Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed <p align="justify">A Revista Portal: Saúde e Sociedade é uma publicação eletrônica, editada pelo Núcleo de Saúde Pública da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Publica trabalhos inéditos, em português, inglês ou espanhol, sob a forma de artigos originais, artigos de revisão de literatura, nota prévia, resenha pública, ensaio e relato de experiência, considerados relevantes para o campo da saúde pública/coletiva e do ensino na saúde de modo a socializar o conhecimento na sociedade.</p> pt-BR <p>Esta revista adota a licença <a class="action" href="https://creativecommons.org/" target="_new">CREATIVE COMMONS</a> CC-BY 4.0.</p> <p><em>Autores mantém os direitos autorais dos textos publicados e concedem à revista o direito de realizar a primeira publicação do masnucrito. O trabalho é licenciado sob a Creative Commons Attribution License. Isto significa que o compartilhamento do trabalho é permitido, com o devido reconhecimento da autoria do trabalho e publicação inicial nesta revista.</em></p> <p><em>As contribuições dos autors devem seguir as recomendações internacionais - International Committe of Medical Journal Editors: </em><em>http://www.icmje.org/recommendations/browse/roles-and-responsibilities/defining-the-role-of-authors-and-contributors.html</em></p> <p>O autor deve declarar que o artigo é original e que não foi publicado ou submetido em outro periódico, não infringindo qualquer direito autoral ou outro direito de propriedade.</p> <p>Uma vez submetido ao artigo, a RPSS reserva-se o direito de fazer alterações normativas, ajuste ortográficos e gramaticais, a fim de manter o padrão linguístico, mas respeitando o estilo do autor.</p> <p>Os artigos publicados tornam-se propriedade do RPSS. Mesmo assim, todas as opiniões expressas são de responsabilidade dos autores.</p> <p>Esta é uma revista de acesso aberto, é permitido o uso gratuito de artigos em aplicações educacionais e científicas, desde que a fonte seja citada sob a licença Creative Commons CC-BY.</p> carlos.freire@arapiraca.ufal.br (Carlos Dornels Freire de Souza) quiteria.torres@famed.ufal.br (Quitéria Silva do Nascimento Torres) sex, 18 jun 2021 00:00:00 -0300 OJS 3.2.1.3 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Atualizações sobre fototerapia em neonatos a termo e pré-termo com icterícia não-hemolítica https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/10622 <p>A fototerapia é um procedimento pouco invasivo utilizado no tratamento da icterícia, uma manifestação clínica decorrente do aumento da concentração de bilirrubina sérica total (BST). Acomete a maior parte dos recém-nascidos (RN), especialmente os prematuros. Elencar os principais benefícios, consequências, e atualizações acerca da fototerapia para tratamento de neonatos com icterícia não-hemolítica nascidos a termo ou pré-termo tardio (com idade gestacional ≥ 35 semanas). Trata-se de uma revisão sistemática que vasculha a literatura com permutações dos seguintes descritores: jaundice; phototerapy; e newborn; considerando os idiomas português, inglês e espanhol, e a data das publicações a partir de 2015. Além disso, fez-se uso do operador booleano AND. As bases de dados consultadas foram: SciELO, Lilacs, PubMED, MedLine, periódicos CAPES e WorldWildScience. Dos 314 artigos encontrados, 36 se adequaram ao entendimento do tema abordado. A fototerapia é um processo fotocatalisador capaz de converter moléculas de bilirrubina em luminirrubina a partir da luz solar ou artificial. Essa nova substância será excretada com maior facilidade, de forma a evitar danos neurotóxicos. É considerada segura e eficiente, mesmo levando em conta características individuais e fatores de risco como prematuridade, genética, e perfil materno. Portanto, a fototerapia é merecidamente o padrão ouro para o tratamento da icterícia neonatal não-hemolítica, mas exige cautela em sua prescrição e aplicação, visto que há a possibilidade de efeitos colaterais de amplo espectro. Também se faz necessário infraestrutura e manejo adequado.</p> Pedro Henrique Albuquerque de Oliveira Santos Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/10622 qui, 15 jul 2021 00:00:00 -0300 Efeitos cardiovasculares da música de Mozart: uma revisão sistemática https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11683 <p>Ao longo dos séculos, a música tem sido utilizada para elevar o espírito das pessoas. As composições de Mozart, comparadas com as de diversos outros autores clássicos, como Brahms, Bach e Haydn, possuem uma frequência média muito superior. Logo, as modulações no domínio da frequência da música de Mozart podem ter maior influência na atividade neurofisiológica, com efeitos parassimpáticos comprovados pela literatura. Assim, esta revisão objetivou avaliar a eficácia da música de Mozart na melhoria das funções cardiovasculares, bem como identificar um padrão nas obras que possuem efeito mais acentuado. Foi realizada uma revisão sistemática de ensaios clínicos randomizados, de caráter exploratório e cunho qualitativo, nas bases de dados PubMed, LILACS, SciELO e BVS. Os efeitos dos arranjos de Mozart foram comparados com os do silêncio, das canções pop, de arranjos de outros compositores eruditos e com o “white noise”. Nesse sentido, as melodias de Mozart testadas pelos estudos apresentaram um efeito redutor da pressão arterial sistólica e diastólica mais acentuado em todos os ensaios clínicos. Também foram constatadas alterações na frequência cardíaca, no duplo produto e no nível de cortisol sérico. A terapia com música tem mostrado-se cada vez mais eficiente no tratamento de pacientes com desordens cardiovasculares e pode ser uma alternativa de baixo custo e acessível para o tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica. Assim, Wolfgang Amadeus Mozart destaca-se perante outros compositores por características únicas de suas composições e mais estudos são necessários, com melhorias metodológicas, para que se aprimorem a terapia musical e seu uso na Cardiologia.</p> Gabriel Lessa de Souza Maia, Maria Rosa da Silva Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11683 qui, 05 ago 2021 00:00:00 -0300 Information on lifestyle habits of individuals with COVID-19 worldwide: Review of literature https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12393 <p>Background: COVID-19 is a respiratory disease that appeared in China in late 2019 and soon spread around the world, causing a pandemic. <br />Aims: This is study sought to systematize information about life habits in epidemiological studies in patients with COVID-19. <br />Methods: This is a systematic review conducted according to the Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyzes (PRISMA) recommendations. We selected articles published in PubMed, Medline and Scopus database between January 1 and April 24, 2020, using the descriptors COVID-19, SARS-CoV-2, 2019-nCoV, n-CoV and coronavirus combined with clinical profile and epidemiology. In this study, we sought to identify characteristics about patients' lifestyle habits: smoking (current or previous), alcohol consumption and physical activity.<br />Results: We analyzed 7489 scientific studies, of which 158 had clinical and epidemiological variables, amounting 100.0563 patients. 30 studies included lifestyle habits (8,323 individuals) from five countries: Brazil, China, Korea, Spain and USA (593). A percentage of 56.5% (n = 4624) were men and 44.4% (n = 3687) women. Among the variables, smoking (current or previous) was present in 30 investigations; alcohol consumption in four and physical activity was not observed in any article. The highest smoking rates were observed in the USA (21.79%) and Spain (18.75%). Alcohol consumption was 7.73%. Being higher in Brazil (17.28%).<br />Conclusions: New studies on the epidemiological and clinical aspects of COVID-19 include variables about lifestyle, especially smoking, alcohol consumption and physical activity. This information may offer future knowledge about the factors of illness and severity of COVID-19 in the population.<br />Keywords: Risk factors. Coronavirus infection. Systematic review.</p> Luiz Carlos Francelino Silva Junior, Gibson Santana, Rodrigo Mesquita, Tatiana Oliveira, Gabriel Arnozo, Aisla Santos, Etvaldo Silva Filho, Fernanda Santana, Saulo Aquino, Euclides Cunha, Antônio Albuquerque, Rafaela Alcântara Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12393 sex, 18 jun 2021 00:00:00 -0300 Análise crítica e reflexiva do filme ”Patch Adams: o amor é contagioso” faces das relações de poder no cenário hospitalar https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11866 <p>Fazer uma reflexão sobre a obra “Patch Adams: o amor é contagioso” em face da formação médica e de aspectos que perpassam demais profissionais de saúde, abordando as relações de poder no cenário hospitalar e a figura do palhaço. Como percurso metodológico, foi realizada uma análise acerca dessas relações expressas na obra cinematográfica. O longa-metragem é uma produção que relata a formação médica pelo Serviço de Saúde dos Estados Unidos, nos anos 90, a qual perpassa alguns ensinamentos até este momento. Dito isso, o filme é utilizado como meio de promover o debate sobre a figura do palhaço de hospital e a concepção de que ele irá resolver demandas da saúde em geral. Como resultado deste trabalho, foi analisado o modo de produzir a saúde na sociedade, ampliando o conhecimento de que é preciso repensar o modelo assistencial hegemônico, priorizando prestar um serviço acolhedor e individualizado de assistência interdisciplinar e transdisciplinar em saúde ao paciente.</p> Mari Rosa Silva SILVA Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11866 qui, 05 ago 2021 00:00:00 -0300 Índice APRI como marcador de Fibrose Hepática em pacientes com Esquistossomose Mansônica https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11535 <p>INTRODUÇÃO: A esquistossomose mansônica pode evoluir com fibrose periportal e a detecção da fibrose vem sendo estudada. OBJETIVO: Avaliar o índice APRI em pacientes portadores de esquistossomose mansônica. MÉTODO: Foram avaliados 84 pacientes com formas diferentes da doença, submetidos a exames de ultrassonografia, determinação de enzimas, cálculo do índice APRI. Os dados obtidos foram submetidos a análise estatística conforme a necessidade. RESULTADO: A média de valores do APRI na forma EHE foi de 1,27 ± 0,93, na EHI 1,27 ± 0,93 e na EI foi de 0,25 ± 0,04, sendo observado diferença significativa (p&lt;0,0001) à medida que a fibrose avançava. Foi observado aumento significativo do espessamento periportal ao ultrassom na forma EHE da doença em relação as demais (p&lt;0,001). A correlação entre ultrassom e APRI são sugestivos de haver uma concordância significativa entre os dois. O ponto de corte de 1,7 do APRI mostrou sensibilidade e especificidade de 100%. CONCLUSÃO: O APRI apresentou boa performance na identificação de fibrose hepática na Esquistossomose mansoni. Um cálculo de APRI igual ou maior que 1,7 indica fibrose severa, enquanto um limiar abaixo de 0,35, indica com segurança que não existe fibrose. É seguro usar o APRI para identificar existência de fibrose hepática. Para estratificação do grau de fibrose, um resultado do APRI acima de 1,7 confirma a presença de fibrose severa.</p><p><strong>Palavras chaves: </strong><em>Esquistossomose; APRI; Fibrose Hepática</em></p> Rozangela Fernandes Wyszomirska, Celina Maria da Costa Lacet, Lucyo Wagner Torres de Carvalho, Heloisa Helena Motta Bandini Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11535 qui, 15 jul 2021 00:00:00 -0300 Plano Estadual de Saúde: representação gráfica do processo de construção de um plano https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11855 <p>No Brasil, a cada quatro anos, são elaborados os planos de saúde nas três esferas de governo: União, estados e municípios. Existe uma grande lacuna na literatura sobre a abrangência de ações realizadas para que os planos elaborados sejam produtos que impactem na melhoria da qualidade de vida da população. O objetivo do presente estudo foi analisar a abrangência do processo de construção do PES 2016-2019 do estado de Alagoas. Para isso, foi realizado pesquisa documental e utilizado o mapa conceitual para a representação gráfica do percurso percorrido. Foi realizado um estudo de caso, com abordagem predominantemente qualitativa, através da análise documental de relatórios de eventos ocorridos, para o processo de elaboração do PES. A ferramenta utilizada para mostrar o resultado da análise foi o mapa conceitual. Foram identificados diversos relatórios de análise situacional de Saúde, oficinas de levantamento de prioridades e de planejamento regional, diretrizes da Conferência Estadual de Saúde de 2015 e do Planejamento Estratégico 2015-2016. Foi observado que a etapa de levantamento de informações da situação de saúde identificou os principais problemas de saúde da população, inclusive com a priorização dos eventos mais agravantes para a saúde do alagoano, compatibilizado com o planejamento orçamentário e estratégico, constituindo a ideia central do PES de Alagoas 2016-2019. A representação gráfica demonstrou que o processo de construção do plano estadual de saúde foi abrangente, identificando os principais e mais impactantes aspectos para a saúde da população de Alagoas, gerando inúmeras informações de grande importância para os gestores. Espera-se que o esforço dispendido para a elaboração do plano, tenha levado a uma execução do planejamento com efetividade. Além disso, consideramos que o mapa conceitual foi uma ferramenta apropriada, facilitando a análise do passo-a-passo que a gestão realizou no percurso da elaboração.