A língua portuguesa de angola: descrição dos processos de formação de palavras com base em textos literários

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2317-9945.2021v1n70p35-49

Palavras-chave:

Língua portuguesa de Angola. História de Angola. Neologismos

Resumo

O presente trabalho insere-se na linha de pesquisa de História e Descrição de Língua Portuguesa do grupo de pesquisa da PUCSP. Seu tema são os processos de criação de palavras e os neologismos no português angolano com base em textos literários de escritores do país, a saber: Luandino Vieira (1963), João Melo (2002), Ondjaki (2002). Neste trabalho, discute-se a questão do multilinguismo angolano e a quantidade de etnias com suas línguas que existem no país e convivem, algumas pacificamente, outras nem tanto. A discussão desse tema se mostra relevante porque busca identificar em quais aspectos a língua portuguesa angolana possui marcas próprias que a diferenciam da língua portuguesa de Portugal. Os resultados da análise constaram que a grande parte dos processos derivacionais da língua angolana foram baseados na língua nacional quimbundo, havendo acréscimos de sufixos e desinências (como plural) da língua portuguesa; houve também muitas ocorrências de neologismos de forma.

Biografia do Autor

Cinthia Aparecida Lemes, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP)

Doutoranda no PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM LINGUÍSTICA APLICADA E ESTUDOS DA LINGUAGEM (LAEL).

Downloads

Publicado

14/07/2021

Como Citar

LEMES, C. A. A língua portuguesa de angola: descrição dos processos de formação de palavras com base em textos literários. Leitura, [S. l.], v. 1, n. 70, p. 35–49, 2021. DOI: 10.28998/2317-9945.2021v1n70p35-49. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/11895. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos