PERFIL CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS COM DIAGNÓSTICO ANTENATAL ATENDIDOS EM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE ALAGOAS

Autores

  • Lisiane Vital de Oliveira
  • Camila Radelley Azevedo Costa da Silva
  • Criselle Tenório Santos
  • Lorenna Peixoto Lopes
  • Isabela Karine Rodrigues Agra

Resumo

As malformações congênitas são alterações fetais que ocorrem durante o desenvolvimento embrionário resultando em defeitos estruturais ou morfológicos presentes ao nascimento. Podem ter causas genéticas e/ou ambientais, além de apresentação isolada ou combinada. Atualmente, pouco se sabe sobre o tema em Alagoas, o que dificulta o diagnóstico precoce e a tomada de conduta adequada. Dessa forma, através de estudo exploratório, retrospectivo e abordagem quantitativa, este trabalho teve por objetivo avaliar a prevalência e casuísticas de malformações congênitas no Hospital Universitário em Alagoas. A coleta de dados foi realizada mediante a análise de prontuários eletrônicos e registros de nascimentos, constituindo amostra de 23 casos de malformações no período de janeiro a dezembro de 2019. A idade média das parturientes foi de 24,04 anos e 17,4% (n=4) realizaram pelo menos 6 consultas durante o pré-natal. O maior acometimento foi no sistema nervoso central, associado a fatores maternos e obstétricos, bem como a mães jovens e via de parto cesáreo. A idade gestacional média de nascimento foi 35 semanas e 6 dias e em 11 casos (47,82%) o parto ocorreu prematuramente. Ressalta-se a importância deste estudo como elemento norteador da avaliação epidemiológica atualizada do serviço, capaz de gerar elementos para melhor assistência obstétrica/neonatal.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

DUTRA, L. S. Malformações congênitas e exposição a agrotóxicos disruptores endócrinos em estados brasileiros. 2019. Tese (Doutorado em Saúde Pública) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2019.

FRANCA, E. B. et al. Principais causas da mortalidade na infância no Brasil, em 1990 e 2015: estimativas do estudo de Carga Global de Doença. Rev. bras. epidemiol., São Paulo, v.20, p.46-60, 2017, Supl.1.

NORONHA, L. et al. Estudo das malformações congênitas do aparelho urinário: análise de 6.245 necropsias pediátricas. J. Bras. Patol. Med. Lab., Rio de Janeiro, v.39, n.3, p.237-243, 2003.

PINTO, C. O.; NASCIMENTO, F. L. C. Estudo de prevalência de defeitos congênitos no Vale do Paraíba Paulista. Revista Paulista de Pediatria, [s.l.], v.25, n.3, p.233-239, 2007.

SANTOS, J. C. et al. Prevalência de malformações congênitas em uma maternidade referência para gestação de alto risco na cidade de Aracaju-SE. Ciências Biológicas e de Saúde Unit. Aracaju, v.3, n.3, p.209-220, 2016.

Downloads

Publicado

09/09/2021

Como Citar

Oliveira, L. V. de ., Silva, C. R. A. C. da ., Santos, C. T. ., Lopes, L. P. ., & Agra, I. K. R. . (2021). PERFIL CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS COM DIAGNÓSTICO ANTENATAL ATENDIDOS EM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE ALAGOAS. Gep News, 5(1), 269–272. Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/gepnews/article/view/12911

Edição

Seção

Artigos