Sustentabilidade da Liquidez no Setor da Moda do Brasil: antes e durante a Covid-19

Autores

  • Nadielli Maria dos Santos Galvão Universidade Federal de Sergipe, campus de Itabaiana.

Resumo

O objetivo do estudo foi verificar os valores dos Indicadores de Eficiência Financeira e de Sustentabilidade da Liquidez, antes e após a Covid-19, nas empresas do setor da moda no Brasil listadas na B³. A realização se deu por meio de uma pesquisa descritiva, com abordagem quantitativa, valendo-se da lógica dedutiva, com análise documental dos demonstrativos contábeis de 5 empresas do setor supracitado, entre os anos de 2019 e 2020, calculando-se os indicadores delineados na pesquisa. Como principais resultados tem-se que a liquidez das empresas analisadas, no que tange aos índices corrente e seca, estava sempre acima de 1, tanto no ano de 2019 como 2020, apesar da crise decorrente da Covid-19. No que tange à Sustentabilidade da Liquidez, todas as empresas obtiveram índices acima de 1, tanto no indicador que considerava a liquidez corrente bem como aquele que utilizava a liquidez seca, o que colocou todas as organizações em uma situação confortável, considerando os parâmetros estabelecidos. Com isso, o estudo contribuiu para ampliar a literatura sobre a temática, visto que esta é carente de trabalhos que discutam os aspectos financeiros das organizações objeto deste estudo, ao passo que proporcionou uma compreensão da situação de tais empresas em um momento de dificuldades econômicas a nível mundial.

Biografia do Autor

Nadielli Maria dos Santos Galvão, Universidade Federal de Sergipe, campus de Itabaiana.

Professora do Departamento de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Sergipe, campus de Itabaiana.

Referências

Albuquerque, N., Pedrosa, N.L & Albuquerque, I.S. (2020). Evolução de casos confirmados de COVID-19 em quatro países com transmissão comunitária da doença. Comunicação em Ciências da Saúde, 31(1) (Suplemento especial), 105-115.

Andrade, J.F. & Lucena, W.G.L. (2018). Análise de Desempenho dos modelos de previsão de insolvência e a implementação das normas internacionais de contabilidade. Revista Ciências Administrativas, 24(2), 1-14.

Aquino-Canchari, C.R. (2020). COVID-19 y su repercusión en la Odontología. COVID-19 y su repercusión en la Odontología. Revista Cubana de Estomatología, 57(1), 1-3.

Augusto, C.A., Souza, J.P., Dellagnelo, E.H.L. & Carro, S.A.F. (2013). Pesquisa Qualitativa: rigor metodológico no tratamento da teoria dos custos de transação em artigos apresentados nos congressos Sober. Revista de Economia e Sociologia Rural, 51(4), 745-764

Billah, N.M., Yakob, N.A., & Mcgowan Jr., C.B (2015). Liquidity analyses of selected public-listed companies in Malaysia. International Economics and Businesses, 1(1), 1-20.

Bona; A. (2019). Indicadores de liquidez corrente, seca, imediata e geral: entenda! Recuperado em abril de 2021, de: https://andrebona.com.br/indicadores-de-liquidez-corrente-seca-imediata-e-geral-entenda/

Borges; D.M. (2014.) Método dedutivo, indutivo ou comparativo. Qual o mais adequado à pesquisa do direito internacional do meio ambiente. Revista Internacional de Direito Ambiental e Políticas Públicas, 6, 85-101.

Boronenkova, S. Mironova, O.A. & Popov, A.Y. (2019). Assessment of liquididty rations as indicators of an organization’s economic security: accounting aspects. Advances in Economics, Business and Management Research, 11, 156-160.

Das, I. (2016). Impact f cash conversion cycle for measuring the efficiency of cash management: a study of pharmaceutical sector. Accounting, 2, 143-150.

Das, S. (2019). Cash flow ratios and financial performance: A comparative study. Accounting, 5, 1–20.

