Entre meninos e meninas: fronteiras de gênero borradas em contexto de educação infantil

Ericka Marcelle, Lenira Haddad

Resumo


O presente trabalho apresenta um recorte de uma pesquisa de Mestrado desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Alagoas. A pesquisa objetivou investigar como o gênero é vivido, significado e representado pelas crianças, quais conhecimentos, saberes e elementos sociais e culturais são atuantes nesse processo de construção do gênero e como as crianças usam o que sabem e aprendem sobre esses elementos nas interações e relações sociais que estabelecem com seus pares e com os adultos em contexto de educação infantil. Trata-se de um estudo de viés etnográfico e de abordagem qualitativa, com treze crianças com idade entre quatro, cinco e seis anos, sendo cinco meninos e oito meninas, de uma turma do segundo período de uma instituição de educação infantil da cidade de Maceió/Alagoas. Com a intenção de captar diferentes perspectivas das crianças, foram utilizados quatro procedimentos de geração de dados: oficinas de brincadeiras, realizadas em um ambiente especialmente estruturado com brinquedos distribuídos em áreas de interesses como casinha, brinquedos, beleza e fantasias, na brinquedoteca da instituição; oficinas de conversas com as crianças, tanto sobre as brincadeiras realizadas quanto a partir de cenas do filme “O menino do vestido cor de rosa” e também a partir de imagens que contrariavam estereótipos de gênero. Para tanto, o estudo apoia-se no referencial dos estudos de gênero (Louro, 2011; Meyer, 2007; Scott, 1995), na abordagem interpretativa de Corsaro (2009; 2011), bem como na perspectiva dos estudos sociais da infância (Thorne, 1993; Ferreira, 2002; Buss-Simão, 2012), dentre outros. Partindo das relações estabelecidas entre meninas e meninos e dos referenciais teóricos assumidos no estudo, foram estruturadas três categorias principais de análise: “fronteiras borradas entre meninos e meninas”, em que o sentido do gênero enquanto fronteira se dilui; “fronteiras marcadas entre meninas e meninos”, em que a delimitação e acentuação dessas fronteiras se destacam em momentos específicos; “imagens plurais de masculinidades e feminilidades”, em que se evidenciam particularidades, semelhanças e diferenças nas formas como os meninos e as meninas constroem suas masculinidades e feminilidades nas interações estabelecidas com o grupo de pares, mediadas por informações reinterpretadas do mundo adulto. Para efeito deste artigo, as análises centram-se no borramento das fronteiras de gênero entre meninos e meninas e trazem episódios em que comportamentos ou objetos tidos socialmente como tipicamente masculino ou feminino não são assim considerados pelas crianças em suas brincadeiras em um contexto de educação infantil.

 

Palavras-chave: Educação Infantil. Identidade de gênero. Reprodução interpretativa. Cultura de pares. Pesquisa com crianças.


Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Como a sociologia da infância de William A. Corsaro pode contribuir com as pedagogias das escolas de educação infantil? In: MULLER, Fernanda; CARVALHO, Ana Maria Almeida. (Orgs). Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. São Paulo: Cortez, 2009.

BUSS-SIMÃO, Márcia. Relações sociais de gênero na perspectiva das crianças pequenas na creche. Cadernos de Pesquisa, v.43, n. 148, p. 176-197, jan./abr. 2013. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/cp/v43n148/09.pdf. Acesso em 14. Dez. 2014.

BUSS-SIMÃO, Márcia. Relações sociais em um contexto de educação infantil: um olhar sobre a dimensão corporal na perspectiva de crianças pequenas. 321 p. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação. Florianópolis, SC, 2012.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. De Renato Aguiar. 6. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013

CARVALHO, Ana M. A; PEDROSA, Maria Isabel; ROSSETI-FERREIRA, Maria Clotilde. Aprendendo com a criança de zero a seis anos. São Paulo Cortez, 2012.

CORSARO, Willian A. A reprodução interpretativa no brincar ao “faz de conta” das crianças. Educação, Sociedade & Culturas. Porto, n. 17, p.113-134, 2002.

CORSARO, Willian A. Entrada no campo, aceitação e natureza da participação nos estudos etnográficos com crianças pequenas. Educação e Sociedade. Campinas, vol. 26, n. 91, p. 443-464, Maio/Ago, 2005. Disponível em: Acesso em 12. Jan. 2014.

CORSARO, Willian A. Reprodução interpretativa e cultura de pares. In: MULLER, Fernanda; CARVALHO, Ana Maria Almeida. (Orgs). Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. São Paulo: Cortez, 2009a.

CORSARO, Willian A. Métodos etnográficos no estudo da cultura de pares e das transições iniciais na vida das crianças. In: MULLER, Fernanda; CARVALHO, Ana Maria Almeida. (Orgs). Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. São Paulo: Cortez, 2009b.

CORSARO, Willian A. Sociologia da infância. Tradução de Lia Gabriele Regius Reis. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CRUZ, Silvia Helena Vieira. (Org.). A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008.

DELGADO, Ana Cristina Coll; MÜLLER, Fernanda. Abordagens etnográficas nas pesquisas com crianças. In: CRUZ, Silvia Helena Vieira (Org.) A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de. Pequena infância, educação e gênero: subsídios para um estado da arte. Cadernos Pagu, n. 26, p 279-287, jan-jun. 2006. Disponível em: http//www.scielo.br/pdf/cpa/n26/30394.pdf. Acesso em 20. Dez. 2012.

FELIPE, Jane; GUIZZO, Bianca Salazar. Entre batons, esmaltes e fantasias. In: MEYER, Dagmar Estermann; SOARES, Rosângela de Fátima Rodrigues (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2008.

FERREIRA, Maria Manuela Martinho. “- A gente aqui o que gosta mais é de brincar com os outros meninos!” – as crianças como atores sociais e a (re) organização social do grupo de pares no cotidiano de um Jardim de Infância. Dissertação de doutoramento em Ciências da Educação, Universidade do Porto, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, 2002.

FINCO, Daniela. Educação infantil, espaços de confronto e convívio com as diferenças: análise das interações entre professoras e meninos e meninas que transgridem as fronteiras de gênero. Tese de Doutorado (Doutorado em Sociologia da Educação). Universidade de São Paulo, 2010.

GRAUE, M. Elizabeth; WALSH, Daniel. Investigação etnográfica com crianças: teorias, métodos e ética. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

GROSSI, Mirian Pilar. Identidade de gênero e sexualidade. Florianópolis: UFSC, 1998. Disponível em

de_genero_e_sexualidade.pdf >. Acesso em 12. Dez. 2014.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 12ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

LOURO, Guacira Lopes. Uma sequência de atos. Cult, São Paulo, v.185, Nov 2013. Disponível em: http://revistacult.uol.com.br/home/2013/11/uma-sequencia-de-atos/ Acesso 20. Jan. 2015.

MEYER, Dagmar Estermann. Gênero e educação: teoria e política. In: LOURO, Guacira Lopes; FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana Vilodre. (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

MEYER, Dagmar Estermann; SOARES, Rosângela de Fátima Rodrigues. Corpo, gênero e sexualidade nas práticas escolares: um início de reflexão In: MEYER, Dagmar Estermann; SOARES, Rosângela de Fátima Rodrigues (Orgs.). Corpo, gênero, e sexualidade. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2008.

ROCHA, Eloísa Acires Candal. Por que ouvir as crianças? Algumas questões para um debate científico multidisciplinar. In: CRUZ, Silvia Helena Vieira (Org.) A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008.

ROSEMBERG, Fúlvia. Caminhos cruzados: educação e gênero na produção acadêmica. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 27, n. 1, p. 47-68, 2001.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Tradução de Christine Rufino Dabat e Maria Betânia Ávila. Recife: SOS Corpo, 1991. Disponível em Acesso em 12. Dez. 2014.

THORNE, Barrie. Gender Play: girls and boys in school. Open University Press Buckingham, 1993.

WEST, Candace; ZIMMERMAN, Don H. Doing Gender.

Gender and Society, Vol. 1, No. 2, 125-151. 1987. Tradução livre de Márcia Buss-Simão.






Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.


 

                                  Resultado de imagem para doajResultado de imagem para ibict