Impacto do Zika vírus na saúde materno-infantil no nordeste brasileiro: um estudo descritivo e retrospectivo

Autores

  • Bruna Stefany Rebouças França Universidade Federal de Alagoas https://orcid.org/0000-0002-7730-9562
  • Gustavo Peixoto de Oliveira Fernandes
  • João Paulo Oliveira de Almeida
  • Mariana Ivo Costa
  • Sophya Bezerra Silva Rocha
  • Michael Ferreira Machado

DOI:

https://doi.org/10.28998/rpss.v5i0.11473

Resumo

Objetivo: Analisar o perfil epidemiológico, associando os números de casos confirmados de Zika vírus nas regiões brasileiras com a incidência de síndrome congênita do Zika vírus, com ênfase no Nordeste. Método: É um estudo descritivo retrospectivo, feito com dados secundários disponibilizados pelo Ministério da Saúde. Resultados: Após análise dos dados, evidencia-se que o Nordeste é a região brasileira que mais sofreu com os efeitos neuropatogênicos do vírus devido a uma série de fatores sanitários e socioeconômicos. Conclusão: Não obstante a finalização do estado de emergência sanitária, o Nordeste ainda concentra o maior número de casos, o que sinaliza a necessidade de serem feitos esforços político-sanitários a fim de diminuir ao máximo os danos desse vírus às famílias nordestinas.

Biografia do Autor

Bruna Stefany Rebouças França, Universidade Federal de Alagoas

Discente de medicina da Universidade Federal de Alagoas

Gustavo Peixoto de Oliveira Fernandes

Discente de medicina da Universidade Federal de Alagoas

João Paulo Oliveira de Almeida

Discente de medicina da Universidade Federal de Alagoas

Mariana Ivo Costa

Discente de medicina da Universidade Federal de Alagoas

Sophya Bezerra Silva Rocha

Discente de medicina da Universidade Federal de Alagoas

Michael Ferreira Machado

Docente de medicina da Universidade Federal de Alagoas

Referências

Pone MV da S, Pone SM, Zin AA, Mendes PHB, Aibe MS, Barroso de Aguiar E, et al. Zika virus infection in children: epidemiology and clinical manifestations. Child’s Nerv Syst [Internet]. 2018 [Cited 2020 Sept 21]. 34(1):63–71. Available from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29110197/

Eppes C, Rac M, Dunn J, Versalovic J, Murray KO, Suter MA, et al. Testing for Zika virus infection in pregnancy: key concepts to deal with an emerging epidemic. Am J Obstet Gynecol [Internet]. 2017 [Cited 2020 Sept 21]. 216(3):209–25. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.ajog.2017.01.020

Possas C. Zika: what we do and do not know based on the experiences of Brazil. Epidemiol Health [Internet]. 2016 [Cited 2020 Sept 21];38(e2016023):1–7. Available from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27283140/

Mocelin HJS, Prado TN do, Freitas P de SS, Bertolde AI, Perez F, Riley LW, et al. Variação na detecção da síndrome congênita do Zika em função de alterações em protocolos. Rev Panam Salud Pública [Internet]. 2019 [Citado 20 Set. 2020]. 43(e79):1–6. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6752177/

Bueno FTC, García M, Moya J, Löwy I, Benchimol JL, Cerqueira RC, et al. Zika e Aedes aegypti: antigos e novos desafios. História, Ciências, Saúde-Manguinhos. [Internet] 2017[Citado 20 Set. 2020]. 24(4):1161–80. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702017000401161

Wikan N, Smith DR. Zika virus: History of a newly emerging arbovirus. Lancet Infect Dis [Internet]. 2016 [Cited 2020 Sept 21]. 16(7):119–26. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/S1473-3099(16)30010-X

Microcephaly Epidemic Research Group. Microcephaly in Infants, Pernambuco State, Brazil, 2015. Emerg Infect Dis [Internet]. 2016 [Cited 2020 Sept 21]. 22(6):1090–3. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/2707104