</p> <p><strong>Descritores: plano de saúde; sistema único de saúde; mapa conceitual.</strong></p> Rozangela Fernandes Wyszomirska, Bárbara Camilla Barbosa de Mendonça, Adriana Reis de Barros, Mayara Nakiria Tavares da Rocha Calheiros, Heloisa Motta Bandini Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11855 qui, 09 set 2021 00:00:00 -0300 Câncer de Colo de Útero: Situação dos laboratórios em Alagoas https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11520 <p>INTRODUÇÃO: O câncer de colo de útero tem alta incidência entre as mulheres brasileiras e o exame citopatológico de colo de útero (Teste de Papanicolaou) é uma importante ferramenta para o seu combate, por identificar lesões precursoras da doença. OBJETIVO: Avaliar a qualidade interna dos laboratórios que realizam os exames citopatológicos de colo de útero para o SUS em Alagoas de modo a permitir o monitoramento dos serviços prestados. MÉTODO: Para tanto, foram utilizados indicadores de controle interno de qualidade dos laboratórios (índice de positividade, percentual de exames compatíveis com ASC entre os exames satisfatórios, percentual de ASC entre os exames alterados, razão ASC/SIL, percentual de exames compatíveis com HSIL e percentual de amostras insatisfatórias) para o triênio 2011-2013, com base nos dados disponíveis no SISCOLO. RESULTADO: A qualidade dos laboratórios investigados está abaixo do recomendado pelas organizações de saúde e Alagoas apresenta uma cobertura de exames inferior à necessária para a população. CONCLUSÃO: Os resultados sugerem falhas do sistema de saúde e a necessidade de replanejamento de todo ciclo de prevenção e controle do câncer de colo de útero no Estado.</p> Heloisa Helena Motta Bandini, Carmen Silvia Motta Bandini, Rodrigo Japur Duarte Tavares, Rozangela Maria de Almeida Fernandes Wyszomirska Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11520 sex, 18 jun 2021 00:00:00 -0300 Câncer de colo de útero em Alagoas: um estudo descritivo retrospectivo https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11614 <p class="Normal1"><strong>Objetivo:</strong> Analisar a cobertura das políticas de rastreamento e seus impactos na mortalidade do câncer de colo de útero em Alagoas. <strong>Método:</strong> Foi feito um estudo descritivo retrospectivo, em outubro de 2020, com dados relativos à realização de exame citopatológico, colposcopia e biópsia de colo de útero dos municípios alagoanos entre 2013 e 2019 e mortalidade por câncer de colo de útero em Alagoas e no Brasil entre 2013 e 2018, extraídos do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) e do Instituto Nacional de Câncer (INCA). <strong>Resultados: </strong>Os dados demonstram que o rastreamento pelo exame citopatológico vem demonstrando uma cobertura abaixo de 10% nos últimos anos quando comparados à população feminina alagoana preconizada para realização. Além disso, as mortes por câncer de colo do útero estão estabilizadas, o que demonstra a ineficácia das políticas públicas. <strong>Conclusão:</strong> A mortalidade por Câncer de colo de útero em Alagoas segue aumentando, sendo 120 em 2018, o que evidencia que o rastreamento atual não cumpre o papel de diminuir a mortalidade, pois tem se mostrado insuficiente. Torna-se essencial o desenvolvimento e o fortalecimento de ações integradas em todos os níveis de atenção, a fim de organizar o processo de rastreamento e ampliar a oferta de procedimentos da linha de cuidado de câncer de colo de útero.</p> Mayra Alencar da Silva, Bruna Stefany Rebouças França, João Paulo Oliveira de Almeida, Thais Miranda Rodrigues, Vanessa Silva Santos, Amanda Karine Barros Ferreira Rodrigues Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11614 sex, 18 jun 2021 00:00:00 -0300 Mortalidade por câncer de mama no Brasil entre 1980 e 2010 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12394 <p><strong>RESUMO</strong><strong>: </strong>O câncer de mama é o segundo mais comum na população brasileira e o primeiro na população feminina. Este trabalho teve como objetivo analisar o perfil da mortalidade por câncer de mama no Brasil entre os anos 1980 e 2010. Trata-se de um estudo descritivo realizado utilizando dados disponibilizados pelo Instituto Nacional do Câncer. Foram analisados os indicadores de mortalidade segundo sexo, idade, unidade da federação e região. Observou-se um aumento no número de casos de câncer de mama nas últimas décadas, sendo uma enfermidade que acomete, predominantemente, a população feminina. A taxa de mortalidade aumentou com a idade em ambos os sexos. Quando se comparou as taxas brutas, padrão Brasil e padrão mundial, a taxa de mortalidade feminina foi, aproximadamente, 100 vezes maior do que a masculina. O Rio de Janeiro apresentou a maior taxa de mortalidade ajustada para ambos os sexos. Na distribuição proporcional, o Sudeste deteve 58,28% dos óbitos por câncer de mama, ocupando a primeira posição. Conclui-se que a mortalidade por câncer cresceu no Brasil nas últimas décadas. Além disso, evidenciou-se uma distribuição heterogênea dos óbitos no país.</p><strong>Palavras-chave:</strong> Neoplasias. Neoplasias de Mama. Mortalidade. Gibson Santana, Leyliane Macedo, Divanece Amorim, Yngrid Araújo, Antônio Albuquerque, Carlos Souza Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12394 sáb, 26 jun 2021 00:00:00 -0300 A contribuição do estágio supervisonado de enfermagem para a melhoria do cuidado https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11820 <p>Analisar a percepção dos enfermeiros do setor de emergência quanto à relevância do estágio supervisionado como qualificador da assistência. Pesquisa de cunho qualitativo, com abordagem de análise de conteúdo, cujas respostas ao questionamento sobre o tema foram submetidas a uma análise temática. A a análise dos discursos, emergiram duas categorias de relevância do estágio supervisionado como qualificador da assistência: a primeira envolveu os benefícios para o paciente, e a segunda tratou do estágio como espaço privilegiado de preparo profissional para o estudante e para o preceptor do serviço. O campo de estágio configura-se em local privilegiado para discentes e preceptores vivenciarem o diálogo entre academia, universidade, escola técnica e o mundo do trabalho. Porém, é preciso refletir sobre o modo como todo esse conhecimento qualifica de forma efetiva a assistência prestada ao paciente.