Desenvolvimento desigual, Redes Geográficas e Transporte Coletivo Rodoviário de Passageiros no Brasil: uma análise das ligações de longa extensão

Autores

  • Bruno Candido dos Santos Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.28998/contegeo.v6i12.13103

Palavras-chave:

desenvolvimento desigual, redes geográficas, transporte coletivo de passageiros, ligações longas

Resumo

O transporte coletivo rodoviário interestadual de passageiros é um serviço público essencial para o povo brasileiro e estratégico para a integração nacional por propiciar deslocamentos de pessoas e mercadorias. Esta circulação permite engendrar um conjunto de reflexões acerca do desenvolvimento desigual no território brasileiro a partir da análise das redes geográficas, com ênfase na urbana e na rodoviária, que são basilares para tal circulação, regulada no âmbito interestadual pelo Estado brasileiro por intermédio da Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT). Este artigo debaterá o transporte coletivo rodoviário interestadual de passageiros no Brasil a partir da análise das ligações de longa extensão, que representam parcela pequena do total em operação atualmente, mas possuem importância central no provimento de conexões entre centros da rede urbana. Para tanto, fora realizado o levantamento bibliográfico que alicerça as discussões teóricas ensejadas nos quatro tópicos que estruturam o texto. Foram utilizados dados populacionais de órgãos públicos como o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e informações acerca das ligações obtidas no sítio eletrônico da ANTT para subsidiar o debate.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DOS TRANSPORTES TERRESTRES (ANTT). Dados abertos. Gerenciamento de autorizações. <https://dados.antt.gov.br/dataset/gerenciamento-de-autorizacoes>. Acesso em: 20/12/2020.

__________. Estatísticas e estudos. Dados do Sistema de Controle de Dados dos Serviços de Transporte Rodoviário de Passageiros (SISDAP) – ano 2019. Disponível em: <>. Acesso em: 20/12/2020.https://portal.antt.gov.br/estatisticas-e-estudos-de-servicos-de-transporte-de-passageiros>. Acesso em: 20/12/2020.

__________. Resolução número 4.770, de 25 de junho de 2015. Disponível em: <https://anttlegis.antt.gov.br/action/UrlPublicasAction.php?acao=abrirAtoPublico&sgl_tipo=RES&num_ato=00004770&seq_ato=000&vlr_ano=2015&sgl_orgao=DG/ANTT/MT>. Acesso em 15/02/2021.

ARROYO, M. Dinâmica territorial, circulação e cidades médias. SPOSITO, E. S.; SPOSITO, M. E. B. e SOBARZO, O. (Orgs.). Cidades médias: produção do espaço urbano e regional. São Paulo: Expressão Popular, 2006, p. 71-85.

BECKER, B. K. e EGLER, C. A. G. Brasil: uma nova potência regional na economia-mundo. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994

BLANCO, J. Territorio, circulación y redes: articulaciones y tensiones. In: ARROYO, M. E CRUZ, R. C. A. Território e Circulação: a dinâmica contraditória da globalização. São Paulo: FAPESP/PPGH/CAPES/Annablume Geografia, 2015, p. 15-36.

BRASILEIRO, A. Transportes no Brasil: história e reflexões. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2001.

CONTEL, F. B. (2001). Os sistemas de movimento do território brasileiro.In: SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 3.ed. Rio de Janeiro: Record, 2012, p. 357-372.

CORRÊA, R. L. (1997). Estudos sobre a rede urbana. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2006.

__________. Redes geográficas: reflexões sobre um tema persistente. Revista Cidades, Presidente Prudente, v. 9, n. 16, p. 199-218, 2012.

__________. Região e organização espacial. São Paulo: Ática, 1987. 2.ed.

__________. Trajetórias geográficas. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1997.

DIAS, L. C. (1995). Redes: emergência e organização. CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORREA, R. L. (Orgs.). Geografia: conceitos e temas. 15.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012, p. 141-162.

___________. Os sentidos da rede: notas para discussão. In DIAS, L. C e SILVEIRA, R. L. L (orgs.). Redes, sociedades e territórios. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2005.

___________. Rede geográfica. In: GEOgraphia, Niterói, v. 22, n. 49, p. 1-6, 2020.

DRUCIAKI, V. P. As (des) articulações de Guarapuava com Londrina e Maringá: uma análise a partir da rede de transporte rodoviário de passageiros. 231f. Dissertação (Mestrado) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2009.

FARIA, J. E. O Direito na economia globalizada. São Paulo: Malheiros, 1999.

