https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/issue/feed Debates em Educação 2021-12-22T09:01:41-03:00 Inalda Maria dos Santos debatesemeducacao@gmail.com Open Journal Systems Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/13204 Expediente 2021-12-22T08:56:21-03:00 Inalda Maria dos Santos inaldasantos@uol.com.br <p>Revista Debates em Educação | v. 13, n. 33, Set./Dez. | ano 2021</p> <p>Dossiê "Educação infantil e currículos: cultura, docência e formação em debate" (primeira parte)</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/13203 Apresentação - Dossiê "Educação infantil e currículos: cultura, docência e formação em debate" (primeira parte) 2021-12-22T08:31:39-03:00 Cleriston Izidro dos Anjos cianjos@yahoo.com.br Rodrigo Saballa de Carvalho rsaballa@terra.com.br <p>O dossiê intitulado “Educação Infantil e Currículo(s): cultura(s), docência e formação em debate – primeira parte - tem como objetivo contribuir com o debate sobre currículos na educação das infâncias de 0 a 5 anos e 11 meses de idade, reunindo pesquisas, reflexões, preocupações e questionamentos de pesquisadores e pesquisadoras, implicados com a discussão em pauta. A primeira parte, intitulada “Educação Infantil e currículo(s): desafios, problematizações e propostas no tempo presente” é um convite para que as reflexões, problematizações e proposições compartilhadas nos artigos do dossiê, possam funcionar como promotoras do exercício do pensamento docente e de subsídio para construção de modos mais acolhedores, inclusivos e democráticos de construção do(s) currículo(s) da Educação Infantil brasileira. Foi organizado pelo Prof. Dr. Cleriston Izidro dos Anjos (UFAL) e pelo Prof. Dr. Rodrigo Saballa de Carvalho (UFRGS).</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12694 BNCC para a educação infantil e a urgência de resistências 2021-08-02T18:14:41-03:00 Solange Estanislau dos Santos solestani13@yahoo.com.br Elina Elias de Macedo elinamac@gmail.com <p>Este ensaio teórico tem como objetivo problematizar a ideia de uma Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para a educação infantil e a paradoxal proposta universal e homogeneizadora que visa a “construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva”. Ao longo do texto problematizamos as palavras/conceitos que compõem esse documento, dissecando criticamente o que pretensamente denominam de BASE – NACIONAL - COMUM – CURRICULAR. Apontamos para as armadilhas de um currículo universal e a relevância de análises interseccionais que considerem os marcadores de diferenças como etnia, idade, gênero e classe social. Em seguida, abordamos alguns aspectos das políticas públicas neoliberais que defendem iniciativas privatistas e competitivas e colocam a educação como mercadoria e alvo de empresários. Finalizamos indicando elementos de uma Pedagogia emancipatória desde o nascimento que promova resistências e lutas pela equidade e transformação social.</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12640 Base Nacional Comum Curricular e Educação Infantil 2021-11-08T11:07:02-03:00 Bianca Salazar Guizzo bianca.guizzo@gmail.com Vanessa da Silva Almeida psicovanessaalmeida@gmail.com <p>Este artigo insere-se no conjunto de estudos que discutem documentos curriculares voltados para a Educação Infantil, tendo como objetivo discutir as representações de infâncias e crianças propagadas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Tomando como referencial teórico-metodológico os Estudos Culturais em Educação, de viés pós-estruturalista, empreendeu-se uma análise cultural da parte específica da BNCC sobre Educação Infantil, dialogando com os conceitos de representação, identidade e currículo. Analiticamente operou-se com dois eixos: 1) Crianças protagonistas e 2) Crianças ocultadas na BNCC? Os resultados apontaram que há a reiteração de uma representação de criança ideal que experimenta, brinca e que tem seu desenvolvimento incentivado. Porém, ao mesmo tempo, praticamente não são evidenciadas representações de crianças que escapam a este ideal.