Câncer de colo de útero em Alagoas: um estudo descritivo retrospectivo

Autores

  • Mayra Alencar da Silva Centro Universitário Tiradentes (UNIT-AL)
  • Bruna Stefany Rebouças França Universidade Federal de Alagoas (UFAL - Campus Arapiraca)
  • João Paulo Oliveira de Almeida Universidade Federal de Alagoas (UFAL - Campus Arapiraca)
  • Thais Miranda Rodrigues Universidade Federal de Alagoas (UFAL - Campus Arapiraca)
  • Vanessa Silva Santos Universidade Federal de Alagoas (UFAL - Campus Arapiraca)
  • Amanda Karine Barros Ferreira Rodrigues Universidade Federal de Alagoas (UFAL - Campus Arapiraca)

Resumo

Objetivo: Analisar a cobertura das políticas de rastreamento e seus impactos na mortalidade do câncer de colo de útero em Alagoas. Método: Foi feito um estudo descritivo retrospectivo, em outubro de 2020, com dados relativos à realização de exame citopatológico, colposcopia e biópsia de colo de útero dos municípios alagoanos entre 2013 e 2019 e mortalidade por câncer de colo de útero em Alagoas e no Brasil entre 2013 e 2018, extraídos do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) e do Instituto Nacional de Câncer (INCA). Resultados: Os dados demonstram que o rastreamento pelo exame citopatológico vem demonstrando uma cobertura abaixo de 10% nos últimos anos quando comparados à população feminina alagoana preconizada para realização. Além disso, as mortes por câncer de colo do útero estão estabilizadas, o que demonstra a ineficácia das políticas públicas. Conclusão: A mortalidade por Câncer de colo de útero em Alagoas segue aumentando, sendo 120 em 2018, o que evidencia que o rastreamento atual não cumpre o papel de diminuir a mortalidade, pois tem se mostrado insuficiente. Torna-se essencial o desenvolvimento e o fortalecimento de ações integradas em todos os níveis de atenção, a fim de organizar o processo de rastreamento e ampliar a oferta de procedimentos da linha de cuidado de câncer de colo de útero.

Biografia do Autor

Mayra Alencar da Silva, Centro Universitário Tiradentes (UNIT-AL)

Discente do curso de medicina

Bruna Stefany Rebouças França, Universidade Federal de Alagoas (UFAL - Campus Arapiraca)

Discente do curso de medicina

João Paulo Oliveira de Almeida, Universidade Federal de Alagoas (UFAL - Campus Arapiraca)

Discente do curso de medicina

Thais Miranda Rodrigues, Universidade Federal de Alagoas (UFAL - Campus Arapiraca)

Discente do curso de medicina

Vanessa Silva Santos, Universidade Federal de Alagoas (UFAL - Campus Arapiraca)

Discente do curso de medicina

Amanda Karine Barros Ferreira Rodrigues, Universidade Federal de Alagoas (UFAL - Campus Arapiraca)

Docente do curso de medicina

Referências

Okamoto CT, Faria AAB, Sater AC, Dissenha BV, Stasievski BS. Perfil do Conhecimento de Estudantes de uma Universidade Particular de Curitiba em relação ao HPV e Sua Prevenção. Rev Bras Educ Med. 2016; 40:611–620. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022016000400611

Wang R, Pan W, Jin L, Huang W, Li Y, Wu D, et al., Human papillomavirus vaccine against cervical cancer: Opportunity and challenge. Cancer Letters. 2020; 471:88-102. https://doi.org/10.1016/j.canlet.2019.11.039

Colpani V, Falcetta FS, Bidinotto AB, Kops NL, Falavigna M, Hammes LS, et al. Prevalence of human papillomavirus (HPV) in Brazil: A systematic review and meta-analysis. PLoS One. 2020; 15:1–34. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0229154

Sharma A, Kulkarni V, Bhaskaran U, Singha M, Mujtahedi S, Chatrath A, et al., Prevalence of human papillomavirus (HPV) in Brazil: A systematic review and meta-analysis. J Nat Sci Biol Med. 2017; 8:125–129. doi: 10.4103/0976-9668.198354

