https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/issue/feed Revista Portal: Saúde e Sociedade 2022-01-13T19:03:49-03:00 Carlos Dornels Freire de Souza carlos.freire@arapiraca.ufal.br Open Journal Systems <p align="justify">A Revista Portal: Saúde e Sociedade é uma publicação eletrônica, editada pelo Núcleo de Saúde Pública da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Publica trabalhos inéditos, em português, inglês ou espanhol, sob a forma de artigos originais, artigos de revisão de literatura, nota prévia, resenha pública, ensaio e relato de experiência, considerados relevantes para o campo da saúde pública/coletiva e do ensino na saúde de modo a socializar o conhecimento na sociedade.</p> https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/13016 Desenvolvimento motor de escolares participantes de projeto sociais 2021-09-27T13:26:03-03:00 Emerson Peter emerpita@hotmail.com Diego Matheus Schaab diego_schaab.sss@hotmail.com Denise Bolzan Berlese deniseberlese@feevale.br <p>O presente estudo caracteriza-se como uma revisão sistemática e teve por objetivo pesquisar a classificação do desenvolvimento motor de escolares participantes de projetos sociais. Nesse sentido, realizou-se uma busca na plataforma do Google Acadêmico, onde foram encontrados 282 artigos. Como estratégia de busca, utilizou-se os descritores: desenvolvimento motor, projeto social, EDM, e escolares alternando os idiomas português e espanhol. Para inclusão dos artigos, foram seguidos os seguintes critérios: os estudos deveriam apresentar uma avaliação motora de escolares em projetos sociais entre os anos de 2015 a 2020. No sentido de encontrar os artigos, foi realizada a leitura do resumo. Quando a leituras foi suficiente para averiguar se contemplava os critérios de inclusão, o artigo foi lido na íntegra para determinar sua elegibilidade. Após considerar os critérios de inclusão e exclusão, obteve-se 6 artigos, os quais 4 apontam melhoras significativas no desenvolvimento motor dos escolares investigados. Nessa perspectiva pode-se inferir que a intervenção e o acompanhamento de um profissional de Educação Física são fundamentais para a melhora do desenvolvimento motor de crianças e jovens e os projetos sociais são uma potente ferramenta de atuação do referido profissional. Por fim, ressalta-se que projetos sociais contribuem para o engajamento em atividades físicas e esportivas, envolvendo a melhora e o aprimoramento do desenvolvimento motor.</p> 2022-01-25T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/10129 Situações de abortamento induzido vivenciadas por adolescentes no Brasil: uma revisão integrativa 2021-03-22T02:30:47-03:00 Pablo Luiz Santos Couto pablocouto0710@gmail.com Alba Benemérita Alves Vilela albavilela@gmail.com Antônio Marcos Tosoli Gomes mtosoli@gmail.com Tarcisio da Silva Flores tarcisiosflores@gmail.com Yndira Yta Machado yndiramachado@gmail.com Samantha Souza da Costa Pereira samantha.uefs@gmail.com <p>Analisar o estado da arte em periódicos indexados sobre as situações de abortamento entre adolescentes no Brasil. Foi realizada uma revisão integrativa de literatura nas bases de dados SCIELO, LILACS e BVS, com os descritores aborto <em>and</em> adolescentes. Após a aplicação dos critérios de inclusão foram encontrados 129 artigos, dos quais aproveitou-se 27. Desse modo, procedeu-se a leitura flutuante, logo após a leitura crítica e em seguida a análise temática, descritiva e qualitativa. Os resultados da leitura e análise dos artigos, organizados em um quadro sinóptico, evidenciaram duas categorias temáticas: “Fatores que levam as adolescentes a abortarem” e “Consequências do aborto e abortamento para a saúde das adolescentes”. A falta de diálogo e orientações nos lares, entre os pais e as adolescentes, bem como as situações de vulnerabilidade como baixo nível sócio-econômico e baixo nível de escolaridade, a falta de apoio dos companheiros, além do incentivo dos mesmos e dos próprios pais para a prática, configuram os principais fatores que levam as adolescentes ao aborto clandestino. Diante disso, as principais consequências, são complicações decorrentes de abortos feitos em locais inapropriados para a prática segura, como hemorragias, infecções, perfurações das alças intestinais, infertilidade e óbito. O estado da arte leva a concluir que muitas adolescentes no Brasil, as mais pobres e em decorrência de problemas sociais e econômicos, são influenciadas a praticarem o aborto, mas esbarram na insegurança dos locais clandestinos e impróprios ao aborto seguro, o que ocasiona em óbitos na maioria dos casos.</p> <p><strong>Descritores:</strong> Aborto; Adolescentes; Saúde Sexual e Reprodutiva.</p> 2021-11-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/13128 COVID-19 em gestantes: Uma revisão do perfil clínico e epidemiológico 2021-11-17T12:08:19-03:00 Ronney Marques Bezerra Ronney_Marques@hotmail.com Gabriel Monteiro Arnozo gibson.santana.med@gmail.com Luiz Carlos Francelino Silva Junior gibson.santana.med@gmail.com Rodrigo da Rosa Mesquita gibson.santana.med@gmail.com Fernanda Mayara Santos Santana gibson.santana.med@gmail.com Tatiana Farias de Oliveira gibson.santana.med@gmail.com Rafaela Campos Alcântara gibson.santana.med@gmail.com Etvaldo Rodrigues da Silva Filho gibson.santana.med@gmail.com Aisla Graciele Galdino dos Santos gibson.santana.med@gmail.com Túlio Pacífico Almeida gibson.santana.med@gmail.com Igor Matheus Jambeiro Brandão gibson.santana.med@gmail.com Euclides José Oliveira da Cunha gibson.santana.med@gmail.com Danielly Ferreira da Luz gibson.santana.med@gmail.com Saulo Henrique Salgueiro de Aquino gibson.santana.med@gmail.com <p><strong>Introdução:</strong> As manifestações clínicas da COVID-19 são variadas na população geral. Em gestantes, o conhecimento sobre perfil de apresentação clínica ainda é restrito. O presente estudo objetivou sistematizar a literatura atual no que se refere ao perfil clínico e epidemiológico de gestantes com COVID-19. <strong>Método:</strong> A pesquisa foi desenvolvida de acordo com as recomendações fornecidas no protocolo PRISMA. Os estudos foram selecionados a partir das bases de dados <em>PubMed </em>/<em> Medline</em> e <em>Scopus </em>entre 01 de janeiro e 24 de abril de 2020, utilizando duas estratégias de busca: os descritores COVID-19, SARS-CoV-2, 2019-nCoV, n-CoV e coronavirus associados a “perfil clínico” e “epidemiologia”; posteriormente, foram incluídos os termos “ginecologia e obstetrícia”, “reprodução” e “gravidez” aos descritores anteriores. <strong>Resultados: </strong>Febre foi o principal sintoma relatado com frequência que variou entre 17,39 e 85,71%. Diabetes mellitus foi a principal complicação da gravidez cuja prevalência variou entre 7,76 e 14,29%. Houve 69,19% de cesáreas. Óbitos fetais e asfixia neonatal severa não foram observados. No entanto, nascimentos pré-termos/prematuros foram comumente reportados.</p> <p><strong>Conclusão:</strong> O quadro clínico das pacientes gestantes não se diferenciou significativamente das pacientes não grávidas. Destacou-se o parto prematuro como possível consequência da infecção. A testagem universal para gestantes admitidas ao parto permite a adoção de cuidados precoces para evitar contaminação.</p> 2021-11-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11683 Efeitos cardiovasculares da música de Mozart: uma revisão sistemática 2021-06-10T18:23:38-03:00 Gabriel Lessa de Souza Maia gabriel.lessa@souunit.com.br Maria Rosa da Silva enfamariarosa@gmail.com <p>Ao longo dos séculos, a música tem sido utilizada para elevar o espírito das pessoas. As composições de Mozart, comparadas com as de diversos outros autores clássicos, como Brahms, Bach e Haydn, possuem uma frequência média muito superior. Logo, as modulações no domínio da frequência da música de Mozart podem ter maior influência na atividade neurofisiológica, com efeitos parassimpáticos comprovados pela literatura. Assim, esta revisão objetivou avaliar a eficácia da música de Mozart na melhoria das funções cardiovasculares, bem como identificar um padrão nas obras que possuem efeito mais acentuado. Foi realizada uma revisão sistemática de ensaios clínicos randomizados, de caráter exploratório e cunho qualitativo, nas bases de dados PubMed, LILACS, SciELO e BVS. Os efeitos dos arranjos de Mozart foram comparados com os do silêncio, das canções pop, de arranjos de outros compositores eruditos e com o “white noise”. Nesse sentido, as melodias de Mozart testadas pelos estudos apresentaram um efeito redutor da pressão arterial sistólica e diastólica mais acentuado em todos os ensaios clínicos. Também foram constatadas alterações na frequência cardíaca, no duplo produto e no nível de cortisol sérico. A terapia com música tem mostrado-se cada vez mais eficiente no tratamento de pacientes com desordens cardiovasculares e pode ser uma alternativa de baixo custo e acessível para o tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica. Assim, Wolfgang Amadeus Mozart destaca-se perante outros compositores por características únicas de suas composições e mais estudos são necessários, com melhorias metodológicas, para que se aprimorem a terapia musical e seu uso na Cardiologia.</p> 2021-08-05T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/10622 Atualizações sobre fototerapia em neonatos a termo e pré-termo com icterícia não-hemolítica 2021-06-09T12:07:42-03:00 Pedro Henrique Albuquerque de Oliveira Santos phalbuquerque2@hotmail.com <p>A fototerapia é um procedimento pouco invasivo utilizado no tratamento da icterícia, uma manifestação clínica decorrente do aumento da concentração de bilirrubina sérica total (BST). Acomete a maior parte dos recém-nascidos (RN), especialmente os prematuros. Elencar os principais benefícios, consequências, e atualizações acerca da fototerapia para tratamento de neonatos com icterícia não-hemolítica nascidos a termo ou pré-termo tardio (com idade gestacional ≥ 35 semanas). Trata-se de uma revisão sistemática que vasculha a literatura com permutações dos seguintes descritores: jaundice; phototerapy; e newborn; considerando os idiomas português, inglês e espanhol, e a data das publicações a partir de 2015. Além disso, fez-se uso do operador booleano AND. As bases de dados consultadas foram: SciELO, Lilacs, PubMED, MedLine, periódicos CAPES e WorldWildScience. Dos 314 artigos encontrados, 36 se adequaram ao entendimento do tema abordado. A fototerapia é um processo fotocatalisador capaz de converter moléculas de bilirrubina em luminirrubina a partir da luz solar ou artificial. Essa nova substância será excretada com maior facilidade, de forma a evitar danos neurotóxicos. É considerada segura e eficiente, mesmo levando em conta características individuais e fatores de risco como prematuridade, genética, e perfil materno. Portanto, a fototerapia é merecidamente o padrão ouro para o tratamento da icterícia neonatal não-hemolítica, mas exige cautela em sua prescrição e aplicação, visto que há a possibilidade de efeitos colaterais de amplo espectro. Também se faz necessário infraestrutura e manejo adequado.</p> 2021-07-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/13129 Lack of Information on Nutritional Status of Patients with COVID-19 Worldwide: Literature Review 2021-11-17T12:22:24-03:00 Ronney Marques Bezerra Ronney_Marques@hotmail.com Gabriel Monteiro Arnozo gibson.santana.med@gmail.com Luiz Carlos Francelino Silva Junior gibson.santana.med@gmail.com Rodrigo da Rosa Mesquita gibson.santana.med@gmail.com Fernanda Mayara Santos Santana gibson.santana.med@gmail.com Tatiana Farias de Oliveira gibson.santana.med@gmail.com Rafaela Campos Alcântara gibson.santana.med@gmail.com Etvaldo Rodrigues da Silva Filho gibson.santana.med@gmail.com Aisla Graciele Galdino dos Santos gibson.santana.med@gmail.com Igor Matheus Jambeiro Brandão gibson.santana.med@gmail.com Euclides José Oliveira da Cunha gibson.santana.med@gmail.com Danielly Ferreira da Luz gibson.santana.med@gmail.com Saulo Henrique Salgueiro de Aquino gibson.santana.med@gmail.com <p><strong>Objective</strong>: Nutritional factors (malnutrition and obesity) may be associated with an increased risk of worsening the health status of patients with COVID-19. This study aimed to systematize the literature about this topic.</p> <p><strong>Design</strong>: Searches were carried out in Pub Med, Med Line and Scopus databases.</p> <p><strong>Results</strong>: Among the 158 articles with clinical and epidemiological characteristics, 12 had variables on nutritional status, amounting 79.972 patients from five countries, 57.43% (n = 45.925) were men and the average age of the patients was 56.74 years old. The variant obesity was verified in 10 studies and malnutrition in two. Obese population in the studies was 17.937, which corresponds to a rate of 29.98% of total patients, and malnutrition population was 97, which corresponding to 41.45% of patients in the studies.</p> <p><strong>Conclusions</strong> Although obesity is a risk factor for COVID-19, studies have hardly addressed the theme, focusing primarily on the USA. Malnutrition is relevant, especially in countries with greater vulnerability.</p> 2021-11-18T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12393 Information on lifestyle habits of individuals with COVID-19 worldwide: Review of literature 2021-06-26T22:27:13-03:00 Luiz Carlos Francelino Silva Junior francelinoluizc@gmail.com Gibson Santana gibson.santana.med@gmail.com Rodrigo Mesquita rodrigo.mesquita@arapiraca.ufal.br Tatiana Oliveira tatiana.oliveira@arapiraca.ufal.br Gabriel Arnozo gabrielarnozo@gmail.com Aisla Santos aisla.graciele@gmail.com Etvaldo Silva Filho etvaldorodrigues@gmail.com Fernanda Santana fernanda.ms.santana@gmail.com Saulo Aquino saulohsa@gmail.com Euclides Cunha euclidesjoc@gmail.com Antônio Albuquerque antonioleopoldogama@gmail.com Rafaela Alcântara rafaela.alcantara@arapiraca.ufal.br <p>Background: COVID-19 is a respiratory disease that appeared in China in late 2019 and soon spread around the world, causing a pandemic. <br />Aims: This is study sought to systematize information about life habits in epidemiological studies in patients with COVID-19. <br />Methods: This is a systematic review conducted according to the Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyzes (PRISMA) recommendations. We selected articles published in PubMed, Medline and Scopus database between January 1 and April 24, 2020, using the descriptors COVID-19, SARS-CoV-2, 2019-nCoV, n-CoV and coronavirus combined with clinical profile and epidemiology. In this study, we sought to identify characteristics about patients' lifestyle habits: smoking (current or previous), alcohol consumption and physical activity.<br />Results: We analyzed 7489 scientific studies, of which 158 had clinical and epidemiological variables, amounting 100.0563 patients. 30 studies included lifestyle habits (8,323 individuals) from five countries: Brazil, China, Korea, Spain and USA (593). A percentage of 56.5% (n = 4624) were men and 44.4% (n = 3687) women. Among the variables, smoking (current or previous) was present in 30 investigations; alcohol consumption in four and physical activity was not observed in any article. The highest smoking rates were observed in the USA (21.79%) and Spain (18.75%). Alcohol consumption was 7.73%. Being higher in Brazil (17.28%).<br />Conclusions: New studies on the epidemiological and clinical aspects of COVID-19 include variables about lifestyle, especially smoking, alcohol consumption and physical activity. This information may offer future knowledge about the factors of illness and severity of COVID-19 in the population.<br />Keywords: Risk factors. Coronavirus infection. Systematic review.</p> 2021-06-18T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11735 Ensino na residência médica de pediatria na visão de médicos residentes 2021-05-06T11:09:06-03:00 Jeannette Barros Ribeiro Costa jeannettebrc@gmail.com Lenilda Austrilino lenildaaustrilino@gmail.com Mércia Lamenha Medeiros mercialamenha@hotmail.com <p>A Residência Médica é uma forma de treinamento em serviço realizado, a partir do atendimento supervisionado ao paciente, sob a orientação de uma preceptoria qualificada e comprometida. É caracterizada como uma especialização Lato sensu e busca formar profissionais tecnicamente competentes e com elevado padrão ético e humanista. Esta é uma pesquisa qualitativa, tipo estudo de caso, que analisou o Programa da Residência Médica em Pediatria, em um hospital universitário do Nordeste brasileiro, na perspectiva dos residentes. As entrevistas foram realizadas com residentes do 1º e 2º anos e analisadas na perspectiva da Análise de Conteúdo, sendo sistematizadas em duas categorias: Estruturação da Residência Médica em Pediatria e Relação teórico-prática. Os residentes consideraram que a infraestrutura dos cenários de práticas era satisfatória e havia campos diversos de atuação. Por outro lado, consideraram a carga teórica insuficiente, sentiram a necessidade de mais cursos ofertados pela Residência e trouxeram, em seus discursos, angústias e expectativas. O conjunto de percepções revela falhas de gestão do programa, no planejamento das atividades e na sensibilização dos preceptores do cenário de urgência para o apoio à formação.<br />Palavras-chave: residência médica; ensino; hospitais de ensino.</p> 2021-08-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11711 InovaTecGeron: Inovação e Tecnologia em Saúde no Cuidado do Idoso 2021-06-25T19:02:57-03:00 Thiago Inácio Teixeira do Carmo thiagoinacioteixeiradocarmo@gmail.com Fernanda dos Anjos fernanda.anj@hotmail.com Flora Alcântara Nunes floraalcantara1@gmail.com Gustavo Henrique Ridão Curty gustavo.curty@estudante.uffs.edu.br Fabiane Debastiani fabiane.debastiani@uffs.edu.br Adriana Remião Luzardo adriana.luzardo@uffs.edu.br <p>Este trabalho tem como objetivo relatar a elaboração e uso de uma ferramenta tecnológica produzida como ação extensionista. Na perspectiva de buscar soluções inovadoras ao cenário de fragilidade do idoso em um contexto pandêmico, o projeto “Inovação e Tecnologias em Saúde na Gestão do Cuidado ao Idoso frente à Pandemia do Coronavírus” desenvolveu uma ferramenta de inovação tecnológica que envolveu planejamento, monitoramento, prevenção e segurança da pessoa idosa no âmbito da Atenção Primária à Saúde. A partir do levantamento e organização de uma base de dados e elaboração de um plano de ação, desenvolveu-se um aplicativo com ações de monitoramento e prevenção acerca do coronavírus para idosos. O aplicativo InovatecGeron conta com uma interface que abrange tópicos de autocuidado do idoso no contexto da pandemia, com abas simples, favorecendo o acesso e a leitura rápida sobre os sintomas da Covid-19, qualidade de vida, alimentação saudável e cardioprotetora, saúde mental, práticas integrativas e complementares, arte e cultura, telefones úteis e recursos comunitários, contando ainda com um recurso para auxiliar na identificação de notícias falsas com apoio dos conteúdos disponibilizados no <em>site</em> do Ministério da Saúde. Além disso, para facilitar a compreensão dos profissionais de saúde e dos idosos, foi produzido um guia explicativo e conteúdos adicionais. Dessa forma, o projeto de extensão proporcionou uma articulação entre estudantes, profissionais e comunidade, o que reforçou o compromisso social da universidade pública para com a sociedade, oferecendo um recurso acessível para prevenção durante a pandemia</p> 2021-10-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11641 Importância dos grupos de educação em saúde durante a gravidez 2021-05-15T23:16:45-03:00 Joana Clara Alves Dias joanaclaraalves71@gmail.com Simone Rodrigues Quirino rsimone710@gmail.com <p>Identificar na literatura aspectos relacionados a importância da educação em saúde durante a gravidez. Trata-se de um estudo de revisão integrativa da literatura. O levantamento da produção científica foi realizado mediante a seguinte questão norteadora: “Qual a importância dos grupos de educação em saúde durante a gravidez?”. Foram efetuadas buscas nas bases de dados: LILACS, SCIELO e BDENF, por meio da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) e na Scopus através do Portal Capes. Para a seleção dos artigos, foram utilizados os seguintes descritores: “Importância”, “Grupos, “Educação em saúde” e “Gravidez”, em combinação, por meio do operador booleano AND. A pesquisa foi realizada em Outubro de 2020. Os critérios de inclusão utilizados para seleção dos artigos foram: texto completo, artigos na íntegra, disponível eletrônica e gratuitamente e indexados nas bases, no recorte temporal compreendido entre 2016 a 2020, no idioma português. Como critérios de exclusão: textos duplicados, cartas ao editor, editoriais, teses e dissertações. Foram encontrados 157 artigos científicos. Porém, após aplicar os critérios de elegibilidade restringiram-se a 10 obras. Os grupos de educação em saúde são grandes aliados no conhecimento e percepção das gestantes acerca de todos os aspectos que permeiam o ciclo gravídico-puerperal. Logo, estes devem ser priorizados nos serviços de Atenção Primária a Saúde (APS), visto que a APS é caracterizada como um serviço que promove saúde através de práticas educativas em seus territórios de abrangência. <br />Descritores: grupos; educação em saúde; gravidez.</p> 2021-08-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11828 Instrumento metodológico para implantação e desenvolvimento de planejamento descentralizado nas unidades de saúde 2021-04-15T17:28:26-03:00 Quitéria Maria Ferreira da Silva ferreiraquite@gmail.com Antonio Carlos Silva Costa cacosta@gmail.com Josineide Francisco Sampaio josineide.sampaio@famed.ufal.br <p>A experiência apresentada resulta de uma pesquisa empírica, realizada durante a pós-graduação em ensino na saúde pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Alagoas FAMED/UFAL, que discutiu o planejamento em saúde como instrumento de fortalecimento da relação ensino-serviço nas unidades de saúde. Como produto de intervenção foi elaborado um instrumento metodológico descentralizado de planejamento, cujos passos estão descritos no relato.</p> 2021-10-16T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11800 Dialogando com o idoso durante a pandemia do COVID-19: um relato de experiência 2021-06-29T11:32:40-03:00 Jéssica Nascimento Borba jessicanb12@hotmail.com Carla Patrícia Alves Barbosa carla.palves@souunit.com.br Gabrielle Nunes Oliveira Santos gabrielle.nunes@souunit.com.br Tayná Maria Dantas Carozo Calumby tayna.dantas@souunit.com.br Madson Alan Maximiano-Barreto mmaximianopsi@gmail.com Theresa Cristina de Albuquerque Siqueira theresasiqueira@gmail.com <p>No contexto da pandemia da COVID-19 e diante da necessidade de isolamento social, as pessoas idosas precisam de uma atenção diferenciada para minimizar as consequências desse isolamento na sua saúde mental. Refletir sobre as experiências estudantis em um projeto de extensão junto à pessoa idosa durante a pandemia do COVID19 no nordeste brasileiro. Trata-se de um relato de experiência da extensão universitária realizado entre agosto e outubro de 2020. Dez estudantes do curso de medicina, supervisionados por uma equipe de docentes e profissionais convidados acompanharam idosos em isolamento social devido a pandemia do COVID-19. Os encontros remotos ocorreram via ligação direta ou <em>Whatsapp </em>e foram fundamentados na prática educativa baseada no diálogo, construção compartilhada e na escuta ampliada. A experiência possibilitou conhecer as particularidades e dificuldades da pessoa idosa tendo a possibilidade de planejar coletivamente diversas temáticas sendo aplicadas de forma contextualizada com cada idoso/estudante. O projeto proporcionou o compartilhamento de vivências e aprendizados, não somente para os idosos, como também o desenvolver habilidades no âmbito pessoal e profissional de toda a equipe. Percebe-se que este encontro, mesmo de forma remota, entre graduandos e os idosos, tornou-se uma alternativa viável a ser desenvolvida como uma das formas de cuidado da pessoa idosa, buscando minimizar os possíveis impactos ocasionados pela COVID-19. Além de contribuir na formação de profissionais da saúde mais empáticos e humanizados.</p> <p><strong>Descritores</strong>: idoso, pandemia, isolamento social.</p> 2021-10-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12524 Qualidade da Comunicação entre Enfermeiros: Uma Revisão Integrativa 2021-06-16T23:17:42-03:00 Daiana Junqueira Lima Balsante da.junqueira@hotmail.com Deusdete Inácio de Souza Junior unijunior6@yahoo.com.br Thuany Cristina Carvalho thuanycc10@hotmail.com Fabiana Gouvêa Damasceno fabiianagouvea@hotmail.com <p><strong>Introdução:</strong> O interesse deste estudo está na investigação sobre a prática da comunicação em enfermagem intra-hospitalar em instituições de saúde hospitalares, por meio da interpretação crítica da literatura científica. O conceito de comunicação engloba a transmissão de informações de um indivíduo ao outro, por meio da fala, escrita, imagens e sons a fim de gerar conhecimento. Descreve- se ainda, a comunicação como um processo que possui estruturas como a fonte ao qual produz uma mensagem ou uma sequência de mensagens; o transmissor, que transforma a mensagem em sinal apropriado ao canal; o receptor, que modifica o sinal recebido em mensagem e a envia ao destinatário; e o destinatário, a pessoa a qual a mensagem é destinada. A relevância deste estudo acercar-se na avaliação da comunicação efetiva em âmbito hospitalar bem como tal articulação se desenvolve entre a equipe de enfermagem. Portanto, aplicar e sistematizar o desenvolvimento de treinamentos em comunicação poderá colaborar para a práxis dos profissionais de enfermagem, trazendo reflexões sobre o papel da comunicação na enfermagem. <strong>Objetivo:</strong> agregar o conhecimento produzido na literatura sobre como se desenvolve a prática de comunicação em enfermagem intra-hospitalar nas instituições de saúde hospitalares, além de compreender as maneiras de estratégias utilizadas para tal. <strong>Método:</strong> revisão integrativa da literatura composta a partir de cinco etapas: identificação do problema da pesquisa, busca da literatura, avaliação dos dados, análise dos dados e apresentação dos dados. O estudo foi orientado pela questão: Como está sendo o processo de comunicação entre a equipe de enfermagem intra-hospitalar nas instituições de saúde? A exploração teórica foi concretizada nas Bases de Dados CINAHL, LILACS e MEDLINE. Logo, a análise crítica dos estudos selecionados foi guiada pelo referencial do processo da comunicação: introdução à teoria e prática, de Berlo, 1970. <strong>Resultados:</strong> Das 322 publicações identificadas, 299 foram excluídas, resultando 23 publicações para este estudo. No conteúdo destas, foram identificadas 2 categorias analíticas: <strong>Aspectos Imperativos da Comunicação</strong> que ressalta o processo de comunicação entre a equipe de enfermagem onde encontra muitas adversidades que atrapalham, ou mesmo impedem, sua concretização. Semelhantemente, distinguir alguns aspectos imperativos que estão apresentados no formato de duas subcategorias de pensamento: Aspectos Positivos que Influenciam a Comunicação Intra-hospitalar e os Aspectos Negativos que Influenciam a Comunicação Intra-hospitalar. <strong>Já a segunda categoria descreve sobre O uso das Tecnologias como Ferramenta dos Processos de Comunicação</strong> que retrata o pressuposto que o trabalho humano, tal como se coloca na atualidade, só é viável por meio das tecnologias que ele engendra, tornando-se indispensável a reflexão sobre a relação que se estabelece entre as tecnologias, o mundo da ciência e o homem; em todos os sentidos e espaços. Segundo o eixo teórico deste estudo, as tecnologias em saúde são classificadas em três categorias: tecnologia dura, relacionada a equipamentos tecnológicos, normas, rotinas e estruturas organizacionais; leve-duras, que compreende todos os saberes bem estruturados no processo de saúde; e a leve, que se refere às tecnologias de relações, de produção de comunicação, de acolhimento, de vínculos, de autonomização. No que tange em como está sendo o processo de comunicação entre a equipe intra-hospitalar nas instituições hospitalares brasileiras, a bibliografia avaliada permitiu identificar implementações com o uso de tecnologias para o melhor resultado do processo de comunicação, as quais estão esboçadas em duas subcategorias empíricas. A primeira, tem como título Fomentando as Tecnologias leves-duras ao Processo de Comunicação e a segunda, Fomentando as Tecnologias duras ao Processo de Comunicação. <strong>Discussão:</strong> Respectivamente, tais categorias apresentam aspectos positivos e negativos da comunicação intra-hospitalar tais como, o processo de comunicação seguido de bom relacionamento interpessoal, e a comunicação não participativa e efetiva dentre os profissionais de enfermagem; que geram falhas na assistência. Corrobora a esse despeito, a literatura científica<sup>6</sup>, traz argumentos em que produtos de alta qualidade podem diminuir os custos de produção, pois uma maior atenção e cuidados na produção dos mesmos, pode levar à descoberta e correção de falhas existentes. Nesta lógica, perfazendo ao contexto do foco desta Revisão Integrativa, o produto de qualidade representa a prestação de assistência ao paciente, e os custos envolve tudo aquilo que participa no processo dessa prestação. Em vista disso, a descoberta e a correção dessas falhas se tornam um elemento fundamental para a criação de estratégias, que visam pontos positivos e negativos que influenciam na qualidade da comunicação, pois, reconhecendo quais os pontos negativos existentes, a criação de estratégias se torna viável. As categorias e subcategorias empíricas descritas nesta Revisão Integrativa em síntese, possibilitaram ainda a compressão de que determinados fatores podem prejudicar a comunicação interpessoal e intra-hospitalar; logo, em outras ocasiões, tais fatores podem favorecer a uma comunicação mais efetiva. Com equidade, a pesquisa analítica<sup>7</sup> discorre sobre as dificuldades que os profissionais de enfermagem se esbarram frente a processos de comunicação verbal e não verbal, arroladas a transmissão de informações entre profissional e paciente. Além do que, o efeito moderador para uma comunicação efetiva com inteligência emocional e empática, é descrito em artigo analítico<sup>8</sup> aos quais identificam uma grande tendência que a empatia é o ponto primordial para que se tenha uma maior capacidade de entendimento e sentimentos. Tais estratégias para uma comunicação efetiva aqui sobredito, são características facilitadoras para uma tomada de decisão e atitudes que sejam favoráveis. Outrossim, das tecnologias utilizadas ao processo de comunicação destacam-se as leve-duras e duras, das quais oferecem possibilidades de estratégias para uma comunicação efetiva, e a uma tomada de decisão dinâmica, que venha a construir para a qualidade da assistência em saúde. Ainda, este estudo destaca que o emprego das tecnologias leves-duras nas instituições hospitalares brasileiras, favorece o processo de comunicação entre a equipe intra- hospitalar. Do mesmo modo, em seguimento a exploração teórica, estudo qualitativo de um hospital universitário brasileiro<sup>7</sup> fomenta maneiras interativas para comunicação entre equipe de profissionais de enfermagem e os pacientes por eles assistidos aos quais, das estratégias delineadas destaca-se a criação de grupos operacionais, aos quais elencam atividades e táticas conjuntas entre a equipe de profissionais, com experiências de aproximação com os familiares dos pacientes assistidos. Tal estudo<sup>7</sup> concluiu que, nos ambientes de formação profissional em saúde, a possibilidade de criação de espaços de discussão acerca da comunicação com familiares e paciente, melhora o envolvimento do processo de comunicação, além de instrumentalizar os profissionais de enfermagem para que estes possam lidar com suas reações e emoções durante o processo de assistência e hospitalização, dos pacientes assistidos. Destarte, esta pesquisa<sup>7</sup> ainda ressalta que a gama existente para se obter com qualidade o processo de comunicação efetiva, está através da utilização das tecnologias duras, tais como o uso de computadores (sendo estes considerados equipamentos importantes no processo de trabalho das equipes intra-hospitalares). Do mesmo modo, corroborando com este estudo, realizou-se em um grande centro de saúde, um estudo empírico que determina o uso criativo de tecnologias duras. Neste<sup>9</sup>, é descrito que profissionais médicos e enfermeiros utilizaram como forma de contato com os pacientes pagers tradicionais, aos quais compartilhavam informações precisas dos pacientes através de páginas online por um software. Por conseguinte, este estudo, resultou no melhoramento da comunicação e o trabalho de qualidade, potencializando melhorias de atendimento e segurança aos pacientes. <strong>Conclusão:</strong> este estudo admite a reflexão acerca dos aspectos positivos e negativos da comunicação, e o uso de tecnologias leve-duras e duras emaranhados na prática deste processo, aos quais oferecem possibilidades de estratégias ou de resultados positivos dessa implementação a diversas instituições hospitalares ou não. Igualmente, este poderá contribuir para o estímulo e participação dos gestores hospitalares para tomada de decisões e estratégias que resultem na elaboração de planos e ações, que minimizem erros e desacertos na assistência. <strong>Descritores:</strong> Comunicação; Enfermagem; Hospital.</p> 2021-07-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11789 A ampliação dos espaços de participação social no Sistema Único de Saúde através das ouvidorias 2021-06-10T19:09:45-03:00 Fabrícia Silva de Araújo Galindo fsaufal@yahoo.com.br Eladja Oliveira Santos eladja_servicosocial@hotmail.com Manuela do Nascimento Lourenço manuelan.lourenco@gmail.com Josineide Francisco Sampaio josineide.sampaio@famed.ufal.br <p>Divulgar o serviço de Ouvidoria do SUS como espaço de participação social e fortalecimento do Controle Social no SUS, facilitando a compreensão dos usuários do SUS, preceptores, profissionais de saúde e conselheiros de saúde sobre as formas de acesso ao serviço de Ouvidoria SUS. Na escolha do método foram considerados aspectos como o público que se deseja atingir, e a facilidade na divulgação das informações de forma mais célere e de fácil absorção do conteúdo. O material escolhido para a elaboração dos vídeos foi selecionado pelas autoras. O vídeo educacional ampliar a possibilidade de acesso à informação sobre o serviço de ouvidoria, através da divulgação em meios eletrônicos. A Ouvidoria SUS é uma estratégia adotada para o fortalecimento do controle social e amplia os canais democráticos de participação da população. Nesse sentido a divulgação do vídeo educacional junto aos atores sociais é de suma importância para a educação cidadã e fomento da participação social nas políticas públicas.</p> <p><strong>Descritores: </strong>defesa do paciente; controle social; educação em saúde.</p> 2021-09-10T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11783 Autoconhecimento e autocuidado: diminuiçâo da morbimortalidade em depentes químicos 2021-06-10T19:04:04-03:00 Gilson Jefferson Andrade gilson.andrade@famed.ufal.br <p>Várias são as causas de morte que acometem o homem. Dentre todas, as causas externas e violentas lideram o topo dessa vasta lista. É notório salientar, no entanto, que uma parcela dessas mortes não são causadas isoladamente, mas foram resultado de um fator social que permeia o homem atual: consumo de drogas. Várias dessas mortes, através de cuidados primários de saúde, poderiam ter sido evitadas, caso o contato entre APS e paciente fosse antes estabelecido e achado oportunidade para um tratamento holístico. Esse trabalho tem como objetivo mostrar que a reflexão coordenada, direcionada por profissionais da saúde devidamente capacitados e auxiliada por ferramentas elaboradas para a melhora do autoconhecimento sobre problemas de saúde e suas consequências, amplia a noção de promoção e prevenção da saúde e trazem benefícios que diminuem a taxa de mortalidade por causas evitáveis.</p> 2021-10-01T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11777 Estudantes de medicina e visita domiciliar: um relato de experiência 2021-06-18T13:03:59-03:00 Maria Eduarda Rech Ferreira dudinharech28@gmail.com Mariana Aparecida da Silva Carvalho marianaacarvalho.98@gmail.com <p>Discorrer sobre as experiências de alunos durante as aulas práticas de Saúde e Sociedade I em uma comunidade atendida pela Estratégia de Saúde da Família. Trata-se de um relato de experiências vividas entre os meses de outubro e novembro (2019) na Unidade Básica de Saúde da Família Denisson Menezes articulado à revisão de literatura. Durante a visita foi possível perceber os diferentes aspectos dos determinantes sociais de saúde, incluindo características gerais, infraestrutura local e associações socioculturais. Ademais, obteve-se a opinião de moradores da comunidade, a partir da escuta de seus relatos, a respeito dos atendimentos oferecidos pelo sistema de saúde. Tal atividade possibilita a valorização de todos os membros da equipe, da relação de vínculo entre profissional e usuário e de um atendimento mais humanizado.</p> 2021-10-01T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11756 O cenário da educação médica brasileira na pandemia da Covid-19 2021-06-10T18:52:26-03:00 João Vitor Matos de Oliveira joao.oliveira@famed.ufal.br <p>Analisar o cenário do estudante de Medicina no Brasil no contexto da pandemia da Covid-19, buscando identificar as estratégias desenvolvidas para dar continuidade à educação médica, avaliar a adaptação pelos discentes e docentes e expor o papel do estudante perante as mudanças da realidade social. Trata-se de uma revisão narrativa da literatura. O levantamento bibliográfico foi realizado, em outubro de 2020, nas seguintes bases de dados: SciELO, Lilacs e MedLine. Os termos utilizados para a busca foram “educação médica” e “Covid-19”. Os critérios de inclusão foram trabalhos científicos: produzidos no Brasil e publicados em periódicos nacionais e internacionais no último ano; relacionados aos termos de estudo, presentes no título ou resumo; escritos nos idiomas português, inglês ou espanhol; e disponíveis on-line na forma de artigo completo e gratuito. Foram selecionados 21 artigos, dentre os quais 8 consistiram em relatos de experiência. Os artigos foram analisados e agrupados em três categorias temáticas: 1 - A busca por diferentes estratégias de ensino-aprendizagem; 2 - Os desafios e as contribuições do ensino não presencial; e 3 - O papel do estudante frente à vulnerabilidade social na pandemia. A elaboração de novas formas de ensino na pandemia é uma tarefa muito desafiadora e depende da cooperação mútua entre os diversos setores que participam da esfera acadêmica, ainda assim é possível garantir a aprendizagem e construir um ambiente propício para a formação médica mediante a inclusão digital, com políticas públicas integradoras. Além disso, o agravamento de problemas psicológicos associados à pandemia suscita a necessidade de suporte emocional e pedagógico para os alunos.<br />Descritores: educação médica; infecções por coronavírus; pandemias.</p> 2021-10-01T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11729 Materiais educativos em tempos de pandemia: contribuições da extensão universitária 2021-06-15T14:56:40-03:00 Thiago Inacio Teixeira do Carmo thiago.carmo@estudante.uffs.edu.br Julia Beatrice de Araujo julia.beatrice@estudante.uffs.edu.br Ana Gabrieli Sauer ana.g.sauer@gmail.com Izadora Czarnobai izadoracz@gmail.com Rafaela Thais Schalanski rafaelaschh@gmail.com Maira Rossetto maira.rossetto@uffs.edu.br <p>Relatar a experiência de acadêmicos de medicina e enfermagem na construção e disseminação de cartilhas educativas. As cartilhas foram desenvolvidas com auxílio de sites com recursos gráficos, utilizando informações do Ministério da Saúde e sociedades médicas, com adaptação da linguagem para ser acessível a toda a população. Foram desenvolvidas 4 cartilhas: “Aleitamento materno em tempos de COVID-19”, “Saúde da criança em tempos de COVID-19”, “Educação e controle da disseminação do coronavírus em populações privadas de liberdade” e “Violência contra a mulher no contexto da pandemia: como posso ajudar?” que contém orientações ao público em geral e alguns tópicos voltados para públicos específicos, como os profissionais da saúde. Os materiais trazem conteúdos de suma importância para os cenários que estamos vivenciando, com orientações necessárias para a proteção da população. Para os acadêmicos, a construção desses materiais contribuiu no desenvolvimento de habilidades relacionadas às tecnologias e síntese de dados. Ademais, essas atividades proporcionam o retorno à comunidade, o que é dever da extensão.</p> 2021-10-01T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11883 Tendências temáticas dos trabalhos de conclusão de curso no Programa Mais Médicos- AL 2021-05-26T17:21:23-03:00 Júlia Morgado Nunes da Costa juliamorgado5@gmail.com Letícia Lóh Lacerda Porto leticia_llp@hotmail.com Francisco José Passos Soares francisco_passos01@hotmail.com <p>Verificar como os profissionais do programa percebem e pretendem intervir nos processos de saúde e adoecimento nas comunidades em que atuaram. Estudo quantitativo, descritivo, desenvolvido durante os anos 2019 e 2020, valendo-se da base de dados fornecida na área de pesquisa da página web específica do curso de especialização em gestão do cuidado em saúde da família. Período analisado entre 2017.2 e 2018.1. Dos 43 TCCs analisados, 60,5% foram realizados pelo sexo feminino e 39,5% pelo masculino. Dentre esses profissionais, 55,8% eram estrangeiros e 44,2% brasileiros. Dezenove trabalhos (44,2%) correspondiam a profissionais que atuavam na Macrorregião 1 de saúde e 24 (55,8%) na Macrorregião 2. Quanto aos temas abordados, houve predomínio de doenças crônicas não transmissíveis (46,6%): cardiovasculares (hipertensão arterial) e metabólicas (diabetes mellitus), seguidos por temas relacionados à saúde da mulher e gestação (21%): gravidez na adolescência, pré-natal, aleitamento materno e planejamento familiar, e parasitoses intestinais e esquistossomose (14%). Dentre os nós críticos, verificou-se a recorrência de questões relacionadas aos determinantes sociais de saúde, bem como à educação. Às intervenções propostas, observou-se maior prevalência de ações voltadas para a educação (educação em saúde, capacitação de profissionais, educação permanente); outras estão ligadas à qualificação e melhoria na prestação do atendimento à população, seguida por soluções relacionadas a hábitos e condições de vida e políticas públicas. Os temas escolhidos demonstram compromisso e conhecimento da realidade sanitária loco-regional e coerência com as políticas públicas em saúde. Entretanto, as intervenções propostas são insuficientes para a significativa modificação da realidade sanitária local, uma vez que se limitam a atuação individual do paciente ou do médico e equipe de saúde.</p> <p><strong>Descritores:</strong> programa mais médicos; atenção primária à saúde; educação em saúde.</p> 2021-09-10T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11820 A contribuição do estágio supervisonado de enfermagem para a melhoria do cuidado 2021-07-13T21:53:00-03:00 Valéria Antônia Pereira valeriapereira1704@gmail.com <p>Analisar a percepção dos enfermeiros do setor de emergência quanto à relevância do estágio supervisionado como qualificador da assistência. Pesquisa de cunho qualitativo, com abordagem de análise de conteúdo, cujas respostas ao questionamento sobre o tema foram submetidas a uma análise temática. A a análise dos discursos, emergiram duas categorias de relevância do estágio supervisionado como qualificador da assistência: a primeira envolveu os benefícios para o paciente, e a segunda tratou do estágio como espaço privilegiado de preparo profissional para o estudante e para o preceptor do serviço. O campo de estágio configura-se em local privilegiado para discentes e preceptores vivenciarem o diálogo entre academia, universidade, escola técnica e o mundo do trabalho. Porém, é preciso refletir sobre o modo como todo esse conhecimento qualifica de forma efetiva a assistência prestada ao paciente.<br /><strong>Descritores: Estágio; Serviço Hospitalar de Emergência; Educação em Enfermagem.</strong></p> 2021-07-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11790 Análise por webinários dos possíveis impactos da pandemia em acadêmicos 2021-03-22T16:56:45-03:00 Louise Raphaele Silva louraphaele@gmail.com Ana Clara Ferreira Mendes clarismendes@gmail.com Efraim Solidade Pacheco efraimsolidade10@gmail.com Andressa Santos Pereira andressa.snpereira@gmail.com Annie Beatrice Caires Oliveira abcaireso@gmail.com Ana Flávia Souto Figueiredo Nepomuceno anaflaviafigueiredo@outlook.com <p>Frente ao isolamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus no ano de 2020, os agravos gerados na saúde mental de milhares de pessoas ao redor do mundo tornaram a temática "Saúde mental durante a pandemia" um tema extremamente necessário. Ao mesmo tempo, as instituições educativas tiveram que dar prosseguimento às suas atividades através de modalidades online. Devido a essa situação, os ligantes da Liga Acadêmica de Propedêutica e Semiologia Médicas da UNEB (LAPSU) se dispuseram a organizar dois Webinários voltados para os temas "Saúde mental durante a pandemia" e "Produtividade acadêmica durante o mesmo período". Tal iniciativa proporcionou aos mesmos experiência no manejo de redes sociais e mobilização de profissionais e ex-alunos, além de terem sido extremamente agraciados com o montante de informações e recomendações vindas de profissionais especializados durante o evento. Ademais, ressalta-se a importância de discutir sobre estas temáticas e os seus impactos na vida de acadêmicos a fim de realizar intervenções precoces. </p> 2021-10-16T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11781 Preceptor na Atenção Básica do sus: qual o seu papel no fomento do Controle Social durante o estágio? 2021-06-11T10:46:43-03:00 Eladja Oliveira Santos eladja_servicosocial@hotmail.com Josineide Francisco Sampaio josineide.sampaio@famed.ufal.br <p>Disponibilizar aos profissionais da saúde, usuários e estudantes recursos áudio visual sobre controle social na saúde e contribuir para Educação Permanente em Saúde dos trabalhadores do SUS. A elaboração do vídeo ocorreu no programa @Powtoon que disponibiliza uma versão gratuita. Foi construído um roteiro abordando aspectos mais importantes relacionados a legislação e estudos voltados para temática do controle social, formação em saúde e preceptoria. Espera-se que o vídeo possa contribuir para formação de diversos atores sociais (preceptores, estudantes, gestores e professores) que vivenciam o Sistema Único de Saúde seja na figura de usuários (as) e/ ou como profissionais que atuam no fortalecimento dessa política. O vídeo educativo permite fácil acesso e divulgação em diversos canais e redes sociais, permitindo sua replicação em diversos locais de formação em saúde.</p> <p><strong>Descritores: </strong>controle social; formação em saúde; atenção básica.</p> 2021-10-16T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11586 Construção de recurso didático para a promoção da saúde em tempos de Pandemia de SARS-CoV-2: diálogos interdisciplinares em Saúde, Educação e Design 2021-06-26T22:20:18-03:00 Claudio José dos Santos Júnior claudiosantos_al@hotmail.com Alaine dos Santos Silva Martins alaine.martins22@gmail.com Maria Rosa da Silva enfamariarosa@yahoo.com.br Janaína Freitas Silva de Araújo jana.f.araujo@gmail.com Juliana Donato de Almeida Cantalice juliana.donato@fau.ufal.br <p>Trata-se de trabalho do gênero Relato de Experiência do Projeto de Extensão Universitária “Colorinando: Design e Saúde” e da feitura de um recurso educacional para a promoção da saúde em tempos de pandemia do novo coronavírus. A primeira ação do Projeto consistiu na confecção de um recurso educacional acerca do tema “Medidas de higienização em tempos de Pandemia do novo Coronavírus” no formato de uma História em Quadrinhos. A estratégia se insere no campo de ações da Extensão e surge diante da necessidade de ofertar e facilitar o acesso às informações de cunho educativo relacionadas à prevenção e ao controle da transmissão do novo coronavírus, tendo sido projetada para uso pelo público infantojuvenil.</p> 2021-06-18T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11758 Perdão, confiança e amizade: Valorização dos sentimentos de dependentes químicos 2021-06-26T22:20:41-03:00 Rafaela Maria Bezerra Duarte rafaelamaria.duarte@gmail.com <p>O Projeto de Extensão AMAR: CI pertencente à Universidade Federal de Alagoas (UFAL) tem como um de seus objetivos a Educação em Saúde para o público acometido pela dependência e abuso de substâncias psicoativas através da atuação nas comunidades terapêuticas de Maceió. Uma das ações do projeto aconteceu na Casa Betânia, comunidade terapêutica que acolhe o público feminino, e teve como objetivo a manutenção da saúde mental das acolhidas através de atividades para valorizar e fortalecer os sentimentos de perdão, confiança e amizade. Tal demanda foi percebida pelos integrantes do projeto ao conversar com as mulheres da comunidade e saber suas histórias que foram marcadas por um passado permeado pelo abandono, rejeição, violência e medo. O resultado das atividades realizadas foi contundente com a literatura científica e influenciou positivamente o bem estar desse público, mais especificamente na qualidade de saúde mental. Logo, nota-se a importância e a necessidade de realização de ações voltadas a esse público que integrem o cuidado a saúde de forma total e individualizada.</p> 2021-06-18T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12829 Saúde e Democracia no Brasil em Tempos de Pandemia da Covid-19 2021-08-18T14:57:31-03:00 Matheus Ribeiro Bizuti matheus_ribeiro.bizuti@hotmail.com Maria Eneida de Almeida maria.almeida@uffs.edu.br <p><span style="font-weight: 400;">Diante da pandemia da Covid-19, o Estado Brasileiro deparou-se com a intensa fragilização política, social, econômica e sanitária que por anos estava sendo camuflada aos olhos da população. Não é de hoje que as diferentes sociedades enfrentam situações de pandemia, desde a Peste de Justiniano em 541 d.C. até a crise do novo Coronavírus, oficializada em 2020. Em meio às crises, faz-se míster a sobrevivência da democracia e do sistema público de saúde, condições que foram arduamente conquistadas pela sociedade. Dessa forma, reafirmar que democracia é saúde faz parte da digna condição dos cidadãos. Destarte, torna-se imperativo refletir como o ser humano, detentor da liberdade e da democracia, fez uso dessa mesma liberdade para poder destruí-la diante da crise política e sanitária experimentada pelo Brasil da pandemia.&nbsp; &nbsp; </span></p> 2021-12-09T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12508 Conceito de família para atuação da psicologia no Sistema Único de Saúde 2021-06-15T10:56:25-03:00 GLADISTON ROSSI STOICOV gstoicov@gmail.com <p><strong>Introdução</strong>: O Sistema Único de Saúde contempla a psicologia como serviço secundário ou especializado nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. O conceito de família adotado na política pública traz implicações para a atuação da(o) profissional uma vez que se desdobra de leis que pretendem consonância com a realidade social. Diante disso, buscou-se identificar a acepção de família expressa nos textos legais pertinentes (Constituição Federal, Estatuto da Criança e do Adolescente, Ação Direta de Inconstitucionalidade pertinente, legislação do SUS, Projeto de Lei para Estatuto da Família), nas referências técnicas para atuação de psicólogas(os) publicadas pelo Conselho Federal de Psicologia (para atuação na Atenção Básica à Saúde; no CRAS/SUAS; no CAPS - Centro de Atenção Psicossocial; no Centro de Referência Especializado da Assistência Social – CREAS) e dados do IBGE acerca da composição familiar no Brasil. <strong>Conclusão</strong>: Observaram-se lacunas e omissões da definição de entidade familiar nas fontes analisadas, o que poderia levar a uma perda de eficiência na execução da política pública.</p> 2021-12-09T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12096 As noções de espiritualidade do campo de estudos da psicologia transpessoal brasileira 2021-06-26T22:25:34-03:00 Divanise Suruagy Correia divanise.correia@famed.ufal.br Aurino Lima Ferreira aurinolima@gmail.com <p>A psicologia transpessoal surge no cenário brasileiro no final dos anos 70 com uma agenda de pesquisa e estudos atrelada à inclusão da espiritualidade como dimensão humana e aspecto fundamental na promoção da saúde. A partir de uma revisão sistemática tomada como problematização, apresentamos as cinco principais noções de espiritualidade mobilizadas no campo acadêmico brasileiro transpessoal: 1) a espiritualidade como o não religioso; 2) a espiritualidade como experiência transformadora; 3) a espiritualidade como cultivo de valores humanos fundamentais, 4) a espiritualidade como visão integral; e 5) a espiritualidade participativa decolonial. O conjunto destas noções pode contribuir não apenas para a complexificação dos estudos da espiritualidade, como também para ampliação das perspectivas de saúde e o cultivo do bem viver.</p> 2021-06-18T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12046 REDUÇÃO DE DANOS: o conhecimento dos estudantes de Enfermagem e Medicina 2021-06-15T10:51:47-03:00 Shirleide Martins Cavalcante de Morais shirleidemcm@yahoo.com.br Divanise Suruagy Correia divanises@gmail.com Andrea Marques Vanderlei Fregadolli deadoutorado@hotmail.com <p class="Corpo" align="center"><strong> </strong></p><p class="Corpo"><strong>Introdu</strong><strong>çã</strong><strong>o</strong>: Redução de Danos, como estratégia frente ao alcoolismo, se dá através da perspectiva transdisciplinar de saúde, educação, assistência social, cultura, trabalho e renda, visando a garantia do cuidado e dos direitos das pessoas. <strong>Objetivo</strong>: Investigar o conhecimento sobre Estratégia de Redução de Danos entre estudantes dos Cursos de Medicina e Enfermagem de uma universidade pública de Maceió. <strong>M</strong><strong>é</strong><strong>todo</strong>: Trata-se de uma pesquisa qualitativa realizada com um grupo de 28 estudantes (sendo 16 do curso da graduação em Enfermagem e 12 do curso de graduação em Medicina), em 2019. Foram realizados dois grupos focais com a participação de um moderador, observador e dos estudantes, empregando-se um roteiro com sete questões norteadoras. As falas foram gravadas, transcritas e os conteúdos textuais foram processados no software IRAMUTEQ. <strong>Resultados</strong>: Seis classes foram geradas após a análise: classe 1: Política de álcool e outras drogas; classe 2: Aprendizagem sobre o tema; classe 3: Abordagem do tema no curso, classe 4 denominada: Estratégia de Redução de Danos; classe 5: A compreensão do conceito de Redução de Danos e classe 6: Discussão do tema Redução de Danos durante a graduação. <strong>Conclus</strong><strong>ã</strong><strong>o</strong>: Observou-se que os pesquisados possuem conhecimento sobre Redução de Danos, porém ainda necessitam de uma melhor aprendizagem sobre o assunto.</p><p class="Corpo"> </p><p class="Corpo"><strong>Palavras – chave</strong>: Redução de danos. Alcoolismo. Álcool. Saúde mental.