Estudo dos Óbitos de Motociclistas por Acidentes de Trânsito em Arapiraca-AL

Autores

  • João Paulo Porto Dias Universidade Federal de Alagoas
  • José Sharllon Souza Silva
  • João Paulo Bezerra Leão
  • Thatiane Silva de Lucena

DOI:

https://doi.org/10.28998/rpss.v1i2.2438

Resumo

Objetivos: Descrever a prevalência dos acidentes letais envolvendo motociclistas na cidade de Arapiraca-AL entre 2000 e 2011, analisando variáveis como sexo, faixa etária, estado civil, e local de ocorrência da morte. Métodos: Trata-se de um estudo epidemiológico, descritivo, transversal realizado com dados secundários sobre mortes por acidentes de trânsito com motocicletas. Esses dados foram obtidos através do sistema TabNET do DataSUS. Resultados: Os acidentes de trânsito na cidade Arapiraca são a segunda causa de morte por causas externas, representando 30% dessas mortes entre 2000 a 2011. Nesse mesmo período, ocorreu redução do número de óbitos de pedestres e aumento de cerca de 216% das mortes de motociclistas, chegando a um pico em 2007, quando a prevalência foi de 14,3 por 100.000 habitantes. O sexo masculino representou 89% dessas mortes e a faixa etária de 20 a 29 anos foi a mais prevalente (38% do total), seguido de adultos na faixa etária de 30 a 39 anos (28% do total). Conclusões: Houve um aumento de acidentes envolvendo principalmente motociclistas em Arapiraca paralelo ao crescimento da frota de motocicletas. A análise desses dados permite conhecer melhor a prevalência e o perfil desses acidentados, direcionando medidas educativas para redução desses números.

Biografia do Autor

João Paulo Porto Dias, Universidade Federal de Alagoas

Acadêmico do 6º Ano do Curso de Medicina da Universidade Federal de Alagoas

Referências

Ministério das Cidades (Brasil), Departamento Nacional de Trânsito - DENATRAN, Sistema Nacional de Registro de Veículos/RENAVAM, RENAEST - Registro Nacional de estatísticas e acidentes de trânsito. Brasília: Ministério das Cidades.

Rodrigues JM. Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 2001/2011. Instituto Nacional de ciência e tecnologia. [acesso em Junho de 2016] Disponível em:

http://observatoriodasmetropoles.net/download/relatorio_automotos.pdf

Anuário Estatístico do Estado de Alagoas. - Ano 20, n. 20 (1975). - Maceió: Secretaria de Estado do Planejamento e do Desenvolvimento Econômico, 2014. Disponível em: http://dados.al.gov.br/dataset/4510081e-80b9-4b1e-9d93-9c6a775587fd/resource/0aa25217-1b1c-4f94-9ac0-5629b7fbed00/download/anuarioestatistico2014.pdf

Chisholm D, Naci H. Road traffic injury prevention: an assessment of risk exposure and intervention cost-effectiveness in different world regions. Departamento de Financiamento de Sistemas de Saúde da Organização Mundial da Saúde, Dezembro 2008. WHO: World Health Organization.

Ministério das Cidades (Brasil), DENATRAN – Departamento Nacional de Trânsito [homepage na Internet]. Estatísticas da frota de veículos [acesso em Junho de 2016] Disponível em: <http://www.denatran.gov.br/frota.htm>.

Araújo MM, Malloy-Diniz LF, Rocha FL. Impulsividade e acidentes de trânsito. Rev. psiquiatr. clín. 2009 [Acesso em Junho de 2016]; 36(2): 60-68. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832009000200004&lng=en

Lima, ALA et al. Mortalidade por causas externas nos municípios de Arapiraca (AL) e Mossoró (RN) – 1999-2008. Revista Baiana de Saúde Pública. Jan./Mar. 2012; 36(1): 134-147.

Marín L, Queiroz MS. A atualidade dos acidentes de trânsito na era da velocidade: uma visão geral. Cad. Saúde Pública. Jan-mar. 2000; 16(1): 7-21.

Bacchieri G, Barros AJD. Acidentes de trânsito no Brasil de 1998 a 2010: muitas mudanças e poucos resultados. Rev. Saúde. Públ. Out 2011; 45(5).

Sado MJ, Morais FD, Viana FP. Caracterização das Vítimas por Acidentes Motociclísticos Internadas no Hospital de Urgências de Goiânia. Revista Movimenta. 2009; 2(2).

Departamento Estadual De Trânsito De Alagoas. Anuário de Indicadores do DETRAN-AL 2011/2012. [Acesso em Maio de 2016]. Disponível em: http://servicos.detran.al.gov.br/Anuario2012/revista/RevistaVirtual.pdf

Noronha, CKC; Morais, ER. Ocorrência de óbitos por acidentes de motocicletas em Teresina, Estado do Piauí, Brasil. Ver. Pan-Amaz. Saúde. 2011; 2(4):11-16.

Correia DS. Adolescente no Trânsito: perigo à vista? 1ª edição. Maceió: Edições Catavento; 2002. p.138.

Silva PHNV, Lima MLC, Moreira RS, Souza WV, Cabral APS. Estudo espacial da mortalidade por acidentes de motocicleta em Pernambuco. Rev. Saúde Pública. 2011 Abr; 45(2): 409-415.

Vieira, RCA; Hora, EC; Oliveira, DV; Vaez, AC. Levantamento epidemiológico dos acidentes motociclísticos atendidos em um Centro de Referência ao Trauma de Sergipe. Esc. Enferm. USP. 2011; 45(6):1359-63.

Soares, DFPP; Mathias, TAF; Silva, DW; Andrade, SM. Motociclistas de entrega: algumas características dos acidentes de trânsito na Região Sul do Brasil. Ver. Bras. Epidemiol. 2011; 14(3): 435-44.

Soares, DFPP; Mathias, TAF; Silva, DW; Andrade, SM. Motociclistas de entrega: algumas características dos acidentes de trânsito na Região Sul do Brasil. Ver. Bras. Epidemiol. 2011; 14(3): 435-44.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Impactos sociais e econômicos dos acidentes de trânsito nas aglomerações urbanas brasileiras. [Acesso em: Junho de 2016]. Disponível em:

http://www.denatran.gov.br/publicacoes/download/custos_acidentes_transito.pdf

Downloads

Publicado

23/09/2016

Como Citar

Porto Dias, J. P., Souza Silva, J. S., Bezerra Leão, J. P., & Silva de Lucena, T. (2016). Estudo dos Óbitos de Motociclistas por Acidentes de Trânsito em Arapiraca-AL. Revista Portal: Saúde E Sociedade, 1(2), 169–180. https://doi.org/10.28998/rpss.v1i2.2438

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL