IMPACTOS DA COVID-19 NAS TERRITORIALIDADES TRADICIONAIS QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE BOM CONSELHO - PERNAMBUCO

Autores

  • Juarez Cavalcante Ferreira Universidade Federal de Alagoas

DOI:

https://doi.org/10.28998/contegeo.v7i14.13416

Palavras-chave:

Território; populações tradicionais, pandemia, vulnerabilidade.

Resumo

RESUMO – A pandemia da Covid-19, em curso em todo o mundo, tem afetado, de forma mais intensa, as populações tradicionais. No caso do Brasil, país com mais de 213 milhões de pessoas (IBGE, 2021), as populações pobres e tradicionais (rurais e urbanas) foram impactadas diretamente pela Covid-19, trazendo à luz a necessidade de uma maior discussão sobre as condições de vulnerabilidades desses povos, dos seus territórios, a carência de assistência social e de saúde, bem como a dependência econômica. Nessa perspectiva, no presente artigo, analisamos preliminarmente, os impactos da pandemia da Covid-19 nas territorialidades quilombolas de Bom Conselho, no Agreste de Pernambuco, município onde estão assentadas onze comunidades quilombolas autodeclaradas e certificadas pela Fundação Cultural Palmares.

Referências

REFERÊNCIAS

ARRUTI, J. M. et al. O impacto da Covid-19 sobre as comunidades quilombolas. Informativos Desigualdades Raciais e Covid-19, AFRO-CEBRAP, n. 6, 2021.

ABRASCO, GT RACISMO E SAÚDE. . Acesso em 08/09/2021

BRASIL. Ato das disposições Constitucionais Transitórias, Artigo 68. Disponível em: . Acesso em 04/09/2021

SECRETARIA ESPECIAL DA CULTURA. Certificação Das Comunidades Quilombolas, Disponível em: . Acesso em 05/06/2021

SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO. . Acesso em: 09/09/2021

COVID -19: Acompanhamento vacinal. Disponível em: . Acesso em: 09/09/2021

COMISSÃO PRÓ-ÍNDIO DE SÃO PAULO. . Acesso em 09/09/2021

FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES. . Acesso em 08/09/2021

GUSMÃO, NEUSA M. M. Terras de pretos; terras de mulheres: mulher e raça num bairro rural negro. Brasília: MINC/ Fundação Cultural Palmares, 1996.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL – ISA. . Acesso em: 09/09/2021

NASCIMENTO, L. K. Identidade e Territorialidade: os quilombos e a educação escolar no Vale do Ribeira. 2006. 159 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) –Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, SP, 2006.

OLIVEIRA, J. B. Território e políticas de ação afirmativa para remanescentes quilombolas na Amazônia: programa Raízes e Pará Quilombola nas comunidades de Itacoã-Miri e Guajará-mirim. 2013. 118 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Geografia e Cartografia, Universidade Federal do Pará, Belém/PA, 2013.

ONG BRASIL DE DIREITOS. . Acesso em 20/01/2021

OBSERVATÓRIO DA COVID-19. <http://quilombosemcovid.org>. Acesso em 09/09/2021

PAINEL COVID-19. <http://painelcovid19.socioambiental.org>. Acesso em: 09/09/2021

SANTOS, M. O retorno do território. In: OSAL: Observatório Social de América Latina, ano 6, n. 16, p. 255-261, jan-jun, 2005.

______. et al. Território, territórios: ensaio sobre o ordenamento territorial. 3. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011. 416 p.

______. O espaço do cidadão. 7. ed. São Paulo: Edusp, 2007. 176 p.

______., SILVEIRA, M. L. O Brasil: Território e sociedade no início do século XXI. 20. ed. Rio de Janeiro: Record, 2020. 475 p.

SOUZA, M. A. A. Geografias da desigualdade: globalização e fragmentação. In: SANTOS, M. et al. (Orgs.). Território: globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec, 1998, p. 21-28.

WORLD HEALTH ORGANIZATION: coronavirus (Covid19) Dashboard. Disponível em: <http://covid19.who.int> acesso em: 06/09/2021

Downloads

Publicado

25/07/2022

Como Citar

Cavalcante Ferreira, J. (2022). IMPACTOS DA COVID-19 NAS TERRITORIALIDADES TRADICIONAIS QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE BOM CONSELHO - PERNAMBUCO. Revista Contexto Geográfico, 7(14), 30–41. https://doi.org/10.28998/contegeo.v7i14.13416