QUESTÕES IDENTITÁRIAS E CULTURAIS EM DUAS COMUNIDADES DE FALA EM ALAGOAS:

CONSIDERAÇÕES SOBRE PRECONCEITO LINGUÍSTICO CONTRA MENORES CARENTES E QUILOMBOLAS

Autores

  • Renata Lívia de Araújo Santos Universidade Federal Rural de Pernambuco, Unidade Acadêmica de Serra Talhada
  • Solyany Soares Salgado Universidade Federal de Alagoas https://orcid.org/0000-0002-3781-7132

Palavras-chave:

Língua. Identidade. Menores carentes. Quilombolas. Preconceito linguístico.

Resumo

O presente artigo tem como propósito discutir questões culturais e identitárias de duas comunidades de fala, menores carentes que vivem em entidades filantrópicas e quilombolas, as quais possuem como uma de suas marcas o sofrimento com o preconceito linguístico. Respaldados na Sociolinguística Variacionista, de William Labov (2008 [1972]), que concebe a língua como uma atividade social (instrumento e sistema), relacionada diretamente aos elementos culturais e identitários de uma comunidade, e que correlaciona esses elementos sociais aos linguísticos, nosso intuito geral é mostrar, através de pesquisas, que essas comunidades sofrem preconceito em relação à sua fala, uma vez que a sociedade lhes atribui o uso generalizado de formas estigmatizadas, sem que estas sequer se constatem no uso linguístico dos falantes tal qual se imagina, conforme apontam os resultados. Para isso, selecionamos dois estudos sociolinguísticos variacionistas realizados em Alagoas, frutos das dissertações de mestrado das duas pesquisadoras, a fim de trazer um apanhado quanto aos resultados, linguísticos e sociais, descritos e obtidos em suas pesquisas, além de reflexões sobre as conclusões alcançadas. Esperamos, assim, que este artigo possa contribuir para que se evitem possíveis estigmatizações no que diz respeito à língua usada não só pelas comunidades em questão, mas por qualquer comunidade, economicamente e socialmente, menos assistida da sociedade.

Biografia do Autor

Renata Lívia de Araújo Santos, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Unidade Acadêmica de Serra Talhada

Profa. Dra. do Curso de Licenciatura em Letras da Universidade Federal Rural de Pernambuco, Unidade Acadêmica de Serra Talhada (UFRPE/UAST).

Solyany Soares Salgado, Universidade Federal de Alagoas

Advogada e Doutoranda em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística e Literatura da Universidade Federal de Alagoas.

Referências

ALKIMIN, T. M. Sociolinguística: parte 1. In: MUSSALIN, F.; BENTES, A. C. Introdução à Linguística 1. Domínios e Fronteiras. São Paulo: Cortez, 2001.

BAGNO, M. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola, 1999.

BRASIL. Decreto n.º 4.887, de 20 de novembro de 2003. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos de que trata o art. 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Brasil, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2003/d4887.htm. Acesso em: 08 mar. 2021.

CARRION, R. M. Organizações privadas sem fins lucrativos: a participação do mercado no terceiro setor. Tempo Social. Rev. Sociol. USP, São Paulo, 12(2): 237-255, novembro de 2000.

COULMAS, F. Sociolinguistics. In: ARANOFF, M. et al (eds). The handbook of Linguistics. Blackwell Publishing, 2002, p.01-13. Disponível em: http://www.asarimhotep.com/documentdownloads/linguistics/7983954-The-Handbook-of-Linguisticspdf.pdf. Acesso em: 12 out. 2020.

CUNHA, A. S. de A. Presença e contribuição das línguas negro-africanas na constituição do português do Brasil: a alegada origem crioula e a variedade popular da língua falada nas terras de preto. Anais da Abanne, São Luís, Maranhão, 2003a.

______. Processos de (des)crioulização do português falado nos quilombos do Maranhão. Associação de Crioulos de Base Lexical Portuguesa e Espanhola, Espanha, 2003b.

FUNARI, P. P. A arqueologia de Palmares: sua contribuição para o conhecimento da cultura afro-americana. In: REIS, J.J.; GOMES, F. S. (orgs). Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996.

HALL, S. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação e Realidade, Porto Alegre, n. 2, v. 22, p .5, 1997.

______. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola editorial, 2008 (1972). LUCCHESI, D. A concordância nominal em estruturas passivas e de predicativo do sujeito em comunidades rurais isoladas afro-brasileiras no contexto da história sociolinguística do Brasil. In: VOTRE, S. J.; RONCARATI, C. (Org.). Anthony Julius Naro e a linguística no Brasil: uma homenagem acadêmica. 1. ed. Rio de Janeiro: 7 Letras/ FAPERJ, 2008.

MACHADO, R. H. B. Instituições caras nas vozes e silêncios de meninos e meninas de rua. Universidade Federal de Alagoas. Maceió, 2000.

MATTOS E SILVA, R. V. Ensaios para uma sócio-história do português brasileiro. São Paulo: Parábola editorial, 2004.

MOREIRA, J. C. Geografia para o ensino médio: geografia geral e do Brasil. São Paulo: Scipione, 2002.

MOURA, M. D. Resquícios de Palmares: o que a comunidade quilombola nos diz. Denilda Moura (org.). Maceió: EDUFAL, 2009.

OLIVEIRA, A. J e SANTOS, D. N. Concordância verbal no português brasileiro em Maceió/AL Brasil. In.: DIVERSITAS JOURNAL. Santana do Ipanema/AL. vol. 5, n. 4, p.3180-3195, out./dez. 2020.

Downloads

Publicado

15/11/2021

Como Citar

SANTOS, R. L. de A.; SALGADO, S. S. QUESTÕES IDENTITÁRIAS E CULTURAIS EM DUAS COMUNIDADES DE FALA EM ALAGOAS: : CONSIDERAÇÕES SOBRE PRECONCEITO LINGUÍSTICO CONTRA MENORES CARENTES E QUILOMBOLAS. Revista Areia, [S. l.], v. 4, n. 5, p. 210–227, 2021. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12001. Acesso em: 29 jan. 2022.