Avaliação dos histopatológicos do colo do útero: estudo descritivo

Autores

  • Lara Mykaelle Braga Rodrigues Universidade Federal de Alagoas- Campus Arapiraca
  • Anderson Ferreira Barbosa
  • Salviane dos Santos Barbosa
  • Nirliane Ribeiro Barbosa
  • Karol Fireman de Farias

DOI:

https://doi.org/10.28998/rpss.v5i0.11451

Resumo

Objetivo: Avaliar as alterações encontradas em mulheres que realizaram o exame histopatológico do colo do útero no estado de Alagoas no ano de 2019. Método: Estudo epidemiológico de cunho quantitativo, transversal e descritivo, realizado a partir exames histopatológicos do colo do útero com base na análise dos dados fornecidos pelo Sistema de Informação do Câncer (SISCAN), de janeiro a novembro de 2019 no estado de Alagoas. Resultados: No ano de 2019, 307 mulheres realizaram o exame histopatológico do colo do útero, com relação à idade, observou-se uma maior frequência na faixa etária entre 40 a 44 anos, com média de 40,9 anos. Entre os resultados dos laudos, percebe-se que grande maioria foi registrado como ignorados com a taxa de 75,25%. Entre as displasias, NIC III (Displasia acentuada / Carcinoma in situ) dispõe da maior taxa (10,10%). O resultado citológico do colo do útero alterado (58,63%) foi a maior frequência identificada. Arapiraca, mesmo realizando somente biópsia, é o município que se destaca em prestação de serviço no estado (52,77%), todavia, Maceió, sendo a capital do estado, realizou todos os tipos de procedimentos (biópsia, conização, exerese da zona de transformação e histerectomia total), ainda que possua uma taxa relativamente menor na quantidade de exames realizados (43,65%). Conclusão: Os resultados deste estudo demonstraram que a maioria dos diagnósticos do exame Histopatológico do colo do útero se apresentou como ignorados, e nem todos os municípios alagoanos prestaram de forma disseminada e variada os procedimentos relacionados ao diagnóstico de lesões de colo. Posto isso, ressalta-se a necessidade de fortalecer o diagnóstico e o correto preenchimento da notificação dos dados, bem como de disponibilizar os diversos tipos de procedimentos nos municípios alagoanos, aumentando a acessibilidade destes para a população feminina na perspectiva da detecção precoce das lesões sugestivas do Câncer do colo do útero.

Biografia do Autor

Lara Mykaelle Braga Rodrigues, Universidade Federal de Alagoas- Campus Arapiraca

Discente em bacharelado do curso de Enfermagem

Referências

Brasil. INCA. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2018, incidência de câncer no Brasil. Available at: http://www.inca.gov.br/estimativa/2018/estimativa-2018.pdf.

Rama C,Roteli MC, DerchainS, Longatto, Gontijo R, Sarian L, Syrjanen K, Ching T, Aldrighi J. Rastreamento anterior para câncer de colo uterino em mulheres com alterações citológicas ou histológicas.Rev Saúde Pública 2008; 42(3): 411-9.

Mendonça VG, Guimarães MJB, Lima Filho JL, Mendonça CG, Martins DBG, Crovella S, Alencar LCA. Infecção cervical por papilomavírus humano: genotipagem viral e fatores de risco para lesão intraepitelial de alto grau e câncer de colo do útero. Rev Bras Ginecol Obstet. 2010; 32(10): 476-85.

Fredrich EK, Renner JDP. Alterações citopatológicas em exames de Papanicolaou na cidade de Santa Cruz do Sul, Rio Grande do Sul, Brasil Jane D. P. Renner J Bras Patol Med Lab. 2019; 55(3): 246-257

Rozario S, Silva IF, Koifman RJ, Silva IF. Caracterização de mulheres com câncer cervical atendidas no Inca por tipo histológico. Rev Saúde Publica. 2019; 53:88.

Stofler MECW, Nunes RD, Rojas PFB, Junior AT, Schneider IJC. Avaliação do desempenho da citologia e colposcopia comparados com a histopatologia no rastreamento e diagnóstico das lesões do colo uterino. Arquivos Catarinenses de Medicina. 2011; 40(3): 30-6

Katz LMC, Souza ASR, Fittipaldi SO, Santos GM, Amorim MMR. Concordância entre citologia, colposcopia e histopatologia cervical. Rev Bras Ginecol Obstet. 2010; 32(8): 368-73.

Bibbo M; WILBUR D. Comprehensive Cytophatology. Philadelphia, PA Sounders Elsevier, 2008.

Gois Filho PMB. Comparação entre citologia, colposcopia e histopatologia no diagnóstico do câncer do colo do útero em um serviço público de saúde de Pernambuco (monografia). Recife: Universidade Paulista e Centro de Consultoria Educacional; 2010.

Drumond DG, Santos JL, Dôres GB, Gollner AM, Cupolilo SMN, Coelho MCJ, Filho AC. Avaliação de Métodos Diagnósticos, Morfológicos e Biomoleculares em Mulheres Encaminhadas com Citologia Alterada. DST - J bras Doenças Sex Transm 2011; 23(2): 95-100.

Richart, R. M. Cervical intraepithelial neoplasia. PathologyAnnual, 1973; 8: 301-28,

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Detecção Precoce e Apoio à Organização de Rede. Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero. Rio de Janeiro: INCA; 2016.

Kim J, Lee D, Son KB, Bae S. The Burdenof Cervical Cancer in Korea: A Population-BasedStudy. Int J Environ Res Public Health. 2020; 17(17):6308.

Barut MU, Kale A, Kuyumcuoğlu U, et al. Analysis of Sensitivity, Specificity, and Positive and Negative Predictive Values of Smear and Colposcopy in Diagnosis of Premalignant and Malignant Cervical Lesions. Med Sci Monit. 2015; 21:3860–7.

Perkins RB, Guido RS, Castle PE, et al. 2019 ASCCP Risk-Based Management Consensus Guidelines for Abnormal Cervical Cancer Screening Tests and Cancer Precursors. J Low Genit Tract Dis. 2020; 24(2):102-131.

Rocha SS, Rosal MA. Análise comparativa entre citologia, colposcopia e histopatologia do colo uterino em serviço de ginecologia de um Hospital Universitário. J. Ciênc. Saúde. 2018; 1(1): 69-75.

Downloads

Publicado

25/02/2021

Como Citar

Rodrigues, L. M. B., Barbosa, A. F., Barbosa, S. dos S., Barbosa, N. R., & Farias, K. F. de. (2021). Avaliação dos histopatológicos do colo do útero: estudo descritivo. Revista Portal: Saúde E Sociedade, 5, 34–44. https://doi.org/10.28998/rpss.v5i0.11451

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)