<br /><strong>Descritores: Estágio; Serviço Hospitalar de Emergência; Educação em Enfermagem.</strong></p> Valéria Antônia Pereira Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11820 qui, 22 jul 2021 00:00:00 -0300 Importância dos grupos de educação em saúde durante a gravidez https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11641 <p>Identificar na literatura aspectos relacionados a importância da educação em saúde durante a gravidez. Trata-se de um estudo de revisão integrativa da literatura. O levantamento da produção científica foi realizado mediante a seguinte questão norteadora: “Qual a importância dos grupos de educação em saúde durante a gravidez?”. Foram efetuadas buscas nas bases de dados: LILACS, SCIELO e BDENF, por meio da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) e na Scopus através do Portal Capes. Para a seleção dos artigos, foram utilizados os seguintes descritores: “Importância”, “Grupos, “Educação em saúde” e “Gravidez”, em combinação, por meio do operador booleano AND. A pesquisa foi realizada em Outubro de 2020. Os critérios de inclusão utilizados para seleção dos artigos foram: texto completo, artigos na íntegra, disponível eletrônica e gratuitamente e indexados nas bases, no recorte temporal compreendido entre 2016 a 2020, no idioma português. Como critérios de exclusão: textos duplicados, cartas ao editor, editoriais, teses e dissertações. Foram encontrados 157 artigos científicos. Porém, após aplicar os critérios de elegibilidade restringiram-se a 10 obras. Os grupos de educação em saúde são grandes aliados no conhecimento e percepção das gestantes acerca de todos os aspectos que permeiam o ciclo gravídico-puerperal. Logo, estes devem ser priorizados nos serviços de Atenção Primária a Saúde (APS), visto que a APS é caracterizada como um serviço que promove saúde através de práticas educativas em seus territórios de abrangência. <br />Descritores: grupos; educação em saúde; gravidez.</p> Joana Clara Alves Dias, Simone Rodrigues Quirino Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11641 qui, 26 ago 2021 00:00:00 -0300 Qualidade da Comunicação entre Enfermeiros: Uma Revisão Integrativa https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12524 <p><strong>Introdução:</strong> O interesse deste estudo está na investigação sobre a prática da comunicação em enfermagem intra-hospitalar em instituições de saúde hospitalares, por meio da interpretação crítica da literatura científica. O conceito de comunicação engloba a transmissão de informações de um indivíduo ao outro, por meio da fala, escrita, imagens e sons a fim de gerar conhecimento. Descreve- se ainda, a comunicação como um processo que possui estruturas como a fonte ao qual produz uma mensagem ou uma sequência de mensagens; o transmissor, que transforma a mensagem em sinal apropriado ao canal; o receptor, que modifica o sinal recebido em mensagem e a envia ao destinatário; e o destinatário, a pessoa a qual a mensagem é destinada. A relevância deste estudo acercar-se na avaliação da comunicação efetiva em âmbito hospitalar bem como tal articulação se desenvolve entre a equipe de enfermagem. Portanto, aplicar e sistematizar o desenvolvimento de treinamentos em comunicação poderá colaborar para a práxis dos profissionais de enfermagem, trazendo reflexões sobre o papel da comunicação na enfermagem. <strong>Objetivo:</strong> agregar o conhecimento produzido na literatura sobre como se desenvolve a prática de comunicação em enfermagem intra-hospitalar nas instituições de saúde hospitalares, além de compreender as maneiras de estratégias utilizadas para tal. <strong>Método:</strong> revisão integrativa da literatura composta a partir de cinco etapas: identificação do problema da pesquisa, busca da literatura, avaliação dos dados, análise dos dados e apresentação dos dados. O estudo foi orientado pela questão: Como está sendo o processo de comunicação entre a equipe de enfermagem intra-hospitalar nas instituições de saúde? A exploração teórica foi concretizada nas Bases de Dados CINAHL, LILACS e MEDLINE. Logo, a análise crítica dos estudos selecionados foi guiada pelo referencial do processo da comunicação: introdução à teoria e prática, de Berlo, 1970. <strong>Resultados:</strong> Das 322 publicações identificadas, 299 foram excluídas, resultando 23 publicações para este estudo. No conteúdo destas, foram identificadas 2 categorias analíticas: <strong>Aspectos Imperativos da Comunicação</strong> que ressalta o processo de comunicação entre a equipe de enfermagem onde encontra muitas adversidades que atrapalham, ou mesmo impedem, sua concretização. Semelhantemente, distinguir alguns aspectos imperativos que estão apresentados no formato de duas subcategorias de pensamento: Aspectos Positivos que Influenciam a Comunicação Intra-hospitalar e os Aspectos Negativos que Influenciam a Comunicação Intra-hospitalar. <strong>Já a segunda categoria descreve sobre O uso das Tecnologias como Ferramenta dos Processos de Comunicação</strong> que retrata o pressuposto que o trabalho humano, tal como se coloca na atualidade, só é viável por meio das tecnologias que ele engendra, tornando-se indispensável a reflexão sobre a relação que se estabelece entre as tecnologias, o mundo da ciência e o homem; em todos os sentidos e espaços. Segundo o eixo teórico deste estudo, as tecnologias em saúde são classificadas em três categorias: tecnologia dura, relacionada a equipamentos tecnológicos, normas, rotinas e estruturas organizacionais; leve-duras, que compreende todos os saberes bem estruturados no processo de saúde; e a leve, que se refere às tecnologias de relações, de produção de comunicação, de acolhimento, de vínculos, de autonomização. No que tange em como está sendo o processo de comunicação entre a equipe intra-hospitalar nas instituições hospitalares brasileiras, a bibliografia avaliada permitiu identificar implementações com o uso de tecnologias para o melhor resultado do processo de comunicação, as quais estão esboçadas em duas subcategorias empíricas. A primeira, tem como título Fomentando as Tecnologias leves-duras ao Processo de Comunicação e a segunda, Fomentando as Tecnologias duras ao Processo de Comunicação. <strong>Discussão:</strong> Respectivamente, tais categorias apresentam aspectos positivos e negativos da comunicação intra-hospitalar tais como, o processo de comunicação seguido de bom relacionamento interpessoal, e a comunicação não participativa e