The intensification of teaching work in the context of the commercialization of higher education in Brazil

Authors

  • Carla David Alencar de Sena Brito Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil
  • Claudio Pinto Nunes Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Vitória da Conquista, Bahia, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.20952/jrks1111420

Abstract

This article aims to present some discussions about the intensification of teaching work in the context of the commercialization of higher education in Brazil, based on the analyzes that we have been able to elaborate up to the moment of its writing. This is a study carried out based on the discussion of data provided by the National Institute for Statistical Research Anísio Teixeira (INEP), with the time frame from 2008 to 2018. The analyzes were based on: a) the number of professors working in Brazil; b) the growth rate; c) the ratio between teacher and enrollment; and d) the type of institutional link. The results show the intensification of work and the progress in relation to the precariousness of the links with higher education institutions.

References

Anderson, P. (1995). Balanço do Neoliberalismo. In: Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Org.: Sader, E. & Gentili, P. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Andrade, A. C., Moreira, L. G., & Neves, M. S. S. (2020). A lógica de mercado e o mundo do trabalho na formação de engenheiros. Revista Práxis Educacional, 16(41), 208-235. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i41.7261

Araujo, G. C., Freguete, L. M., & Nascimento, R. P. (2019). Marco regulatório das organizações da sociedade civil, relações federativas e implicações para oferta de educação infantil. Práxis Educacional, 15(31), 80-101. https://doi.org/10.22481/praxis.v15i31.4661

Araújo, R. (2016). Expansão do ensino superior e desenvolvimentismo: limites e contradições sob a hegemonia do capital. Educação e Fronteiras On-Line, 6(16), 93-105.

Brasil (1996). Lei n 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União.

Brito, R. dos S., Prado, J. R., & Nunes, C. P. (2017). As condições de trabalho docente e o pós-estado de bem-estar social. Revista Tempos e Espaços em Educação, 10(23), 165-174. https://doi.org/10.20952/revtee.v10i23.6676

Cabral Neto, A. (2009). Gerencialismo e gestão educacional: cenários, princípios e estratégias. In: França, M. & Bezerra, M. C. (orgs). Política educacional: gestão e qualidade do ensino. Brasília; Liber Livro., pp. 345-364.

Cardoso Júnior, W., Cardoso, B. L. C.; Santos, A. R. & Nunes, C. P. (2018). Jornadas de trabalho, estilo de vida e desempenho docente no ensino jurídico atual. Acta Scientiarum. Education, 40(3), e40411. https://doi.org/10.4025/actascieduc.v40i3.40411

Carvalho, R. R. S., & Amaral, N. C. (2020). Universidades estaduais brasileiras: diversidade acadêmica, classificações institucionais e normativas. Revista Práxis Educacional, 16(41), 147-166. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i41.7257

Castro Neta, A. A.; Cardoso, B. L. C. & Nunes, C. P. (2018). Reformas educacionais no contexto pós-golpe de 2016. Revista Educação em Debate, 40(77), p. 162-174.

Chaves, V. L. J. (2016). Expansão, mercantilização e financeirização e Expansão do Ensino Superior privado-mercantil no Brasil. Resumo de comunicação na 6.ª Conferência FORGES – UNICAMP, Brasil.

Chesnais, F. (2013). As raízes da crise econômica mundial. Em pauta, Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 31(11), p. 21-37.

Dashti, E. (2020). Examining the relationship between unwillingness to translate and personality type of Iranian translation students. Journal of Research and Knowledge Spreading, 1(1), e11467. https://doi.org/10.20952/jrks1111467

Dias, A. F. (2020). Trans* escrevivências as a pedagogical power. Journal of Research and Knowledge Spreading, 1(1), e11494. https://doi.org/10.20952/jrks1111494

Dias, A. F., Cardoso, H. de M., Santos, A. L. dos, Menezes, C. A. A., & Rios, P. P. S. (2017). Schooling and subversions of gender. Revista Tempos e Espaços em Educação, 10(22), 83-92. https://doi.org/10.20952/revtee.v10i22.6433

Duarte, A. W. B. & Oliveira, D. A. (2014). Valorização profissional docente nos sistemas de ensino de Minas Gerais e Pernambuco. Revista Práxis Educacional, 10(17), 67-97.

Ebrahimi, M. A. (2020). Cultural value of translation of proverbs and synopsis. Journal of Research and Knowledge Spreading, 1(1), e11484. https://doi.org/10.20952/jrks1111484

Fernandes, M. J. S. & Barbosa, A. (2014). O trabalho docente na rede pública do estado de São Paulo: apontamentos iniciais para a discussão da jornada de trabalho. Revista Práxis Educacional, 10(11), 117-142.

Freira, M. A. S. (2005). Práxis pedagógica e professores intelectuais: refletindo as tensões e concepções da formação/prática docente. Revista Práxis Educacional, 1(1): 135-150.

Fullagar, S. (2019). A physical cultural studies perspective on physical (in)activity and health inequalities: the biopolitics of body practices and embodied movement. Revista Tempos e Espaços em Educação, 12(28), 63-76. https://doi.org/10.20952/revtee.v12i28.10161

Guimarães, A. R.; Brito, C. S. & Santos, J. A. B. (2020). Expansão e financiamento da pós-graduação e desigualdade regional no Brasil (2002-2018). Revista Práxis Educacional, 16(41), 47-71. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i41.7244

Harvey, D. (2008). A condição pós-moderna – Uma Pesquisa sobre as origens da Mudança Cultural. Edições Loyola, São Paulo.

Heckler, V., Fazio, A. A. & Ruas, F. P. (2020). Investigation with experimental practical activities in training geographically distant teachers. Journal of Research and Knowledge Spreading, 1(1), e11403. https://doi.org/10.20952/jrks1111403

Ilha, F. R. S. & Hypolito, Á. M. (2014). O trabalho docente no início da carreira e sua contribuição para o desenvolvimento profissional do professor. Revista Práxis Educacional, 10(17), 99-114.

Lima, I. O., & Mororó, L. P. (2020). Da autonomia à heteronomia universitária: diretrizes para um novo ordenamento da educação superior. Revista Práxis Educaciona, 16(41), 125-146. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i41.7256

Lucena, S., & Oliveira, J. M. A. (2014). Culturas digitais na educação do Século XXI. Revista Tempos E Espaços Em Educação, 7(14), 35-44.

Maués, O. C. & Souza, M. B. (2016). Precarização do trabalho do docente da educação superior e os impactos na formação. Em aberto, 29(97), 73-85.

Maués, O. C., & Costa, M. da C. S. (2020). A OCDE e a formação docente: a TALIS em questão. Revista Práxis Educacional, 16(41), 99-124. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i41.7255

Maués, O. C. & Guimarães, A. R (2019). A educação superior na esteira da internacionalização. RBPAE, 35 (2), p. 307 - 328.

Midlej, M. M. B. C. & Fialho, N. H. (2010). Universidade e região. Práxis Educacional, 1(1), 171-189.

Moura, J. S.; Ribeiro, J. C. O. A.; Castro Neta, A. A. & Nunes, C. P. (2019). A precarização do trabalho docente e o adoecimento mental no contexto neoliberal. Revista Profissão Docente (Online), 19(40), p. 01-17. https://doi.org/10.31496/rpd.v19i40.1242

Mundim, M. A. P., & Silva, L. N. D. (2019). Gerencialismo estatal e a relação público-privada na educação em goiás. Práxis Educacional, 15(31), 102-122. https://doi.org/10.22481/praxis.v15i31.4662

Nascimento, L. F. do, & Cavalcante, M. M. D. (2018). Abordagem quantitativa na pesquisa em educação: investigações no cotidiano escolar. Revista Tempos e Espaços em Educação, 11(25), 249-260. https://doi.org/10.20952/revtee.v11i25.7075

Nunes, C. P. & Oliveira, D. A. (2017). Trabalho, carreira, desenvolvimento docente e mudança na prática educativa. Educação e Pesquisa, 43(1), 65-80. https://doi.org/10.1590/s1517-9702201604145487

Nunes, C. P. (2019). Formación y trabajo docente: cuestiones contemporáneas. Revista Exitus, 9(3), 19-32. https://doi.org/10.24065/2237-9460.2019v9n3ID917

Oliveira, E. G.; Silva, D. O. V.; Brito, V. L. F. & Nunes, C. P. (2018). Desenvolvimento profissional docente: um olhar para além da formação. Educa - Revista Multidisciplinar em Educação, 5(12), p. 23-39. https://doi.org/10.26568/2359-2087.2018.3254

Oliveira, J. L. C. & Nunes, C. P. (2017). A carreira docente nos Institutos Federais em comparação com outras escolas públicas. Revista Educação e Emancipação, 10(2), 185-204. http://dx.doi.org/10.18764/2358-4319.v10n2p185-204

Oliveira, M. S.; Melo, S. C., & Silva, M. do C. L. (2020). O acesso de estudantes com deficiência no ensino superior e sua relação com o projeto de sociedade existente. Revista Práxis Educacional, 16(41), 167-183. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i41.7258

Orrú, S. E. (2018). Base nacional comum curricular: à contramão dos espaços de aprendizagem inovadores e inclusivos. Revista Tempos e Espaços em Educação, 11(25), 139-152. https://doi.org/10.20952/revtee.v11i25.6828

Paraskeva, J. M. (2016). “Brutti, Sporchi & Cattivi”: Towards a Non-Abyssal Curriculum. Revista Tempos e Espaços em Educação, 9(18), 75-90.

Pereira, R. S. (2019). Governança corporativa na política educacional: o papel da OCDE. Práxis Educacional, 15(31), 123-146. https://doi.org/10.22481/praxis.v15i31.4663

Pereira, A. (2018). A educação de jovens e adultos no sistema prisional brasileiro: o que dizem os planos estaduais de educação em prisões?. Revista Tempos e Espaços em Educação, 11(24), 245-252. https://doi.org/10.20952/revtee.v11i24.6657

Peroni, V. M. V., & de Oliveira, C. M. B. (2019). O marco regulatório e as parcerias público-privadas no contexto educacional. Práxis Educacional, 15(31), 38-57. https://doi.org/10.22481/praxis.v15i31.4657

Peroni, V. (2003). Política educacional e papel do estado: No Brasil dos anos 1990, São Paulo, Xamã.

Ramos, M. da C. P. (2012). Ambiente, Educação e Interculturalidade. Revista Tempos e Espaços em Educação, 5(8), 35-51. https://doi.org/10.20952/revtee.v0i0.2284

Pinto, E. J. S., Carvalho, M. E. P. & Rabay, G. (2017). As relações de gênero nas escolhas de cursos superiores. Revista Tempos E Espaços Em Educação, 10(22), 47-58.

Reis, L. F. & Macário, E. (2020). Dívida pública e financiamento das universidades federais e da ciência e tecnologia no Brasil (2003-2020). Revista Práxis Educacional, 16(41), 20-46. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i41.7243

Silva, T. O. & Rios, P. P. (2020). Gender, sexual diversity and field education: “in rural communities many people do not understand and treat it as a disease. Journal of Research and Knowledge Spreading, 1(1), e11418. https://doi.org/10.20952/jrks1111418

Santos, I. T. R., Barreto, D. A. B. & Soares, C. V. C. O. (2020). Formative assessment in the classroom: the dialogue between teachers and students. Journal of Research and Knowledge Spreading, 1(1), e11483. https://doi.org/10.20952/jrks1111483

Sguissardi, V. (2015). Educação superior no Brasil. Democratização ou massificação mercantil? Educ. Soc., 36(133), 867-889.

Silva, D. O. V. & Nunes, C. P. (2019). Plano de carreira enquanto estratégia de resistência para a valorização docente no território de identidade do sudoeste baiano. Revista Educação e Emancipação, 12(3), 93-113. http://dx.doi.org/10.18764/2358-4319.v12n3p93-113

Silva, D. O. V.; Brito, V. L. F. & Nunes, C. P. (2019). Valorização docente na conjuntura do pós impeachement de 2016 no Brasil. Revista Cocar (online), 13(26), 1-20.

Silva, N. R. G. (2009). Gestão escolar democrática: uma contextualização do tema. Revista Práxis Educacional, 5(6), 91-106.

Socorro, P. E. V., Santos, A. R. , & Nunes, C. P. (2017). Políticas públicas educativas na América Latina. Revista Educação Em Questão, 55(45), 12-41. https://doi.org/10.21680/1981-1802.2017v55n45ID12743

Teixeira, E. C. N. S. & Nunes, C. P. (2016). O piso salarial como insumo da valorização docente nos governos de FHC e Lula: da política de fundos à Lei do Piso. Revista Práxis Educacional, 12(23), 251-270.

Teixeira, E. C. N. S. & Nunes, C. P. (2019a). A valorização docente e a lei do piso salarial: um estado da arte. Educação e Cultura Contemporânea, 16(42), 437-452.

Teixeira, E. C. N. S. & Nunes, C. P. (2019b). O Piso Salarial Nacional no Contexto do Financiamento da Educação no Brasil: limites e possibilidades do seu cumprimento. FINEDUCA: Revista de Financiamento da Educação, 9(22), 1-17. http://dx.doi.org/10.22491/fineduca-2236-5907-v9-90205

Teixeira, E. C. N. S. & Nunes, C. P. (2019c). Os sentidos atribuídos ao piso salarial nacional como política pública de valorização docente. Revista Tempos e Espaços em Educação, 12(29), 195-212.

Viana, C. M. Q. Q. & Machado, L. C. (2016). Desenvolvimento profissional docente e intensificação do trabalho: viver ou sobreviver? Em aberto, 29(97), 47-60.

Vizzotto, L., Corsetti, B., & Pegoraro Júnior, A. (2019). A evolução das normas legais na relação público-privada para a educação. Práxis Educacional, 15(31), 58-79. https://doi.org/10.22481/praxis.v15i31.4659

Published

25/11/2020