O uso do Data Science na análise dos indicadores do Turismo

uma revisão das pesquisas no Brasil (2012-2022)

Autores

  • Gabriela Costa Gonçalves Universidade de Brasília
  • Fagno Tavares de Oliveira Universidade de Brasília

Palavras-chave:

turismo, ciencia de dados, indicadores do turismo, análise de dados

Resumo

Este artigo discute a interseção entre turismo e ciência de dados, particularmente o uso de Data Science para analisar os dados gerados pelo turismo. O aumento exponencial do volume de dados gerados pelo turismo requer novas abordagens analíticas, e a análise estatística orientada por tecnologias computacionais dos dados torna-se essencial para compreender tendências, preferências e comportamentos dos consumidores e oferecer serviços mais personalizados e eficientes. O estudo examina a aplicabilidade do Data Science na análise dos indicadores do turismo, com base na análise, identificação e avaliação dos indicadores comumente utilizados no desenvolvimento do turismo. Conclui-se que o uso de Data Science no turismo tem um enorme potencial de desenvolvimento, tanto no setor turístico quanto na área de dados, para contribuir com políticas e diretrizes mais eficazes e sustentáveis no setor. 

Biografia do Autor

Gabriela Costa Gonçalves, Universidade de Brasília

Bacharel em Turismo pela Universidade de Brasília, Brasil

Fagno Tavares de Oliveira , Universidade de Brasília

Doutor em Ciências Florestais na área de Conservação da Natureza enfase em Economia Ambiental e Turismo, realizou Doutorado Sandwich no Instituto de Geografia e Ordenamento do Território (IGOT) e no Centro de Estudos Geográficos (CEG) pela Universidade de Lisboa - Portugal,integrou o Núcleo de Investigação Turismo, Cultura e Território (TERRITUR) atuando na linha de pesquisa: Planeamento de Espaços Turísticos. Agraciado com o 1 lugar no II Prêmio Serviço Florestal Brasileiro em Estudos de Economia e Mercado Florestal na categoria profissionais, com a Monografia "Desafios do Serviço Florestal de Ecoturismo: Perspectivas de Desenvolvimento nas Florestas Nacionais da Amazônia" no ano de 2015. É professor do Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília (CET-UnB) e integra o Núcleo de Politicas Públicas e Turismo (NPPTur - CET/UnB). Desenvolve pesquisas relacionadas com: Política, Planejamento e Gestão do Turismo; Zoneamento Turístico; Concessão e Valoração Econômica de Serviços Turísticos em Áreas Protegidas. 

Referências

Alves de Souza, E., Villa, R. M., Gonzalez, E. T. (2020). Privacidade e autonomia na era de Big Data. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, 42(3). https://doi.org/10.4025/actascihumansoc.v42i3.56202

Arrigoni, A. (2013). Big data: Conceitos, tecnologias e aplicativos. São Paulo: Novatec Editora.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Edições 70. Lisboa, 1977.

Bellen, H. M. (2005). Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. Editora SENAC São Paulo.

Biz, A. A., de Souza, J. A., & Caumo, R. B. (2020). Big Data para a geração de indicadores de turismo: fontes de dados e aplicações. Revista E-Tech: Tecnologias para Competitividade Industrial, 13(1), 53-70

Boyd, D., & Crawford, K. (2012). Critical questions for Big Data: Provocations for a cultural, technological, and scholarly phenomenon. Information, communication & society, 15(5), 662-679

Brown, C., & Laland, K. N. (2001). Social learning in animals: The roots of culture. Academic Press. (pp. 42-45).

Buhalis, D., & Law, R. (2008). Progress in information technology and tourism management: 20 years on and 10 years after the Internet—The state of eTourism research. Tourism Management, 29(4), 609-623. https://doi.org/10.1016/j.tourman.2008.01.005

Breta, P., & Diniz, C. C. (2020). Evaluation of quality indicators for e-learning in higher education: A systematic review. Education and Information Technologies, 25(5), 3919-3941.

Cardoso. F, J. C.; SANTOS, M. M. Principais aplicações na Ciência da Informação. In ALVARES, L. (Org.). Organização da informação e do conhecimento: conceitos, subsídios interdisciplinares e aplicações. São Paulo: B4 Editores, 2012. 148 p.

Camargo, H. L. Indicadores: conceitos e aplicações. São Paulo: Editora Atlas, 2000.

CAPRA, F; LUISI, PL. The systems view of life: A unifying vision. Cambridge University Press; 2014 Apr 10.

