Revista Areia https://www.seer.ufal.br/index.php/rea <p><strong>Areia</strong> é uma revista eletrônica de publicação anual do Programa de Educação Tutorial (PET) da Universidade Federal de Alagoas, que publica exclusivamente trabalhos de graduandos ou graduados, em Letras e áreas afins. Tem por objetivo a divulgação de trabalhos relacionados a Estudos Linguísticos, Estudos Literários e da Cultura e Ensino e Aprendizagem de Línguas e Literaturas.</p> Universidade Federal de Alagoas pt-BR Revista Areia 2595-2609 Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:<ol type="a"><li>Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado simultaneamente sob uma <a href="http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/" target="_new">Licença Creative Commons Attribution</a> [ESPECIFICAR TEMPO AQUI] após a publicação, permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria do trabalho e publicação inicial nesta revista.</li><li>Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</li><li>Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja <a href="http://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html" target="_new">O Efeito do Acesso Livre</a>).</li></ol> NA PARTE ALTA https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12071 Érika da Silva Santos Copyright (c) 2021 Érika da Silva Santos 2021-04-21 2021-04-21 1 4 128 128 NENHUM PÁSSARO https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12073 Thatiane Karoliny Silva Melo Copyright (c) 2021 Thatiane Karoliny Silva Melo 2021-04-21 2021-04-21 1 4 129 129 MARCAS https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12078 José Antonio Santos de Oliveira Copyright (c) 2021 José Antonio Santos de Oliveira 2021-04-21 2021-04-21 1 4 130 131 PAISAGEM SECA https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12080 Herbert Luan Lopes da Silva Copyright (c) 2021 Herbert Luan Lopes da Silva 2021-04-21 2021-04-21 1 4 132 132 FOLHA DE ROSTO https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12067 Thalyta Vasconcelos de Siqueira Copyright (c) 2021 Thalyta Vasconcelos de Siqueira 2021-04-21 2021-04-21 1 4 1 1 CRÉDITOS https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12074 Thalyta Vasconcelos de Siqueira Copyright (c) 2021 Thalyta Vasconcelos de Siqueira 2021-04-21 2021-04-21 1 4 2 2 APRESENTAÇÃO https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12075 Thalyta Vasconcelos de Siqueira Copyright (c) 2021 Thalyta Vasconcelos de Siqueira 2021-04-21 2021-04-21 1 4 4 7 A CRIAÇÃO LITERÁRIA DE GEOVANI MARTINS: UMA ANÁLISE DO CONTO "ROLÉZIM" https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12077 Neste trabalho, analisarei o texto literário “Rolézim”, um dos treze contos que integram o livro O Sol na Cabeça, escrito pelo autor brasileiro contemporâneo Geovani Martins e publicado pela editora Companhia das Letras em 2018. A análise tem como objetivo permear os aspectos formais, estéticos, linguísticos e sociais do conto, assim como os literários. Destaco, durante o trabalho, a linguagem escolhida pelo autor para criar a sua narrativa e construir a representação de grupos sociais específicos encontrados no conto, além das denúncias sociais apresentadas constantemente ao longo das narrativas do livro. Para analisar esses diversos fatores que compõem a obra de Geovani Martins, utilizo algumas reflexões de Gotlib (1985) e Cortázar (2006), acerca da Teoria do Conto, relacionando as características desse gênero narrativo com o texto literário analisado, assim como os estudos de Schøllhammer (2009) e Candido (2006) para analisar, discutir e apresentar os aspectos literários e sociais da obra, assim como a ligação entre eles ao longo da construção artística. A partir dessas reflexões, situo o livro O Sol na Cabeça no momento presente e, ao mesmo tempo, destaco o seu constante diálogo com a tradição literária brasileira e com o passado a partir da linguagem