Dyllick, T. & Hockerts, K. (2002). Beyond the Business Case for Corporate Sustainability. Business Strategy and the Environment, 11, 130–141.

Favaretto, D. (2020) A pandemia e os seus efeitos na indústria da moda. Recuperado em abril de 2021, de: https://original123.com.br/a-pandemia-e-os-seus-efeitos-na-industria-da-moda/.

França, J.A. (2020). Compreendendo a diferença conceitual entre liquidez e solvência. Revista Abracicon Saber, 31, 56.

França, J.A. & Sandoval, W.S. (2019). Necessary and Sufficient Conditions for liquidity management. International Journal of Economics and Finance, 11(5), 85-96.

Galvão, N.M.S. (2021). Covid-19 e comportamento empresarial: Um estudo à luz da teoria dos stakeholders no setor da moda no Brasil. Revista Gestão Organizacional, 14(1) (Edição Especial), 192-211.

González, M. (2020). Bloqueadores Del Sistema Renina-Angiotensina: Enemigos O Amigos En Pacientes Con Covid-19. Revista Venezolana de Endocrinología y Metabolismo, 18(1), 1-3,.

GUIMÓN, P. (2020). FMI prevê para este ano a maior recessão desde a Grande Depressão de 1929. Recuperado em abril de 2021, de: https://brasil.elpais.com/economia/2020-04-09/fmi-preve-para-este-ano-a-maior-recessao-desde-a-grande-depressao-de-1929.html

Léon-Briceño, R. (2003) Quatro modelos de Integração de técnicas Qualitativas e Quantitativas de Investigação nas ciências sociais.. In: Goldenber, P. Marsiglia, R.M.G & Gomes, M.H.A. O clássico e o novo: tendências, objetos e abordagens em ciências sociais e saúde (pp.157-183). Rio de Janeiro: Fio Cruz.

Lyroudi, K., & Mccarty, D. (1993). An Empirical Investigation of the cash conversion Cycle of Small Business firms. The Journal of Small Business Finance, 2(2), 139-161.

Mário, P.C (2002). Contribuição ao estudo da solvência: Uma análise de modelos de previsão – Estudo exploratório aplicado em empresas mineiras. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, 2002.

Martins, E., Miranda, G.J, Diniz, J.A. (2013). Análise didática das demonstrações contábeis. São Paulo: Atlas.

Mazza, W.P. (2020). Covid-19 e medidas de restrição fiscal: “Austeridade cura? Austeridade mata?”. Revista Abracicon Saber, 31, 22-23.

Mcchesney, I.G. (1991). The Brundtland Report and sustainable development in New Zealand. Recuperado em março de 2021, de: https://core.ac.uk/download/pdf/35461353.pdf

Mendonça, H. (2019). Economia brasileira mostra tendência de recuperação e PIB acumula alta de 1% no ano. Recuperado em abril de 2021, de: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/12/03/economia/1575369338_271431.html

Moreno-Montoya, J. (2020). El desafío de comunicar y controlar la epidemia por coronavirus. Biomédica, 40(1), 11-13.

Moss, J.D. (1993). Cash conversion cycle and firm size: a study of retail firms. Managerial Finance, 19(8), 25-34.

Motta, F. C. P. (1971). A teoria geral dos sistemas na teoria das organizações. Revista de Administração de Empresas, 11(1), 17-33.

Oliveira, T.C., Abranches, M.V. & Lana, R.M. (2020). (In)Segurança alimentar no contexto da pandemia por SARS-CoV-2. Cadernos de Saúde Pública, 36(4), 1-6.

Oliveira, W.K., Duarte, E., França, G.V.A. & Garcia, L.P. (2020). Como o Brasil pode deter a COVID-19. Epidemiol. Serv. Saúde, 29(2), 1-8.

Otero, W., Gómez, M., Ángel, L.A., Ruiz, O., Marulanda, H., Riveros, J., Junca, G., Ballén, H., Rodríguez, A., Pineda, L.F., Otero, E., Otero, L., Jaramillo, G., Buitrago, J., Rodríguez, J. & Bastidas, M. (2020). Procedimientos endoscópicos y pandemia COVID-19. Consideraciones básicas. Revista Colombiana de Gastroenterologia, 35(1), 65-75.