FRESCA, T. M. Rede urbana e divisão territorial do trabalho. Geografia (Londrina), v.19, n.2, p. 115-128, 2010.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

HUERTAS, D. M. Da fachada atlântica ao âmago da hiléia: integração nacional e fluidez territorial no processo de expansão da fronteira agrícola. 332 f. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Sistema IBGE de Recuperação Eletrônica (SIDRA). Estimativas da população (ano 2019). Disponível em: <http://www.sidra.ibge.gov.br/>. Acesso em 20/02/2021.

LEMOS, J. H. Z. Por uma geo-história do transporte rodoviário de passageiros: contextos de operação na região Oeste de Santa Catarina. Revista Transporte y Territorio, n. 23, p. 288-319, 2020.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Livro II: o processo de circulação do capital. São Paulo: Boitempo Editorial, 2014.

OLIVEIRA NETO, T. e NOGUEIRA, R. J. B. Transporte rodoviário de passageiros no Brasil. Revista Transporte y Territorio, Buenos Aires, n.17, p. 229-250, 2017.

PEIXOTO, J. B. Os transportes no atual desenvolvimento do Brasil. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1977.

RAFFESTIN, C. (1980). Por uma Geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

RANGEL, I. Desenvolvimento industrial do Brasil e suas características dominantes. In: RANGEL, I. Obras reunidas. 3.ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012a, v.2, pp. 605-623.

__________. Ferrovia versus rodovia. In: RANGEL, I. Obras reunidas. 3.ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012b, v.2, p. 517-519.

RODRIGUES, L. A. Transporte aéreo de passageiros no estado de Santa Catarina: estratégias logísticas e organização territorial.331f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2020.

SANTOS, B. C. As articulações entre Londrina e São Paulo: uma análise a partir do transporte coletivo rodoviário interestadual de passageiros. 171f. Monografia (Trabalho de graduação individual) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

__________. Divisão territorial do trabalho e transporte interestadual de passageiros: mudanças recentes na circulação rodoviária. GEOUSP Espaço e Tempo (Online), v. 24, n. 3, p. 468-486, 2020.

__________. Divisão territorial do trabalho e transporte rodoviário interestadual de passageiros entre o interior sulista e a fronteira agrícola. 391f. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

SANTOS, M. (1996). A natureza do espaço. Técnica e tempo. Razão e emoção. 4.ed. São Paulo: Edusp, 2012.

__________. (2005). Da totalidade ao lugar. São Paulo: Edusp, 2014a.

__________. (1979). Economia espacial: críticas e alternativas. 2.ed. São Paulo: Edusp, 2011.

__________. (1988). Metamorfoses do espaço habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da Geografia. 6.ed. São Paulo: Edusp, 2014b.

__________. (1979). O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. 2.ed. São Paulo: Edusp, 2008.

SANTOS, M. e SILVEIRA, M. L. (2001). O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 3.ed. Rio de Janeiro: Record, 2012.

SILVA, M. M. F. Geografia dos Transportes no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1949.

SILVEIRA, M. R; RODRIGUES, L. A. Reestruturação do transporte aéreo de passageiros em Santa Catarina: da aviação regional para o sistema de hub. GEOUSP Espaço e Tempo (Online), v. 24, n. 3, p. 444-467, 2020.

SINGER, P. Evolução da economia e vinculação internacional. In: SACHS, I. WILHEM, J e SÉRGIO, P. (org). Brasil: um século de transformações. São Paulo: Companhia das Letras, 2001, p. 80-133.

SMITH, N. Desenvolvimento desigual. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1988.

SPOSITO, E. S. Redes e cidades. São Paulo: Editora UNESP, 2008.

XAVIER, M. O sistema rodoviário brasileiro: um elemento técnico do território. 111 f. Monografia (Trabalho de graduação individual) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.

__________. (2001). Os sistemas de engenharia e a tecnicização do território. O exemplo da rede rodoviária brasileira. In: SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 3.ed. Rio de Janeiro: Record, 2012, p. 329-343.

WOLKOWITSCH, M. Géographie des transports. Paris: Librairie Armand Colin, 1973.

Downloads

Publicado

18/01/2022

Como Citar

Candido dos Santos, B. (2022). Desenvolvimento desigual, Redes Geográficas e Transporte Coletivo Rodoviário de Passageiros no Brasil: uma análise das ligações de longa extensão. Revista Contexto Geográfico, 6(12), 21–42. https://doi.org/10.28998/contegeo.v6i12.13103