaveras/article/view/102/86>. Acesso em: 24 fev. 2018.

OLIVEIRA‐FORMOSINHO, Júlia. (Coord.). Educação pré-escolar: a construção social da moralidade. Lisboa: Texto Editora, 1998.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia; KISHIMOTO, Tizuko Morchida. A supervisão pedagógica da formação inicial de professores no âmbito de uma comunidade de prática. Infância e Educação: Investigação e Práticas, Lisboa, n. 4, p. 42-68, set. 2002.

Associação Criança: um contexto de formação em contexto.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia. FORMOSINHO, João. Associação Criança: um contexto de formação em contexto.: Livraria do Minho, Braga, 2001

PIMENTA, Selma Garrido. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, S. G. (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999.

PIMENTA, Selma Garrido. A pesquisa em didática (1996 – 1999). In: CANDAU, Vera Maria et al. (Org.). Didática, currículo e saberes escolares. Rio de janeiro. DP&A Editora. 2000.

RIBEIRO, Luís Távora Furtado; RIBEIRO, Marco Aurélio de Patrício. Temas educacionais: coletânea de artigos. Fortaleza: Edições UFC, 2010. (Coleção Diálogos Intempestivos, 80).

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002

Downloads

Publicado

2022-06-10

Como Citar

LIRA, Rejane Maria de Araújo; DIAS, Adelaide Alves. Formação e profissionalização de professores(as) da educação infantil. Debates em Educação, [S. l.], v. 14, n. Esp, p. 332–352, 2022. DOI: 10.28998/2175-6600.2022v14nEspp332-352. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12690. Acesso em: 23 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Educação Infantil e currículo(s):culturas, docência e formação em debate

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

<< < 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.