Modelagem Matemática e Tecnologias Digitais: o que mostram as pesquisas sobre esta nova alternativa pedagógica para o ensino e aprendizagem de matemática

Autores

Palavras-chave:

Modelagem Matemática. Tecnologias Digitais. Educação Matemática.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar os documentos de teses e dissertações do banco de dados virtual da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD), utilizamos como descritor “Modelagem Matemática e Tecnologias Digitais”. Logo, este estudo tem como pretensão oferecer subsídios para o planejamento de revisão sistemática descritiva, respondendo às seguintes indagações: quais as concepções de Modelagem Matemática que os pesquisadores utilizaram em seus estudos ao utilizar as Tecnologias Digitais? Quais regiões do Brasil mais realizaram pesquisas com o tema proposto? Para alcançar os objetivos da pesquisa fizemos um levantamento bibliográfico, na qual foram identificados, selecionados e analisados 53 documentos de teses e dissertações. Como resultado deste estudo foram identificados 7 documentos, sendo 2 teses e 5 dissertações na BDTD, mostrando uma maior concentração na região Sul, a saber, 43% na região Sul, 28,5% na região Norte e 28,5% na região Sudeste. Além disso, entendemos que a Modelagem e as Tecnologias Digitais se inter relacionam de forma natural por meio de contextos socais, políticos, econômicos e cultural.

Biografia do Autor

Alessandro Ribeiro da Silva, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Mestrando vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática (PPGEduMat) do Instituto de Matemática (INMA) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS - 2022). Graduado em Matemática Licenciatura pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2018 - 2021). Foi Bolsista do grupo PET Conexões de Saberes Matemática desde (2019 - 2021). Membro do Grupo de Formação, Estudos e Pesquisas em Educação Matemática (GFEPEM), vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática (PPGEduMat) do Instituto de Matemática (INMA) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Eugenia Brunilda Opazo Uribe, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Formada em Pedagogia en Matemática y Física pela Universidad Austral de Chile (1985). Mestre em Matemática pela Universidade Estadual de Campinas (1989), sob a orientação do Prof. Dr. Geraldo Severo de Souza Ávila. Doutora em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual de Campinas (2002), sob a orientação do Prof. Dr. José Ricardo Figueiredo. Professora Associado IV do Campus de Três Lagoas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Tutora do Grupo PET Conexões de Saberes - Matemática/CPTL no período 2010-2022. Editora Adjunta da Revista Ensin@ UFMS. Membro do Conselho Editorial da Revista Eletrônica de Educação Tutorial (REPET) - Três Lagoas/MS. Membro do GFORP - Grupo de Estudos em Formação de Professores da UFMS/CPTL. Membro do Grupo LEA UFMS - Laboratório de Ensino e Pesquisa Multidisciplinar. Atua nas áreas de Matemática, Ensino de Matemática e Formação de Professores.

Claudia Carreira da Rosa, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Possui graduação em Matemática pela Universidade Estadual de Maringá (2000), É mestre em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina (2009) e doutora no Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Estadual de Maringá (2013). Atuou como professora na Faculdade de Filosofia e Letras de Mandaguari. (2009). Foi Professora Concursada da Rede Estadual de Educação do PR, ministrando aulas no Ensino básico (2004-2010). É professora adjunta (dedicação exclusiva) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, coordenou o curso de Matemática de 2013 a 2016 e atuou como diretora de campus de 2017 a 2021 no Campus Ponta Porã/MS (CPPP). É Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da UFMS/Campo Grande/MS, atualmente faz parte do quadro de professores do Instituto de Matemática (INMA/UFMS) e atua como secretária na Secretaria de Programas e Projetos (SEPEX) da Pró-reitoria de Extensão, Cultura e Esportes da UFMS.

Referências

BASSANEZI, R. C. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática: uma nova estratégia. Editora Contexto, 2002.

BIEMBENGUT, M. S. 30 Anos de Modelagem Matemática na Educação Brasileira: das propostas primeiras às propostas atuais. Alexandria: revista de educação em ciência e tecnologia, v. 2, n. 2, p. 07-32, 2009. Disponível em: < https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6170697>. Acesso em: 10, julho. 2022.

BIEMBENGUT, M. S.; HEIN, N. Modelagem Matemática no Ensino. São Paulo: Contexto, 2007.

BIEMBENGUT, M. S. Modelagem matemática & resolução de problemas, projetos e etnomatemática: pontos confluentes. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 7, n. 2, p. 197-219, 2014. Disponível em: < https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6170851>. Acesso em: 10, julho de 2022.