Padilha, A., Oliveira, D.C., Alves, T.A., Campos & G.W.S. (2019). Crise no Brasil e impactos na frágil governança regional e federativa da política de saúde. Ciênc. saúde coletiva, 24(12), 4509-4518.

Prieto, R.G. (2020). Más allá de las pandemias. Revista Colombiana de Cirugía, 35(2),141-142.

Probst, L.F., Pucca Junior, G.A., Pereira, A.C. & Carli, A.D. (2019). Impacto das crises financeiras sobre os indicadores de saúde bucal: revisão integrativa da literatura. Ciênc. saúde coletiva, 24(12), 4437-4448.

Quintana, A.C., Porto, J.A. & Lemos, S.W. (2008). Análise Financeira das Empresas de Telefonia Fixa por meio da Aplicação de Índices de Liquidez nas Demonstrações dos Fluxos de Caixa. Revista Contemporânea de Contabilidade, 1(10), 91-110.

Rezende, I.C.C., Farias, T.X.T. & Oliveira, A.S. (2013). Aplicação dos modelos de Elizabetsky e Kanitz na previsão de falência: um estudo descritivo das melhores e maiores empresas por setor listadas na Revista Exame em 2010. Revista Mineira De Contabilidade, 14(51), 35-42.

Rosillón,N. & Alejandra, M. (2009). Análisis financiero: una herramienta clave para una gestión financiera eficiente. Revista Venezolana de Gerencia, 14(48), 606-628.

Sartori, S. Latrônico, F. & Campos, L.M. (2014). Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: uma taxonomia no campo da literatura. Sustentabilidade & Sociedade, 17(1), 1-22.

Sá-Silva, J.R., Almeida, C.D. & Guindani, J.F. (2009). Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, 1(1),1-15.

Shibuya, W., Lopes, W.B.L. & Manfrim, L.F. (2018). Criação De Equação De Insolvência: Um Algoritmo Que Analisa, Qualifica E Quantifica Os Indicadores Financeiros De Empresas Versus A Equação De Insolvência De Kanitz. REGRAD, 11(1), 43-60.

Silva, A.M.L & Cavalcanti, G.A. (2004). A Lucratividade Inerente e Implícita no Estoque na Análise de Liquidez Estática. Revista de administração contemporânea, 8(4), 139-160.

Stojanovic, S. (2014). Cash conversion cycle as a company liquidity measure. Interdisciplinary Management Research, 10, 358-368.

United Nations. (1987). Our Common Future: Report of the World Commission on Environment and Development. Recuperado em março de 2020, de: https://www.are.admin.ch/are/en/home/sustainable-development/international-cooperation/2030agenda/un-_-milestones-in-sustainable-development/1987--brundtland-report.html

Wohlemberg, T.R. & Braum, L.M.S. (2015). Análise de investimentos nas empresas listadas na BM&F BOVESPA que atuam no segmento de tecidos, vestuário e calçados utilizando o modelo de Lagioia. Ciências Sociais Aplicadas, 15(29), 120-139.

Zanella, C., Bertholdo, D.T., Lumbiere, L., Craco, T., Biegelmeyer, U.H. & Rech, M. (2020). Análise da correlação da lucratividade com outros indicadores financeiros de empresas de varejo de vestuário e calçados listadas na BOVESPA. Revista UNEMAT de Contabilidade, 9(17), 48-66.

Zanolla, E., Gartner, I.R., Silva, C.A.T. & Scalco, P.R. (2014). Indicadores de Liquidez e o Fluxo de Caixa Operacional: Um Estudo nas Empresas Brasileiras de Capital Aberto. Contabilidade, Gestão e Governança, 17(2), 137 – 151.

Downloads

Publicado

22/06/2021

Edição

Seção

Contabilidade, Controladoria e Finanças