HOMENS E ADOECIMENTOS CRÔNICOS

(RE)PENSANDO AS PRÁTICAS EM SAÚDE

Autores

  • Tatiele Santos dos Reis
  • Adriana Rego Lima Costa

Resumo

A população masculina é considerada a mais vulneráveis às doenças, sobretudo às enfermidades graves e crônicas, morrem mais precocemente em comparação com as mulheres, e acessam os serviços de saúde tardiamente, a construção social da masculinidade exerce forte influência na busca por assistência à saúde. Para analisar tal contexto utilizamos o conceito de “vulnerabilidade em saúde”, dessa forma é possível identificar desde suscetibilidades orgânicas à forma de estruturação de programas de saúde, englobando aspectos comportamentais, culturais, econômicos e políticos, mostrando-se como potente ferramenta para auxiliar a repensar práticas de prevenção e promoção de saúde para essa população específica. A presente pesquisa trata-se de um relato de experiência, ocorrida na Unidade de Clínica Médica de um hospital universitário do Nordeste no período de agosto de 2019 a fevereiro de 2020. A partir de tal experiência foi possível identificar que se faz necessário refletir a saúde da população masculina de forma ampla, visto que, tão fundamental quanto conhecer as causas e determinantes sociais da saúde, é identificar e analisar os sentimentos e reações manifestadas pelos usuários ao se defrontar e vivenciar o adoecimento, assim como apreender quais estratégias de enfrentamento estes desenvolvem para responder às demandas impostas pelo adoecimento.

Referências

AYRES et al. O conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. In: CZERESNIA, D.; FREITAS, C. (org.). Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003. p. 117-139.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_atencao_saude_homem.pdf. Acesso em: 10 ago. 2020.

BURILLE, A.; GERHARDT, T. E. Doenças crônicas, problemas crônicos: encontros e desencontros com os serviços de saúde em itinerários terapêuticos de homens rurais. Saúde Sociedade, São Paulo, v.23, n.2, p.664-676, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000200025. Acesso em: 12 ago. 2020.

CANESQUI, A. M.; BARSAGLINI, R.; MELO, L. P. de. Adoecimentos e sofrimentos de longa duração: contribuições das Ciências Sociais e Humanas em Saúde. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v.23, n.2, fev. 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018232.14782017. Acesso em: 01 ago. 2020

CANESQUI, A. M. Legitimidade e não legitimidade das experiências dos sofrimentos e adoecimentos de longa duração. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v.23, n.2, fev. 2018.

CZERESNIA, D.; MACIEL, E. M. G. de S.; OVIEDO, R. A. M. Os sentidos da saúde e da doença. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013.

DIAS, A. M. et al. Adesão ao regime terapêutico na doença crónica. Revisão da literatura. Millenium-Journal of Education, Technologies, and Health, [s.l.], n.40, p.201‐219, 2016. Disponível em: https://www.ipv.pt/millenium/Millenium40/14.pdf. Acesso em: 10 ago. 2020.

DUARTE, E. C.; BARRETO, S. M. Transição demográfica e epidemiológica: a Epidemiologia e Serviços de Saúde revisita e atualiza o tema. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v.21, n.4, dez. 2012. Disponivel em: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-4974201200040000. Acesso em: 02 ago. 2020.

GOMES, R.; NASCIMENTO, E. F. do; ARAÚJO, F. C. de. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.23, n.3, p.565-574, 2007. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000300015. Acesso em: 03 ago. 2020

IBANEZ, G. et al. Adesão e dificuldades relacionadas ao tratamento medicamentoso em pacientes com depressão. Rev. bras. enferm., Brasília, v.67, n.4, p.556-562, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0034-7167.2014670409. Acesso em: 20 jun. 2020.

SILVA, S. G. da. Masculinidade na história: a construção cultural da diferença entre os sexos. Psicol. cienc. prof., Brasília, v.20, n.3, p.8-15, 2000. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932000000300003. Acesso em: 05 ago. 2020.

Downloads

Publicado

09/09/2021

Como Citar

Reis, T. S. dos, & Costa, A. R. L. . (2021). HOMENS E ADOECIMENTOS CRÔNICOS: (RE)PENSANDO AS PRÁTICAS EM SAÚDE . Gep News, 5(1), 242–250. Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/gepnews/article/view/12906

Edição

Seção

Artigos