IDENTIFICAÇÃO DE CEPAS DE CANDICA SPP. PRESENTES NA MICROBIOTA DE PREMATUROS POR ESPECTROMETRIA DE MASSA MALDI-TOF MS

Autores

  • Viviane dos Santos Melo
  • Davi Porfirio da Silva
  • Rodrigo José Nunes Calumby
  • Rossana Teotonio de Farias Moreira
  • Márcia de Souza Carvalho Melhem
  • Fernanda Cristina de Albuquerque Maranhão

Resumo

A colonização prévia da microbiota de prematuros é um fator predisponente para a ocorrência de infecção fúngica, condição recorrente no período neonatal. Nesse contexto, esse estudo objetivou identificar espécies de Candida spp de prematuros, não identificadas em meio cromogênico, pela técnica de espectrometria de massa MALDI-TOF MS. Trata-se de estudo experimental realizado em hospital escola da cidade de Maceió - Alagoas. As amostras foram coletadas por meio de swab nas primeiras 12, 48 e 96 horas pós-nascimento e, a partir de então, uma vez por semana até o momento da alta do setor ou óbito do prematuro. As amostras foram semeadas e cultivadas em meio Ágar Saboraud Dextrose com Cloranfenicol e incubadas em estufa a 35ºC por 48 horas. As colônias foram identificadas macro e microscopicamente e, após purificação, foram semeadas em meio cromogênico e, aquelas identificadas como Candida spp., identificadas por espectrometria de massas através da técnica de MALDI-TOF MS. Entre dezembro de 2019 a março de 2020, 19 prematuros compuseram a amostra, desses seis apresentaram-se colonizados (31%), originando 16 isolados do gênero Candida. Desses, 7 (36,8%) originaram-se da microbiota oral e 9 (56,2%) da retal. O primeiro sítio colonizado foi a cavidade bucal (6,2%), ainda nas primeiras 48 horas de vida. A identificação da espécie pelo meio cromogêncio, evidenciou sete espécies (43,7%) de C. albicans e nove de Candida spp (56,25%), as quais foram identificadas pela técnica de MALDI TOF em: C. parapsilosis (5/55,5%), C. albicans (3/33,3%) e C. lusitaniae (1/11,1%). A identificação fenotípica, baseada apenas em meio cromogênico, não é suficiente, para a identificação de espécies, cada vez mais necessária para a orientação de medidas profiláticas e terapêuticas para o controle de infecções relacionadas à assistência à saúde.

Referências

ALHUSSAINI, M. S. Incidência de colonização de espéciesde Candida em unidade de terapia intensiva neonatal no Hospital de Riyadh, Arábia Saudita. RevistaMédica da Indonésia, [s.l.], v.25, n.3, p.171-81, 2016. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/309155102_Incidence_of_Candida_species_colonization_in_neona tal_intensive_care_unit_at_Riyadh_Hospital_Saudi_Arabia.Acesso em: 17 out. 2020.

ARIFF, S.et al. Clinical spectrum and outcomes ofneonatal candidiasis in a tertiary care hospitalin Karachi, Pakistan.J. Infect. Dev. Ctries., [s.l.], v.5, n.3,p.216-23, 2011. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/21444991/. Acesso em: 17 out. 2020.

ASSIS, D. M.; JULIANO, A.; JULIANO, M. A. A espectrometria de massas aplicada na classificação e identificação de microorganismos.Rev. Univ. Vale Rio Verde, Três Corações, v.9, n.2, p.344-355, 2011. Disponível em:http://www.periodicos.unincor.br/index.php/revistaunincor/article/view/232.Acesso em: 17 out. 2020.

BATISTA, G.C.M.et al. Oral colonization: a possiblesource for candidemia in low-weight neonates. Journal de Mycologie Médicale, [s.l.], v.24, p.81-86,2014. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24440610/. Acesso em: 17 out. 2020.

CABRERA, C. A. et al. Uso profilático de fluconazolem pré-termos extremos colonizados por candida spp. Resid. Pediatr., v.6, n.2, p.80-86. 2016. Disponívelem: http://www.residenciapediatrica.com.br/detalhes/220/uso-profilatico-de-fluconazol-em-pre-termos-extremoscolonizados-por-candida-spp. Acesso em: 17 out. 2020.

DAMIAN, A.; WATERKEMPER, R.; PALUDO, C.A. Perfil de neonatos internados em unidade de tratamento intensivo neonatal: estudo transversal.Arq. Ciênc. Saúd., São José do Ribeirão Preto, v.23,n.2, p.100-105, 2016. Disponível em:http://www.cienciasdasaude.famerp.br/index.php/racs/article/view/308. Acesso em: 09 dez. 2019.

DINIZ, L. M. O.; FIGUEIREDO, B. C. G. O sistema imunológicodo recém-nascido.Revista Médica de Minas Gerais,Belo Horizonte, v.24, n.2, p.233-240.2014. Disponível em: http://rmmg.org/artigo/detalhes/1604. Acesso em: 17 out. 2020.

GUPTA, P.et al.Skin Colonization by Malassezia spp. in hospitalized neonates and infants in a tertiary care centre in North India.Mycopathologia, [s.l.], v.178, n.3, p.267-272, 2014. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25037485/. Acesso em: 17 out. 2020.

LIMA, S.S.et al. Aspectos clínicos de recém-nascidos admitidos em Unidade de Terapia Intensiva de hospital de referência da Região Norte do Brasil.ABCS Health Sci., Santo André, p.40, n.2, p.62-68, 2015. Disponível em:https://www.portalnepas.org.br/abcshs/article/view/732.Acesso em: 09 dez. 2019.

OLIVEIRA M. L. A.; VERONESI, C. L.; GOULARD, L. S. Caracterização de recém-nascidos com hemoculturas positivas internados em unidade de terapiaintensiva neonatal.Rev. Eletr. Gestão Saude, Brasília, v.3, n.2, p.717-29, 2012. Disponível em:https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/115. Acesso em: 17 out. 2020.

PAIXÃO, L. A.; CASTRO, F. F. S. Colonização da microbiota intestinal e sua influência na saúde do hospedeiro.Universitas:Ciênc. Saúd., Brasília, v.14,n.1, p.85-96, 2016. Disponível em: https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/cienciasaude/article/view/3629.Acesso em: 09 dez. 2019.

PINHAT, E. C.et al. Fungal colonization in newbornbabies of very low birth weight: a cohort study.J. pediatr.,Rio de Janeiro, v.88, n.3, p.211-216, maio2012. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/jped/v88n3/v88n03a05.pdf.Acesso em: 17 out. 2020.

RODRIGUES, F. A.; BERTOLDI, A. D. Perfil da utilização de antimicrobianos em um hospital privado. Ciênc. Saúd. Colet., Rio de Janeiro, v.15, n.1, p.1239-1247,2010. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csc/2010.v15suppl1/1239-1247/pt.Acesso em: 30 out. 2019.

SINGH, A.; MITTAL, M. Neonatal microbiome - a brief review.J. Matern. Fetal Neonatal med., Londres, v.5, p.1-8, 2019. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/14767058.2019.1583738?journalCode=ijmf20.Acesso em: 09 dez. 2019.

SOUZA, K. C. L.; CAMPOS, N. G.; SANTOS JUNIOR F. F.U. Perfil dos recém-nascidos submetidos à estimulação precoce de uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal.Rev. Bras. Promoc. Saude,Fortaleza, v.26, n.4, 2013. Disponível em:https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=40831096010.Acesso em: 17 out. 2020.

SOUZA, M. N.; SHIMODA, E.; DUARTE, S. C. Perfil epidemiológicode pacientes internados em uma unidade de terapia intensiva neonatal.Rev. Cient.Facul. Med. Campos, Campos dos Goytacazes, v.13,n.1, p.15-23, 2018. Disponível em:http://www.fmc.br/ojs/index.php/RCFMC/article/view/214.Acesso em: 09 dez. 2019.

SPILIOPOULOU, A. et al.Neonatal intensive care unitcandidemia: epidemiology, risk factors, outcome, and critical review of published case series.Mycopathologia,[s.l.], v.173, n.4, p.219-228, abr. 2012. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/51792184_Neonatal_Intensive_Care_Unit_Candidemia_Epidemiol ogy_Risk_Factors_Outcome_and_Critical_Review_of_Published_Case_Series.Acesso em: 17 out. 2020.

WINGARD, J. R. Importance of Candida species otherthan C. albicans as pathogens in oncology patients. Clin. Infect.Dis.,[s.l.], v.20, p.115-125, 1995.Disponível em:https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/7727637/. Acesso em: 17 out. 2020.

YAPAR, N. Epidemiology and risk factors for invasive candidiasis: therapeutics and clinical risk management.Therapeutics and Clinical Risk Management,[s.l.], v.10, p.95-105. 2014. Disponível em:. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3928396/. Acesso em: 17 out. 2020.

Downloads

Publicado

09/09/2021

Como Citar

Melo, V. dos S. ., Silva, D. P. da, Calumby, R. J. N., Moreira, R. T. de F. ., Melhem, M. de S. C. ., & Maranhão, F. C. de A. . (2021). IDENTIFICAÇÃO DE CEPAS DE CANDICA SPP. PRESENTES NA MICROBIOTA DE PREMATUROS POR ESPECTROMETRIA DE MASSA MALDI-TOF MS. Gep News, 5(1), 359–366. Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/gepnews/article/view/12933

Edição

Seção

Artigos