Mapeamento Stricto Sensu sobre as questões étnico-racias e a formação de professores de história

Autores

  • Rusiane da Silva Torres Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN)
  • Sandra Maria Campos Alves Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN)

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2023v15n37pe16738

Palavras-chave:

Estado do conhecimento, Licenciatura em História, Educação antirracista

Resumo

Esta pesquisa do tipo estado do conhecimento foi realizada com a finalidade de mapear estudos acadêmicos que discutem acerca da cultura africana e afro-brasileira nos cursos de licenciatura em História. O estudo foi desenvolvido com dados primários obtidos através do Banco de Teses e Dissertações da CAPES. A metodologia adotada no artigo consistiu na análise qualitativa, por meio de uma pesquisa de revisão bibliográfica sobre o tema de estudo. Como resultado, vimos a predominância de um currículo pautado no eurocêntrico nos cursos de formação inicial de professores de História. As culturas africanas e afro-brasileiras aparecem de forma secundária nos currículos dos cursos de licenciatura em História.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rusiane da Silva Torres, Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN)

Graduada em Licenciatura em História pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Mestre em Ensino pelo Programa de Pós-graduação em Ensino (POSENSINO), da associação UERN/UFERSA/IFRN. Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Ensino da Rede Nordeste de Ensino (RENOEN), polo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN). Bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Sandra Maria Campos Alves, Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN)

Possui graduação em Engenharia Agronômica pela ESAM atual UFERSA/RN, Mestrado em Fitotecnia/Agroecologia pela UFRRJ/RJ, Doutorado pela Universidade de São Paulo (USP) e Pos Doc pela Universidade de Adelaide, Austrália. Atualmente é servidora pública do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN). Tem atuação nos cursos de Pós graduação em Educação Profissional (PROFept) e Rede Nordeste de Ensino (RENOEN). Atua nas áreas de Educação Profissional, Educação do Campo, politicas publicas, Relacoes etnico raciais, Tecnologia social, Agroecologia, Economia Solidária, Gestão de resíduos e Saneamento ambiental.

Referências

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental temas transversais. Brasília, DF: MEC: SEF, 1997. 436 p

BRASIL, Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 1 fev. 2023.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília, DF: [MEC], 2004. Disponível em: http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wpcontent/uploads/2012/ 10/DCN-sEducacao-das-Relacoes-Etnico-Raciais.pdf. Acesso em: 5 abr. 2023.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site_110518.pdf Acesso em 02 jun. 2023

CANDAU, V. M. Multiculturalismo e educação: desafios para a prática pedagógica. In: MOREIRA, A. F.; CANDAU, V. M. (org.). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. p. 13-37.

CARVALHO, L. P. História e cultura afro-brasileira e indígena nos projetos pedagógicos dos cursos de licenciatura em História das IES públicas de Minas Gerais. 2020. 120 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Uberaba, Uberlândia, 2020. Disponível em: https://repositorio.uniube.br/bitstream/123456789/1422/1/Leandra%20Paulista%20de%20Carvalho.pdf Acesso em: 17 maio. 2023

CEREZER, O. M. Diretrizes curriculares para o ensino de história e cultura afro-brasileira e indígena: implementação e impactos na formação, saberes e práticas de professores de História iniciantes (Mato Grosso, Brasil). 2015. 327 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/13687/1/DiretrizesCurricularesEnsinoHistoria.pdf Acesso em 18 maio. 2023

DIALLO, C. S. História da África e cultura afro-brasileira no Ensino Superior Público: análises sobre currículos e disciplinas dos cursos de licenciatura em História em Mato Grosso do Sul (2003-2016). 2017. 347 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal da Grande, Dourados, 2017. Disponível em: Acesso em 20 maio. 2023.

DIENSTMANN, G. Branquitude e Racismo nos Cursos de Graduação e Pós-graduação em História – construindo diálogos a partir do caso da UFRGS. 2023, 486 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2023. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/258062/001168450.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso em 20 maio. 2023.

FERREIRA, N. S. A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, São Paulo, ano 23, n. 79, p. 257-272, ago. 2002.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

MARQUES, T. S. Branquitude e formação de professores de História: narrativas e representações de docentes em universidades do Rio Grande do Sul. Dissertação (Mestrado) -Universidade Luterana do Brasil, Programa de Pós-Graduação em Educação, Canoas, BR-RS, 2022. Disponível em: https://servicos.ulbra.br/BIBLIO/PPGEDUM330.pdf. Acesso em: 18 maio. 2023.

MOROSINI, M. C; FERNANDES, C. Estado do Conhecimento: conceitos, finalidades e interlocuções. Educação Por Escrito, Porto Alegre, v. 5, n. 2, p. 154-164, jul.- dez. 2014.

MUNANGA, K. Educação e diversidade étnico-cultural: a importância da história do negro e da África no sistema educativo brasileiro. In: MÜLLER, T. M. P.; COELHO, W. N. B. (org.). Relações étnico-raciais e diversidade. Niterói: Editora da UFF, 2013. p. 21-34.

ROMANOWSKI, J. P.; ENS, R. T. As pesquisas denominadas do tipo “Estado da Arte”. Diálogos Educacionais, Paraná, v. 6, n. 6, p. 37-50, 2006. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=189116275004. Acesso em: 10 abr. 2023.

TORRES, R. S.; CARVALHO, G. P. O Ensino Religioso e as religiões afro-brasileiras: percepções de professores/as da Educação Básica. Identidade!, São Leopoldo, v. 25 n. 2, p. 27-41, jul.- dez. 2020.

VIEIRA, R. A.; MACIEL, L. S. B. Fonte investigadora em Educação: registros do banco de teses da CAPES. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.33, n.2, p. 353-367, maio/ago. 2007.

Downloads

Publicado

2023-12-20

Como Citar

TORRES, Rusiane da Silva; ALVES, Sandra Maria Campos. Mapeamento Stricto Sensu sobre as questões étnico-racias e a formação de professores de história. Debates em Educação, [S. l.], v. 15, n. 37, p. e16738, 2023. DOI: 10.28998/2175-6600.2023v15n37pe16738. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/16738. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Políticas Educacionais na América Latina: retrocessos e perspectivas

Artigos Semelhantes

<< < 87 88 89 90 91 92 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.