Aprendizagem tecnológica e conhecimento na produção do etanol 2G no Brasil: um estudo de caso

Autores

  • Liliana Cavalcante Soutinho
  • Francisco Jose Peixoto Rosário

DOI:

https://doi.org/10.28998/repd.v7i19.8727

Resumo

O presente artigo tem como objetivo estudar as transformações ocorridas nos processos de aprendizagem e a dinâmica industrial do setor sucroenergético diante do surgimento da tecnologia de produção de etanol de segunda geração. O referencial analítico estará fundamentado na literatura de sistema setorial de inovação, oriundo da teoria evolucionária neoschumpeteriana. Apresenta-se uma revisão da bibliografia teórica sobre sistemas setoriais de inovação e as implicações dos processos subjacentes de aprendizagem para a trajetória de acumulação de capacidades tecnológicas junto com um levantamento da trajetória percorrida pelo panorama de pesquisa e desenvolvimento do setor sucroenergético brasileiro O aprendizado tecnológico é elemento central do estudo, e as análises serão feitas à luz desse conceito.

Biografia do Autor

Liliana Cavalcante Soutinho

Especialista em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria (FGV), e Mestranda em Economia Aplicada (UFAL). Maceió, AL, Brasil.

Francisco Jose Peixoto Rosário

Doutor em economia da indústria e da tecnologia pelo IE/UFRJ e professor do curso de mestrado em economia da FEAC/UFAL. Maceió, AL, Brasil.

Referências

ADLER, M.; ZIGLIO, E. Gazing into the Oracle: The Delphi method and its application to social policy and public health. Kingsley Publishers., 1996.

ANDRÉ, M. ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Estudo de caso em pesquisa e avaliação

educacional. Brasilia: Liberlivros, 2005. p. 7-70 p.

BASTOS, V. D. Etanol, Alcooquímica e Biorrefinarias. Rio de Janeiro. 2007.

BELIK, W.; VIAN, C. E. D. F. Desregulamentação Estatal e Novas Estratégias. In: MORAES, M. A. D.;

SHIKIDA, P. Agroindústria Canavieira no Brasil: evolução, desenvolvimento e desafios. São Paulo : Atlas, 2002.

BELL, M. &. P. K. The development of technological capabilities. Technology and International

Competitiveness. Washington: The World Bank, 1995.

BELL, M. Learning and the accumulation of industrial technological capacity in developing countries. King, K. & Fransman, M. (eds.). Technological capability in the Third World, 1984.

BITTENCOURT, P. PADRÕES SETORIAIS DE APRENDIZAGEM DA INDÚSTRIA BRASILEIRA:

UMA ANÁLISE EXPLORATÓRIA. Revista Brasileira de Inovação, Campinas (SP), p. p. 37-68,

janeiro/junho 2012, 2012.

CARDOSO, M. V. Aplicação da radiação de feixe de elétrons como pré-tratamento do bagaço de canade-açúcar para hidrólise enzimática da celulose, 2008.

CGEE. Bioetanol combustível: uma oportunidade para o Brasil. BRASILIA. DF. 2009.

COALBRA. Questões básicas sobre o etanol de madeira. BRASILIA. 1983.

DOSI. Algunas questões sobre inovação Biotecnologica. Ensaios FEE, Porto Alegre, p. 368-371, 1993.

DOSI, G. Technological paradigms and technological trajectories: A suggested interpretations of the determinants and directions of technical change. Research Policy, p. v.11, p.147-162, 1982.

DOSI, G. Technological paradigms and technological trajectories: A suggested interpretations of the determinants and directions of technical change. Research Policy, p. v.11, p.147-162, 1982.

DOSI, G. Tenical Change and Industrial Transformation. Londes; Macmillan, 1984. Londres. 1984.

DOSI, G. Sources, Procedures, and Microeconomic Effects of Innovation.. Journal of Economic

Literature, 1988. v. 26 p.1.120-1.171.

DOSI, G. Mudança técnica e Transformação Industria. campinas: unicamp, 2006.

DOSI, G. et al. The nature of the innovative process, 1988.

DOSI, G.; ORSENIGO, L.; LABINI, M. S. T. Technology and the economy. LEM working paper, 2002.

FIGUEIREDO, P. N. . Technological Learning and Competitive Performance, Cheltenham, UK, 2001.

FREEMAN, C. Japan: a New National System of Innovation?. In: DOSI, G., et al. Technical Change and Economic Theory. Londres: printer, 1988.

FREEMAN, C. The 'National System of Innovation' in historical perspective. Cambridge Journal of Economics, p. v.19. n.1, p. 5-24, 1995.

FREEMAN, C.; PEREZ, C. The diffusion of technical innovation and changes of technoeconomic

paradigm. Conference on Innovation Diffusion. veneza: [s.n.]. 1986.

FREEMAN, C.; PEREZ, C. Structural crises of adjustmet: business cycles and investment behaviour. In:

DOSI, G. E. A. Techincal change and economic theory. Londres: Pinter Publishers, 1988.

FURTADO, A. T.; FREITAS, A. G. Nacionalismo e Aprendizagem no programa de águas profundas da Petrobras. Revista Brasileira de Inovação, p. 55-86, 2004.

KOGUT, B.; ZANDER, U. Knowledge of the Firm, Combinative Capabilities, and the Replication of Technology., 1992.

KOGUT, B.; ZANDER, U. Knowledge of the firm and the evolutionary theory of the multinational

corporation. [S.l.]: [s.n.], 1993.

LALL, S. Technological Capabilities and Industrialization.[S.l.]: World Development, 1992.

LASTRES, H. M. M.; FERRAZ, J. C. Economia da informação, do conhecimento e do aprendizado. In:

LASTRES, H. M. M.; ALBAGLI, S. (. Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de

Janeiro : Campus , 1999. p. cap.1, p. 27-57.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

LUNDVALL, B. A. National Systems of Innovation: Towards a Theory of Innovation and Interactive Learning. londres: Pinter, 1992.

LUNDVALL, B. A. et al. National systems of production, innovation and competence building. DRUID Conference, Aalborg, 2001.

MALERBA, F. Learning by firms and incremental technical change. The Economic Journal, p. v. 102, n. 413, p. 845-859, jul., 1992.

MALERBA, F. Sectoral Systems of Innovation and Production.. Research Policy, p. 247-264., 2002.

MALERBA, F. Sectoral systems and innovation and technology policy. Revista Brasileira de Inovação,p. v.2, n.2, p.329-375, 2003.

MALERBA, F. Innovation and the evolution of industries. Journal of Evolutionary Economics, p. v. 16, n. 1-2, p. 3-23, Apr, 2006.

MALERBA, F.; MONTOBBIO, F. Sectoral Systems and International Technological and Trade

Specialisation. DRUID SUMMER CONFERENCE. Rebild: Denmark. 2000. p. p. 15-17.

MALERBA, F.; R., N. Catching Up: in different sectoral systems., 2008. Disponivel em:

<http://dcsh.xoc.uam.mx/eii/globelicswp/wpg0801.pdf>. Acesso em: Março 2015.

MORAES, M. A. F. D. A desregulamentação do setor sucroalcooleiro do Brasil.Piracicaba: Caminho Editorial (Coleção, 2000.

NELSON, R. R. What enables rapid economic progress: What are the needed institutions? Research Policy, p. (37); 1-11., 2008.

NELSON, R.; WINTER, S. An Evolutionary Theory of Economic Change.Cambridge, MA: Harvard

University Press, 1982.

NELSON, R.; WINTER, S. Uma teoria evolucionaria da mudança econômica. Unicamp, 2006.

Campinas- SP: Unicamp, 2006.

OLMOS, L.; RUESTER, S.; LIONG, S. J. OLMOS, L., RUESTER, S., LIONG, S.J. On the selection of

financing instruments to push the development of new technologies: Application to energy technologies. Energy Policy, 2012. vol. 43, pp. 252-266,.

PAVITT. Sectorial Patterns of Technical Change: Towards a Taxonomy and a Theory. Research Policy, p. v. 13, p. 343-373, 1984.

PAVITT, K. Technological Accumulation and Industrial Growth: Contrast Between Developed and Developing Countries. Industrial and Corporate Change, p. v.2, n.2, p.157210, 1993.7, 1993.

PAVITT, K.; ROBSON, M.; TOWSEND, J. Technological accumulation, diversification and

organization in the U.K. Companies, 1945-1983. Management Science, p. p. 81-99, 1989.

ROSÁRIO, F. J. P. Competitividade e transformações estruturais na agroindústria sucroalcooleira no Brasil: uma análise sob a ótica dos sistemas setoriais de inovações. TESE, Rio de Janeiro, 2008.

SHIKIDA, P. F. A. Notas sobre Dinâmica Tecnológica e Agroindústria Canavieira no. In: MORAES, M.

A. D.; SHIKIDA, P. F. A. (. Agroindústria Canavieirano Brasill: evolução, desenvolvimento e

desafios. São Paulo : Atlas, 2002.

SILVA, G. “Aprendizado do etanol celulósico no Brasil: o caso do projeto Dedini Hidrólise Rápida (DHR), Campinas, 2007.

TEECE, D.; PISANO, G. The Dynamics Capabilities of Firms: an Introduction, Industrial and Corporate Change., v. V. 3, p. pp. 537-56., 1994.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa. São Paulo:

Atlas, 1987.

VILLASCHI. Economia do conhecimento e do aprendizado – referência para possíveis (re) leituras da economia capixaba.. In: VILLASCHI, A. (. ). Elementos da economia capixaba e trajetórias de seu desenvolvimento. Vitória: Flor&Cultura, 2011. p. cap. 11, p. 27.

YIN, R. K. Estudos de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Downloads

Publicado

12/09/2019

Edição

Seção

Artigos