FEBRASGO. Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. HPV. FEBRASGO. 2017. https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/120-hpv

Canfell K. Towards the global elimination of cervical cancer. Papillomavirus Res. 2019; 8:100170. https://doi.org/10.1016/j.pvr.2019.100170

Dantas DB, Costa TL, Silva ASA, Gomes FC, Melo-Neto JS. Mortality from cervical cancer in Brazil: an ecological epidemiologic study of a 22-year analysis. ecancer. 2020; 14:1064. https://doi.org/10.3332/ecancer.2020.1064

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero. 2a edição. Atual. R, editor. Ministério da Saúde. Rio de Janeiro; 2016; 1–106. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/inca/rastreamento_cancer_colo_utero.pdf

Cruz NMRA, Cruz KEA, Silva CAL. Mortalidade por câncer de colo de útero no Estado da Bahia, Brasil, entre 1996 e 2012. Rev Baiana Saúde Pública. 2018; 42:624–639. http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2807/2566

Ribeiro CM, Dias MBK, Pla MAS, Correa FM, Russomano FB, Tomazelli JG. Parâmetros para a programação de procedimentos da linha de cuidado do câncer do colo do útero no Brasil. Cad Saúde Pública. 2019; 35:6-e00183118. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2019000705008&lng=en

Peroni F da MA, Lindelow M, Souza DO De, Sjoblom M. Realizing the right to health in Brazil’s Unified Health System through the lens of breast and cervical cancer. Int J Equity Heal. 2019; 18:1–15. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31155002/

Silva, LR, Almeida, CAPL, Sá, GG Moura, LKB, Araújo, ETH. Educação em saúde como estratégia de prevenção do câncer do colo do útero: revisão integrativa. Revista Prevenção de Infecção e Saúde (REPIS). 2017; 3:35-45. https://revistas.ufpi.br/index.php/nupcis/article/view/6708/0

CENSO DEMOGRÁFICO 2010. Distribuição da população por sexo, segundo os grupos de idade. Alagoas: IBGE, 2011. https://censo2010.ibge.gov.br/sinopse/webservice/frm_piramide.php?codigo=27

Pinafo E, Nunes E, Carvalho BG, Mendonça F, Domingos CM, Silva CR. Problemas e estratégias de gestão do SUS: a vulnerabilidade dos municípios de pequeno porte. Ciênc saúde coletiva. 2020; 25:1619–28. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232020000501619

Corrêa CSL, Lima A de S, Leite ICG, Pereira LC, Nogueira MC, Duarte D de AP, et al. Rastreamento do câncer do colo do útero em Minas Gerais: avaliação a partir de dados do Sistema de Informação do Câncer do Colo do Útero (SISCOLO). Cad Saúde Coletiva. 2017; 25:315–23.

Maia MN, Silva RP de O da, Santos LPR dos. A organização do rastreamento do câncer do colo uterino por uma equipe de Saúde da Família no Rio de Janeiro, Brasil. Rev Bras Med Família e Comunidade. 2018;13:1–10.

Carvalho PG, O´Dwer G, Rodrigues NCP. Trajetórias assistenciais de mulheres entre diagnóstico e início de tratamento do câncer de colo uterino. Saúde em Debate. 2018; 42:687–701. https://www.scielo.br/pdf/sdeb/v42n118/0103-1104-sdeb-42-118-0687.pdf

IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). Atlas da vulnerabilidade social nos municípios brasileiros. Brasília, DF; 2015.

Kashyap N, Krishnan N, Kaur S, Ghai S. Risk Factors of Cervical Cancer: A Case-Control Study. Asia-Pacific J Oncol Nurs. 2019; 6:308–14. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31259228/

Publicado

18/06/2021

Como Citar

Alencar da Silva, M., Rebouças França, B. S., Oliveira de Almeida, J. P., Miranda Rodrigues, T., Silva Santos, V., & Barros Ferreira Rodrigues, A. K. (2021). Câncer de colo de útero em Alagoas: um estudo descritivo retrospectivo. Revista Portal: Saúde E Sociedade, 6, e02106010. Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/11614

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL