O paradigma Construcionista e as Metodologias Ativas na Educação em Saúde

Autores

  • José Geraldo da Cruz Gomes Ribeiro Universidade Federal de Alagoas
  • Nildo Alves Batista Universidade Federal de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.28998/rpss.v5i3.11200

Resumo

O presente ensaio discute os fundamentos teóricos que embasam a andragogia e as metotologias ativas utilizadas no ensino na saúde, defendendo que seus princípios fundamentais se assentam no paradigma Construcionista de aprendizagem , em contraposição aos paradigmas Instrucionista e Tecnicista. Neste sentido, apresenta as idéias de Malcolm Knowles, Dewey, Jean Piaget, Vygotsky e Carl Rogers, ressaltando o alinhamento de suas idéias no que diz respeito à concepção de aprendizagem, aos papéis dos docentes e dos discentes no processo ensino-aprendizagem, à visão do erro e à questão da avaliação. Por fim, demonstra de que maneira cada uma destas abordagens contribui para a andragogia e para as diferentes metodologias ativas utilizadas no ensino na saúde, notadamente a Problematização, a Aprendizagem Baseada em Problemas e a Espiral Construtivista.

Biografia do Autor

José Geraldo da Cruz Gomes Ribeiro, Universidade Federal de Alagoas

Graduação em Psicologia pelo Centro de Estudos Superiores de Maceió (1984), especialização em Informática Educativa e Mestrado em Educação Brasileira pela Universidade Federal de Alagoas e Doutorado em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo. Atualmente é professor Adjunto do Centro de Educação da Universidade Federal de Alagoas, e coordenador do setor de Desenvolvimento e Aprendizagem. É também membro pesquisador do Núcleo Interprofissional de Pesquisa e Pós-Graduação no Ensino em Saúde. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Clínica (adolescente) e Psicologia da Aprendizagem, atuando principalmente nos seguintes temas: psicoterapia, aprendizagem, novas tecnologias na educação, informática educativa, construcionismo, formação de professores e ensino na saúde.

Nildo Alves Batista, Universidade Federal de São Paulo

Professor Titular da Universidade Federal de São Paulo, é médico, pediatra, mestre em Medicina (Pediatria) e doutor em Medicina (Pediatria) pela Universidade de São Paulo e Livre-Docente em Educação Médica pela Universidade Federal de São Paulo. Membro Titular da Academia de Medicina de São Paulo (Cadeira 104, cujo Patrono é Otto Guilherme Bier). .Atual Presidente da Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM). Diretor (2017-) do Centro de Desenvolvimento do Ensino Superior em Saúde (CEDESS), foi seu fundador e primeiro diretor (1997-2005). Professor orientador do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências da saúde, níveis mestrado acadêmico e doutorado e do Programa de Mestrado Profissional Ensino em Ciências da Saúde. Vem desenvolvendo atividades de ensino e pesquisa relacionadas com a Educação Médica e com o Ensino na Saúde desde 1990, atuando principalmente nas seguintes áreas: educação médica, educação em saúde, docência e formação docente em Medicina e no ensino em ciências da saúde. Nessas áreas tem centrado suas publicações de artigos científicos em periódicos e livros. Tem prêmios e títulos no campo do ensino, desde homenagens como patrono de turmas a trabalhos científicos premiados, abrangendo prêmios de Mérito Educacional na área do Educação Médica.

Referências

Ribeiro JG da CG. Prática docente: as intervenções de facilitação de aprendizagem. Macéio: EDUFAL; 2009.

MARASCHIN C, NEVADO RA. O Paradigma epistemológico e o ambiente de aprendizagem Logo. BRASIL Ministério da Educação Secretaria de Educação Média e Tecnológica Informática na Escola: Pesquisas e Experiências Léa da Cruz Fagundes (org) Brasília: MEC/SEMTEC. 1994;

PIAGET Jean. O nascimento da inteligência na criança. Rio de Janeiro: Zahar; 1975.

Papert S. A critique of technocentrism in thinking about the school of the future. In: Children in the information age. Elsevier; 1988. p. 3–18.

PAPERT S. Logo: computadores e educação. São Paulo: Brasiliense, 1980. A Máquina das Crianças Porto Alegre-RS: Artmed. 2008;

Gagné RM. Reviews: Ausubel, David P. Educational Psychology: A Cognitive View. New York: Holt, Rinehart & Winston, 1968. 685+ xviii pp. $8.95. American Educational Research Journal. 1969;6(2):287–90.

Valente JA. O Professor no Ambiente Logo: formação e atuação. Campinas: Gráfica da UNICAMP. 1996;

PIAGET J. A Equilibração das Estruturas Cognitivas; o problema central do conhecimento. Rio de Janeiro: Kahar Editores. 1976;

Piaget J. evolução dos possíveis na criança. Editora Artes médicas; 1985.

VYGOTSKY LS. A formação Social da mente (Trad.) São Paulo. Martins Fontes; 1998.

Moreira MA. ¿ Al afinal, qué es aprendizaje siginificativo? Qurriculum: revista de teoría, investigación y práctica educativa La Laguna, Espanha No 25 (marzo 2012), p 29-56. 2012;

MOREIRA MA, MASINI EFS. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel/Marco A. Moreira, Elcie F Salzano Masini São Paulo: Moraes. 1982;

Rogers CR. Liberdade de aprender em nossa década. Artes Médicas; 1986.

CECY C, OLIVEIRA GA de, COSTA EM de MB. Metodologias Ativas: aplicações e vivências em Educação Farmacêutica. Brasília: Abenfarbio. 2013;

Farias PAM de, Martin AL de AR, Cristo CS. Aprendizagem ativa na educação em saúde: percurso histórico e aplicações. Revista brasileira de educação médica. 2015;39(1):143–50.

Knowles MS. The Modern Practice of Adult Education: From Pedagogy to Andragogy: Revised and Updates. Adult Education; 1980.

Bollela VR, Machado VMP, de Carvalho Junior PM, Araújo MNT, Ribeiro MGF, Amaral E, et al. Princípios de ensino-aprendizagem significativos na pós-graduação da saúde.

Lindeman EC. The meaning of adult education. New York: New Republic. New Edition (1989): The Oklahoma Research Center for Continuing Professional and Higher Education. 1926;

Dewey J. The Project Gutenberg ebook of democracy and education. Retrieved; 2008.

Roman C, Ellwanger J, Becker GC, Silveira AD da, Machado CLB, Manfroi WC. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem no processo de ensino em saúde no Brasil: uma revisão narrativa. Clinical and biomedical research Porto Alegre Vol 37, n 4 (2017), p 349-357. 2017;

SAKAI MH, LIMA GZ. PBL: uma visão geral do método. Olho Mágico, Londrina. 1996;2(5/6):24–30.

Berbel NAN. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface-Comunicação, Saúde, Educação. 1998;2(2):139–54.

Wood DF. Problem based learning. Bmj. 2003;326(7384):328–30.

Lima VV. Espiral construtivista: uma metodologia ativa de ensino-aprendizagem. Interface-Comunicação, Saúde, Educação. 2017;21(61):421–34.

Downloads

Publicado

28/03/2021

Como Citar

Ribeiro, J. G. da C. G., & Batista, N. A. (2021). O paradigma Construcionista e as Metodologias Ativas na Educação em Saúde. Revista Portal: Saúde E Sociedade, 5(3), 1563–1576. https://doi.org/10.28998/rpss.v5i3.11200

Edição

Seção

ENSAIO