efetiva dentre os profissionais de enfermagem; que geram falhas na assistência. Corrobora a esse despeito, a literatura científica<sup>6</sup>, traz argumentos em que produtos de alta qualidade podem diminuir os custos de produção, pois uma maior atenção e cuidados na produção dos mesmos, pode levar à descoberta e correção de falhas existentes. Nesta lógica, perfazendo ao contexto do foco desta Revisão Integrativa, o produto de qualidade representa a prestação de assistência ao paciente, e os custos envolve tudo aquilo que participa no processo dessa prestação. Em vista disso, a descoberta e a correção dessas falhas se tornam um elemento fundamental para a criação de estratégias, que visam pontos positivos e negativos que influenciam na qualidade da comunicação, pois, reconhecendo quais os pontos negativos existentes, a criação de estratégias se torna viável. As categorias e subcategorias empíricas descritas nesta Revisão Integrativa em síntese, possibilitaram ainda a compressão de que determinados fatores podem prejudicar a comunicação interpessoal e intra-hospitalar; logo, em outras ocasiões, tais fatores podem favorecer a uma comunicação mais efetiva. Com equidade, a pesquisa analítica<sup>7</sup> discorre sobre as dificuldades que os profissionais de enfermagem se esbarram frente a processos de comunicação verbal e não verbal, arroladas a transmissão de informações entre profissional e paciente. Além do que, o efeito moderador para uma comunicação efetiva com inteligência emocional e empática, é descrito em artigo analítico<sup>8</sup> aos quais identificam uma grande tendência que a empatia é o ponto primordial para que se tenha uma maior capacidade de entendimento e sentimentos. Tais estratégias para uma comunicação efetiva aqui sobredito, são características facilitadoras para uma tomada de decisão e atitudes que sejam favoráveis. Outrossim, das tecnologias utilizadas ao processo de comunicação destacam-se as leve-duras e duras, das quais oferecem possibilidades de estratégias para uma comunicação efetiva, e a uma tomada de decisão dinâmica, que venha a construir para a qualidade da assistência em saúde. Ainda, este estudo destaca que o emprego das tecnologias leves-duras nas instituições hospitalares brasileiras, favorece o processo de comunicação entre a equipe intra- hospitalar. Do mesmo modo, em seguimento a exploração teórica, estudo qualitativo de um hospital universitário brasileiro<sup>7</sup> fomenta maneiras interativas para comunicação entre equipe de profissionais de enfermagem e os pacientes por eles assistidos aos quais, das estratégias delineadas destaca-se a criação de grupos operacionais, aos quais elencam atividades e táticas conjuntas entre a equipe de profissionais, com experiências de aproximação com os familiares dos pacientes assistidos. Tal estudo<sup>7</sup> concluiu que, nos ambientes de formação profissional em saúde, a possibilidade de criação de espaços de discussão acerca da comunicação com familiares e paciente, melhora o envolvimento do processo de comunicação, além de instrumentalizar os profissionais de enfermagem para que estes possam lidar com suas reações e emoções durante o processo de assistência e hospitalização, dos pacientes assistidos. Destarte, esta pesquisa<sup>7</sup> ainda ressalta que a gama existente para se obter com qualidade o processo de comunicação efetiva, está através da utilização das tecnologias duras, tais como o uso de computadores (sendo estes considerados equipamentos importantes no processo de trabalho das equipes intra-hospitalares). Do mesmo modo, corroborando com este estudo, realizou-se em um grande centro de saúde, um estudo empírico que determina o uso criativo de tecnologias duras. Neste<sup>9</sup>, é descrito que profissionais médicos e enfermeiros utilizaram como forma de contato com os pacientes pagers tradicionais, aos quais compartilhavam informações precisas dos pacientes através de páginas online por um software. Por conseguinte, este estudo, resultou no melhoramento da comunicação e o trabalho de qualidade, potencializando melhorias de atendimento e segurança aos pacientes. <strong>Conclusão:</strong> este estudo admite a reflexão acerca dos aspectos positivos e negativos da comunicação, e o uso de tecnologias leve-duras e duras emaranhados na prática deste processo, aos quais oferecem possibilidades de estratégias ou de resultados positivos dessa implementação a diversas instituições hospitalares ou não. Igualmente, este poderá contribuir para o estímulo e participação dos gestores hospitalares para tomada de decisões e estratégias que resultem na elaboração de planos e ações, que minimizem erros e desacertos na assistência. <strong>Descritores:</strong> Comunicação; Enfermagem; Hospital.</p> Daiana Junqueira Lima Balsante, Deusdete Inácio de Souza Junior, Thuany Cristina Carvalho, Fabiana Gouvêa Damasceno Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12524 qui, 22 jul 2021 00:00:00 -0300 Tendências temáticas dos trabalhos de conclusão de curso no Programa Mais Médicos- AL https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11883 <p>Verificar como os profissionais do programa percebem e pretendem intervir nos processos de saúde e adoecimento nas comunidades em que atuaram. Estudo quantitativo, descritivo, desenvolvido durante os anos 2019 e 2020, valendo-se da base de dados fornecida na área de pesquisa da página web específica do curso de especialização em gestão do cuidado em saúde da família. Período analisado entre 2017.2 e 2018.1. Dos 43 TCCs analisados, 60,5% foram realizados pelo sexo feminino e 39,5% pelo masculino. Dentre esses profissionais, 55,8% eram estrangeiros e 44,2% brasileiros. Dezenove trabalhos (44,2%) correspondiam a profissionais que atuavam na Macrorregião 1 de saúde e 24 (55,8%) na Macrorregião 2. Quanto aos temas abordados, houve predomínio de doenças crônicas não transmissíveis (46,6%): cardiovasculares (hipertensão arterial) e metabólicas (diabetes mellitus), seguidos por temas relacionados à saúde da mulher e gestação (21%): gravidez na adolescência, pré-natal, aleitamento materno e planejamento familiar, e parasitoses intestinais e esquistossomose (14%). Dentre os nós críticos, verificou-se a recorrência de questões relacionadas aos determinantes sociais de saúde, bem como à educação. Às intervenções propostas, observou-se maior prevalência de ações voltadas para a educação (educação em saúde, capacitação de profissionais, educação permanente); outras estão ligadas à qualificação e melhoria na prestação do atendimento à população, seguida por soluções relacionadas a hábitos e condições de vida e políticas públicas. Os temas escolhidos demonstram compromisso e conhecimento da realidade sanitária loco-regional e coerência com as políticas públicas em saúde. Entretanto, as intervenções propostas são insuficientes para a significativa modificação da realidade sanitária local, uma vez que se limitam a atuação individual do paciente ou do médico e equipe de saúde.</p> <p><strong>Descritores:</strong> programa mais médicos; atenção primária à saúde; educação em saúde.</p> Júlia Morgado Nunes da Costa, Letícia Lóh Lacerda Porto, Francisco José Passos Soares Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11883 sex, 10 set 2021 00:00:00 -0300 A ampliação dos espaços de participação social no Sistema Único de Saúde através das ouvidorias https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11789 <p>Divulgar o serviço de Ouvidoria do SUS como espaço de participação social e fortalecimento do Controle Social no SUS, facilitando a compreensão dos usuários do SUS, preceptores, profissionais de saúde e conselheiros de saúde sobre as formas de acesso ao serviço de Ouvidoria SUS. Na escolha do método foram considerados aspectos como o público que se deseja atingir, e a facilidade na divulgação das informações de forma mais célere e de fácil absorção do conteúdo. O material escolhido para a elaboração dos vídeos foi selecionado pelas autoras. O vídeo educacional ampliar a possibilidade de acesso à informação sobre o serviço de ouvidoria, através da divulgação em meios eletrônicos. A Ouvidoria SUS é uma estratégia adotada para o fortalecimento do controle social e amplia os canais democráticos de participação da população. Nesse sentido a divulgação do vídeo educacional junto aos atores sociais é de suma importância para a educação cidadã e fomento da participação social nas políticas públicas.</p> <p><strong>Descritores: </strong>defesa do paciente; controle social; educação em saúde.</p> Fabrícia Silva de Araújo Galindo, Eladja Oliveira Santos, Manuela do Nascimento Lourenço, Josineide Francisco Sampaio Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11789 sex, 10 set 2021 00:00:00 -0300 Construção de recurso didático para a promoção da saúde em tempos de Pandemia de SARS-CoV-2: diálogos interdisciplinares em Saúde, Educação e Design https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11586 <p>Trata-se de trabalho do gênero Relato de Experiência do Projeto de Extensão Universitária “Colorinando: Design e Saúde” e da feitura de um recurso educacional para a promoção da saúde em tempos de pandemia do novo coronavírus. A primeira ação do Projeto consistiu na confecção de um recurso educacional acerca do tema “Medidas de higienização em tempos de Pandemia do novo Coronavírus” no formato de uma História em Quadrinhos. A estratégia se insere no campo de ações da Extensão e surge diante da necessidade de ofertar e facilitar o acesso às informações de cunho educativo relacionadas à prevenção e ao controle da transmissão do novo coronavírus, tendo sido projetada para uso pelo público infantojuvenil.</p> Claudio José dos Santos Júnior, Alaine dos Santos Silva Martins, Maria Rosa da Silva, Janaína Freitas Silva de Araújo, Juliana Donato de Almeida Cantalice Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11586 sex, 18 jun 2021 00:00:00 -0300 Perdão, confiança e amizade: Valorização dos sentimentos de dependentes químicos https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11758 <p>O Projeto de Extensão AMAR: CI pertencente à Universidade Federal de Alagoas (UFAL) tem como um de seus objetivos a Educação em Saúde para o público acometido pela dependência e abuso de substâncias psicoativas através da atuação nas comunidades terapêuticas de Maceió. Uma das ações do projeto aconteceu na Casa Betânia, comunidade terapêutica que acolhe o público feminino, e teve como objetivo a manutenção da saúde mental das acolhidas através de atividades para valorizar e fortalecer os sentimentos de perdão, confiança e amizade. Tal demanda foi percebida pelos integrantes do projeto ao conversar com as mulheres da comunidade e saber suas histórias que foram marcadas por um passado permeado pelo abandono, rejeição, violência e medo. O resultado das atividades realizadas foi contundente com a literatura científica e influenciou positivamente o bem estar desse público, mais especificamente na qualidade de saúde mental. Logo, nota-se a importância e a necessidade de realização de ações voltadas a esse público que integrem o cuidado a saúde de forma total e individualizada.</p> Rafaela Maria Bezerra Duarte Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11758 sex, 18 jun 2021 00:00:00 -0300 Conhecimento compartilhado é conhecimento redobrado: a importância da escrita científica na medicina https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12540 <div id="eJOY__extension_root" class="eJOY__extension_root_class" style="all: unset;"> </div> Gilberto S. da Silva Netto, Yasmin P. Nobre Lessa, Danielly Gomes de Melo, Roberta de Albuquerque Wanderley Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12540 sex, 30 jul 2021 00:00:00 -0300 Escrita científica: a importância dessa habilidade para o estudante de medicina brasileiro. https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12537 <p>Caro Editor, <br />O contato com a linguagem escrita ocorre inicialmente nos primeiros anos de vida da maioria dos indivíduos. Logo nas primeiras séries da escola, de uma forma mecânica e muito simples, o aluno é ensinado e incentivado a escrever suas ideias em um papel. Ao passar dos anos, esse mesmo aluno desenvolve habilidades de escrita mais robustas e complexas, aprendendo sobre a diferenciação dos tipos de textos e os diversos contextos em que cada um deles podem ser utilizados. Porém, é somente na graduação que a Escrita Científica começa a fazer parte da dinâmica de ensino e aprendizagem do aluno diretamente. Essa tipologia de escrita pode ser definida como a produção de novas ideias, conceitos, interpretações e modelos teóricos que visam informar, de uma forma direta e objetiva, sobre determinado tema(1).<br />Na graduação de Medicina, as habilidades de escrita científica são de extrema importância para a aprendizagem dos alunos e a formação deles como futuros médicos. O desenvolvimento dessas habilidades, principalmente o raciocínio científico e a própria escrita, conforme citado, contribuem diretamente para o melhoramento do cenário da Saúde Pública, visto que a compreensão da linguagem científica dentro do meio acadêmico permite ao estudante de medicina colocar em prática, na prática médica, os saberes científicos obtidos durante a sua formação(2).<br />Dessa forma, o estudante – e futuro profissional da saúde – pode desempenhar diversos papeis na sociedade. A princípio, podemos enxergar o médico ou o estudante de medicina como aquele que desenvolve a pesquisa e, posteriormente, o conhecimento científico obtido a partir dela. Porém, por outra perspectiva, o médico ou estudante também desempenha o papel de mediador no que diz respeito à transmissão desse conhecimento científico para a população. É o profissional da saúde que vai transmitir ao seu paciente, de forma simplificada, objetiva e com uma linguagem mais simples, o conhecimento obtido a partir de diversas pesquisas e trabalhos no campo da ciência.<br />A formação médica exige, portanto, a compreensão do saber científico e a capacidade de repassá-lo para a sociedade de uma forma clara, objetiva e simplificada. Fazendo com que determinado conhecimento, antes restrito a uma linguagem acadêmica, muitas vezes robusta e erudita, chegue a todas as camadas da sociedade e seja compreendido por elas.<br />O entendimento sobre o porquê as habilidades de escrita científica serem importantes à graduação médica vai se dando conforme o avançar da própria formação acadêmica. Alunos de períodos mais avançados, que já tiveram ou têm algum contato com pesquisa, iniciação e produções científicas, entendem mais facilmente sobre essa importância, pois, na maioria das vezes, estes já desenvolveram uma parte da sua maturidade crítica acerca dessa temática(3).<br />Seguindo esse raciocínio, as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) do curso de graduação de medicina, no Brasil, requisitam que o médico obedeça e cumpra algumas condutas para o bom exercício da sua profissão. Na explanação acerca dessas condutas, as DCN fazem algumas citações sobre as habilidades relacionadas à ciência, reforçando a importância destas para a boa formação profissional dos futuros médicos, conforme mostrado a seguir(4).<br />1. Dominar os conhecimentos científicos básicos da natureza biopsicosocioambiental subjacentes à prática médica e ter raciocínio crítico na interpretação dos dados, na identificação da natureza dos problemas da prática médica e na sua resolução.<br />2. Exercer a medicina utilizando procedimentos diagnósticos e terapêuticos com base em evidências científicas.<br />3. Utilizar adequadamente recursos semiológicos e terapêuticos, validados cientificamente, contemporâneos, hierarquizados para atenção integral à saúde, no primeiro, segundo e terceiro níveis de atenção.<br />4. Conhecer os princípios da metodologia científica, possibilitando-lhe a leitura crítica de artigos técnicos-científicos e a participação na produção de conhecimentos.<br />A partir dessas citações, as DCN reforçam sobre a importância da ciência e do conhecimento científico para a aluno de medicina brasileiro. Desde o contato inicial com artigos e periódicos científicos durante a graduação, até a atuação com os pacientes na atenção primária e secundária, ou nos casos mais complexos destinados à atenção terciária de saúde, o estudante de medicina – e futuro médico – deve respaldar todas as suas ações na comprovação científica.<br />Concluímos, portanto, que as habilidades de escrita científica são imprescindíveis à formação dos médicos brasileiros. Estes devem entender a ciência e fazê-la entendida para toda a sociedade, contribuindo para a Saúde Pública brasileira de forma responsável.</p> Bruna Roberta Lopes do Nascimento, Rafael Rodrigues da Silva Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12537 qui, 22 jul 2021 00:00:00 -0300 O processo de escrita científica e a consolidação da atitude crítica no âmbito acadêmico e profissional da medicina. https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12538 José Wilson Batista da Silva Junior, Débora Teixeira Viana, Maria Deysiane Porto Araújo Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12538 sex, 30 jul 2021 00:00:00 -0300 Resposta ao Editorial- Afinal, de quem é a vida? https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12359 <p>Carta ao Editor</p> Rafael Mozart Silva Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12359 sex, 18 jun 2021 00:00:00 -0300 The importance of encouraging scientific writing in medical education https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12518 Adson Agostinho, Bruna França, Maryanne Soares, Raquel Santos Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12518 sex, 18 jun 2021 00:00:00 -0300 A escrita científica na graduação de medicina: caminhos para a evolução da ciência e melhorias na saúde https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12527 André Nicácio Barbosa Lima, Eduardo Victor Martins de Oliveira, Luciana Rúbia Pereira Rodrigues Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12527 sex, 18 jun 2021 00:00:00 -0300 Barreira sanitária como estratégia de enfrentamento da COVID-19: um relato de experiência https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11618 <p>Descrever as experiências do ponto de vista acadêmico sobre a abordagem de uma barreira sanitária como estratégia de enfrentamento da COVID-19. Trata-se de um relato de experiência sobre a criação e implantação de um projeto de extensão direcionado para a criação de uma barreira sanitária. O projeto foi desenvolvido na Universidade Federal de Alagoas e monitorou sinais e sintomas dos transeuntes do prédio central da reitoria, através de aferição de temperatura e preenchimento de uma entrevista no período de agosto e setembro de 2020. As discentes tiveram a oportunidade de aprimorar suas habilidades em equipe, além de poderem colaborar na situação pandêmica vigente. Foi possível o desenvolvimento de atividades que irão agregar mais conhecimento na vida acadêmica e profissional das discentes.</p> <p><strong>DESCRITORES: </strong>COVID-19; estratégias; pandemias.</p> Rillary Caroline de Melo Silva, Barbara Vitória dos Santos Torres, Silvana Maria Barros de Oliveira, Paulyne Souza Silva Guimarães, Giselle de Souza Vicente, Patrícia de Albuquerque Sarmento Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11618 qui, 26 ago 2021 00:00:00 -0300 Clube de revista como estratégia de aprendizagem no PET-Saúde/Interprofissionalidade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11514 <p>No cenário atual de isolamento social, novas estratégias de ensino-aprendizagem são requeridas. Assim, para alcançar os objetivos do PET-Saúde/Interprofissionalidade, os discentes pensaram no “Clube de Revista” para continuarem desenvolvendo seu processo de aprendizado e troca de experiências de forma remota. O objetivo é descrever o clube como estratégia de ensino-aprendizagem em Educação Interprofissional em contexto de pandemia. Trata-se de um estudo descritivo do tipo relato de experiência. A estratégia se desenvolve em pequenos grupos de discentes moderada pela preceptoria e tutoria do projeto em reuniões virtuais quinzenais. Cada discente seleciona um artigo científico relacionado ao tema interprofissionalidade de forma livre, em seguida é realizada a sua leitura crítica e propostos elementos para a discussão e reflexão do grupo. A proposta do clube permitiu avaliar alguns componentes da abordagem interprofissional: comunicação, interação e colaboração com os demais integrantes. O principal limitador da experiência foi a modalidade de reuniões virtuais. Essa estratégia foi considerada promotora da autonomia dos discentes, visto que a proposta partiu destes, tendo sido discutida e validada metodologicamente pelos preceptores e tutores. Observou-se ainda que a motivação e o interesse tenham sido elementos significativos no processo de aprendizagem facilitado pela estratégia de livre seleção do artigo.</p> Alexia Jade Machado Sousa, Andréia Ferreira dos Santos, Amanda Azevedo Torres, Lucélia Soares da Silva, Eneida Anjos Paiva Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11514 sex, 25 jun 2021 00:00:00 -0300 As noções de espiritualidade do campo de estudos da psicologia transpessoal brasileira https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12096 <p>A psicologia transpessoal surge no cenário brasileiro no final dos anos 70 com uma agenda de pesquisa e estudos atrelada à inclusão da espiritualidade como dimensão humana e aspecto fundamental na promoção da saúde. A partir de uma revisão sistemática tomada como problematização, apresentamos as cinco principais noções de espiritualidade mobilizadas no campo acadêmico brasileiro transpessoal: 1) a espiritualidade como o não religioso; 2) a espiritualidade como experiência transformadora; 3) a espiritualidade como cultivo de valores humanos fundamentais, 4) a espiritualidade como visão integral; e 5) a espiritualidade participativa decolonial. O conjunto destas noções pode contribuir não apenas para a complexificação dos estudos da espiritualidade, como também para ampliação das perspectivas de saúde e o cultivo do bem viver.</p> Divanise Suruagy Correia, Aurino Lima Ferreira Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12096 sex, 18 jun 2021 00:00:00 -0300 A escrita científica e o desenvolvimento do conhecimento: caminhos para uma nova formação médica https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12543 <p><strong>Caro Editor,</strong></p><p><strong> </strong></p><p>Graças ao desenvolvimento do saber científico, a Medicina alcançou, nos dias de hoje, um patamar técnico-científico que possibilitou um significativo incremento da expectativa e qualidade de vida da sociedade em geral. Portanto, faz-se indispensável a formação do estudante de graduação, o desenvolvimento de sua capacidade de análise crítica e do manuseio apropriado das ferramentas de produção científica.</p><p>A escrita é uma forma de registro decisiva na história da humanidade. A partir dela, pode-se ter a dimensão da progressão do desenvolvimento do científico e de compreensão das verdades últimas. Por isso, o domínio da habilidade da escrita, por parte dos produtores de conhecimento científico, é fundamental, uma vez que o saber último alcançado deve ser registrado.</p><p>Apesar da importância, é notória uma falta de experiência com a escrita científica pelos acadêmicos de Medicina do Brasil ao final da graduação<sup>1</sup>. Essa carência interfere negativamente não só no processo de produção e registro do conhecimento científico, bem como, ainda que indiretamente, nas habilidades dos alunos no aprendizado independente e na avaliação crítica da literatura médica<sup>2</sup>.</p><p>A participação em atividades relacionadas à produção de conhecimento científico colabora para o desenvolvimento de uma base profissional sólida<sup>1</sup>.Assim, para alcançar esse desenvolvimento, torna-se indispensável o domínio da escrita científica pelos estudantes das graduações de Medicina. Além disso, observa-se a necessidade de intensificar o processo de aprendizagem da escrita científica nos cursos médicos, tendo em vista que esse pilar é fundamental para alcançar uma melhor produção científica e formação crítica.</p><p>As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) do curso de graduação em Medicina corroboram esse pensamento ao recomendar:</p><p>Conhecer os princípios da metodologia científica, possibilitando-lhe a leitura crítica de artigos técnicos-científicos e a participação na produção de conhecimentos; dominar os conhecimentos científicos básicos da natureza biopsicosocioambiental subjacentes à prática médica e ter raciocínio crítico na interpretação dos dados, na identificação da natureza dos problemas da prática médica e na sua resolução<sup>3</sup>.</p>Depreende-se, portanto, que o exercício do saber científico não deve ser limitado tão somente ao estudante de graduação, mas deve estar presente na atividade médica. No entanto, os acadêmicos dos cursos médicos, com aprendizado pautado nas metodologias ativas de ensino, têm um maior acesso aos mecanismos para redigir textos científicos quando comparados aos de metodologias tradicionais<sup>1</sup>. Essa situação apresenta um possível ponto de partida para compreender as formas de alcançar um aprendizado mais eficiente de escrita científica a fim de desenvolver habilidades nos discentes das graduações de Medicina do Brasil.<p>Embora já exista uma robusta produção de conhecimento científico por parte dos acadêmicos de Medicina, é necessário ampliá-la, tendo em vista o novo perfil médico desejado. A motivação dos discentes para a realização de pesquisas pode compensar essa falta e colaborar com o desenvolvimento dos serviços de saúde do país<sup>4</sup>. Já posta a necessidade de um aprimoramento do aprendizado de escrita científica, torna-se determinante a ampliação dos investimentos em pesquisa com o intuito de aumentar o interesse pelo processo de produção do conhecimento.</p><p>Portanto, é necessário que os cursos de graduação em Medicina do Brasil criem estratégias eficientes para aprimorar as habilidades dos discentes em escrita científica, assim, contribuindo para o desenvolvimento do conhecimento científico, do serviço de saúde pública e da qualidade de vida da sociedade em geral.</p> André Luis Oliveira do Nascimento, Mateus Alves Formiga Pordeus, Carlos Dornels Freire de Souza Copyright (c) 2021 Revista Portal: Saúde e Sociedade https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/12543 qui, 24 jun 2021 00:00:00 -0300