ANÁLISE NEONATAL DOS CASOS DE MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS COM DIAGNÓSTICO ANTENATAL ATENDIDOS EM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE ALAGOAS

Autores

  • Camila Radelley Azevedo Costa da Silva
  • Criselle Tenório Santos
  • Lisiane Vital de Oliveira
  • Lorenna Peixoto Lopes
  • Isabela Karine Rodrigues Agra

Resumo

As malformações congênitas são distúrbios na forma, estrutura e/ou função de órgãos, células ou componentes celulares de origem embrionária, presentes no nascimento e podendo surgir em qualquer fase do desenvolvimento embrionário, sendo consideradas a segunda maior causa de mortalidade neonatal. Realizou-se um estudo exploratório, retrospectivo, com abordagem quantitativa realizado no Hospital Universitário em Alagoas, cujo objetivo foi determinar o perfil dos casos de malformações congênitas com diagnóstico antenatal, caracterizando os dados neonatais, classificando as malformações em categorias e correlacionando-as com os desfechos de pior gravidade associados ao óbito perinatal. A coleta de dados foi realizada mediante a análise de prontuários eletrônicos e registros de nascimentos, sendo incluídos recém-nascidos de mães maiores de 18 anos, no período de janeiro a dezembro de 2019, obtendo uma amostra de 23 recém-nascidos, dentre os quais nove tiveram o óbito como desfecho. As anomalias detectadas foram do sistema nervoso, trato geniturinário, faciais e do trato gastrointestinal; sendo essas: gastrosquise, fenda labiopalatina, criptorquidia, ventriculomegalia, meningocele, pé torto congênito e higroma cístico. A compreensão epidemiológica desses dados pode ajudar a melhorar a assistência obstétrica e neonatal dos casos de malformações congênitas no serviço e no estado.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

CALCAGNOTTO, H. et al. Fatores associados à mortalidade em recém-nascidos com gastrosquise. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., Rio de Janeiro, v.35, n.12, p.549-553, 2013.

CASTRO, A. O. Malformações congênitas e fatores maternos de risco associados. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Ciências Biológicas) - Centro de Ciências Exatas e da Natureza, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2019.

MENDES, C. Q. S. et al. Prevalência de nascidos vivos com anomalias congênitas no município de São Paulo. Revista da Sociedade Brasileira de Enfermagem Pediátrica, [s.l.], v.15, n.1, p.7-12, 2015.

SANTOS, J. C. et al. Prevalência de malformações congênitas em uma maternidade referência para gestação de alto risco na cidade de Aracaju-SE. Ciências Biológicas e de Saúde Unit., Aracaju, v.3, n.3, p.209-220, 2016.

SILVA, J. H. et al. Perfil das anomalias congênitas em nascidos vivos de Tangará da Serra, Mato Grosso, 2006-2016. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v.27, n.3, 2018.

Downloads

Publicado

09/09/2021

Como Citar

Silva, C. R. A. C. da ., Santos, C. T. ., Oliveira, L. V. de ., Lopes, L. P. ., & Agra, I. K. R. . (2021). ANÁLISE NEONATAL DOS CASOS DE MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS COM DIAGNÓSTICO ANTENATAL ATENDIDOS EM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE ALAGOAS. Gep News, 5(1), 273–276. Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/gepnews/article/view/12912

Edição

Seção

Artigos