Projeto Resgatar: O Uso do Brincar como Recurso para Humanização do Ambiente Hospitalar em Ala Pediátrica de um Hospital Geral

Autores

  • Maria Edna Bezerra Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS/NÚCLEO DE SAÚDE PÚBLICA http://orcid.org/0000-0001-6343-5704
  • Juliana Patrícia Barbosa Santos Universidade Federal de Alagoas- Ondontologia.
  • Jéssica Sardanha Lima UNCISAL - ENFERMAGEM
  • Nara Adrianne Rufino Lima
  • Herta Gabrielle Luna Lira ESTÁCIL-FAL-ENFERMAGEM
  • Larissa Morais Teixeira UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS-ODONTOLOGIA

DOI:

https://doi.org/10.28998/rpss.v1i2.2399

Resumo

O presente trabalho apresenta o relato de uma das ações realizada no Hospital Geral do Estado de Alagoas. Entende-se o brincar e o jogar como uma experiência indispensável à saúde física, emocional e intelectual, principalmente para o público infantil. Através deles, a criança potencializa seu processo de aprendizagem assim também como desenvolve a linguagem, o pensamento, a socialização, a iniciativa e a autoestima, constituindo-se enquanto sujeito ativo, capaz de lidar melhor frente aos distintos desafios que surgirão em diferentes contextos de seu processo de desenvolvimento. Os objetivos elencados para serem alcançados com a realização das atividades do projeto resgatar foram: Promover atividades de educação em saúde, na Pediatria e no Centro de Tratamento de Queimados (CTQ), com os internos e / ou seus familiares; trabalhar o acolhimento e o diálogo entre paciente, familiares e futuros profissionais, levar informação e esclarecer dúvidas sobre determinados temas em saúde e direito do usuário no SUS e quebrar paradigmas acerca do vínculo entre profissionais e pacientes. No período de março de 2015 a junho de 2016 o projeto trabalhou diversos temas como: Carnaval, alimentação saudável, dengue, câncer do colo do útero e câncer de mama, direito dos usuários do SUS, prevenção de queimaduras e verminoses. Também foram realizadas oficinas de acolhimento, técnicas teatrais, construção de origamis e contação de estórias, com intuito de qualificar os integrantes do projeto, nas ações e temáticas que seriam abordadas com o público do hospital. Vivenciando essas experiências no decorrer deste período no projeto foi possível concluir que as atividades lúdicas, juntamente com as atividades de educação em saúde, contribuem de forma muito positiva em sua recuperação; possibilita a compreensão e elaboração da situação de hospitalização tanto para as crianças quanto para os acompanhantes, promovendo a humanização e colaborando para a desmistificação do ambiente hospitalar, que é geralmente visto como agressivo e invasivo.

Biografia do Autor

Maria Edna Bezerra Silva, UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS/NÚCLEO DE SAÚDE PÚBLICA

Atualmente é docente da Faculdade de Medicina da UFAL, no Eixo de Aproximação a Prática Médica e Comunidade. Coordena os Módulos de Educação e Comunicação na Prática Médica no 3º Período e o Módulo de Vigilância a Saúde no 4º Período. Vice-Coordenadora do Curso de Especialização em Vigilância em Saúde- turmas Arapiraca, Vice-Coordenadora de Extensão e Cultura da FAMED.

Coordena os projetos de extensão RESGATAR, desenvolvido nas enfermarias da Pediatria do Hospital Geral do Estado e projeto SALA DE CUIDADO, que atende a comunidade do entorno da Universidade oferecendo atendimento com as práticas integrativas complementares.

Desenvolve linhas de pesquisa e estudo nas áreas de: 1- Políticas Públicas de Saúde; Aleitamento Materno; Educação popular em saúde; Controle Social.

Nutricionista, formada pela UFAL em 1999, Sanitarista pela Escola Paulista de Medicina/UNIFESP(2001). Especialista em Educação em Saúde pela UNCISAL(2008), Especialista em Ativação de Processos de Mudança na Formação Superior de Profissionais de Saúde, pela FIOCRUZ(2011)Mestre em  Ensino em Saúde (UFAL, 2014). Militante do Fórum em defesa do SUS e contra a privatização.

Referências

ANTUNHA, Elsa Gonçalves; OLIVEIRA, Vera Barros. (Orgs.). Brincando na escola, no hospital, na rua... Rio de Janeiro: WAK, 2006. p.127-130

Disponível em: https://psicologado.com/atuacao/psicologia-hospitalar/a-importancia-do-brincar-no-ambiente-hospitalar-da-recreacao-ao-instrumento-terapeutico. Acesso em: 20 de junho de 2016.

CHIATTONE, Heloisa Benevides Carvalho. A criança e a hospitalização. In: ANGERAMI– CAMON, Valdemar Augusto (org.); CHIATTONE, Heloisa Benevides Carvalho; MELETI, Marli Rosani. A psicologia no hospital. 2. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003c, p. 23-100.

CAMPOS, Maria Célia Rabello Malta. A importância do jogo no processo de aprendizagem. Disponível em: http://www.psicopedagogia.com.br/entrevistas/entrevista.asp?entrID=39. Acesso no dia 20 de fevereiro de 2006.

OLIVEIRA, Lecila Duarte Barbosa et al . A brinquedoteca hospitalar como fator de promoção no desenvolvimento infantil: relato de experiência. Rev. bras. crescimento desenvolv. hum., São Paulo, v. 19, n. 2, ago. 2009.

PEDROSA, Arli Melo et al. Diversão em movimento: um projeto lúdico para crianças hospitalizadas no Serviço de Oncologia Pediátrica do Instituto Materno Infantil Prof. Fernando Figueira, IMIP. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. 2007, vol.7, n.1, pp. 99-106.

SILVA, Silvana Maria Moura. Atividades lúdicas e crianças hospitalizadas por câncer: o olhar dos profissionais e das voluntárias. In: BOMTEMPO, Edda;

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: Ministério da Saúde, 1991.

Downloads

Publicado

23/09/2016

Como Citar

Silva, M. E. B., Santos, J. P. B., Lima, J. S., Lima, N. A. R., Lira, H. G. L., & Teixeira, L. M. (2016). Projeto Resgatar: O Uso do Brincar como Recurso para Humanização do Ambiente Hospitalar em Ala Pediátrica de um Hospital Geral. Revista Portal: Saúde E Sociedade, 1(2), 191–198. https://doi.org/10.28998/rpss.v1i2.2399

Edição

Seção

RELATO DE EXPERIÊNCIA