</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12639 Educação infantil pós-BNCC e a produção do neossujeito docente em documentos curriculares municipais 2021-09-06T23:48:06-03:00 Rodrigo Saballa de Carvalho rsaballa@terra.com.br Gertrudes Angélica Vargas Bernardo gelbernardo@hotmail.com Amanda de Oliveira Lopes hamandaol.lopes@gmail.com <p>A partir dos estudos de currículo e dos estudos de Michel Foucault, o artigo objetiva analisar a produção discursiva sobre a docência veiculada em documentos curriculares de Educação Infantil das cidades de Fortaleza, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Florianópolis, os quais foram elaborados após a homologação da BNCC (MEC, 2017). Mediante a análise do discurso, são evidenciadas táticas discursivas presentes nos textos que, ao instituírem práticas pautadas por uma racionalidade neoliberal, operam na constituição do neossujeito docente. Com base nas análises, é possível inferir que os documentos curriculares ratificam as orientações constantes na Base, prescrevem modos de atuação profissional e secundarizam a autoria docente.</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12674 Mulheres Manauaras, Pomeranas, de comunidade de terreiro e a diversidade linguística 2021-08-17T12:25:58-03:00 Vanderlete Pereira da Silva vanderletesilva@yahoo.com.br Mariana Semião de Lima marisemi@hotmail.com Rosali Rauta Siller rauta13@gmail.com <p>Como propor uma Base Nacional Comum Curricular (BNCC) na Educação Infantil, num país com 274 diferentes línguas faladas? Este texto tem como objetivo analisar o texto da BNCC na etapa da Educação Infantil para problematizar o lugar atribuído às línguas e saberes ancestrais das crianças pomeranas, manauaras e de comunidades de terreiro. Destacamos a responsabilidade assumida por essas mulheres na educação de seus/as filhos e filhas pequenos/as. Questionamos a imposição de um currículo universal, homogêneo, fortemente excludente, em relação às diferenças linguísticas, de idade, raça/etnia, gênero, classe, religião e sexualidade. Sinalizamos possibilidades de contribuir para a construção de uma educação decolonial na perspectiva da interculturalidade crítica desde a educação infantil.</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12698 Educação infantil e currículo 2021-09-11T17:12:42-03:00 Ivone Barbosa ivonegbarbosa.ufg@gmail.com Telma Aparecida Teles Martins Silveira teles.telma@gmail.com Marcos Antônio Soares marcossoares@ufg.br <p>Este texto parte do debate sobre a obrigatoriedade da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) no Brasil, cotejando aspectos sociopolíticos e culturais presentes no cenário brasileiro. Buscou-se construir uma versão curricular em uma perspectiva dialética de educação infantil, inspirada em conceitos e produções marxistas. A questão é: no modelo proposto pela BNCC, haverá espaço para o entusiasmo da cultura e da alegria da criança na Educação Infantil? A metodologia investigativa abrange leitura analítica de documentos, livros e artigos sobre a operacionalização dos diferentes aspectos da BNCC durante o período pandêmico. Aprofunda-se a reflexão sobre os processos contraditórios e as consequências geradas pela “implementação” da BNCC no trabalho docente e na formação cultural de crianças de até seis anos.</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12757 As condições de emergência das diretrizes curriculares de campinas para a educação infantil 2021-09-07T17:47:35-03:00 Maísa Ferreira maisaf93@gmail.com Mário Luiz Ferrari Nunes mario.nunes@fef.unicamp.br <p>Apresentamos um panorama das condições de emergência das Diretrizes Curriculares para a Educação Infantil de Campinas. Para tanto, tomamos como ferramenta metodológica a análise pós-estrutural de currículo, proposta por Cherryholmes (1993). Como resultado, percebemos que a fim de regular os modos de ser das crianças, diversos agentes governamentais criam ações políticas para capturar seus corpos. Destacamos os embates das relações público-privadas ao nos deparamos com as Naves-Mãe e, também, observamos que o documento estudado, bem como todo o seu processo de criação, é produzido a partir de uma força de oposição aos projetos privatizantes.</p> <p> </p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12665 Um referencial curricular para as crianças dos 3 aos 6 anos 2021-08-02T18:18:56-03:00 Maria Joao Cardona mjoao.cardona@ese.ipsantarem.pt <p>As atuais Orientações Curriculares para a Educação pré-escolar (crianças dos 3 aos 6 anos) foram definidas pelo Ministério da Educação em 2016, depois de um processo muito participado que envolveu profissionais de educação de infância de todo o país, assim como docentes de instituições de ensino superior que formam educadores e desenvolvem pesquisas na área da educação e formação para as primeiras idades. Neste artigo, partindo de uma reflexão do percurso anterior a 2016, que antecedeu a definição destas orientações, serão analisados testemunhos de algumas profissionais, formadoras e pesquisadoras, ligadas à educação de infância, duas delas autoras do documento. Pretende-se compreender a influência destas Orientações, analisando as inovações que implicaram relativamente ao anterior referencial curricular. Será feita uma análise mais detalhada do que está previsto para a área de conteúdo da “Formação pessoal e social” e como estas orientações se articulam com o referencial nacional que foi definido para todo o sistema educativo a nível da “Educação para a cidadania”.</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12976 Pesquisas sobre políticas curriculares para a educação infantil 2021-09-03T01:36:56-03:00 Ademilson Soares pacosoares65@gmail.com <p>O artigo aborda pesquisas sobre políticas curriculares para a Educação Infantil e aponta desafios epistemológicos que emergem no contexto da aprovação em 2017 da Base Nacional Comum Curricular – BNCC. O texto é de natureza teórico-bibliográfica e parte da base de dados produzida por Soares (2020) para identificar as pesquisas sobre currículo para a Educação Infantil. De 1991 trabalhos catalogados somente 22 estudos versam sobre currículo, ou seja, apenas 1,1% do total da produção. O grande desafio é ampliar e aprofundar pesquisas sobre as políticas curriculares, fortalecendo a ação daqueles que atuam no campo da Educação Infantil no contexto de implementação da BNCC. Nesse sentido, Apple (2001; 2006), Hall (2003; 2006) e Ball (2004; 2006) surgem como referências imprescindíveis.</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12623 O currículo como antecipação da história da criança 2021-09-07T09:51:18-03:00 Armando Marino Filho armando.marino@ufms.br Suely Amaral Mello suemello02@gmail.com Cassiana Magalhães cassiana@uel.br <p>Este artigo discute a divergência educação infantil/escolarização. Fundamentado na Teoria Histórico-Cultural, aponta a especificidade do desenvolvimento na infância. Destaca o desenvolvimento afetivo e emocional em contradição com o ensino escolarizado pautado no disciplinamento. Aponta implicações dessa contradição para a formação de sentidos no desenvolvimento da personalidade e indica que apressar a aquisição de conhecimentos é contraproducente e prejudicial para a futura atividade de estudo, pois, sob disciplinamento, a criança constrói um sentido de escola negativo. Defende que a criança aprende quando sujeito na criação de modos de ser particulares e coletivos e afirma o papel do valor afetivo positivo em relação ao conhecimento como meio de realização da personalidade.</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12775 Currículo e infância 2021-08-20T18:11:58-03:00 Marcia Aparecida Gobbi mgobbi@usp.br Claudia Valentina Assumpção Galian claudiavalentina@usp.br Thais Monteiro Ciardella thaisciardella@gmail.com <p>Este artigo trata da percepção de crianças sobre o currículo, notadamente quando se referem à sua passagem pela educação infantil. A análise é delineada segundo dois movimentos: refletir sobre propostas curriculares construídas <em>para</em> as crianças e apresentar experiências e pesquisa em que o desenho foi eleito como recurso metodológico para conhecer suas percepções sobre a passagem da Educação Infantil ao Ensino Fundamental. Nas reflexões desenvolvidas salienta-se o potencial das crianças, desde bebês, para criar e transformar espaços e práticas centradas na lógica dos adultos, construindo sentidos para o que vivem na escola e fora dela. Ademais, enfatiza-se a importância de considerar suas perspectivas para efetivamente se caminhar no sentido de um currículo construído <em>com</em> as crianças.</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12656 A participação das crianças na elaboração e efetivação dos currículos na educação infantil 2021-09-06T23:17:29-03:00 Ilaine Inês Both laineines@ufam.edu.br Michelle de Freitas Bissoli mibissoli@ufam.edu.br Aline de Andrade Barroso Moraes alinejanell7@gmail.com <p>O texto tem por objetivo refletir sobre a elaboração e efetivação de currículos na Educação Infantil. Discute resultados de pesquisa realizada em uma escola municipal de Manaus, que investigou o trabalho educativo de professoras da pré-escola. Os instrumentos metodológicos incluíram a pesquisa participativa e entrevistas com crianças de quatro e cinco anos de idade. Os registros foram feitos em caderno de campo, gravação em áudio e vídeo e compuseram os dados analisados com o auxílio da Teoria Histórico-Cultural e da Pedagogia Histórico-Crítica. O estudo revelou a necessidade de transformar práticas pedagógicas a fim de organizar um currículo que propicie maior participação das crianças e contribua para a formação humanizadora de todos os sujeitos da Educação Infantil.