Garcia LP. Epidemia do vírus Zika e microcefalia no Brasil: emergência, evolução e enfrentamento. Ipea [Internet]. 2018 [Citado 20 Set. 2020]. (2368):62. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/8282/1/td_2368.pdf

Lesser J, Kitron U. A geografia social do Zika no Brasil. Estud Avançados. [Internet]. 2016[Citado 20 Set. 2020]. 30(88):167–75. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142016000300167

Sichieri R, Aquino R, Horta B, Conde W, Carlos M, Ribeiro S, et al. Zikavírus: Desafios da saúde pública no Brasil. RevBrasEpidemiol. [Internet]. 2016[Citado 20 Set. 2020]. 19(2):225–8. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/rbepid/2016.v19n2/225-228

Falcão M, Bandeira AC, Luz K, Chebabo A, Lobo I, Timerman A, et al. Guia de manejo da infecção pelo vírus zika. Assoc médica Bras. [Internet]. 2016 [Citado 20 Set. 2020]. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27686610/

Freitas P de SS, Bussinger EC de A, Lacerda LCX, Soares GB, Maciel ELN. O surto de Zika vírus: produção científica após Declaração de Emergência Nacional em Saúde Pública. ArchHeal Investig.[Internet] 2018[Citado 20 Set. 2020]. 7(1):1–6.Disponível em: https://www.archhealthinvestigation.com.br/ArcHI/article/view/2285

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Orientações integradas de vigilância e atenção à saúde no âmbito da Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional. 1a edição. Editora MS/CGDI, editor. Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; [Internet] 2016 [Citado 20 Set. 2020]. 1–160 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/orientacoes_integradas_vigilancia_atencao_emergencia_saude_publica.pdf

Santos GRB dos, Aragão FBA, Lobão WJDM, Lima FR, De Andrade LMRL, Furtado QR, et al. Relationship between microcephaly and Zika virus during pregnancy: A review. Rev Assoc Med Bras.[Internet].2018 [Cited 2020 Sept 21]. 64(7):636–42. Available from: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0104-42302018000700635&lng=en&nrm=iso

Arroyo HA. Actualización Em Neurología Infantil V: Microcefalia. Med Buenos Aires [Internet]. 2018 [Cited 2020 Sept 21]. 78:94–100. Available from: https://www.medicinabuenosaires.com/revistas/vol78-18/s2/94-100-S.II-17-Arroyo-Neurología-D.pdf

Henriques CMP, Duarte E, Garcia LP. Desafios para o enfrentamento da epidemia de microcefalia. EpidemiolServ Saúde. [Internet]. 2016[Citado 20 Set. 2020]. 25(1):7–10.Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-96222016000100007

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes de estimulação precoce: crianças de zero a 3 anos com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor [Internet]. 1a. Brasília; 2016 [Citado 20 Set. 2020]. 184 p. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/sas/saude-da-pessoa-com-deficiencia/noticias-saude-da-pessoa-com-deficiencia/26148-diretrizes-de-estimulacao-precoce-criancas-de-zero-a-tres-anos-com-atraso-no-desenvolvimento-ne

Lugarinho LMP, Liliane Mendes Penello, Pereira RSV. Síndrome Congênita Do Zika : Construção De Uma Rede Viva. Rio de Janeiro; [Internet]. 2018 [Citado 20 Set. 2020]. 1–107 p. Disponível em: http://www.ebbs.iff.fiocruz.br/ebbs/pdf/sindrome_congenita_zika_livro4_web_completo.pdf

Downloads

Publicado

25/02/2021

Como Citar

França, B. S. R., Fernandes, G. P. de O., Almeida, J. P. O. de, Costa, M. I., Rocha, S. B. S., & Machado, M. F. (2021). Impacto do Zika vírus na saúde materno-infantil no nordeste brasileiro: um estudo descritivo e retrospectivo. Revista Portal: Saúde E Sociedade, 5, 23–33. https://doi.org/10.28998/rpss.v5i0.11473

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)