Dinamismo do arranjo produtivo local de cerâmica vermelha do norte maranhense

Autores

  • João Gonsalo de Moura UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO
  • Ana Karla Gomes Camelo ECONOMISTA

DOI:

https://doi.org/10.28998/repd.v13i30.13580

Resumo

O artigo tem por objetivo analisar a robustez temporal da aglomeração produtiva de cerâmica vermelha presente nos municípios de Itapecuru Mirim e Rosário, no estado do Maranhão, no período de 2010 a 2019. O referencial teórico está assentado na abordagem de arranjos produtivos locais (APLs), tendo em vista tratar-se de uma longeva aglomeração de micro e pequenas empresas que comporta uma gama de elementos exortativos ao desenvolvimento de um APL. Quanto à metodologia, o ensaio pode ser caracterizado como um estudo de caso, recorrendo à análise empírica mediante o emprego de um conjunto de indicadores com a finalidade de revelar indícios a respeito do comportamento da atividade em tela, durante o período proposto. As conclusões apontam para a constatação de que os métodos de produção empregados na região são arcaicos e inoperantes, condizentes com um baixo nível de interatividade entre os diversos atores envolvidos. Constata-se, pois, um ambiente marcado pela paralisação do compartilhamento de conhecimentos e experiências entre empresas, contribuindo assim para perpetuação da condição de aglomeração produtiva e inviabilização da ascensão do ambiente para um contexto de APL.

Biografia do Autor

João Gonsalo de Moura, UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

Ana Karla Gomes Camelo , ECONOMISTA

Mestranda em Desenvolvimento Socioespacial e Regional pela Universidade
Estadual do Maranhão (UEMA)

Referências

ANICER. Relatório Anual 2015. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: https://www.anicer.com.br/wp-content/uploads/2016/11/relatorio_2015.pdf>. Acesso em: 15 nov. 2019.

CANIELS; M.; ROMIJN, H. SME. clusters, acquisition of technological capabilities and development: concepts, practices and police lessons. Journal of Industry, Competition and Trade, v. 3, n. 3, p. 187-210; Sept. 2003.

CARDOSO, U. C. APL: arranjo produtivo local – Série Empreendimentos Coletivos. Brasília: Sebrae, 2014.

CASSIOLATO, J. LASTRES H. E SZAPIRO, M. Arranjos e sistemas produtivos locais e proposições de políticas de desenvolvimento industrial e tecnológico. NT 27 – Projeto de pesquisa, arranjos e sistemas produtivos locais e as novas políticas. Rio de Janeiro, 2000.

CHAVES, S. S. Micro e pequenas empresas em arranjos produtivos locais: um estudo do Setor Pesqueiro da Foz do Rio Itajaí-Açú/SC. 2004, 193 f. Dissertação (Mestrado em Economia). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

DATA SEBRAE. Indicadores de empresas. 2020. Disponível em: https://datasebraeindicadores.sebrae.com.br/resources/sites/data-sebrae/data-sebrae.html#/Empresas. Acesso em 2 abr. 2021

GONÇALVES, M. F. A pequena empresa e expansão industrial. Lisboa: Associação Industrial Portuguesa, 1994.

GUARÁ, T. D. Design e produção artesanal em cerâmica: um estudo de caso em Rosário – MA. Anais do 10º congresso brasileiro de pesquisa e desenvolvimento em design. São Luís, 2012.

HADDAD, P. R. Arranjos e Sistemas Produtivos de Micro e Pequenas Empresas no Processo de Planejamento do estado do Maranhão. São Luís: Sebrae - MA, 2003.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE), Sistema de Recuperação Automática - SIDRA. 2021. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/home/pms/brasil. Acesso em 5 mai. 2021.

LASTRES, M. M. H; CASSIOLATO, E. J. Glossário de Arranjos e Sistemas Produtivos e Inovativos Locais. Rio de Janeiro: Sebrae, 2003.

LUNDVALL, B. A. Innovation as a innovative process: from user producer interaction to the national system of innovation. In: DOSI, G et al. (Ed.). Technical change and economic theory. London: Pinter, 1988. p. 349-369.

MINISTÉRIO DO TRABALHO (MTE). Programa de Disseminação das Estatísticas do Trabalho (RAIS e CAGED). Disponível em: https://bi.mte.gov.br/bgcaged/caged_perfil_municipio/index.php. Acesso em 17 mar. 2021.

MIRANDA, S. S.; CARACAS, L. B.; SANTOS, D. M. Design como Fator Colaborativo: práticas e inovação em cerâmica artesanal. In: 13º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, 2018. Joinville. Anais eletrônicos: Joinville: Univille, 2018. Disponível em: http://pdf.blucher.com.br.s3-sa-east-1.amazonaws.com/designproceedings/ped2018/8.1_ACO_01.pdf. Acesso em: 27/03/2021.

MOTA, T. L. N. da G.; VIANNA, P. J. R. A Política de Desenvolvimento Sustentável do Maranhão: Inovação Tecnológica para o Arranjo Produtivo da Cerâmica Vermelha. [2002-2005]. Disponível em: <http://econometrix.com.br/pdf/A%20Politica%20de%20Desenvolvimento%20Sustentavel%20do%20Maranhao.pdf>. Acesso em 03 nov. 2019.

MOURA, J.; MOURA, E. P.; SANTOS, A. V. Caracterização, Análise e Sugestões para Adensamento das Políticas de Apoio a APLs Implementadas nos Estados: Maranhão. Projeto BNDES: Análise do Mapeamento e das Políticas para APLs no Brasil. 2010. Disponível em: http://www.redesist.ie.ufrj.br/nts/nt_bndes_n/NT05%20-%20MA.pdf. Acesso em:

PORTER, Michael E. Competição – estratégias competitivas essenciais. 2 ed. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

SEME. Argila. [s.d]. Disponível em: https://seme.ma.gov.br/argila/. Acesso em: 09 mar. 2021.

SINDICERMA. Nossos Produtos. [s.d]. Disponível em: http://www.sindicerma.org.br/nossos-produtos/. Acesso em: 17 mar. 2021

TAHIM, E. F. Inovação e meio ambiente: o desafio dos arranjos produtivos de cultivo de camarão em cativeiro no estado do Ceará. 2008. 318 f. Tese (Doutorado em Economia). Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Downloads

Publicado

05/10/2022