A DIFERENÇA DE ATUAÇÃO ENTRE A SUPERFÍCIE SLA E A SUPERFÍCIE SLACTIVE NO PROCESSO DE OSSEOINTEGRAÇÃO

Autores

  • Gabriela de Almeida Sousa
  • Larissa Lobo Ribeiro Batista
  • Letícia Maria Correia Pimentel
  • Suellen Fernandes Santana
  • Andreia Espíndola Vieira

Resumo

O processo de osseointegração é definido como uma união direta, estrutural e funcional entre o osso e a superfície de titânio. Com o intuito de melhorar a integração óssea foram propostas algumas modificações nas propriedades superficiais dos implantes dentais. O objetivo desta revisão literária é discutir as diferenças entre as superfícies SLA e SLActive durante o processo de osseointegração. A superfície SLActive apresenta a mesma macro e microtopografia que a superfície SLA convencional. O diferencial das superfícies SLActive (ou SLA modificado) é que o processamento delas é realizado sob atmosfera de nitrogênio e os implantes permanecem armazenados em solução isotônica de NaCl (cloreto de sódio) proporcionando uma superfície ativa, hidrofílica e com alto grau de molhamento. Essa propriedade hidrofílica permite uma superfície com contato sanguíneo mais acentuado e uma melhor aderência das células ósseas, proporcionando condições ideais para a absorção de proteínas plasmáticas, que estabelecem imediatamente a primeira interface osso/implante desencadeando adequada resposta biológica. Estudos comparam o tempo de transição da estabilidade primária para a estabilidade secundária entre as duas superfícies, que foi de duas semanas para superfície SLActive e de quatro semanas para a SLA. Assim, de acordo com a literatura podemos concluir que superfícies condicionadas hidrofílicas, como a SLActive, permitem um processo de osseointegração mais rápido e aumenta a estabilidade, reduzindo o tempo de fixação dos implantes.

Downloads

Publicado

22/08/2019