Câncer de Colo de Útero: Situação dos laboratórios em Alagoas

Autores

Resumo

INTRODUÇÃO: O câncer de colo de útero tem alta incidência entre as mulheres brasileiras e o exame citopatológico de colo de útero (Teste de Papanicolaou) é uma importante ferramenta para o seu combate, por identificar lesões precursoras da doença. OBJETIVO: Avaliar a qualidade interna dos laboratórios que realizam os exames citopatológicos de colo de útero para o SUS em Alagoas de modo a permitir o monitoramento dos serviços prestados. MÉTODO: Para tanto, foram utilizados indicadores de controle interno de qualidade dos laboratórios (índice de positividade, percentual de exames compatíveis com ASC entre os exames satisfatórios, percentual de ASC entre os exames alterados, razão ASC/SIL, percentual de exames compatíveis com HSIL e percentual de amostras insatisfatórias) para o triênio 2011-2013, com base nos dados disponíveis no SISCOLO. RESULTADO: A qualidade dos laboratórios investigados está abaixo do recomendado pelas organizações de saúde e Alagoas apresenta uma cobertura de exames inferior à necessária para a população. CONCLUSÃO: Os resultados sugerem falhas do sistema de saúde e a necessidade de replanejamento de todo ciclo de prevenção e controle do câncer de colo de útero no Estado.

Biografia do Autor

Heloisa Helena Motta Bandini, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL. Professora Titular.

Fonoaudióloga. Pós Doutora pela UFSCAR. Professora Titular da UNCISAL, heloisabandini@gmail.com

Carmen Silvia Motta Bandini, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL. Professora Titular.

Psicóloga. Doutora pela UFSCAR. Professora Titular da UNCISAL, carmen.bandini@uncisal.edu.br

Rodrigo Japur Duarte Tavares, Centro Universitário Serra dos Órgãos. Professor

Enfermeiro. Mestre pela ENSP.  Professor do Centro Universitário Serra dos Órgãos, rodrigojapur@gmail.com

Rozangela Maria de Almeida Fernandes Wyszomirska, Universidade Federal de Alagoas - UFAL. Professora Associada

Médica. Pós Doutora pela UaP. Professora Associada da UFAL. Autora correspondente: Rua Desportista Humberto Guimarães, 342/201 – Ponta Verde, Maceió, Alagoas, CEP 57.035-030. Telefone: (82)993075653. rozangela.wyszomirska@famed.ufal.br

Referências

Instituto Nacional do Câncer. Estimativa 2018: Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2018.

World Health Organization. International Agency for Research on Cancer. Globocan 2012 [acessado em agosto de 2017]. Disponível em: http://globocan.iarc.fr/

Tavares SBN, Amaral RG, Manrique EJC, Sousa NLA, Albuquerque ZBP, Zeferino LC. Controle de qualidade em citopatologia cervical: revisão de literatura. Rev. Bras. Cancerol. 2007; 53(3): 355-364, jul.-set.

Maeda MYS, Shirata NK, Longatto-Filho A, Cavaliere MJ, Santos MM, Becker CC, et al. Influência da introdução da escova cervical para colheita de material cervicovaginal no programa de rastreamento de câncer ginecológico. RBM Ginecol Obstet. 1993; 4: 55-58.

Stein MD, Fregnani JH, Scapulatempo C, Mafra A, Campacci N, Longatto-Filho A. Performance and reproducibility of gynecologic cytology interpretation using the FocalPoint system: results of the RODEO Study Team. Am J Clin Pathol. 2013; 140(4): 567–571.

Renshaw AA. Analysis of error in calculating the false‐negative rate in the interpretation of cervicovaginal smears. Cancer Cytopathology. 1997; 81(5): 264-271.

Brasil. Portaria n° 3.388 de 30 de dezembro de 2013. Redefine a Qualificação Nacional em Citopatologia na prevenção do câncer do colo do útero (QualiCito). Diário Oficial da União 2013; 31 dez; Seção 1:42.

Brasil. Portaria n° 613 de 3 de março de 2017. Altera a Portaria 3.388, de 30 de dezembro de 2013 e da outras providencias. Diário Oficial da União 2017; 44 mar; Seção 1:73.

Branca, M, Longatto-Filho, A. Recommendations on Quality Control and Quality Assurance in Cervical Cytology. Acta Cytologica. 2015; 59(5):361–369.

Bortolon PC, Silva MAF, Corrêa FM, Dias MBK, Knupp VMAO, Assis M, Claro, IB. Avaliação da qualidade dos laboratórios de citopatologia do colo do útero no Brasil. Rev Bras Cancerol. 2012; 58(3): 435-444.

Plewka J, Turkiewicz M, Duarte BF, Chaves MAF, Cestari C, Tartari DC. Avaliação dos indicadores de qualidade de laboratórios de citopatologia cervical. Rev Inst Adolfo Lutz. 2014; 73(2): 140-147.

Contandriopoulos A.P. Avaliando a institucionalização da avaliação. Ciênc. saúde coletiva. 2006; 11(3): 705-711.

Furtado J.P., Campos G.W.S., Oda W.Y., Onocko-Campos R.. Planejamento e Avaliação em Saúde: entre antagonismo e colaboração. Cad. Saúde Pública. 2018; 34(7): e00087917.

Moraes, P.N., Iguti A.M. Avaliação do desempenho do trabalhador como forma peculiar de prescrição do trabalho: uma análise do PMAQ-AB. Saúde em Debate. 2013; 37(98): 416-426.

Brasil. Portaria 1.338 de 08 de setembro de 2015. Habilita Laboratórios de Exames Citopatológicos do Colo do Útero. Diário Oficial de Saúde. 2015; 9 set.

Instituto Nacional de Câncer. Nomenclatura Brasileira para Laudos Citopatológicos Cervicais. 3ª Edição. Rio de Janeiro: INCA; 2012.

Instituto Nacional de Câncer. Manual de gestão da qualidade para laboratório de citopatologia. Rio de Janeiro: INCA; 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Panorama do Brasil/Alagoas [acessado em junho de 2017]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/al/panorama.

Ministério da Saúde. Razão entre exames citopatológicos do colo do útero em mulheres de 25 a 59 anos e população feminina da mesma faixa etária e local de residência. Portal Brasileiro de Dados Abertos [acessado em outubro de 2017]. Disponível em: http://dados.gov.br/dataset/wms_idsus_nt_rzcito

Brasil. Portaria/GM 399, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto da Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Diário Oficial da União 2006; 23 fev; Seção 1:43.

Instituto Nacional de Câncer. Atlas On-line da Mortalidade por Câncer [acessado em outubro de 2017]. Disponível em: https://mortalidade.inca.gov.br/MortalidadeWeb/pages/Modelo07/consultar.xhtml;jsessionid=A6C2A3C17DDB1032E9BA8B80487E6568

Instituto Nacional de Câncer. Plano de ação para redução da incidência e mortalidade por câncer do colo do útero: sumário executivo. Rio de Janeiro: INCA; 2010.

Publicado

18/06/2021

Como Citar

Bandini, H. H. M., Bandini, C. S. M., Tavares, R. J. D., & Wyszomirska, R. M. de A. F. (2021). Câncer de Colo de Útero: Situação dos laboratórios em Alagoas. Revista Portal: Saúde E Sociedade, 6, e02106004. Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11520

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)