BLUM, W.; NISS, M. Applied mathematical problem solving, modelling, applications, and links to other subjects—State, trends and issues in matemáticas instruction. Educational studies in mathematics, v. 22, n. 1, p. 37-68, 1991. DOI: https://doi.org/10.1007/BF00302716. Disponível em <https://link.springer.com/article/10.1007/BF00302716>. Acesso em 15, julho 2022.

BURAK, D; KLUBER, T. E. Considerações sobre a modelagem matemática em uma perspectiva de Educação Matemática. Revista Margens Interdisciplinares. v. 7, n. 8, p. 33-50, 2013. DOI: https://doi.org/10.18542/rmi.v7i8.2745. Disponível em: < http://novoperiodicos.ufpa.br/periodicos/index.php/revistamargens/article/view/2745>. Acesso em 16, julho 2022.

CAMPOS, D. G. O desenvolvimento de posturas críticas nos estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental por meio da Modelagem Matemática. 2015. 125 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Instituição de Ciências Exatas e Biológicas, Universidade Federal de Ouro Preto, 2015.

CARVALHO, F.J.R. Introdução a programação de computador por meio de uma tarefa de modelagem matemática na educação matemática. 2018. 133 f. Dissertação (Mestrado em Ensino) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Foz do Iguaçu, 2018.

DALLA VECCHIA, R. A modelagem matemática e a realidade do mundo cibernético. 2012. 275 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, 2012.

FURTADO, A. B. Avaliação do uso das Tecnologias Digitais no apoio ao processo de Modelagem Matemática. 2014. 186 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Pará, Instituto de Educação Matemática e Científica, Belém, 2014, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática.

GALVÃO, M. C. B.; RICARTE, Ivan L. M. Revisão sistemática da literatura: conceituação, produção e publicação. Logeion: Filosofia da informação, v. 6, n. 1, p. 57-73, 2019.

GAYESKI, R. G. Big data e educação matemática: Algumas aproximações. 2019. 135 f. Dissertação (Mestrado Ensino de Matemática) - Programa de Pós-Graduação em Ensino de Matemática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019.

Gil, A. C. 1946 - Como elaborar projetos de pesquisa. Antônio Carlos Gil. - 4. ed. - São Paulo: Atlas, 2002.

MENEZES, B. S. Game Para Smartphones E Ambientes De Aprendizagem. 2019. 83 f. Dissertação (Mestrado Ensino de Matemática) - Instituto de Matemática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019.

ROSA, C. C. A formação do professor reflexivo no contexto da Modelagem Matemática. 2013. 265 f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência e a Matemática) – Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência e a Matemática, Universidade Estadual de Maringá, Maringá. 2013. Disponível em: <https://sucupira.capes.gov.br/>. Acesso em: 22, julho 2022.

SANTOS, R. C. R. O uso de programas computacionais e materiais manipuláveis no processo de ensino e aprendizagem da geometria plana e espacial de alunos do ensino técnico em Agropecuária do Colégio Agrícola de Floriano - Piauí. 2011.148 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Educação Agrícola) - Instituto de Agronomia, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

SCHELLER, M.; BIEMBENGUT, M. S. A utilização de tecnologias digitais nos primeiros passos na arte da pesquisa: uma experiência de modelagem. RENOTE, v. 11, n. 3, p. 1 – 11, 2013. DOI:https://doi.org/10.22456/1679-1916.44369. Disponível em <https://www.seer.ufrgs.br/renote/article/view/44369/0>. Acesso em: 15, julho 2022.

SCHELLER, M. Tecnologias Digitais e Modelagem Matemática na Arte da Pesquisa no Ensino Médio. X ANPED Sul. UDESC/Florianópolis –SC. De 26 a 29 de outubro, 2014. Disponível em: < http://www.xanpedsul.faed.udesc.br/>. Acesso em: 15, julho 2022.

SILVA, A. D. P. Modelagem matemática e tecnologias digitais para o ensino e aprendizagem de conceitos matemáticos. 2019. 119 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Instituto de Ciências da Educação Programa de Pós-Graduação em Educação Metrado Acadêmico em Educação. Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém. 2019.

Downloads

Publicado

28/12/2022

Como Citar

Ribeiro da Silva, A., Brunilda Opazo Uribe, E., & Carreira da Rosa, C. (2022). Modelagem Matemática e Tecnologias Digitais: o que mostram as pesquisas sobre esta nova alternativa pedagógica para o ensino e aprendizagem de matemática. Revista Diálogos Em Educação Matemática, 1(1), e202207. Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/redemat/article/view/14594