Perfil Epidemiológico dos Co-Infectados pela Neurotoxoplasmose em Portadores da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Autores

  • Vanessa Luiza Lins de Carvalho Silva Lins Silva Universidade Federal de Alagoas
  • Tâmyssa Simões dos Santos Instituto Universitário Italiano de Rosário (IUNIR)
  • Clodis Maria Tavares Universidade Federal de Alagoas
  • Eliézel Alves dos Anjos Universidade Federal de Alagoas
  • Daniela Lessa de Carvalho Tavares Universidade Federal de Alagoas (UFAL).
  • Larissa Oliveira Lessa Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

DOI:

https://doi.org/10.28998/rpss.v1i3.2549

Resumo

A síndrome da imunodeficiência adquirida (SIDA/AIDS) causa uma debilitação do sistema imunológico, deixando o usuário à mercê de doenças oportunistas. O objetivo deste estudo foi analisar o perfil epidemiológico dos co-infectados pela neurotoxoplasmose em portadores da síndrome da imunodeficiência adquirida. Trata-se de um estudo descritivo-retrospectivo, com abordagem quantitativa. Foram examinados 108 prontuários de clientes com as referidas patologias, admitidos no Hospital Escola Dr. Hélvio Auto, Maceió-AL, no período de 2005 a2008. Foi observado, no decorrer da pesquisa, um aumento da co-infecção pela neurotoxoplasmose significativo quanto ao gênero masculino, correspondendo a 62%. A faixa etária mais atingida foi de 25 a 45 anos, a maioria dos pesquisados tinha uma escolaridade do 1º ao 9º ano incompleto (fundamental). Foram relevantes, durante a série histórica, 62 casos com LTCD4+ <350 células/mm³, representando 57,40% dos prontuários analisados. Porém, os dados denotam um percentual de 13,88% com LTCD4+≥350 células/mm3, mostrando-se um bom parâmetro, indo em objeção à literatura. Os números de óbitos também demonstraram-se altos, 38 casos, denotando o índice de 35,18%. São irrefutáveis medidas que forneçam o diagnóstico precoce da citada co-infecção, sabendo-se que esta não é de notificação compulsória obrigatória, dificultando nas medidas de controle e prevenção.  

Descritores: AIDS. HIV. Toxoplasmose. Toxoplasmose cerebral. Perfil epidemiológico.

Biografia do Autor

Vanessa Luiza Lins de Carvalho Silva Lins Silva, Universidade Federal de Alagoas

Graduanda de enfermagem da Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Tâmyssa Simões dos Santos, Instituto Universitário Italiano de Rosário (IUNIR)

Mestre em Educação em Ciências da Saúde do Instituto Universitário Italiano de Rosário (IUNIR). Graduada em Enfermagem pelo Centro Universitário CESMAC

Clodis Maria Tavares, Universidade Federal de Alagoas

Doutora da Universidade de São Paulo (USP). Coordenadora do curso de Enfermagem Do Centro Universitário Tiradentes (UNIT). Professora Assistente da Escola de Enfermagem e Farmácia da Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Eliézel Alves dos Anjos, Universidade Federal de Alagoas

Mestre em Saúde da Criança e Adolescente da Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Daniela Lessa de Carvalho Tavares, Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

Graduanda de enfermagem da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

Larissa Oliveira Lessa, Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

Graduanda de enfermagem da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

Referências

REFERÊNCIAS

Silva SFR, Pereira MRP, Neto RM, Ponte MF, Ribeiro IF, Costa PFTF et al. Aids no Brasil: uma epidemia em transformação. RBAC, 2010;42(3):209-212.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso/ Ministério da Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. 8 ed. rev – Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

UNAIDS. Report on the global AIDS epidemic. Geneva; 2009. UNAIDS.

Boletim Epidemiológico Aids. DST. Ano Vlll – nº 1, 01º a 26º semanas epidemiológicas – janeiro a junho de 2011. Versão Preliminar – Brasília – 2011 [citado em 12 dez.2011].Disponível em:http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2011/50652/vers_o_preliminar_69324.pdf.

Siqueira EC. Avaliação de pacientes admitidos no Instituto de Infectologia Emílio Ribas com doença definidora de aids, sem diagnóstico prévio de HIV/AIDS, no período de janeiro a dezembro de 2007

[monography]. São Paulo: Instituto de Infectologia Emílio Ribas; 2008.

Costa TL, Silva MG, Avelar JB, Amaral WN, Avelino MM, Castro AM. Toxoplasma gondii: toxoplasmose com ênfase no diagnóstico. Revista de Patologia Tropical. UFG. 2008;37(3):191-207.

Nogui FLN, Mattas S, Turcato GJ, Lewi DS. Neurotoxoplasmosis diagnosis for HIV-1 patients by real-time PCR of cerebrospinal fluid. Brazilian Journal of Infectious Diseases. 2009;13(1): [cerca de 9p].

Christo PP. Alterações cognitivas na infecção pelo HIV e Aids. Rev Assoc Med Bras. 2010; 56 (2): 242-47.

Sardar P, Bandyopadhyay D, Roy D, Guha P, Guha G, Banerjee AK. Non Tuberculous Mycobacteria and Toxoplasma Co-Infection of the Central Nervous System in a Patient with AIDS. The Brazilian Journal of Infectious Diseases. 2009;13(6):449-451.

Mesquita RT. Diagnóstico molecular da toxoplasmose cerebral: comparação de diferentes marcadores utilizados na PCR para detecção de Toxoplasma gondii em pacientes com AIDS [dissertation]. São Paulo: Faculdade de medicina de São José do Rio Preto; 2010.90p.

Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde. Critérios de definição de casos de AIDS em adultos e crianças: Programa Nacional de DST e Aids. Brasília (Brasil): Ministério da saúde, 2005.

Minayo MC. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Rio de Janeiro: Abrasco, 2007.

Downloads

Publicado

08/01/2017

Como Citar

Silva, V. L. L. de C. S. L., Santos, T. S. dos, Tavares, C. M., Anjos, E. A. dos, Tavares, D. L. de C., & Lessa, L. O. (2017). Perfil Epidemiológico dos Co-Infectados pela Neurotoxoplasmose em Portadores da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. Revista Portal: Saúde E Sociedade, 1(3), 242–257. https://doi.org/10.28998/rpss.v1i3.2549

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)