Educação do campo

movimento e resistência

Autores

  • Diana da Silva Ribeiro Universidade Federal do Amazonas- UFAM
  • Eulina Maria Leite Nogueira Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2023v15n37pe15262

Palavras-chave:

Movimentos sociais, Conquistas sociais, Marcos regulatórios, Educação do Campo, Resistência

Resumo

Este trabalho de cunho bibliográfico, é resultado de pesquisas realizadas durante o curso de Mestrado em Ensino de Ciências e Humanidades, do Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente- Universidade Federal do Amazonas. A temática foi desenvolvida com o objetivo de discutir sobre a educaçação do campo no Brasil, fazendo um movimento dinâmico e dialético do pensamento. Durante as análises, foi utilizada a abordagem qualitativa da pesquisa bibliográfica levantada. Os resultados apontam que esta educação é tecida por muitas lutas, conflitos, mas também pela força das identidades camponesas que resistem, buscando formas de sua emancipação, se contrapondo ao modelo de educação sustentado pelo capital, para criar a sustentabilidade no campo, cujas lutas ocasionaram em marcos normativos para propor uma educação do campo. Durante séculos, predominou um modelo de educação bancária e autoritária, servindo para manter a ordem vigente, Contudo, quando esses modelos passam a ser questionados, novas propostas vão surgindo, vai se reafirmando um movimento de resistência em busca da transformação. Em meio a realidade vivenciada pelos povos do campo, negação do seu direito a educação, surge um conjunto de ações apoiadas por movimentos sociais e pelos sujeitos sociais, que permeiam a atualidade, com novos enfrentamentos mediante o neoliberalismo e políticas de retrocesso dos marcos normativos já conquistados. Esta educação elaborada a partir dos anseios, das lutas, para pensar o local, a cultura, a linguagem campesina, e contribuir para afirmação identitária dos povos do campo é denominada educação do campo, oposta ao paradigma da educação rural, com a dinâmica de movimento e resistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diana da Silva Ribeiro, Universidade Federal do Amazonas- UFAM

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal do Amazonas- PPGE. Mestra em Ensino de Ciências e Humanidades pela Universidade Federal do Amazonas- UFAM. Especialista em Libras com ênfase em Educação Inclusiva. Licenciada em História. 

Eulina Maria Leite Nogueira, Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Possui graduação em Licenciatura em Estudos Sociais pela Universidade Federal do Amazonas, graduação em História pela Universidade Federal do Amazonas, graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Amazonas, Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Amazonas e Doutorado em Educação (Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal do Amazonas, possui experiência na Educação, com ênfase nas seguintes área: Formação de Professores, Políticas Públicas, Educação do Campo, Educação Indígena e Diversidade Cultural. Credenciada no Programa de Pós-Graduação Mestrado em Ensino: Ciências e Humanidades.

Referências

ARROYO, Miguel Gonzalez. Políticas de formação de Educadores (as) do campo. Cad. CEDES 27 (72). Ago. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ccedes/a/jL4tKcDNvCggFcg6sLYJhwG/?lang=pt. Acesso em 12 de abr. de 2022.

ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA, Mônica Castagna. Por uma educação do campo. 5 ed.-Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues; FAGUNDES, Maurício Cesar Vitória. Cultura popular e educação popular: expressões da proposta freireana para um sistema de educação. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 61, p. 89-106, jul./set. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/KmYHVqgFMPBfJTjXsRjFFvc/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 16 de Out. de 2021.

BORGES, Guilherme Martins Teixeira; CARNEIRO, Maria Esperança Fernandes.O Programa Nacional da Educação na Reforma Agrária- PRONERA em “desmonte”: 20 anos de lutas e conquistas ameaçados pelo elitismo fundiário no cenário de 2016 a 2020. Tocantinópolis, Brasil. Revista brasileira de educação do campo V.5. 2020. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/campo/article/view/10501/17992 Acesso em 10 de out. de 2021.

CALDART, Roseli Salete. Pedagogia do Movimento Sem Terra: escola é mais do que escola. Petrópolis, RJ : Vozes, 2000.

COLESEL, Alessandra; LIMA, Michelle Fernandes de. O movimento da educação popular nas décadas de 1950 e 1960. Universidade Estadual do Centro Oeste: UNICENTRO, 2010. Disponível em: https://anais.unicentro.br/seped/2010/pdf/resumo_131.pdf. Acesso em 16 de Out. de 2021.

