Análise crítica e reflexiva do filme ”Patch Adams: o amor é contagioso” faces das relações de poder no cenário hospitalar

Autores

  • Mari Rosa Silva SILVA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS-UNCISAL

DOI:

https://doi.org/10.28998/rpss.e02106022

Resumo

Fazer uma reflexão sobre a obra “Patch Adams: o amor é contagioso” em face da formação médica e de aspectos que perpassam demais profissionais de saúde, abordando as relações de poder no cenário hospitalar e a figura do palhaço. Como percurso metodológico, foi realizada uma análise acerca dessas relações expressas na obra cinematográfica. O longa-metragem é uma produção que relata a formação médica pelo Serviço de Saúde dos Estados Unidos, nos anos 90, a qual perpassa alguns ensinamentos até este momento. Dito isso, o filme é utilizado como meio de promover o debate sobre a figura do palhaço de hospital e a concepção de que ele irá resolver demandas da saúde em geral. Como resultado deste trabalho, foi analisado o modo de produzir a saúde na sociedade, ampliando o conhecimento de que é preciso repensar o modelo assistencial hegemônico, priorizando prestar um serviço acolhedor e individualizado de assistência interdisciplinar e transdisciplinar em saúde ao paciente.

Biografia do Autor

Mari Rosa Silva SILVA, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS-UNCISAL

enfermeira, especialista em saúde da criança, docente da Uncisal, menstranda em Ensino na Saúde da famed/Ufal. Doutoramento em Saúde Pública na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP)

Referências

Patch Adams: O amor é contagioso. Direção Tom Shadyac. Roteiro Stev Oedekerk. Gênero comédia dramática. Ano: 1998. Duração: 1h15 min.

Normas Regulamentadoras 32 [internet]. 2020 [citado 2020 jan. 24]. Disponível em: https://portal.coren-sp.gov.br/sites/default/files/livreto_nr32_0.pdf.

Foucault M. O nascimento do hospital. In:_____. Microfísica do Poder. Trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: Editora Grall; 1979. p. 278-295

Merhy EE. O conhecer militante do sujeito implicado: o desafio de reconhecê-lo como saber válido. In: Franco TB, Peres MAA, organizadores. Acolher Chapecó: uma experiência de mudança do modelo assistencial, com base no processo de trabalho. São Paulo: Hucitec Editora; 2004. p. 21-45.

Feuerwerker LCM. Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. Porto Alegre: Rede Unida; 2014.

Adams P. Patch Adams: o amor é contagioso. Ilustração de Jerry Van Amerongen. Trad. Fabiana Colasanti. Rio de Janeiro: Sextante; 1999.

Sorrisso de Plantão [internet]. 2021 [citado 2021 jan. 24]. Disponível em: www.sorrisodeplantao.com.br.

Silva M, Sampaio J, Santos E. O nível de empatia de participantes do projeto de extensão universitária sorriso de plantão e sua contribuição para a formação em saúde. Revista Contexto & Saúde. 2019; 19(36): 79-90.

Doutores da Alegria [internet]. 2021 [citado 2021 jan. 24]. Disponível em: www.doutoresdaalegria.org.br.

Spinoza B. Ética. Trad. Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica Editora; 2013.

Deleuze G. Espinosa e Filosofia prática. Trad. Daniel Lins e Fabien. Rio de Janeiro: Editora Escuta; 2002.

Marx K. Contribuição à crítica da economia política. Trad. Florestan Fernandes. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes; 2003.

Feuerwerker LCM, Merhy EE. Atenção domiciliar na configuração de redes substitutivas: a desinstitucionalização das práticas e a invenção da mudança na saúde. Rev Panam Salud Pública. 2008; 24(3): 180-8.

Feuerwerker LCM. Cadeia do cuidado em saúde. São Paulo: Hucitec Editora; 2011.

Guattari F, Rolnik S. Micropolítica: cartografias do desejo. 7ª ed. Petrópolis: Vozes; 2005.

Merhy EE. O cuidado é um acontecimento e não um ato. In: Franco TB, Merhy EE, organizadores. Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde. Textos reunidos. São Paulo: Hucitec; 2013. p. 172-182.

Gomes RM, Schraiber LB. Humanization-alienation dialectic as a tool for the critical comprehension of health practices dehumanization: some conceptual elements. Interface – Comunic., Saude, Educ. 2011; v. 15, n. 37: p. 339-50.

Ayres JRM. O cuidado, os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde. Saúde e Sociedade. 2004; v. 13, n. 3: p. 16-29.

Masetti M. Boas Misturas: a ética da alegria no contexto hospitalar. São Paulo: Palas Athena; 2003.

Coe R. Sociologia de la Medicina. 3ª ed. Madrid: Alianza Universidad; 1984.

Merhy EE, Cecilio LCO. Algumas reflexões sobre o singular processo de coordenação dos hospitais [internet]. 2021 [citado 2021 jan. 24]. Disponível em: http://www.pbh.gov.br/smsa/biblioteca/concurso/coordenacaohospitalar.pdf.

Melo DL, Silva MR. Sorriso de Plantão: um sentimento que não pode parar. Arapiraca: Editora Eduneal; 2019.

Publicado

05/08/2021

Como Citar

SILVA, M. R. S. (2021). Análise crítica e reflexiva do filme ”Patch Adams: o amor é contagioso” faces das relações de poder no cenário hospitalar. Revista Portal: Saúde E Sociedade, 6, e02106022. https://doi.org/10.28998/rpss.e02106022

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL