O desenvolvimento do APL de confecções: um estudo socioeconômico sobre o Agreste pernambucano

Autores

  • José Francisco Oliveira de Amorim
  • Rodolfo Vilar dos Prazeres
  • Clelio dos Santos

DOI:

https://doi.org/10.28998/repd.v7i19.8728

Resumo

Este trabalhoanalisaos principais impactossocioeconômicosprovocados com a implantação do ArranjoProdutivo Local de Confecções do AgrestePernambucano, cenárioesse de grandeimportância para o processo de desenvolvimento da região. O estudo baseia-se no enfoque sobre os conceitos de Desenvolvimento Regional, Arranjo Produtivo Local como instrumento do desenvolvimento e as características do cenário nordestino na década de 60 comoprimórdio da mudança no setor econômico da região. Para isso, a metodologia utilizada consiste na coleta de informações e dados bibliográficos de estudos recentes de órgãos como IBGE, SEBRAE e DIEESE para formação do perfil socioeconômico do setor estudado. Os resultados demonstram um crescimento considerável da região pernambucana motivado pelo setor têxtil, alto índice de informalidade apresentado em decorrência do empreendedorismo familiar em vigor, assim como a exploração de alguns fatores que motivaram a região agreste de Pernambucano a abandonar a agricultura como fonte principal de obtenção de renda, promovendo a atividade confeccionista como principal atividade.

Biografia do Autor

José Francisco Oliveira de Amorim

Professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade – FEAC/UFAL. Mestre em Economia (ME/UFAL). Maceió, AL, Brasil.
josefranciscoamorim@gmail.com

Rodolfo Vilar dos Prazeres

Economista (Unidade Santana do Ipanema/Campus do Sertão – UFAL) Santana do Ipanema, AL, Brasil.
rodolfovillar@hotmail.com

Clelio dos Santos

Doutorando em Economia – PPGE/Universidade Federal da Bahia (UFBA) Bahia, BA, Brasil.
cleliodosuab@bol.com.br

Referências

ABIT. Disponível em <http://www.abit.org.br>. Acessado em 23/10/2014

Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de confecções (ABIT). Cartilha da Indústria têxtil e

confecção Brasileira: Cenários, Desafios, Perspectivas, Demandas.

BARROS, Aidel Jesus Paes; LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Fundamentos de metodologia

Cientifica.Brasil: Makron, 3.ed. 2007.

BARROS, IZABELLE SOUZA, O cenário do polo de confecções do agreste de PernambucoSENAC, Pernambuco, 2009.

BEZERRA, FRANCISCO DINIZ. Análise retrospectiva e prospectiva do setor têxtil no Brasil e

Nordeste. Ceará, 2014

BILALE, Aderito Francisco. Desenvolvimento comunitário endógeno & Desigualdade e

crescimento.Moçambique: Universidade pedagógica de Moçambique, 2015.

BORGES G.M., ANDRADE A.M. NO desenvolvimento local de Caruaru via indústria de confecção: Uma alternativa possível?Interfaces, Caruaru, 2006.

BRASIL. Lei complementar n. 125, de 03 de Janeiro de 2007. Institui na forma do art. 43 da Constituição federal a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste. LEX: Presidência da República, Casa Civil. Brasília, Decreto n. 6.219, jan. 2007.

BUARQUE,SÉRGIO C.. Construindo o desenvolvimento local e sustentável: Metodologia de

planejamento.Rio de Janeiro: Garamond, 2008. 4ª ed.

CAVALCANTI, Clóvis (Org.). Desenvolvimento e Natureza: Estudos para uma sociedade

sustentável.5.ed. São Paulo: Cortez; Recife,PE: Fundação Joaquim Nabuco, 2009.

DINIZ, Clécio Campolina; BASQUES, Maria Fernanda Diamante. A industrialização Nordestina

recente e suas perspectivas.Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2004.

FURTADO, Celso. O mito do desenvolvimento econômico.Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

FURTADO, Celso. O Brasil Pós-milagre.Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

Geografia do estado de Pernambuco. Governo estadual de Pernambuco. Disponível em

<http://www.pe.gov.br/conheca/geografia/>. Acessado em 31/05/2016.

GREMAUD, Amaury Patrick. Economia Brasileira Contemporânea.7.ed. São Paulo: Atlas, 2011.

IBGE. Disponível em <http://www.ibge.gov.br>. Acessado em 06/01/2015

IEME. Disponível em <http://www.iemi.com.br>. Acessado em 25/05/2016.

LASTRES, Helena M.M.; CASSIOLATO, José E. Glossário de Arranjos produtivos Locais e

InovativosLocais.Rio de Janeiro: SEBRAE, 2003.

LUCENA,CARLOS AUGUSTO ARAÚJO et al. A indústria de confecções em Pernambuco: Impacto e oportunidade em um cenário pós-ATC (Acordo sobre têxteis e confecções)2006. Moda Center Santa Cruz. Disponível em <http://goo.gl/5zgCZk> Acessado em 25/05/2016.

OLIVEIRA, Francisco de. Elegia para uma Re(li)gião: SUDENE, Nordeste. Planejamento e Conflito de classes.Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

Portal G1. Agreste de Pernambuco vive a pior seca dos últimos anos.2012. Disponível em

<http://goo.gl/P512xf>. Acessado em 03/06/2016.

Portal G1. Seca provoca redução na produção de leite no Agreste de Pernambuco. Disponível em <http://goo.gl/fD3aVW>. Acessado em 03/06/2016.

PROCHNIK, VICTOR. Estudo da competitividade de cadeias integradas no Brasil: Impactos das zonas de livre comércio.Campinas, 2012

RAIS. Disponível em <http://www.rais.gov.br>. Acessado em 25/05/2016.

Relatório de Diagnóstico DIEESE, Relatório final Diagnóstico do setor têxtil de confecções de Caruaru e região.2010

SANTOS, Gustavo Antônio Galvão dos; DINIZ, Eduardo José; BARBOSA, Eduardo Kaplan. Arranjos Produtivos Locais e Desenvolvimento.BNDES: 2010.

SACHS, Ignacy. Desenvolvimento includente, sustentável sustentado.Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SCHUMPETER, Joseph Alois. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SEBRAE. Disponível em http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae>. Acessado em

/05/2016.

SILVA, TAMYRES VERIDIANA DA, Arranjo Produtivo Local de Confecções: O caso do Município

de Caruaru, Pernambuco, 2009.

SOUZA, NALI DE JESUS DE. Desenvolvimento Econômico. São Paulo, 2012. 6ª ed. revisada.

SUDENE.Desempenho Econômico da Região Nordeste do Brasil: 1960-9.Brasília: SUDENE, 1999.

SUDENE. Disponível em <http://sudene.gov.br>. Acessado em 05/05/2016.

VEIGA, José Eli da. Desenvolvimento sustentável: O desafio do século XX. Rio de Janeiro: Garamond, 2010.

Downloads

Publicado

12/09/2019

Edição

Seção

Artigos