apresentada na composição da narrativa. Thalyta Vasconcelos de Siqueira Copyright (c) 2021 Thalyta Vasconcelos de Siqueira 2021-04-21 2021-04-21 1 4 104 114 RACISMO ESTRUTURAL BRASILEIRO: UM CRIME QUASE PERFEITO https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12079 Assim como a ditadura brasileira, nas reflexões de Safatle e Teles (2015), caracterizo o racismo no Brasil como um crime perfeito: sem memória, explícito e que estrutura as relações sociais. Com origem no pior modelo de abolicionismo (as políticas de branqueamento e a exclusão social sistemática), disfarçado na valorização do processo de mestiçagem da população, o racismo estrutural apaga a oposição branquitude e negritude, desqualifica a militância, silencia o protagonismo da pessoa negra e o pior: mata. Defendo que a identidade étnica é determinada pelas relações de poder e a violência: o não branco é aquele que morre e o branco é aquele que pode matar. No entanto, o racismo é um crime QUASE perfeito. Ele só não é um crime perfeito porque, se é verdade que o racismo é uma máquina de morte, não é menos verdadeiro que o negro aprendeu como se tornar uma poderosa tecnologia de resistência. Acauam Oliveira Copyright (c) 2021 Acauam Oliveira 2021-04-21 2021-04-21 1 4 115 126 LITERATURA, ARTE, CULTURA E EDUCAÇÃO: DIÁLOGOS DE REEXISTÊNCIA PARA CONSTRUÇÃO E VALORIZAÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12072 Anderson da Silva Pereira Fabiana Pincho de Oliveira Rafael Lima Lobo dos Santos Thalyta Vasconcelos de Siqueira Copyright (c) 2021 Anderson da Silva Pereira 2021-04-21 2021-04-21 1 4 9 16 LITERATURA SURDA: RESGATE DA IDENTIDADE E VALORIZAÇÃO DA CULTURA POR MEIO DAS MÃOS LITERÁRIAS https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12081 Thiago Bruno de Souza Santos Cristiana da Silva Oliveira Laysdemberg Tavares Rodrigues Copyright (c) 2021 Anderson da Silva Pereira 2021-04-21 2021-04-21 1 4 17 20 O ESPAÇO DA POESIA NA SALA DE AULA: EXPERIÊNCIAS DO PROFESSOR MEDIADOR ENTRE O TEXTO E O LEITOR https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12087 Débora da Silva Moreira Fabiana Pincho de Oliveira Larissa Almeida Benjamim Maria Clara de Lima Barros Copyright (c) 2021 Anderson da Silva Pereira 2021-04-21 2021-04-21 1 4 21 27 A QUEBRA DO IDEAL CLÁSSICO NA PERSPECTIVA NEOBARROCA DO POEMA ASSASSINATO DE SIMONETTA VESPUCCI DE SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12069 É no contexto renascentista do século XVI, alicerçado no sentimento racional e humanista, em conflito com o teológico, que entra em cena o ser humano consciente de si mesmo e angustiado pela tomada de percepção de si e do mundo. No campo das artes, esse estado de espírito, marcado pelo conflito e pela inquietação, faz surgir o movimento Barroco, movimento responsável pela quebra da beleza e da linearidade clássica. Como o reconhecimento de si e do mundo é um sentimento que perpassa a história da humanidade, é evidente que não tenha deixado sua marca nas produções artísticas apenas no período do Renascimento, encontrando uma nova significação em contextos e tempos distintos, inclusive na própria atualidade que, por sua vez, constitui-se de novas tensões. Tendo em vista que a poesia da autora portuguesa Sophia de Mello Breyner Andresen opera-se sob um fundamento filosófico que representa a profunda reflexão gerada pelo ser humano acerca de si e do mundo, este artigo visa compreender de que maneira as características do Barroco permanecem e se transformam no poema O assassinato de Simonetta Vespucci. Destarte, a partir de uma análise qualitativa baseada nos aspectos linguístico-semióticos do texto, pudemos interpretar a obra como marcadamente Neobarroca, especialmente devido à quebra do ideal de beleza clássica, cuja representação se dá por meio da figura de Simonetta Vespucci, além do retrato de angústia e inquietação, sentimentos suportados pelo ser humano quando adentra em seu próprio mundo e enxerga sua existência como algo perturbador. Milena Corrêa Gambôa Brenda Catarina da Silva Maria Eduarda Melo Maia Copyright (c) 2021 Milena Corrêa Gambôa, Brenda Catarina da Silva, Maria Eduarda Melo Maia 2021-04-21 2021-04-21 1 4 29 39 A REPRESENTAÇÃO POLÍTICO-LITERÁRIA NA OBRA DE GEOVANI MARTINS https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12082 <p>Este artigo se propõe a analisar a obra de Geovani Martins, autor estreante da literatura contemporânea com o livro de contos O sol na cabeça (2018), narrativa de diferentes histórias de infância e juventude na favela que se configuram em torno da desigualdade acentuada e integrante do meio. Sua produção literária se oferece aqui como objeto de estudo, particularmente, por representar na realidade de seus textos, onde a representação está atrelada ao conceito de representatividade, elementos como espaço e personagem marginalizados na realidade factual. Isso indica que o fazer literário do escritor é, também, um ato político e requer destaque nas investigações do século XXI. Para isso, analisamos os contos “Rolézim” e “O rabisco”, com base nos preceitos da ficção contemporânea e do novo realismo (SCHØLLHAMMER, 2011), em paralelo com o panorama contextual da literatura realista do século XIX (EAGLETON, 2006). Dessa forma, buscamos a valorização estética e a legitimação das produções escritas e protagonizadas pelos grupos subalternos, levando em consideração a importância da recepção do texto literário para a democratização do campo artístico (DALCASTAGNÈ, 2005). De maneira comprometida com uma visão social e política, espera-se, como resultado, o entendimento de que Geovani Martins representa, com seu realismo cru e politicamente engajado, a voz da sua comunidade, que fala, sem intermédio ou repressão, do lugar em que está.</p> Maria Clara de Lima Barros Roberto Sarmento Lima Copyright (c) 2021 Maria Clara de Lima Barros, Roberto Sarmento Lima 2021-04-21 2021-04-21 1 4 40 53 COLETTE NO BRASIL: TRADUÇÕES, PARATEXTOS E RECEPÇÃO (1937-2010) https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12083 O presente trabalho é uma análise sobre A Vagabunda (ed. 1971), uma obra extremamente atual, que nos mostra a opressão sofrida por uma mulher que decidiu dar um basta em seu sofrimento como uma mulher casada e se tornar aquela a correr atrás do próprio sustento, a mudar de vida para que ela própria detivesse o poder de escolha. Este trabalho tem por objeto esquadrinhar e discutir a forma como a mulher era vista e retratada na obra A Vagabunda (ed. 1971), da autora francesa Gabrielle Sidonie Colette, além de apresentar as formas de paratextos presentes no livro, de acordo com os estudos realizados por Gérard Genette, precursor nas pesquisas sobre paratextos e intertextualidade, publicados na obra Paratextos editoriais (2009). Para fundamentar esta análise foram utilizados trabalhos já realizados sobre a autora e seus escritos, como MIRANDA (2015), MACHADO (2017), além de obras cinematográficas tanto baseadas em seus livros, Gigi (1958), Chéri (2010), como o filme Colette (2018) que mostra a história de vida de Colette. Através da análise foi possível identificar que a autora coloca a mulher como protagonista, não o casamento ou a figura do homens as personagens femininas na obra estão sempre em posição de destaque em relação às personagens masculinas, são retratadas como figuras de força e de apoio enquanto os homens são os “fracos”, seja fisicamente, em razão de uma doença, ou mesmo de uma personalidade fraca, como Maxime, namorado da personagem principal e que é sustentado por sua mãe, mulher forte, que administra os negócios da família com mãos de ferro. Mileyde Luciana Marinho Silva Kall Lyws Barroso Sales Copyright (c) 2021 Mileyde Luciana Marinho Silva, Kall Lyws Barroso Sales 2021-04-21 2021-04-21 1 4 54 72 EXPERIMENTALISMO DA LINGUAGEM NO ROMANCE ANGÚSTIA, DE GRACILIANO RAMOS https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12086 Este artigo objetiva estabelecer uma investigação da linguagem no romance Angústia, do escritor alagoano Graciliano Ramos, a fim de averiguar traços que indiquem um caráter experimental deste elemento na obra em questão, sob a justificativa de que no referido romance encontra-se uma construção que o difere dos demais romances de escritor. Como procedimento metodológico, optou-se por um estudo bibliográfico, com o suporte de material já publicado, tais como livros, dissertações e teses que sejam pertinentes a esta pesquisa, tendo em vista as contribuições de grandes pesquisadores da fortuna crítica de Graciliano. Na análise, utiliza-se as contribuições de Alfredo Bosi (1979), Afrânio Coutinho (1997), Antonio Candido (2006), Fernando Cerisara Gil (1997), Silviano Santiago (2013), Otto Maria Carpeaux (1978), entre outros. Como veremos, a utilização de novas técnicas de composição adotadas na produção do terceiro romance de Ramos foi considerada maximizada, tendo alguns recursos sido caracterizados como superabundantes, o que difere dos outros romances de Graciliano Ramos, que prezam pela economia dos recursos. Com isso, percebeu-se que os recursos adotados na composição da referida obra foram considerados de vanguarda, pois pertencentes aos romances modernos, foram utilizados em Angústia quando ainda haviam sido pouco explorados no quadro geral da literatura brasileira. Everton Vinícius Araujo Silva Copyright (c) 2021 Everton Vinícius Araujo Silva 2021-04-21 2021-04-21 1 4 73 85 PROPOSTAS DE PRODUÇÃO TEXTUAL EM LIVROS DIDÁTICOS DE PORTUGUÊS: REFLEXÕES SOBRE A CRIATIVIDADE https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12084 Este trabalho busca a identificação e o levantamento de categorias de propostas de produção textual escrita em Livros Didáticos de Português (LDP), delimitando e analisando os processos criativos nelas presentes, com o apoio de pesquisas que demonstram a relação intertextualidade e criatividade, como em Koestler (1967), Grainger, Goouch &amp; Lambirth (2005), Perrone-Moisés (1990); Dias (2014) e Dias, Lopes &amp; Calil (2017); e de discussões sobre o ensino da produção textual, como em Antunes (2017); Brasil, BNCC (2019) e Carvalho &amp; Ferrarezi (2015). A metodologia da pesquisa caracteriza-se, inicialmente, como descritiva, com um trabalho de levantamento das propostas de produção textual presentes na coleção Português Linguagens, de William Cereja e Thereza Cochar (2017 – 2019); e, posteriormente, adota-se uma abordagem analítica, com recortes das propostas de produção textual, para um olhar aprofundado sobre os elementos do enunciado que possivelmente evocamos senso criativo dos alunos. Os resultados apontam que a criatividade requerida nas propostas de produção textual da coleção estabelece diálogo com a intertextualidade, quando apresentam liberdade de expressão e ancoramento, confirmando os conceitos sobre o ato criativo retomar conhecimentos anteriores. As propostas encaminham a criação de enredo, personagens e cenários, relacionada às experiências que os alunos possam ter para tomar como base a criação de elementos para suas histórias; como também apresentam mudanças no que diz respeito ao limite criativo no decorrer dos anos — do 6º ao 9º —, fato possivelmente ligado ao gênero textual proposto. Todas as quatro propostas analisadas trabalham com o fator criatividade intrínseco à liberdade de escolha do assunto que será abordado, retomando, desse modo, o conceito de intertextualidade, que dialoga com a cultura e as experiências dos alunos. Espera-se que a pesquisa promova uma reflexão sobre o uso efetivo e dinâmico do LDP, como um recurso produtivo para o ensino e a aprendizagem. Cesar Augusto Gomes Rosa Adna de Almeida Lopes Copyright (c) 2021 Cesar Augusto Gomes Rosa, Adna de Almeida Lopes 2021-04-21 2021-04-21 1 4 86 102