</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12662 Entre limites e possibilidades 2021-08-19T19:44:30-03:00 Rafaely Karolynne do Nascimento Campos rafakarolynne@yahoo.com.br Tacyana Karla Gomes Ramos tacyanaramos@gmail.com <p>O presente artigo propõe-se a problematizar a intencionalidade pedagógica, imprescindível nas práticas cotidianas com crianças em contextos educativos, como forma de efetivar a participação infantil nas práticas que lhes são dirigidas, numa perspectiva de garantia dos direitos das crianças em contextos de vida coletiva. Participaram da pesquisa um grupo de 17 crianças com idade de três e quatro anos e sua professora, integrantes de uma escola pública de Educação Infantil da cidade de Aracaju/SE. Foram utilizados os procedimentos metodológicos da pesquisa etnográfica: observação participante com anotações em diário de campo e gravações em vídeo. Os dados produzidos revelam que a concretização dos princípios de participação pressupõe que os adultos sejam capazes de possibilitar formas de participação ativa das crianças nas ações pedagógicas que lhes são dirigidas.</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12570 Entre paredes, jardins, solários e salas de atividades: há bebês e crianças por aqui! 2021-06-28T22:48:14-03:00 Jader Janer Moreira Lopes jjanergeo@gmail.com Silvia Helena Valentim silvia.valentim@gmail.com Thiago Bogossian tb00708@surrey.ac.uk <p>A produção da modernidade ocidental, fruto de movimentos coloniais iniciados em fins do século XV, foi marcada por um conjunto de ações que desenhariam as relações geopolíticas do mundo contemporâneo. O domínio das relações territoriais e econômicas foi acompanhado de outros processos, muitas vezes negligenciados e esquecidos, como a colonização dos saberes, das rotinas, a institucionalização da vida e outros, que se convergiram na própria colonialidade do ser. Nesse movimento, a dimensão espacial foi uma das facetas fundamentais. Com o objetivo de trazer reflexões que envolvem as relações das infâncias com o espaço institucionalizado, buscamos, com este artigo, contribuir com os debates que envolvem as questões curriculares para a Educação Infantil.</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12653 Planejamento narrativo na educação infantil 2021-09-06T23:30:32-03:00 Marlene Oliveira dos Santos dossantos.ufba@gmail.com <p>O objetivo deste artigo é engendrar diálogos sobre planejamento narrativo na Educação Infantil, evidenciando novos significados para o ato de planejar. Do ponto de vista teórico-metodológico, desenvolveu-se um estudo exploratório de caráter bibliográfico situado na abordagem qualitativa de pesquisa, que consistiu em reflexões sobre planejamento na Educação Infantil, a partir dos estudos de Ostetto (2000), Corsino (2009) e Fochi (2015), e no fomento de discussões sobre o planejamento narrativo. Conclui-se que o planejamento narrativo se apresenta como uma possibilidade de ser guia para o trabalho pedagógico e de ser, concomitantemente, um (con)texto para a formação, a atualização do currículo, o estudo e a pesquisa sobre experiências do docente e das crianças na Educação Infantil.</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12684 A brincadeira como princípio da prática pedagógica na educação infantil 2021-11-08T11:19:32-03:00 Suzana Marcolino marcolino.suzana@gmail.com Maria Walburga dos Santos walburgaufscar@gmail.com <p>Este artigo visibiliza a temática currículo nas creches e pré-escolas brasileiras, tendo como referência as proposições da Resolução CNE/CEB n. 5, de 17 de dezembro de 2009, e as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (DCNEIs). Metodologicamente, exploramos ideias e conteúdos advindos de levantamento realizado via questionário a respeito do brincar antes e no período que as escolas estiveram fechadas devido a pandemia da COVID-19, respondido por docentes participantes de cursos de formação continuada e atualização oferecidos por duas universidades federais, buscando tanto conhecer quanto comunicar repertórios e criações em torno do brincar e da docência, como também identificar e problematizar desafios e contribuições que circunscrevem as práticas atuais, atentando aos marcadores da diferença.