</p> 2022-01-24T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12581 Perfil de investigadores en el área de salud pública en Brasil 2021-09-09T15:10:28-03:00 Wellington Danilo Soares wdansoa@yahoo.com.br Joselina Rodrigues Moreira mrodriguesjosi@gmail.com Larissa Alves Marcelino larissaalvesmarcelino@gmail.com Poliana Franco Braga poli22_braga@hotmail.com Raquel Schwenck de Mello Vianna Soares quelschwenck@hotmail.com Daniel Antunes Freitas danielmestradounincor@yahoo.com.br <p><strong>Introducción</strong>: La búsqueda del crecimiento de la investigación a nivel nacional promovió acciones de incentivo a la comunidad científica. <strong>Objetivo: </strong>analizar el perfil de los investigadores becarios de productividad en investigación en el área de Salud Pública del Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) de Brasil. <strong>Método:</strong> se analizaron los currículos Lattes de 238 becarios de productividad en investigación en el área de Salud Pública, vigentes en el primer semestre de 2020. Las variables analizadas fueron: categoría del becario, género, dirección, número de estudiantes de postdoctorado, doctorado, maestría e iniciación científica orientados, número de artículos y capítulos de libros publicados. <strong>Resultados: </strong>entre los investigadores, hubo un predominio del género femenino (55%) y becarios en la Categoría 2 (57.14%). En cuanto a la orientación, la mayoría orientó hasta 3 estudiantes posdoctorales, en los cuales el 47% no orientaron esta modalidad. Los becarios aconsejaron, predominantemente, entre 1 y 6 estudiantes de maestría y doctorado. <strong>Conclusión: </strong>la Salud Pública ocupa el segundo lugar en el número de becarios de productividad. La mayor inyección de recursos en los centros educativos en el sur y sureste se puede destacar como una de las principales causas de la concentración de la investigación en estas áreas.</p> 2021-12-09T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11866 Análise crítica e reflexiva do filme ”Patch Adams: o amor é contagioso” faces das relações de poder no cenário hospitalar 2021-06-10T19:49:32-03:00 Mari Rosa Silva SILVA enfamariarosa@usp.br <p>Fazer uma reflexão sobre a obra “Patch Adams: o amor é contagioso” em face da formação médica e de aspectos que perpassam demais profissionais de saúde, abordando as relações de poder no cenário hospitalar e a figura do palhaço. Como percurso metodológico, foi realizada uma análise acerca dessas relações expressas na obra cinematográfica. O longa-metragem é uma produção que relata a formação médica pelo Serviço de Saúde dos Estados Unidos, nos anos 90, a qual perpassa alguns ensinamentos até este momento. Dito isso, o filme é utilizado como meio de promover o debate sobre a figura do palhaço de hospital e a concepção de que ele irá resolver demandas da saúde em geral. Como resultado deste trabalho, foi analisado o modo de produzir a saúde na sociedade, ampliando o conhecimento de que é preciso repensar o modelo assistencial hegemônico, priorizando prestar um serviço acolhedor e individualizado de assistência interdisciplinar e transdisciplinar em saúde ao paciente.</p> 2021-08-05T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11535 Índice APRI como marcador de Fibrose Hepática em pacientes com Esquistossomose Mansônica 2021-06-04T16:39:23-03:00 Rozangela Fernandes Wyszomirska rozangela.wyszomirska@famed.ufal.br Celina Maria da Costa Lacet cmlacet@hotmail.com Lucyo Wagner Torres de Carvalho lwagnertc@gmail.com Heloisa Helena Motta Bandini heloisabandini@gmail.com <p>INTRODUÇÃO: A esquistossomose mansônica pode evoluir com fibrose periportal e a detecção da fibrose vem sendo estudada. OBJETIVO: Avaliar o índice APRI em pacientes portadores de esquistossomose mansônica. MÉTODO: Foram avaliados 84 pacientes com formas diferentes da doença, submetidos a exames de ultrassonografia, determinação de enzimas, cálculo do índice APRI. Os dados obtidos foram submetidos a análise estatística conforme a necessidade. RESULTADO: A média de valores do APRI na forma EHE foi de 1,27 ± 0,93, na EHI 1,27 ± 0,93 e na EI foi de 0,25 ± 0,04, sendo observado diferença significativa (p&lt;0,0001) à medida que a fibrose avançava. Foi observado aumento significativo do espessamento periportal ao ultrassom na forma EHE da doença em relação as demais (p&lt;0,001). A correlação entre ultrassom e APRI são sugestivos de haver uma concordância significativa entre os dois. O ponto de corte de 1,7 do APRI mostrou sensibilidade e especificidade de 100%. CONCLUSÃO: O APRI apresentou boa performance na identificação de fibrose hepática na Esquistossomose mansoni. Um cálculo de APRI igual ou maior que 1,7 indica fibrose severa, enquanto um limiar abaixo de 0,35, indica com segurança que não existe fibrose. É seguro usar o APRI para identificar existência de fibrose hepática. Para estratificação do grau de fibrose, um resultado do APRI acima de 1,7 confirma a presença de fibrose severa.</p><p><strong>Palavras chaves: </strong><em>Esquistossomose; APRI; Fibrose Hepática</em></p> 2021-07-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12999 Deslindado a prática médica no âmbito da saúde mental sob a perspectiva do médico atuante na Atenção Primária 2021-09-13T18:07:28-03:00 Mayara Nakiria Tavares da Rocha may_nakiria@hotmal.com Rozangela Maria de Almeida Fernandes Wyszomirska rozangela.wyszomirska@famed.ufal.br David dos Santos Calheiros davidcalheiros@hotmail.com <p>O presente estudo buscou compreender a prática médica em saúde mental no cenário da Atenção Primária em Saúde (APS). Para tanto foi adotada uma abordagem qualitativa, de caráter exploratório, descritivo, na qual por meio de entrevistas com médicos atuantes na APS de um município do estado de Alagoas/Brasil, se produziu dados, cujo</p> <div><em>corpus </em></div> <p>foi tratado a partir da aplicação da análise temática de conteúdo. A prática médica em saúde mental na APS persiste em uma perspectiva do modelo biomédico, valorizando a atuação do psiquiatra como responsável pelo cuidado, bem como o uso da medicação como principal abordagem terapêutica. Quanto a relação com a família se reconhece a sua importância, embora que com o paciente em sofrimento mental se tem dificuldades para o atribuir um papel de protagonismo em seu processo de cuidado. Desta forma, se faz necessário repensar os caminhos de transformação da prática médica em saúde mental na APS, seja pelo incentivo a propostas formativas condizente com a realidade de atuação do médico generalista, seja pela organização e consolidação da rede de Atenção Psicossocial, de modo que o médico possa vislumbras outras possibilidades de atuação e abordagens condizentes com as políticas que regem o cuidado em saúde mental no país.</p> 2022-01-24T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11855 Plano Estadual de Saúde: representação gráfica do processo de construção de um plano 2021-07-01T08:16:52-03:00 Rozangela Fernandes Wyszomirska rozangelaw@yahoo.com.br Bárbara Camilla Barbosa de Mendonça barbarmendonca@hotmail.com Adriana Reis de Barros arbarros17@yahoo.com.br Mayara Nakiria Tavares da Rocha Calheiros may_nakiria@hotmail.com Heloisa Motta Bandini heloisabandini@gmail.com <p>No Brasil, a cada quatro anos, são elaborados os planos de saúde nas três esferas de governo: União, estados e municípios. Existe uma grande lacuna na literatura sobre a abrangência de ações realizadas para que os planos elaborados sejam produtos que impactem na melhoria da qualidade de vida da população. O objetivo do presente estudo foi analisar a abrangência do processo de construção do PES 2016-2019 do estado de Alagoas. Para isso, foi realizado pesquisa documental e utilizado o mapa conceitual para a representação gráfica do percurso percorrido. Foi realizado um estudo de caso, com abordagem predominantemente qualitativa, através da análise documental de relatórios de eventos ocorridos, para o processo de elaboração do PES. A ferramenta utilizada para mostrar o resultado da análise foi o mapa conceitual. Foram identificados diversos relatórios de análise situacional de Saúde, oficinas de levantamento de prioridades e de planejamento regional, diretrizes da Conferência Estadual de Saúde de 2015 e do Planejamento Estratégico 2015-2016. Foi observado que a etapa de levantamento de informações da situação de saúde identificou os principais problemas de saúde da população, inclusive com a priorização dos eventos mais agravantes para a saúde do alagoano, compatibilizado com o planejamento orçamentário e estratégico, constituindo a ideia central do PES de Alagoas 2016-2019. A representação gráfica demonstrou que o processo de construção do plano estadual de saúde foi abrangente, identificando os principais e mais impactantes aspectos para a saúde da população de Alagoas, gerando inúmeras informações de grande importância para os gestores. Espera-se que o esforço dispendido para a elaboração do plano, tenha levado a uma execução do planejamento com efetividade. Além disso, consideramos que o mapa conceitual foi uma ferramenta apropriada, facilitando a análise do passo-a-passo que a gestão realizou no percurso da elaboração.</p> <p><strong>Descritores: plano de saúde; sistema único de saúde; mapa conceitual.</strong></p> 2021-09-09T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12395 Saúde Mental de Crianças e Adolescentes Quilombolas de Alagoas 2021-05-24T16:49:01-03:00 Divanise Suruagy Correia divanise.correia@famed.ufal.br Arthur Abreu arthurabbreu@gmail.com Maria das Graças Monte Mello Taveira montegraca@gmail.com Sandra Lopes Cavalcate sandralcavalcanti@yahoo.com.br João Luiz Melo Sathler joao.sathler@famed.ufal.br Maria Genelva Almeida C0sta genelvapsi@gmail.com <p><strong>Objetivo: </strong>Avaliar a saúde mental de crianças e adolescentes de uma comunidade quilombola em Alagoas. <strong>Métodos:</strong> Trata-se de um estudo transversal, analítico. Usou-se como instrumento o Questionário de Capacidades e Dificuldades (SDQ) em uma amostra de 181 escolares, de ambos os sexos, na faixa etária de 4 a 18 anos residentes em uma comunidade quilombola, em 2018. A coleta de dados foi feita através de entrevistas individuais em reuniões convocadas pela referida instituição. <strong>Resultados: </strong>Foram pesquisados – Em todas subescalas do SDQ há pelo menos 25% de riscos de desenvolvimento de transtorno mental em crianças e adolescentes. Em relação ao sexo, sintomas emocionais e problemas de comportamento foram mais frequentes entre mulheres. Comparando faixa etária, o resultado que obteve maior impacto foi o relacionado à problema de comportamento em adolescentes. <strong>Conclusão</strong>: O uso do SDQ permite diagnóstico, apenas de triagem. Os dados podem subsidiar elaboração de estratégias de intervenção na população quilombola.</p> 2021-12-09T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11520 Câncer de Colo de Útero: Situação dos laboratórios em Alagoas 2021-06-26T22:22:09-03:00 Heloisa Helena Motta Bandini heloisabandini@gmail.com Carmen Silvia Motta Bandini carmen.bandini@uncisal.edu.br Rodrigo Japur Duarte Tavares rodrigojapur@gmail.com Rozangela Maria de Almeida Fernandes Wyszomirska rozangela.wyszomirska@famed.ufal.br <p>INTRODUÇÃO: O câncer de colo de útero tem alta incidência entre as mulheres brasileiras e o exame citopatológico de colo de útero (Teste de Papanicolaou) é uma importante ferramenta para o seu combate, por identificar lesões precursoras da doença. OBJETIVO: Avaliar a qualidade interna dos laboratórios que realizam os exames citopatológicos de colo de útero para o SUS em Alagoas de modo a permitir o monitoramento dos serviços prestados. MÉTODO: Para tanto, foram utilizados indicadores de controle interno de qualidade dos laboratórios (índice de positividade, percentual de exames compatíveis com ASC entre os exames satisfatórios, percentual de ASC entre os exames alterados, razão ASC/SIL, percentual de exames compatíveis com HSIL e percentual de amostras insatisfatórias) para o triênio 2011-2013, com base nos dados disponíveis no SISCOLO. RESULTADO: A qualidade dos laboratórios investigados está abaixo do recomendado pelas organizações de saúde e Alagoas apresenta uma cobertura de exames inferior à necessária para a população. CONCLUSÃO: Os resultados sugerem falhas do sistema de saúde e a necessidade de replanejamento de todo ciclo de prevenção e controle do câncer de colo de útero no Estado.