A feiticeira da paixão: da tragédia euripidiana ao cinema de Pasolini

Autores

  • Ana Flávia Ferraz
  • Otávio Cabral

Resumo

O presente artigo tem como proposta refletir sobre a transposição do mito de Medeia do teatro trágico antigo à narrativa cinematográfica contemporânea. Desde a Grécia antiga aos dias atuais a feiticeira da Cólquida fascina dramaturgos, poetas e cineastas. Tomando como ponto central o feminino na obra dramática Medeia (431 a.C.) do tragediógrafo grego Eurípides e na obra cinematográfica homônima, de 1970, do diretor e escritor italiano Pier Paolo Pasolini, buscaremos refletir sobre essas narrativas trágicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-04-14

Como Citar

Ferraz, A. F., & Cabral, O. (2015). A feiticeira da paixão: da tragédia euripidiana ao cinema de Pasolini. REVISTA ELETRÔNICA EXTENSÃO EM DEBATE, 1(3). Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/extensaoemdebate/article/view/1712

Edição

Seção

ARTIGOS