Eu tenho algo a dizer, não vou ficar calado: o dinheiro em “Rap é compromisso” (2001), de Sabotage

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2317-9945.2021v1n70p62-75

Palavras-chave:

Rap, Sabotage, Dinheiro, Gêneros do discurso, Cidadania

Resumo

As manifestações artístico-culturais do movimento hip hop, sobretudo da sua vertente musical, o rap, tem despertado o interesse de pesquisadores de diversos campos das humanidades, por envolverem jovens em contextos urbanos manifestando-se sobre questões de interesse contemporâneo, tais como violência, religiosidade, gêneros, drogas, mídias, identidades, ativismo político, linguagem musical, informação e conhecimento, segregação racial  e social, arte e vida urbana, sociabilidade e estilos de vida, experiência do jovem nas periferias das grandes cidades, entre outras. Este artigo busca identificar, selecionar e analisar as referências linguísticas a dinheiro/finanças nas músicas do disco “Rap é compromisso” (2001), do rapper paulistano Sabotage, situando o rap como um gênero discursivo marcado por uma preocupação programática de discutir a realidade social de populações excluídas do progresso material e seus benefícios em certas sociedades contemporâneas. Por isso, esta abordagem se valeu das noções de gêneros do discurso, de Mikhail Bakhtin (2019) e o Círculo, e de cidadania em Milton Santos (2014), para mostrar como o dinheiro é representado numa relação entre a necessidade e o crime.

Biografia do Autor

Edilberto de Oliveira Barbosa, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Pesquisador do campo da linguística aplicada, doutorando no Departamento de Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem (LAEL) da PUC-SP.

Downloads

Publicado

14/07/2021

Como Citar

BARBOSA, E. de O. Eu tenho algo a dizer, não vou ficar calado: o dinheiro em “Rap é compromisso” (2001), de Sabotage. Leitura, [S. l.], v. 1, n. 70, p. 62–75, 2021. DOI: 10.28998/2317-9945.2021v1n70p62-75. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/11897. Acesso em: 22 out. 2021.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos