Através dos Arcos, Soldam-se os Elos:

- Salve, Seu Zé! Salve, Malandragem! Salve, Lapa!

Autores

  • Carlos Eduardo Santos Maia UFJF

DOI:

https://doi.org/10.28998/lte.2022.n.1.13481

Palavras-chave:

Zé Pelintra. Boêmia. Falanges de umbanda.

Resumo

Uma das entidades representativas do Rio de Janeiro, Seu Zé Pelintra, é abordado neste trabalho a partir das identidades que são constituídas entre esta entidade, a Lapa e a malandragem. O objetivo é analisar as diferentes ressignificações da “pelintragem” e da Lapa paralelamente à sacralização do “Seu Zé”, da qual derivou recentemente o movimento popular de erguimento do seu santuário. As discussões são realizadas combinando-se reflexões representacionais e não representacionais, dada a complexidade da entidade enfocada, recorrendo-se aos campos da Geografia Histórica e Cultural, da Sociologia, da Antropologia, da História e   das religiosidades populares. Metodologicamente, tem-se uma pesquisa qualitativa, utilizando-se entrevistas, bibliografias e observações de diferentes modalidades, realizadas no bairro da Lapa e no santuário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Maurício de Almeida. Geografia Histórica do Rio de Janeiro (1502-1700). Rio de Janeiro: Andrea Jakobson Estúdio, vol. 2, 2010.

ALVES, Marcos Vinícius Pinto. A representação da entidade espiritual Zé Pelintra nos terreiros traçados. Dissertação (mestrado em Humanidades, Culturas e Artes) – Universidade do Grande Rio “Prof. José de Souza Herdy”, Escola de Educação, Ciências, Letras, Artes e Humanidades, 2019.

ALKMIN, Zaydan. Zé Pelintra: dono da noite, rei da magia. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Pallas, 1997.

AUGRAS, Monique. Zé Pelintra, patrono da malandragem. Revista do Patrimônio. IPHAN: s.l., n.25, p.43-50, 1997.

BANHOS poderosos. https://banhospoderosos.info/ .Acesso em 25/02/2022

BUARQUE, Chico. Homenagem ao malandro.

CÂMARA Municipal do Rio De Janeiro. Lei nº 3.188 - de 19 de março de 2001. Institui a área de proteção do ambiente cultural dos arcos da Lapa.

CARNEIRO, Janderson Bax. A devoção a Zé Pelintra e seus "camaradas": malandragem e moralidades no universo umbandista carioca. 39º Encontro Anual da ANPOCS. Anais... 2015., 19 p.

COSENTINO, Donald. Who Is That Fellow in the Many-Colored Cap? Transformations of Eshu in Old and New World Mythologies. The Journal of American Folklore, Vol. 100, No. 397. p. 261-275, Jul.-Sep, 1987.

DUARTE, Cristovão Fernandes. Requalificação das áreas pericentrais no Rio de Janeiro: ameaça ou campo aberto de possibilidades? III Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo. Anais... 2014, 13 p.

FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL. Rio 450 anos - Bairros do Rio – Lapa.

GREEN, James N. O Pasquim e Madame Satã, a" rainha" negra da boemia brasileira. Topoi. Rio de Janeiro, v. 4, p. 201-221, 2003.

IBGE. Exu: Brasil, Pernambuco.

IPP. Bairros Cariocas – Lapa.

MAIA, Rosemere; ROCHA, Jéssica. Lapa, paraíso do prazer e do pecado: boemia, malandragem e (re) configuração socioespacial em tempos de renovação urbana. Libertas, v. 15, n. 2, p. 143-166, 2015.

MARINHO, Julio. Cabaret Casanova: O fim de uma era!.

MAZZA, Florença, MARTINS, Marco Antônio. Rei da Noite e empresário processado. Jornal do Brasil, 05/03/2005, Rio, p. A13.

MOLINA, N. A. Saravá Seu Zé Pelintra. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Espiritualista, s/d.

O QUE É ser pelintra. O Carapuceiro. Recife, no. 6, p. 1-5, 1842.

OYÈLÁRÀN, Ọlásopé O. Èṣù and ethics in the Yorùbá world view. África: The Journal of the International African Institute, v. 90, n. 2, p. 377-407, 2020.

PADRINHO JURUÁ. “Umbanda - A Manifestação do Espírito para a Caridade”: os guias e protetores espirituais. São Caetano do Sul, 2013.

PAVLIĆ, Edward M. "Papa Legba, Ouvrier Barriere Por Moi Passer": Esu in" Their Eyes" & Zora Neale Hurston's Diasporic Modernism. African American Review, v. 38, n. 1, p. 61-85, 2004.

PELINTRA. In: Aulete Digital. Lexikon.

PELINTRA. In: Dicionário Houaiss. UOL.

PELINTRA. In: Michaelis Dicionário Brasileiro de Língua Portuguesa. UOL.

PELINTRA. In: Priberom Dicionário. Priberom.

PRANDI, R. Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

PREFEITURA da Cidade do Rio de Janeiro. Decreto Nº 30.382 de 2 de janeiro de 2009. Cria o grupo de trabalho destinado à elaboração do projeto ‘lapa legal’.

PREFEITURA da Cidade do Rio de Janeiro. Lei Complementar Nº 229 de 14/07/2021. Institui o Programa Reviver Centro...

PREFEITURA da Cidade do Rio de Janeiro. Lei nº 5407, de 17 de maio de 2012.

Cria o Bairro da Lapa, pela subdivisão do Bairro de Fátima e do Centro, área da AP 1, II região administrativa.

ROCHA, Gilmar. “Navalha não corta seda”: estética e performance no vestuário do malandro. Tempo, Niterói, v. 10, n. 20, p. 121-142, jan. 2006.

RODRIGUES, Rita de Cássia Colaço. Artes de acontecer: viados e travestis na cidade do Rio de Janeiro, do século XIX a 1980. Revista Esboços, Florianópolis, v. 23, n. 35, p. 90 ‑116, 2016.

ROSARIO, Cláudia Cerqueira do. O Conceito de Orixá. Ítaca, n. 25, p. 20-34, s.d.

ROSSINI, Sérgio. Salve a Malandragem. Encripta/Yoube. 2021.

SÁ JUNIOR, Mario Teixeira de. Baianos e Malandros: a sacralização do humano no panteão umbandista do século XX. Fronteiras: revista de História. Campo Grande, MS, 8(15): 9-29, jan./jun. 2004.

SANTOS, Luís Gonçalves dos. Memórias para servir à História do Reino do Brasil. Brasília: Edições do Senado Federal, 2013.

SEOP. Ações de ordenamento implantadas pela Seop. 29/04/2011.

SILVA, Guilherme Sarmiento da. Tipologias Brasileiras: O Pelintra. Revista Escrita, v. 2007, n. 8, p. 1-11, 2007.

SONHO Astral. https://sonhoastral.com/ .Acesso em 25/02/2022

SOUZA, Andre Felix de. Lapa: da Sociabilidade na Cidade para a Sociabilidade da Cidade. Espaço Aberto, v. 5, n. 2, p. 61-78, 2015.

TENDA de Umbanda Pai Ogum e Dr Zé Pelintra. http://paiogumdrzepelintra.blogspot.com/ Acesso em 25/02/2022

TOLEDO, Gabriela Paiva de. Afro-Brazilian Eshu: survival and adaptation of an African god in visual representations in Brazil. 2018.

UMBANDA eu curto. https://umbandaeucurto.com/ Acesso em 20/02/2022

VIEIRA, Lurdes de Campos. Os Líderes Espirituais da Umbanda e seus Atendimentos. S.l, s.d.

Downloads

Publicado

2022-09-22

Como Citar

MAIA, Carlos Eduardo Santos. Através dos Arcos, Soldam-se os Elos: : - Salve, Seu Zé! Salve, Malandragem! Salve, Lapa!. Latitude, Maceió-AL, Brasil, v. 16, n. 1, p. 104–135, 2022. DOI: 10.28998/lte.2022.n.1.13481. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/latitude/article/view/13481. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Cidade "(re)vestida"

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)