Pelos caminhos da Museologia em Portugal

Manuel de Azevedo Antunes

Resumo


A humanidade começou com a recoleção. Os mitos, as estórias e a história para lá remetem. Da recoleção à coleção passaram milénios. E milénios passaram também até à “Casa das Musas”. Tanto a ocidente como a oriente. Como milénios (já menos) passaram até aos “Gabinetes de Curiosidades” ou às “Câmaras de Maravilhas”, para se chegar aos Museus oficiais, abertos ao público, só no século XIX, no Brasil antes que em Portugal. Isto serve de pretexto para introduzir os “Caminhos da Museologia em Portugal”, das suas origens aos nossos dias. Onde se mostra que Portugal não se manteve indiferente aos ventos museológicos, sob a influência do iluminismo e do enciclopedismo, no séc. XVIII; passando, depois, pelo liberalismo do séc. XIX, até finais da monarquia; entrando pela I República e ditadura do Estado Novo, até depois do 25 de Abril de 1974, onde se dá uma rotura museológica, com a proliferação de novos museus, por todo o país, sob os auspícios da Nova Museologia.


Palavras-chave


Ecomuseu. ICOM. MINOM. Museu Integral. Nova Museologia.

Texto completo:

PDF



Locations of visitors to this page

Revista Iberoamericana de Turismo - RITUR Penedo, Alagoas, Brasil. ISSN: 2236-6040.


Licença Creative Commons
Os originais publicados na Revista Iberoamericana de Turismo estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons 3.0 Brasil (obrigatoriedade de atribuição de créditos/vedado uso comercial/vedada criação de obras derivadas/permitida citação referenciada).