</p> 2021-06-18T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11614 Câncer de colo de útero em Alagoas: um estudo descritivo retrospectivo 2021-06-26T22:22:51-03:00 Mayra Alencar da Silva mayraalencars@outlook.com Bruna Stefany Rebouças França brunabsrf@gmail.com João Paulo Oliveira de Almeida joao.almeida@arapiraca.ufal.br Thais Miranda Rodrigues thais.rodrigues@arapiraca.ufal.br Vanessa Silva Santos vanessa.santos2@arapiraca.ufal.br Amanda Karine Barros Ferreira Rodrigues amanda.barros@arapiraca.ufal.br <p class="Normal1"><strong>Objetivo:</strong> Analisar a cobertura das políticas de rastreamento e seus impactos na mortalidade do câncer de colo de útero em Alagoas. <strong>Método:</strong> Foi feito um estudo descritivo retrospectivo, em outubro de 2020, com dados relativos à realização de exame citopatológico, colposcopia e biópsia de colo de útero dos municípios alagoanos entre 2013 e 2019 e mortalidade por câncer de colo de útero em Alagoas e no Brasil entre 2013 e 2018, extraídos do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) e do Instituto Nacional de Câncer (INCA). <strong>Resultados: </strong>Os dados demonstram que o rastreamento pelo exame citopatológico vem demonstrando uma cobertura abaixo de 10% nos últimos anos quando comparados à população feminina alagoana preconizada para realização. Além disso, as mortes por câncer de colo do útero estão estabilizadas, o que demonstra a ineficácia das políticas públicas. <strong>Conclusão:</strong> A mortalidade por Câncer de colo de útero em Alagoas segue aumentando, sendo 120 em 2018, o que evidencia que o rastreamento atual não cumpre o papel de diminuir a mortalidade, pois tem se mostrado insuficiente. Torna-se essencial o desenvolvimento e o fortalecimento de ações integradas em todos os níveis de atenção, a fim de organizar o processo de rastreamento e ampliar a oferta de procedimentos da linha de cuidado de câncer de colo de útero.</p> 2021-06-18T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12394 Mortalidade por câncer de mama no Brasil entre 1980 e 2010 2021-06-26T22:12:52-03:00 Gibson Santana gibson.santana.med@gmail.com Leyliane Macedo gibson.santana.med@gmail.com Divanece Amorim gibson.santana@arapiraca.ufal.br Yngrid Araújo gibson.santana@outlook.com Antônio Albuquerque antonioleopoldogama@gmail.com Carlos Souza carlos.freire@arapiraca.ufal.br <p><strong>RESUMO</strong><strong>: </strong>O câncer de mama é o segundo mais comum na população brasileira e o primeiro na população feminina. Este trabalho teve como objetivo analisar o perfil da mortalidade por câncer de mama no Brasil entre os anos 1980 e 2010. Trata-se de um estudo descritivo realizado utilizando dados disponibilizados pelo Instituto Nacional do Câncer. Foram analisados os indicadores de mortalidade segundo sexo, idade, unidade da federação e região. Observou-se um aumento no número de casos de câncer de mama nas últimas décadas, sendo uma enfermidade que acomete, predominantemente, a população feminina. A taxa de mortalidade aumentou com a idade em ambos os sexos. Quando se comparou as taxas brutas, padrão Brasil e padrão mundial, a taxa de mortalidade feminina foi, aproximadamente, 100 vezes maior do que a masculina. O Rio de Janeiro apresentou a maior taxa de mortalidade ajustada para ambos os sexos. Na distribuição proporcional, o Sudeste deteve 58,28% dos óbitos por câncer de mama, ocupando a primeira posição. Conclui-se que a mortalidade por câncer cresceu no Brasil nas últimas décadas. Além disso, evidenciou-se uma distribuição heterogênea dos óbitos no país.</p><strong>Palavras-chave:</strong> Neoplasias. Neoplasias de Mama. Mortalidade. 2021-06-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12540 Conhecimento compartilhado é conhecimento redobrado: a importância da escrita científica na medicina 2021-06-22T23:19:30-03:00 Gilberto S. da Silva Netto gilberto.netto@arapiraca.ufal.br Yasmin P. Nobre Lessa yasmin.lessa@arapiraca.ufal.br Danielly Gomes de Melo danielly.gomes@arapiraca.ufal.br Roberta de Albuquerque Wanderley roberta.wanderley@arapiraca.ufal.br <div id="eJOY__extension_root" class="eJOY__extension_root_class" style="all: unset;"> </div> 2021-07-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12537 Escrita científica: a importância dessa habilidade para o estudante de medicina brasileiro. 2021-06-22T08:29:10-03:00 Bruna Roberta Lopes do Nascimento bruna.nascimento@arapiraca.ufal.br Rafael Rodrigues da Silva rafael.silva@arapiraca.ufal.br <p>Caro Editor, <br />O contato com a linguagem escrita ocorre inicialmente nos primeiros anos de vida da maioria dos indivíduos. Logo nas primeiras séries da escola, de uma forma mecânica e muito simples, o aluno é ensinado e incentivado a escrever suas ideias em um papel. Ao passar dos anos, esse mesmo aluno desenvolve habilidades de escrita mais robustas e complexas, aprendendo sobre a diferenciação dos tipos de textos e os diversos contextos em que cada um deles podem ser utilizados. Porém, é somente na graduação que a Escrita Científica começa a fazer parte da dinâmica de ensino e aprendizagem do aluno diretamente. Essa tipologia de escrita pode ser definida como a produção de novas ideias, conceitos, interpretações e modelos teóricos que visam informar, de uma forma direta e objetiva, sobre determinado tema(1).<br />Na graduação de Medicina, as habilidades de escrita científica são de extrema importância para a aprendizagem dos alunos e a formação deles como futuros médicos. O desenvolvimento dessas habilidades, principalmente o raciocínio científico e a própria escrita, conforme citado, contribuem diretamente para o melhoramento do cenário da Saúde Pública, visto que a compreensão da linguagem científica dentro do meio acadêmico permite ao estudante de medicina colocar em prática, na prática médica, os saberes científicos obtidos durante a sua formação(2).<br />Dessa forma, o estudante – e futuro profissional da saúde – pode desempenhar diversos papeis na sociedade. A princípio, podemos enxergar o médico ou o estudante de medicina como aquele que desenvolve a pesquisa e, posteriormente, o conhecimento científico obtido a partir dela. Porém, por outra perspectiva, o médico ou estudante também desempenha o papel de mediador no que diz respeito à transmissão desse conhecimento científico para a população. É o profissional da saúde que vai transmitir ao seu paciente, de forma simplificada, objetiva e com uma linguagem mais simples, o conhecimento obtido a partir de diversas pesquisas e trabalhos no campo da ciência.<br />A formação médica exige, portanto, a compreensão do saber científico e a capacidade de repassá-lo para a sociedade de uma forma clara, objetiva e simplificada. Fazendo com que determinado conhecimento, antes restrito a uma linguagem acadêmica, muitas vezes robusta e erudita, chegue a todas as camadas da sociedade e seja compreendido por elas.<br />O entendimento sobre o porquê as habilidades de escrita científica serem importantes à graduação médica vai se dando conforme o avançar da própria formação acadêmica. Alunos de períodos mais avançados, que já tiveram ou têm algum contato com pesquisa, iniciação e produções científicas, entendem mais facilmente sobre essa importância, pois, na maioria das vezes, estes já desenvolveram uma parte da sua maturidade crítica acerca dessa temática(3).<br />Seguindo esse raciocínio, as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) do curso de graduação de medicina, no Brasil, requisitam que o médico obedeça e cumpra algumas condutas para o bom exercício da sua profissão. Na explanação acerca dessas condutas, as DCN fazem algumas citações sobre as habilidades relacionadas à ciência, reforçando a importância destas para a boa formação profissional dos futuros médicos, conforme mostrado a seguir(4).<br />1. Dominar os conhecimentos científicos básicos da natureza biopsicosocioambiental subjacentes à prática médica e ter raciocínio crítico na interpretação dos dados, na identificação da natureza dos problemas da prática médica e na sua resolução.<br />2. Exercer a medicina utilizando procedimentos diagnósticos e terapêuticos com base em evidências científicas.<br />3. Utilizar adequadamente recursos semiológicos e terapêuticos, validados cientificamente, contemporâneos, hierarquizados para atenção integral à saúde, no primeiro, segundo e terceiro níveis de atenção.<br />4. Conhecer os princípios da metodologia científica, possibilitando-lhe a leitura crítica de artigos técnicos-científicos e a participação na produção de conhecimentos.<br />A partir dessas citações, as DCN reforçam sobre a importância da ciência e do conhecimento científico para a aluno de medicina brasileiro. Desde o contato inicial com artigos e periódicos científicos durante a graduação, até a atuação com os pacientes na atenção primária e secundária, ou nos casos mais complexos destinados à atenção terciária de saúde, o estudante de medicina – e futuro médico – deve respaldar todas as suas ações na comprovação científica.<br />Concluímos, portanto, que as habilidades de escrita científica são imprescindíveis à formação dos médicos brasileiros. Estes devem entender a ciência e fazê-la entendida para toda a sociedade, contribuindo para a Saúde Pública brasileira de forma responsável.</p> 2021-07-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12538 O processo de escrita científica e a consolidação da atitude crítica no âmbito acadêmico e profissional da medicina. 2021-06-22T12:09:49-03:00 José Wilson Batista da Silva Junior jose.batista@arapiraca.ufal.br Débora Teixeira Viana debora.viana@arapiraca.ufal.br Maria Deysiane Porto Araújo maria.araujo@arapiraca.ufal.br 2021-07-30T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12359 Resposta ao Editorial- Afinal, de quem é a vida? 2021-06-26T22:28:05-03:00 Rafael Mozart Silva rafael.mozart@ufrgs.br <p>Carta ao Editor</p> 2021-06-18T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12518 The importance of encouraging scientific writing in medical education 2021-06-26T22:28:52-03:00 Adson Agostinho adsonyvens@gmail.com Bruna França bruna.franca@arapiraca.ufal.br Maryanne Soares maryannefs@hotmail.com Raquel Santos raquel.lima@arapiraca.ufal.br 2021-06-18T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12527 A escrita científica na graduação de medicina: caminhos para a evolução da ciência e melhorias na saúde 2021-06-26T22:29:46-03:00 André Nicácio Barbosa Lima andre.lima@arapiraca.ufal.br Eduardo Victor Martins de Oliveira eduardo.martins@arapiraca.ufal.br Luciana Rúbia Pereira Rodrigues luciana.rodrigues@famed.ufal.br 2021-06-18T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/13247 Covid-19 vaccination in 2021 and future challenges 2022-01-13T19:03:49-03:00 Rodrigo Feliciano do Carmo rodrigo.carmo@univasf.edu.br <p>Editorial</p> 2022-01-25T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12543 A escrita científica e o desenvolvimento do conhecimento: caminhos para uma nova formação médica 2021-06-26T22:18:33-03:00 André Luis Oliveira do Nascimento andre.nascimento@arapiraca.ufal.br Mateus Alves Formiga Pordeus mateus.pordeus@arapiraca.ufal.br Carlos Dornels Freire de Souza carlos.freire@arapiraca.ufal.br <p><strong>Caro Editor,</strong></p><p><strong> </strong></p><p>Graças ao desenvolvimento do saber científico, a Medicina alcançou, nos dias de hoje, um patamar técnico-científico que possibilitou um significativo incremento da expectativa e qualidade de vida da sociedade em geral. Portanto, faz-se indispensável a formação do estudante de graduação, o desenvolvimento de sua capacidade de análise crítica e do manuseio apropriado das ferramentas de produção científica.</p><p>A escrita é uma forma de registro decisiva na história da humanidade. A partir dela, pode-se ter a dimensão da progressão do desenvolvimento do científico e de compreensão das verdades últimas. Por isso, o domínio da habilidade da escrita, por parte dos produtores de conhecimento científico, é fundamental, uma vez que o saber último alcançado deve ser registrado.</p><p>Apesar da importância, é notória uma falta de experiência com a escrita científica pelos acadêmicos de Medicina do Brasil ao final da graduação<sup>1</sup>. Essa carência interfere negativamente não só no processo de produção e registro do conhecimento científico, bem como, ainda que indiretamente, nas habilidades dos alunos no aprendizado independente e na avaliação crítica da literatura médica<sup>2</sup>.</p><p>A participação em atividades relacionadas à produção de conhecimento científico colabora para o desenvolvimento de uma base profissional sólida<sup>1</sup>.Assim, para alcançar esse desenvolvimento, torna-se indispensável o domínio da escrita científica pelos estudantes das graduações de Medicina. Além disso, observa-se a necessidade de intensificar o processo de aprendizagem da escrita científica nos cursos médicos, tendo em vista que esse pilar é fundamental para alcançar uma melhor produção científica e formação crítica.</p><p>As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) do curso de graduação em Medicina corroboram esse pensamento ao recomendar:</p><p>Conhecer os princípios da metodologia científica, possibilitando-lhe a leitura crítica de artigos técnicos-científicos e a participação na produção de conhecimentos; dominar os conhecimentos científicos básicos da natureza biopsicosocioambiental subjacentes à prática médica e ter raciocínio crítico na interpretação dos dados, na identificação da natureza dos problemas da prática médica e na sua resolução<sup>3</sup>.</p>Depreende-se, portanto, que o exercício do saber científico não deve ser limitado tão somente ao estudante de graduação, mas deve estar presente na atividade médica. No entanto, os acadêmicos dos cursos médicos, com aprendizado pautado nas metodologias ativas de ensino, têm um maior acesso aos mecanismos para redigir textos científicos quando comparados aos de metodologias tradicionais<sup>1</sup>. Essa situação apresenta um possível ponto de partida para compreender as formas de alcançar um aprendizado mais eficiente de escrita científica a fim de desenvolver habilidades nos discentes das graduações de Medicina do Brasil.<p>Embora já exista uma robusta produção de conhecimento científico por parte dos acadêmicos de Medicina, é necessário ampliá-la, tendo em vista o novo perfil médico desejado. A motivação dos discentes para a realização de pesquisas pode compensar essa falta e colaborar com o desenvolvimento dos serviços de saúde do país<sup>4</sup>. Já posta a necessidade de um aprimoramento do aprendizado de escrita científica, torna-se determinante a ampliação dos investimentos em pesquisa com o intuito de aumentar o interesse pelo processo de produção do conhecimento.</p><p>Portanto, é necessário que os cursos de graduação em Medicina do Brasil criem estratégias eficientes para aprimorar as habilidades dos discentes em escrita científica, assim, contribuindo para o desenvolvimento do conhecimento científico, do serviço de saúde pública e da qualidade de vida da sociedade em geral.</p> 2021-06-24T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12089 Capacitando Técnicos de Enfermagem: Inserção na Realidade de Saúde Bucal. 2021-06-02T21:57:30-03:00 Erica Paula Barbosa erica.barbosa@academico.uncisal.edu.br Paulla Valéria de Menezes paullavaleria@hotmail.com Veugva Dionisio de Freitas veugvadionisio@hotmail.com Monique Carla da Silva Reis moniquecsto@gmail.com <p><strong>Objetivo</strong>: capacitar o técnico de enfermagem que vai trabalhar em ambiente domiciliar como cuidador ou hospitalar, sobre os cuidados básicos para manutenção da saúde bucal do paciente, sob a supervisão do cirurgião dentista. <strong>Método</strong>: Oferta de Curso de Capacitação na modalidade a distância, ao alunos do curso técnico de enfermagem de a uma Escola Profissionalizante de um Município no interior de Alagoas, com a oferta de aulas gratuitas sobre cuidados odontológicos aos pacientes acamados, domiciliados ou hospitalizados, visando a prevenção dos problemas bucais mais frequentes que podem influenciar no estado geral do paciente. A participação dos alunos aconteceu de forma voluntária. <strong>Resultado</strong>: ao final de três encontros, foram capacitados 187 alunos do curso técnico e enfermagem. <strong>Conclusão</strong>: Avaliamos a realização dessa capacitação como positiva, pois pôde-se preencher uma lacuna no planejamento das Escolas Profissionalizantes sobre saúde bucal.</p><strong>Descritores</strong>: Educação em Saúde Bucal; Educação a Distância; Assistência Integral a Saúde do Idoso; Assistência Odontológica para Idosos; Papel do Profissional de Enfermagem 2022-01-24T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11618 Barreira sanitária como estratégia de enfrentamento da COVID-19: um relato de experiência 2021-06-09T11:31:33-03:00 Rillary Caroline de Melo Silva melorillary@gmail.com Barbara Vitória dos Santos Torres barbara.torres@arapiraca.ufal.br Silvana Maria Barros de Oliveira silvana.oliveira@eenf.ufal.br Paulyne Souza Silva Guimarães paulyne.guima@gmail.com Giselle de Souza Vicente gizzasouza@gmail.com Patrícia de Albuquerque Sarmento patricia.sarmento@eenf.ufal.br <p>Descrever as experiências do ponto de vista acadêmico sobre a abordagem de uma barreira sanitária como estratégia de enfrentamento da COVID-19. Trata-se de um relato de experiência sobre a criação e implantação de um projeto de extensão direcionado para a criação de uma barreira sanitária. O projeto foi desenvolvido na Universidade Federal de Alagoas e monitorou sinais e sintomas dos transeuntes do prédio central da reitoria, através de aferição de temperatura e preenchimento de uma entrevista no período de agosto e setembro de 2020. As discentes tiveram a oportunidade de aprimorar suas habilidades em equipe, além de poderem colaborar na situação pandêmica vigente. Foi possível o desenvolvimento de atividades que irão agregar mais conhecimento na vida acadêmica e profissional das discentes.</p> <p><strong>DESCRITORES: </strong>COVID-19; estratégias; pandemias.</p> 2021-08-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11787 Perspectivas do sofrimento humano: extensão universitária com adolescentes em escola pública 2021-03-22T17:06:18-03:00 Diana Sales Cavalcante diana.s.c@hotmail.com Ísis Maia e Silva isismaia2@hotmail.com Laura Caroline Fuhr laurafuhrr@gmail.com Lilian Beatriz Silva Rodrigues liliannbsr@gmail.com Sandra Lopes Cavalcanti sandralcavalcanti@yahoo.com.br Susane Vasconcelos Zanotti susane.zanotti@ip.ufal.br <p>Descrever as ações de extensão universitária realizada com adolescentes em escola pública estadual de Alagoas, destacando as contribuições da integração entre estudantes e professores de medicina e psicologia para a formação profissional na abordagem do sofrimento humano. Trata-se de um relato de experiências vivenciadas no Projeto de Extensão ‘Na Própria Pele’, entre abril e agosto de 2019, vinculadas ao Projeto Integrador (PI) da escola. Foram realizados cinco encontros sobre depressão embasados no aporte teórico da psiquiatria e da psicanálise. Sua preparação e realização exigiram investigação e interlocução entre os estudantes das duas áreas, medicina e psicologia, bem como adaptação da linguagem técnica e uso de recursos artísticos. Destacou-se os desafios enfrentados pelos extensionistas e os efeitos da participação no projeto de extensão. A abordagem integrada entre estudantes de medicina e psicologia configurou um importante exercício de aproximação do trabalho interdisciplinar com vistas a construção nos modos de intervenção na comunidade e promoção de saúde, a partir de uma perspectiva não reducionista do sofrimento humano.</p> 2021-11-16T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11514 Clube de revista como estratégia de aprendizagem no PET-Saúde/Interprofissionalidade 2021-04-15T17:35:14-03:00 Alexia Jade Machado Sousa alexiajmachado@gmail.com Andréia Ferreira dos Santos andreia.uferreira@gmail.com Amanda Azevedo Torres amandator@live.com Lucélia Soares da Silva lucelia09@hotmail.com Eneida Anjos Paiva eapaiva.7@gmail.com <p>No cenário atual de isolamento social, novas estratégias de ensino-aprendizagem são requeridas. Assim, para alcançar os objetivos do PET-Saúde/Interprofissionalidade, os discentes pensaram no “Clube de Revista” para continuarem desenvolvendo seu processo de aprendizado e troca de experiências de forma remota. O objetivo é descrever o clube como estratégia de ensino-aprendizagem em Educação Interprofissional em contexto de pandemia. Trata-se de um estudo descritivo do tipo relato de experiência. A estratégia se desenvolve em pequenos grupos de discentes moderada pela preceptoria e tutoria do projeto em reuniões virtuais quinzenais. Cada discente seleciona um artigo científico relacionado ao tema interprofissionalidade de forma livre, em seguida é realizada a sua leitura crítica e propostos elementos para a discussão e reflexão do grupo. A proposta do clube permitiu avaliar alguns componentes da abordagem interprofissional: comunicação, interação e colaboração com os demais integrantes. O principal limitador da experiência foi a modalidade de reuniões virtuais. Essa estratégia foi considerada promotora da autonomia dos discentes, visto que a proposta partiu destes, tendo sido discutida e validada metodologicamente pelos preceptores e tutores. Observou-se ainda que a motivação e o interesse tenham sido elementos significativos no processo de aprendizagem facilitado pela estratégia de livre seleção do artigo.</p> 2021-06-25T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12627 Tratamento pelas palavras 2021-07-14T11:06:09-03:00 Sérgio Seiji Aragaki sergioaragaki@gmail.com <p>Trata-se de resenha de livro.</p> 2021-12-09T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021