</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12622 Processos criativos em dança na educação infantil e metodologias participativas de pesquisa com crianças 2021-09-07T09:59:01-03:00 Milene Braga Goettems milenebra@uol.com.br Patrícia Dias Prado patprado@usp.br <p>Ao investigar os processos criativos em dança no contexto da Educação Infantil, na construção de uma Pedagogia da infância que defenda o direito à educação e às artes, aos territórios sensíveis e estéticos de crianças pequenas e professoras/es, negando a escolarização precoce, e os tempos e espaços do capital, este artigo apresenta e analisa propostas dançantes através de metodologias participativas em dança com crianças, em uma Escola Municipal de Educação Infantil paulistana. As propostas, que buscaram experiências de movimentos e gestualidades, foram prontamente acessadas pelas crianças de forma investigativa e inventiva, provocando novos processos criativos, exibindo formas de resistência aos padrões impostos e distintas referências de tempo e de espaço às infâncias e a sua educação pela dança.</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12549 Diversidades culturais, deficiências e inclusão 2021-08-04T22:47:42-03:00 Marcos Cezar de Freitas marcos.cezar@unifesp.br <p>O tema do artigo diz respeito aos saberes de fundo com os quais docentes da Educação Infantil de São Paulo têm respondido à Educação Inclusiva. O objetivo consiste em demonstrar que na intersecção entre diversidades culturais e deficiências revelou-se grande potência curricular nos modos exemplares de responder à presença de crianças migrantes estrangeiras com deficiência. Metodologicamente foram utilizadas cenas registradas em cadernos de campo, anotadas em pesquisas etnográficas de um amplo programa de pesquisa. As cenas foram analisadas com base na antropologia educacional de Roy P. McDermott e Hervé Varenne. Os resultados possibilitaram concluir que a docência com crianças pequenas expressa um currículo praticado com potencial para fortalecer a Inclusão em toda Educação Básica. </p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12686 Educação infantil, currículo e cidade 2021-08-17T12:21:19-03:00 Tulio Campos tulio.camposcp@gmail.com Levindo Diniz Carvalho levindodinizc@gmail.com Mônica Correia Baptista monicacb.ufmg@gmail.com <p>Este artigo analisa experiências de crianças e adultos, de uma instituição pública de Educação Infantil, em visitas a espaços culturais da cidade de Belo Horizonte, buscando compreender como as crianças significam a experiência urbana em deslocamentos para a visita a um museu e a um mercado público. Debate-se o direito das crianças à cidade, nas suas dimensões de mobilidade e apropriação, ao mesmo tempo em que se analisam os processos educativos vivenciados em espaços e equipamentos públicos e suas possíveis relações com o currículo. Sustentado pelos estudos da infância e pela produção teórica sobre currículo na Educação Infantil, o trabalho vai ao encontro dos debates acerca da compreensão da cidade e dos equipamentos públicos como <em>lócus</em> de educação da criança pequena.</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12671 Afinal, o que querem os bebês? 2021-08-11T12:16:15-03:00 Gabriela Tebet gabigt@unicamp.br Anete Abramowicz aneteabramo@gmail.com <p>Este artigo visa discutir o bebê como categoria analítica a partir de algumas ideias de Gilles Deleuze sobre a diferença. Utiliza-se o conceito de multidão retomado por Antonio Negri, Michael Hardt e Paolo Virno e as ideias de Fernand Deligny sobre o agir e querer. Do ponto de vista metodológico, propomos a cartografia em um esforço de traçar linhas percorridas pelos bebês e sobre as quais se movimentam. Buscamos também evidenciar as forças as quais buscam atuar sobre eles. Trata-se de um ensaio teórico-conceitual que se produz na intersecção entre a pedagogia, as epistemologias da diferença e a sociologia da infância no sentido de contribuir para a educação e os estudos de bebês na direção da multidão e da multiplicidade.</p> 2021-12-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Debates em Educação