REDUÇÃO DE DANOS: o conhecimento dos estudantes de Enfermagem e Medicina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/rpss.e02106038

Resumo

 

Introdução: Redução de Danos, como estratégia frente ao alcoolismo, se dá através da perspectiva transdisciplinar de saúde, educação, assistência social, cultura, trabalho e renda, visando a garantia do cuidado e dos direitos das pessoas. Objetivo: Investigar o conhecimento sobre Estratégia de Redução de Danos entre estudantes dos Cursos de Medicina e Enfermagem de uma universidade pública de Maceió. Método: Trata-se de uma pesquisa qualitativa realizada com um grupo de 28 estudantes (sendo 16 do curso da graduação em Enfermagem e 12 do curso de graduação em Medicina), em 2019. Foram realizados dois grupos focais com a participação de um moderador, observador e dos estudantes, empregando-se um roteiro com sete questões norteadoras. As falas foram gravadas, transcritas e os conteúdos textuais foram processados no software IRAMUTEQ.  Resultados: Seis classes foram geradas após a análise: classe 1: Política de álcool e outras drogas; classe 2: Aprendizagem sobre o tema; classe 3: Abordagem do tema no curso, classe 4 denominada: Estratégia de Redução de Danos; classe 5: A compreensão do conceito de Redução de Danos e classe 6: Discussão do tema Redução de Danos durante a graduação. Conclusão: Observou-se que os pesquisados possuem conhecimento sobre Redução de Danos, porém ainda necessitam de uma melhor aprendizagem sobre o assunto.

 

Palavras – chave: Redução de danos. Alcoolismo. Álcool. Saúde mental.

Biografia do Autor

Shirleide Martins Cavalcante de Morais, Universidade Federal de Alagoas - UFAL

Possui graduação em Farmácia pelo Centro Universitário CESMAC (2000) e graduação em Enfermagem pelo Centro Universitário Tiradentes (2012). Atuou na Farmácia Magistral, Industrial e Comercial. Pós graduação em Gestão de Farmácia hospitalar. Pós graduação em Saúde da Família.  Preceptora de estágio curricular para graduandos em Enfermagem. Participou como auxiliar externa em banca de avaliação e defesa de trabalho de conclusão de curso .Preceptora Saúde Coletiva na Faculdade de Medicina/UFAL. Mestre em Ensino na Saúde - MPES/FAMED - Universidade Federal de Alagoas - UFAL

Divanise Suruagy Correia, Universidade Federal de Alagoas - UFAL

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de Alagoas (1979), mestrado em Mestrado em Saúde da Criança pela Universidade Federal de Alagoas (2000), mestrado em Ciências da Saude pela Universidade Federal de Sergipe (2003) e doutorado em Programa de Pósgraduação em Ciências da Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2009). Atualmente é professora titular da Universidade Federal de Alagoas. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Medicina, atuando principalmente nos seguintes temas: medicina, adolescência, sexualidade, adolescente e criança.

Andrea Marques Vanderlei Fregadolli, Universidade Federal de Alagoas - UFAL

Graduada em Farmácia, Educação Física e Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Graduanda em Pedagogia (último semestre) e Nutrição (8º Período) . Especialista em Plantas Medicinais (UFLA, 2001), Farmacologia (UFLA, 2002), Medicina Tradicional Chinesa - Acupuntura (INCISA/IMAM, 2008), Análises Clínicas (2016), Farmácia Clínica com Prescrição de Medicamentos, Psicopedagogia Clínica e Institucional, Nutrição Materno-infantil. Pós-graduanda em Ortomolecular, e Farmácia Estética. Mestre em Modelagem Computacional de Conhecimento (UFAL, 2011), Bolsa de Pesquisa no Mestrado: FAPEAL. Doutora em Ciências. Bolsa de Pesquisa no Doutorado: FAPEAL/CAPES. Professora adjunta, nível 2, da Universidade Federal de Alagoas da Faculdade de Medicina (FAMED). Tutora do 1º Periodo de Medicina com ênfase em Anatomia, Fisiologia, Histologia, Embriologia, Biologia Celular e Molecular, Genética e Bioquímica. Leciona as disciplinas Tecnologias Aplicadas ao Ensino e Pesquisa em Saúde (TAEPS), Metodologia Científica e Práticas Docentes no Mestrado Ensino na Saúde (UFAL).

Referências

REFERÊNCIAS

FIORE, M. O lugar do Estado na questão das drogas: o paradigma proibicionista e as alternativas. Novos estudos. Brasil, 2012.

ANDRADE, T.M. Redução de Danos um novo paradigma? In: Entre riscos e danos, uma nova estratégia ao uso de drogas. Ministério da Saúde do Brasil e União Européia. Paris Editiones Scientifiques ACODESS, 83-86, 2002

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). A Política do Ministério da Saúde para Atenção Integral a Usuários de Álcool e outras Drogas. Brasília. 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Álcool e Redução de Danos: uma abordagem inovadora para países em transição. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/alcool_reducao_danos2004.pdf. Acesso em 15 de jul. 2019

BRASIL. In: Política nacional sobre drogas. Brasília, 2019. Disponível em: http:// www.in.gov.br/materia/-/asset publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/71137357/dole-2019-04-11-decreto-n-9-761-de-11-de-abril-de-2019-71137316. Acesso em: 14 de mar. 2019

CAMARGO, B. V., JUSTO, A. M. Tutorial para uso do software IRAMUTEQ. Laboratório de Psicologia Social da Comunicação e Cognição. UFSC. Brasil. 2016. Disponível em: http://www.iramuteq.org/documentation/fichiers/Tutorial%20IRaMuTeQ%20em%20portugues_17.03.2016.pdf. Acesso em 06 de set. 2019

DIAS, A.I. et al. Harm Reduction. Policies in Brazil contributions of a North American program. Ciência e Saúde Coletiva vol.19 no.1 Rio de Janeiro Jan. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232014000100147. Acesso em 01 de ago. 2019

FERRABOLI et al. Alcoolismo e Dinâmica Familiar: Sentimentos Manifestos. Cienc. Cuid saúde. 2015. v. 14, n 4, p. 1555-1563.

FERREIRA; W. PEREIRA, B. S. A “nova” política de drogas e o fim da redução de danos como retrocesso. 2019. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/73925/a-nova-politica-de-drogas-e-o-fim-da-reducao-de-danos-como-retrocesso. Acesso em 25 de set. 2019.

MACHADO, L.V; BOARINI, M. L. Políticas sobre drogas no Brasil: a estratégia de redução de danos. Psicologia Ciência e Profissão. vol.33 no.3 Brasília, 2013. Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932013000300006. Acesso em 05 de agosto de 2018

MACRAE, E.; GORGULHO, M. Redução de Danos e Tratamento de Substituição Posicionamento da REDUC. 2016. Disponível em: http://www.neip. info/downloads/t_edw8.pdf. Acesso em jun. 2018.

OPAS. Organização Pan-Americana de Saúde. Brasil. 2019. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5649:folha-informativa-alcool&Itemid=1093. Acesso em 20 de setembro de 2019

PASSOS, E. H; SOUZA, T., Redução de danos e saúde pública: construções alternativas à política global de “guerra às drogas”. Psicologia & Sociedade; 23 (1): 154-162, 2011.Disponível em: httphttp://www.scielo.br/pdf/psoc/v23n1/a17v23n1.pdf Acesso em 29 de ago. de 2018

RATINAUD, P. IRAMUTEQ: Interface de R pour les Analyses Multidimensionnelles de Textes et de Questionnaires - 0.7 alpha 2. 2014 Recuperado de: http://www.iramuteq.org

RESSEL et al. O uso do grupo focal em pesquisa qualitativa. Texto Contexto Enferm. 2008;17(4):779-86.

SAMPAIO, C.; FREITAS, D. S. Redução de danos e SUS: enlaces, contribuições e interfaces. 2010. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/rdchristianedeisi.pdf. Acesso em: 20 de fev. de 2019.

SOUZA, K. M.; MONTEIRO, S. A abordagem de redução de danos em espaços educativos não formais: um estudo qualitativo no estado do Rio de Janeiro, Brasil. Interface (Botucatu) vol.15 n° 38 Botucatu. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832011000300017. Acesso em 25 de jun de 2019.

VARGAS, D; BITTENCOURT, M. N. Álcool e alcoolismo: atitudes de estudantes de enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem. 2013. Págs.: 84 a 89. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672013000100013. Acesso em 29 de ago. de 2019

Downloads

Publicado

24/01/2022

Como Citar

Cavalcante de Morais, S. M., Correia, D. S., & Vanderlei Fregadolli, A. M. (2022). REDUÇÃO DE DANOS: o conhecimento dos estudantes de Enfermagem e Medicina. Revista Portal: Saúde E Sociedade, 6(Fluxo contínuo), e02106038. https://doi.org/10.28998/rpss.e02106038

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2 3 4 > >>