FREQUÊNCIA DE OBESIDADE PRÉ-GESTACIONAL EM MULHERES DIAGNOSTICADAS COM PRÉ-ECLÂMPSIA

Autores

  • Mayara Moreira
  • Micaely Cristina dos Santos Tenório
  • Alexandra Rodrigues Bezerra
  • Bianca Gomes de Souza
  • Guilherme Alves Freire Cardoso
  • Alane Cabral Menezes de Oliveira

Palavras-chave:

antropometria; pré-natal; gestação; gravidez de alto risco.

Resumo

A obesidade pré-gestacional pode contribuir para o desenvolvimento de comorbidades durante a gestação, como a pré-eclâmpsia, um tipo de síndrome hipertensiva gestacional, que traz riscos à saúde materna e infantil. Desta forma o objetivo deste estudo foi avaliar a frequência de obesidade pré-gestacional em mulheres com pré-eclâmpsia atendidas no hospital universitário Professor Alberto Antunes, em Maceió, Alagoas. Estudo de delineamento transversal, recorte de um estudo maior, onde foram coletados dados de peso pré-gestacional e altura, realizado o cálculo do índice de massa corporal pré-gestacional. Para a classificação do estado nutricional de obesidade pré-gestacional, foi considerado o ponto de corte proposto pela Organização Mundial de Saúde (1995). Os dados foram expressos por meio de média, desvio padrão e frequência. Foram incluídas 63 gestantes, com média de idade de 29,76 ± 6,73 anos, onde o índice de massa corporal médio pré-gestacional foi de 33,18 ± 7,76 kg/m², representando uma frequência de 61,66% das mulheres avaliadas. Foi encontrado um elevado percentual de mulheres com obesidade pré-gestacional, representando mais da metade da amostra. Tendo em vista as possíveis consequências de iniciar uma gestação fora do peso ideal, como o desenvolvimento da pré-eclâmpsia, é importante que se considere a avaliação antropométrica e um planejamento nutricional adequado no período pré concepção nos cuidados da saúde da mulher.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUNE, D. ; SAUGSTAD, O. D. ; HENRIKSEN, T. ; TONSTAD, S. Physical Activity and theRisk of Preeclampsia: a Systematic Review and Meta-Analysis. Epidemiology, EUA, v. 25, n. 3, p. 331-343, 2014. DOI: https://doi.org/10.1097/EDE.0000000000000036. Disponível em:https://journals.lww.com/epidem/Fulltext/2014/05000/Physical_Activity_and_the_Risk_of_Preeclampsia A.3.aspx. Acesso em: 9 ago. 2023.

COSTA, J. E. et al. Excesso de Peso Materno e suas complicações gestacionais e perinatais. Revista Interdisciplinar, v. 14, n. 1, p. 8, 2021. Disponível em:https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7973385. Acesso em: 9 ago. 2023.

INSTITUTE OF MEDICINE (US). National Research Council (US). Weight Gain During Pregnancy: reexamining the Guidelines. National Academies Press, Washington, DC, USA, 2009. Disponível em: https://nap.nationalacademies.org/catalog/12584/weight-gain-during-pregnancy-reexamining-thegu idelines. Acesso em: 9 ago. 2023.

KHAIR, H. et al. Pregnant Women’s Perception and Knowledge of the Impact of Obesity on Prenatal Outcomes—A Cross-Sectional Study. Nutrientes, v. 15, n. 11, p. 2420, 2023. DOI:https://doi.org/10.3390/nu15112420. Disponível em: https://www.mdpi.com/2072-6643/15/11/2420. Acesso em: 9 ago. 2023.

MANERA, F.; HOFELMANN, D. A. Excesso de peso em gestantes acompanhadas em unidades de saúde de Colombo, Paraná, Brasil. Demetra: Alimentação, Nutrição & Saúde, Rio de Janeiro, v. 14, p. 1-16, 2019. DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2019.36842. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/demetra/article/view/36842. Acesso em: 9 ago. 2023.

MARQUES, D. S. M. et al. A relação entre pré-eclâmpsia e obesidade: uma revisão integrativa. Caderno de Medicina, v. 2, n. 2, p. 56-69, 2019. Disponível em: https://www.unifeso.edu.br/revista/index.php/cadernosdemedicinaunifeso/article/view/1394/608. Acesso em: 9 ago. 2023.

MÜLLER, M. J.; GEISLER, C. Defining Obesity as a Disease. European Journal ClinicalofNutrition, Germany, v. 71, n. 11, p. 1256–1258, 2017. DOI: https://doi.org10.1038/ejcn.2017.155. Disponível em: https://www.nature.com/articles/ejcn2017155. Acesso em: 9 ago. 2023.

O’BRIEN, T. E.; RAY, J. G.; CHAN, W. S. Maternal body mass index and the risk ofpreeclampsia: a systematic overview. Epidemiology, v. 14, n. 3, p. 368–374, 2003. DOI:https://doi.org/10.1097/01.EDE.0000059921.71494.D1. Disponível em:https://journals.lww.com/epidem/Fulltext/2003/05000/Maternal_Body_Mass_Index_and_the_Risk_ of.20.aspx. Acesso em: 9 ago. 2023.

RASMUSSEN, K. M. et al. Weight gain during pregnancy: reexamining the guidelines.Washington, D.C.: Institute of Medicine and National Research Council of the National Academies Press (US), 2009. E-book (250 p.). Disponível em:https://nap.nationalacademies.org/catalog/12584/weight-gain-during-pregnancy-reexamining-thegu idelines. Acesso em: 9 ago. 2023.

SANTOS, K. C. R. et al. Ganho de peso gestacional e estado nutricional do neonato: um estudo descritivo. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, RS, v. 35, n. 1, p. 62-69, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2014.01.42783. Disponível em:https://www.scielo.br/j/rgenf/a/Q48wgGv8wXXNJzS4H3QkDFf/?lang=en. Acesso em: 9 ago. 2023.

SILVA, J. C. et al. Obesidade materna e suas consequências na gestação e no parto: uma revisão sistemática. Femina, v. 42, n. 3, p. 135-140, 2014. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0100-7254/2014/v42n3/a4781.pdf. Acesso em: 9 ago. 2023.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Obesity and Overweight. [Washington, D. C., EUA: WHO], 2021. Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/obesity-andoverweight. Acesso em: 9 ago.2023.

Downloads

Publicado

2024-05-07

Como Citar

Moreira, M., Tenório, M. C. dos S., Bezerra, A. R., Souza, B. G. de, Cardoso, G. A. F., & Oliveira, A. C. M. de. (2024). FREQUÊNCIA DE OBESIDADE PRÉ-GESTACIONAL EM MULHERES DIAGNOSTICADAS COM PRÉ-ECLÂMPSIA. Gep News, 8(1), 42–47. Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/gepnews/article/view/17594

Edição

Seção

Artigos