DECRETO Nº 7.352, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária – PRONERA. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/marco-2012-pdf/10199-8- decreto-7352-de4-de- novembro-de-2010/file. Acesso em: 17 de jun. de 2019.

FAUSTO, Boris. História do Brasil. História do Brasil cobre um período de mais de quinhentos anos, desde as raízes da colonização portuguesa até nossos dias. EDUSP, 1996.

FERNANDES, Bernardo Mançano. Capítulo IV: Diretrizes de uma caminhada. In: Arroyo et.al. Por uma educação do campo. 5.ed.- Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

FRANCO, Zilda Glaucia Elias. Um olhar sobre as escolas localizadas no campo do Município de Humaitá (Sul do Amazonas): em busca da justiça curricular. Tese de doutorado em educação. Pontíficia Universidade Católica de São Paulo, 2018. PUC- SP.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 1987. Editora Paz e Terra, 1987.

IVASHITA, Simone Burioli. Pesquisas sobre educação rural nos periódicos especializada (1997-2019). In: CHALOBA et. al. História e Memória da Educação Rural no Século XX. 1.ed. –São Paulo: Cultura Acadêmica, 2020.

LEI Nº 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm> Acesso em 17 de jun. de 2019.

LEI 12.695, de 25 de julho de 2012. Dispõe sobre o apoio técnico ou financeiro da União no âmbito do Plano de Ações Articuladas. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12695.htm#:~:text=Disp%C3%B5e%20sobre%20o%20apoio%20t%C3%A9cnico,11.494%2C%20de%2020%20de%20junho. Acesso em 13 de abr. de 2022.

LEI Nº 11.947, DE 16 DE JUNHO DE 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l11947.htm. Acesso em 13 de abr. de 2022.

MACIEL, C. E.; PIATTI, C. B.; SOUZA, G. da R. Inclusão, educação superior e educação do/no campo: o PRONERA no contexto do capital. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 24, n. esp2, p. 1068–1092, 2020. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/14332. Acesso em: 16 out. 2021.

MANACORDA, Mario Alighiero. Marx e a pedagogia moderna. Campinas, SP: Editora Alínea, 2007.

MOSER, Lilian Maria. Formação de capital social e o ideário do desenvolvimento sustentável no mundo rural rondoniense: a organização dos sistemas alternativos dos produtores de Ouro Preto D'Oeste - RO. 2006. 162 f. Tese (Doutorado em Ciências: Desenvolvimento Socioambiental) - Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém, 2006. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/11358 Acesso em 12 de abr. de 2022.

PARECER CNE/CEB nº 36/2001. Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Disponível em: https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_PAR_CNECEBN362001.pdf?query=escolas%20do%20campo Acesso em 13 de abr. de 2022.

PARECER CNE/CEB nº 1/2006. Dias letivos para a aplicação da Pedagogia de Alternância nos Centros Familiares de Formação por Alternância (CEFFA). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/escola-de-gestores-da-educacao-basica/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/12741-ceb-2006. Acesso em 13 de abr. de 2022.

PARECER CNE/CEB nº 3/2008. Reexame do Parecer CNE/CEB nº 23/2007, que trata da consulta referente às orientações para o atendimento da Educação do Campo. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/escola-de-gestores-da-educacao-basica/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/12743-ceb-2008. Acesso em 13 de abr. de 2022.

SANTOS, Marilene. Educação do Campo no Plano Nacional de Educação: tensões entre a garantia e a negação do direito à educação. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.26, n. 98, p. 185-212, jan./mar. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ensaio/a/QZR6mRFKcL7NLtLVr3DhQhb/?format=pdf&lang=pt Acesso em 16 de Out. de 2021.

SOUZA, Nelson Mello e. Modernidade Desacertos de um Conseso. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1994.

SOUZA, Maria Antônia de. Educação do campo: políticas, práticas pedagógicas e produção científica. Educ. Soc., Campinas, vol. 29, n. 105, p. 1089-1111, set./dez. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/6S89N7H4cTJRZTbnvykF5rt/?lang=pt&format=pdf> Acesso em 16 de Out. de 2021.

Downloads

Publicado

2023-06-05

Como Citar

RIBEIRO, Diana da Silva; NOGUEIRA, Eulina Maria Leite. Educação do campo: movimento e resistência. Debates em Educação, [S. l.], v. 15, n. 37, p. e15262, 2023. DOI: 10.28998/2175-6600.2023v15n37pe15262. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/15262. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

<< < 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.