Tendências temáticas dos trabalhos de conclusão de curso no Programa Mais Médicos- AL

Autores

  • Júlia Morgado Nunes da Costa Universidade Federal de Alagoas
  • Letícia Lóh Lacerda Porto Universidade Federal de Alagoas
  • Francisco José Passos Soares Universidade Federal de Alagoas

DOI:

https://doi.org/10.28998/rpss.e02106027

Resumo

Verificar como os profissionais do programa percebem e pretendem intervir nos processos de saúde e adoecimento nas comunidades em que atuaram. Estudo quantitativo, descritivo, desenvolvido durante os anos 2019 e 2020, valendo-se da base de dados fornecida na área de pesquisa da página web específica do curso de especialização em gestão do cuidado em saúde da família. Período analisado entre 2017.2 e 2018.1. Dos 43 TCCs analisados, 60,5% foram realizados pelo sexo feminino e 39,5% pelo masculino. Dentre esses profissionais, 55,8% eram estrangeiros e 44,2% brasileiros. Dezenove trabalhos (44,2%) correspondiam a profissionais que atuavam na Macrorregião 1 de saúde e 24 (55,8%) na Macrorregião 2.  Quanto aos temas abordados, houve predomínio de doenças crônicas não transmissíveis (46,6%): cardiovasculares (hipertensão arterial) e metabólicas (diabetes mellitus), seguidos por temas relacionados à saúde da mulher e gestação (21%): gravidez na adolescência, pré-natal, aleitamento materno e planejamento familiar, e parasitoses intestinais e esquistossomose (14%). Dentre os nós críticos, verificou-se a recorrência de questões relacionadas aos determinantes sociais de saúde, bem como à educação. Às intervenções propostas, observou-se maior prevalência de ações voltadas para a educação (educação em saúde, capacitação de profissionais, educação permanente); outras estão ligadas à qualificação e melhoria na prestação do atendimento à população, seguida por soluções relacionadas a hábitos e condições de vida e políticas públicas. Os temas escolhidos demonstram compromisso e conhecimento da realidade sanitária loco-regional e coerência com as políticas públicas em saúde. Entretanto, as intervenções propostas são insuficientes para a significativa modificação da realidade sanitária local, uma vez que se limitam a atuação individual do paciente ou do médico e equipe de saúde.

Descritores: programa mais médicos; atenção primária à saúde; educação em saúde.

Biografia do Autor

Júlia Morgado Nunes da Costa, Universidade Federal de Alagoas

Estudante de graduação em Medicina pela Universidade Federal de Alagoas.

Referências

Referências:

Lopes MG., A Formação Médica e a Organização do Trabalho em Saúde: reforma da formação médica brasileira a partir de 1990 [trabalho de conclusão de curso]. Campinas: Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas; 2013. 19 p.

Brasil. Portaria Interministerial Nº1.369/2013. Dispõe sobre a implementação do Projeto Mais Médicos para o Brasil [internet]. Brasil: Ministério da Saúde; 2013. [acesso em 22 ago 2019]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/pri1369_08_07_2013.html

Gonçalves O, Gava GB, Silva MS. Programa Mais Médicos, aperfeiçoando o SUS e democratizando a saúde: um balanço analítico do programa. Rev. Saúde soc. [Internet]. 2017. [Acesso em 28 Jan 2021]; 26(4): 872-887. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010412902017000400872&lng=en Doi: https://doi.org/10.1590/s0104-12902017170224.

Brasil. Ministério da Saúde. Programa Mais Médicos – Dois anos: Mais Saúde para os Brasileiros [internet]. Brasília; 2015. [acesso em: 03 mar 2020]. 129 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/programa_mais_medicos_dois_anos.pdf

Organização Pan-Americana da Saúde [internet]. Brasília: OPAS Brasil. 2018. [acesso em 20 Ago 2019]. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5804:mais-medicos-profissionais-cubanos-da-cooperacao-internacional-sairao-do-brasil-ate-12-de-dezembro&Itemid=347

Scheffer MC., Cassenote AJ., A Feminização da Medicina. Rev. bioét. 2013; 21 (2): 268-77.

Scheffer MC., et al., Demografia Médica no Brasil 2020. [livro online] São Paulo: FMUSP, CFM, 2020. [acesso em 5 jan. 2021] Disponível em: https://cdn-flip3d.sflip.com.br/temp_site/edicao7ffb4e0ece07869880d51662a2234143.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mulher no mercado de trabalho: perguntas e respostas. Pesquisa mensal de emprego – PME. Rio de Janeiro: IBGE; 2012.

Nogueira PTA., et al., Características da distribuição de profissionais do Programa Mais Médicos nos estados do Nordeste, Brasil. Rev. Ciênc. Saúde Colet. 2016; 21 (9): 2889-98

DATASUS. Morbidade Hospitalar do SUS por Local de Internação Alagoas [internet]. Tabnet DATASUS; Brasília: Ministério da Saúde. 2017-2018 [acesso em: 14 jun 2020] Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sih/cnv/nial.def

Dantas RCO., Roncalli AG., Protocolo para indivíduos hipertensos assistidos na Atenção Básica em Saúde. Rev. Ciênc. Saúde Colet. 2019; 24 (1): 295-306

Organização das Nações Unidas. UNFPA. Situação da População Mundial 2020. [internet] Brasil: Escritório do UNFPA, BR, 2020. [acesso em 21 jan 2021] Disponível em: https://brazil.unfpa.org/pt-br/publications/situacao-da-populacao-mundial-2020

SBP. Departamento Científico da Adolescência. Prevenção da Gravidez na Adolescência. [publicação online]; 2019 [acesso em 20 jan 2021] Disponível em: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/Adolescencia_-_21621c-GPA_-_Prevencao_Gravidez_Adolescencia.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico: Situação epidemiológica e estratégias de prevenção, controle e eliminação das doenças tropicais negligenciadas no Brasil, 1995 a 2016. [publicação online]; 2018 [acesso em 25 jan 2021] Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/novembro/19/2018-032.pdf

Moraes LJR., et al., Prevalência de anemia associada a parasitoses intestinais no território brasileiro: uma revisão sistemática. Rev. Pan Amaz Saúde. [artigo online] 2019; [acesso em: 10 dez 2020];10: 1-9. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-62232019000100030&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Doi: http://dx.doi.org/10.5123/S2176-6223201900098

Albuquerque GSC. Educação e Prática Médica Capitalista: Limites e Possibilidades [dissertação de mestrado]. Curitiba: Faculdade de Educação, Universidade Federal do Paraná; 2002. 132 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde [internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2009 [acesso em: 04 fev 2021]. 88 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/07_0323_M.pdf

Direção Executiva Nacional dos Estudantes de Medicina. Expansão das Escolas Médicas Pagas [internet]. Curitiba: Sede DENEM; 2020 [acesso em 03 fev 2021]. Disponível em: https://www.denem.org.br/2020/02/03/expansao-das-escolas-medicas-pagas/

Direção Executiva Nacional dos Estudantes de Medicina. Posicionamento da DENEM Sobre o Programa “Mais Médicos Para Você, Mais Saúde Para o Brasil”, Deliberado no 43º Encontro Científico dos Estudantes de Medicina [internet]. Belém: DENEM; 2013 [acesso em 03 fev 2021]. Disponível em: http://cebes.org.br/site/wp-content/uploads/2013/10/MaisMedicos-posicionamento.pdf

Osa JA., Um Olhar para a Saúde Pública Cubana. Rev. Estud. av. 2011; 25 (72): 89-96.

Saviani D. Escola e Democracia. 34. ed. Campinas. Autores Associados; 2001. 94 p.

Publicado

10/09/2021

Como Citar

Morgado Nunes da Costa, J., Lóh Lacerda Porto, L., & José Passos Soares, F. (2021). Tendências temáticas dos trabalhos de conclusão de curso no Programa Mais Médicos- AL. Revista Portal: Saúde E Sociedade, 6, e02106027. https://doi.org/10.28998/rpss.e02106027

Edição

Seção

CONITES 2020