DAVENPORT, Thomas H. Big Data no trabalho: derrubando mitos e descobrindo oportunidades. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

Davenport, T., & Harris, J. (2017). Competing on analytics: The new science of winning. Cambridge, USA: Harvard Business Press.

Ead Ucs. (2020). Big Data: o que é, para que serve, como aplicar e exemplos

DE SENA JARDIM, Gabriel; SANT'ANNA, Adriano Lins Pinheiro. Turismo on-line: oportunidades e desafios em um novo cenário profissional. Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, v. 2, n. 3, 2007.

Fuchs, M., Abadzhiev, A., Svensson, B, Höpken, W. & Lexhagen, M. (2013). A Knowledge Destination Framework for Tourism Sustainability – a Business Intelligence Application from Sweden, Tourism - An Interdisciplinary Journal, 61(2): 121-148.

Guedes, V. L. S., Borschiver, S. (2005). Bibliometria: uma ferramenta estatística para a gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. In: M. E. B. Duarte (Org.), Métodos de avaliação de recursos de informação (pp. 33-70). Brasília, DF: IBICT.

Grus, J. (2015). Data Science from Scratch First Principles: With Python. O'Reilly Media, Inc.

Guimarães, S. E. R. (2007). Educação Matemática e Transformação da Sociedade. In M. L. G. M. Veiga, & R. M. L. Nacarato (Orgs.), Docência em Educação Matemática: Temas e Debates (pp. 65-83). Campinas, SP: Papirus.

Harmer, J. (2007). The practice of English language teaching (4th ed.). Pearson Longman. (pp. 57-58).

HANAI, F. Y.; ESPíNDOLA, E. L. G. (2011) Indicadores de Sustentabilidade: Conceitos, tipologias e aplicações ao contexto do desenvolvimento turí­stico local. Revista de Gestão Social e Ambiental (5), 135–149.

HANAI, F. Y. Gestão de destinos turísticos: aplicação prática. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2009.

Hayashi, C. (1998). What is Data Science ? Fundamental Concepts and a Heuristic Example. In: Hayashi, C., Yajima, K., Bock, HH., Ohsumi, N., Tanaka, Y., Baba, Y. (eds) Data Science, Classification, and Related Methods. Studies in Classification, Data Analysis, and Knowledge Organization. Springer, Tokyo. https://doi.org/10.1007/978-4-431-65950-1_3

Höpken, W., Fuchs, M. & Lexhagen, M. (2014). The Knowledge Destination – Applying Methods of Business Intelligence to Tourism. In Wang, J. (ed.) Encyclopedia of Business Analytics and Optimization, Pennsylvania, IGI Global: 307-32

LEDELL, Erin. Data Science for Environmental Applications. In: Kelleher, C., Tierney, B. (eds.) Data Science for Business: What You Need to Know about Data Mining and Data-Analytic Thinking. CRC Press, Boca Raton, Florida, USA, 2014

Li, X. and Law, R. (2020), “Network analysis of big data research in tourism”, Tourism Management Perspectives, Vol. 33, p. 100608, doi: 10.1016/j.tmp.2019.100608.

Li, H., Hu, M. and Li, G. (2020), “Annals of Tourism Research Forecasting tourism demand with multisource big data”, Annals of Tourism Research, Vol. 83, p. 102912, doi: 10.1016/j.annals.2020.102912.

Liu, J. (2012). Integrating sustainability into decision making: a holistic framework. In Y. Leung, S. Grimes, & Y. L. Tang (Eds.), Sustainable Development in Practice: Case Studies for Engineers and Scientists (pp. 13-28).

Martins, R. (2016). A utilização das TICs pode proporcionar novas oportunidades e desafios para a sustentabilidade do turismo. In Anais do 13º Congresso Brasileiro de Turismo (pp. 1-10). Rio de Janeiro, RJ: Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo (ANPTUR).

McCONCHIE, Alan. The Future of GIS? It's in the Data!. In: ESRI User Conference. Proceedings of the ESRI User Conference, 2014. Disponível em: https://www.esri.com/news/arcuser/0714/the-future-of-gis.html. Acesso em: 21 de jan. 2023.

Miranda, A. (2003). A matemática como matéria-prima de todas as áreas do conhecimento. Boletim da Sociedade Brasileira de Matemática, 34(1), 1-8.

Ministério do Turismo. mais pelo Brasil 2013 2016. Ministério do Turismo. Plano Nacional do Turismo: o turismo fazendo muito –. Brasília/DF, 2013.

MTUR – Ministério do Turismo. Plano Nacional de Turismo 2018 – 2022. Brasília, 2018. Disponível em: http://www.turismo.gov.br/ images/pdf/PNT_2018-2022.pdf. Acesso em: 10 fev. 2023.

Oliveira, R. A. Porto, R. M. A. B. (2016). Extração de dados do site Tripadvisor como suporte na elaboração de indicadores do turismo de Minas Gerais: Uma iniciativa em Big Data. Pesquisa Brasileira em Ciência Da Informação e Biblioteconomia, 11(2), 26-37.

OTT, W. Environment indices: theory and practice. Michigan: Arnn Arbor, 1978.

Provost, F., & Fawcett, T. (2013). Data science for business: What you need to know about data mining and data-analytic thinking. O'Reilly Media, Inc.

PUSCHMANN, C.; BURGESS, J. Metaphors of Big Data. International Journal of Communication, v. 8, n. 1, p. 1690-1709, 2014.

Raudemberg, R. S., & Carmo, B. S. (2019). Ciência de dados e seu papel na transformação digital: Uma revisão integrativa. Perspectivas em Ciência da Informação, 24(4), 70-87. https://doi.org/10.1590/1981-5344/3907.

Rev. FAE, Curitiba, v.7, n.1, p.1-18, jan./jun. 2004.

Rezende Francisco, E., (2017). Big data analytics e ciência de dados: Pesquisa e tomada de decisão. RAE - Revista de Administração de Empresas, 57(2), 199.

Rousseau, R. (2007). Impact factor and other measures of journal citation: What’s their use? Australian Library Journal, 56(3), 275-278.

Saraiva Coneglian, C., Santarem Segundo, J. E. Gonçalves Sant'ana, R. C. (2017). Big Data: fatores potencialmente discriminatórios em análise de dados. Em Questão, 23(1),62-86.

Saraiva CONEGLIAN, C., Ventura Amorim GONÇALVEZ, P. R., & Santarém SEGUNDO, J. E. (2017). O Profissional da Informação na Era do Big Data. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, 22(50), 128-143.

SILVA, N. C.; CANDIDO, G. A. Sistema de indicadores de sustentabilidade do desenvolvimento do: um estudo de caso do município de Areia – PB. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, São Paulo, v.10, n.3, p.475-96.

SWARBROOKE, J. Turismo sustentável: conceitos e impactos ambientais, vol.1; (tradução Margarete Dias Pulido). São Paulo: Aleph, 2000.

TAURION, Cezar. Big data. Rio de Janeiro: Brasport Livros e Multimídia Ltda., 2013.

UNITED NATIONS. System of National Accounts 2008. New York: United Nations, 2010.

UNWTO. Indicators of Sustainable Development for Tourism Destinations: A Guidebook. Madrid: World Tourism Organization, 2007.

UNEP/WTO. Making Tourism More Sustainable. A Guide for Policy Maker. 2005. Disponível em: http://www.uneptie.org/pc/tourism/library/A%20Guide%20for%20Policy%20Makers.html. Acesso em: 23 de jan. 2023.

VARGAS VIEIRA DOS SANTOS, V. Práticas linguísticas em Big Data. Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, 10(1), 31-52, 2017.

VILA, Mar. COSTA, Gerard. ROVIRA, Xari. The creation and use of scorecards in tourism planning: A Spanish example. Tourism Management. Elsevier. 2010.

Wang, X., Tang, L. C., & van Horen, B. (2006). Integrating economic, environmental, and social issues in sustainable development decision-making: a case study of the Lop Nur Salt Lake area in China. Environmental Management, 38(3), 398-411.

World Tourism Organization – Unwto & Tourism Satellite Account Programme (2015). A statistical project to support mainstreaming tourism in sustainable development. Project Proposal.

World Tourism Organization. (2018). Indicators of sustainable tourism: Development and applications. UNWTO. Recuperado de https://www.e-unwto.org/doi/book/10.18111/9789284420295

World Tourism Organization. (2001). Tourism and the internet: The ideal partners. Madrid, Spain: World Tourism Organization.

Zhao, J., Li, H., Liu, G., & Li, M. (2013). Assessing sustainable development in different types of regions in China: A comprehensive index system and a multilevel principal component analysis. Sustainability, 5(7), 3002-3021.

Zucarato, A. G. (2006). Uso de indicadores na pesquisa em turismo. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 1(1), 32-47.

Downloads

Publicado

22/06/2023