A REPRESENTAÇÃO POLÍTICO-LITERÁRIA NA OBRA DE GEOVANI MARTINS

Autores

  • Maria Clara de Lima Barros Universidade Federal de Alagoas
  • Roberto Sarmento Lima

Resumo

Este artigo se propõe a analisar a obra de Geovani Martins, autor estreante da literatura contemporânea com o livro de contos O sol na cabeça (2018), narrativa de diferentes histórias de infância e juventude na favela que se configuram em torno da desigualdade acentuada e integrante do meio. Sua produção literária se oferece aqui como objeto de estudo, particularmente, por representar na realidade de seus textos, onde a representação está atrelada ao conceito de representatividade, elementos como espaço e personagem marginalizados na realidade factual. Isso indica que o fazer literário do escritor é, também, um ato político e requer destaque nas investigações do século XXI. Para isso, analisamos os contos “Rolézim” e “O rabisco”, com base nos preceitos da ficção contemporânea e do novo realismo (SCHØLLHAMMER, 2011), em paralelo com o panorama contextual da literatura realista do século XIX (EAGLETON, 2006). Dessa forma, buscamos a valorização estética e a legitimação das produções escritas e protagonizadas pelos grupos subalternos, levando em consideração a importância da recepção do texto literário para a democratização do campo artístico (DALCASTAGNÈ, 2005). De maneira comprometida com uma visão social e política, espera-se, como resultado, o entendimento de que Geovani Martins representa, com seu realismo cru e politicamente engajado, a voz da sua comunidade, que fala, sem intermédio ou repressão, do lugar em que está.

Biografia do Autor

Maria Clara de Lima Barros, Universidade Federal de Alagoas

Graduanda em Letras-Português pela Faculdade de Letras da Universidade Federal de Alagoas.

Roberto Sarmento Lima

Professor Doutor em Literatura Brasileira da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Alagoas.

Referências

DALCASTAGNÈ, Regina. Entre fronteiras e cercado de armadilhas: problemas de representação na narrativa brasileira contemporânea. Brasília: UNB: Finatec, 2005.

EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. 6. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

EVARISTO, Conceição. Conceição Evaristo: ‘minha escrita é contaminada pela condição de mulher negra’. Nexo, 2017. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/entrevista/2017/05/26/Conceição-Evaristo-‘minha-escrita-écontaminada-pela-condição-de-mulher-negra. Acesso em: 23 set. 2020.

EVARISTO, Conceição. “Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo. Mídia Ninja, 2019. Disponível em: https://midianinja.org/eduardosa/nao-colem-emmim-esse-discurso-da-meritocracia-diz-conceicao-evaristo. Acesso em: 23 set. 2020.

FISH, Stanley. Interpreting the Variorum. In: LAJOLO, Marisa. Leitura-literatura: mais do que uma rima, menos do que uma solução. In: ZILBERMAN, Regina; SILVA, Ezequiel Theodoro da (Orgs.). Leitura: perspectivas interdisciplinares. São Paulo: Ática, 1991.

LIMA, Roberto Sarmento. Balbucios da literatura contemporânea. Conhecimento Prático Língua Portuguesa e Literatura. São Paulo, ano 8, n. 75, p. 48-52, mar. 2019.

MARTINS, Geovani. O sol na cabeça. 1. Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SCHØLLHAMMER, Karl Erik. Ficção brasileira contemporânea. 2. Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

Downloads

Publicado

21/04/2021

Como Citar

DE LIMA BARROS, M. C.; SARMENTO LIMA, R. A REPRESENTAÇÃO POLÍTICO-LITERÁRIA NA OBRA DE GEOVANI MARTINS. Revista Areia, [S. l.], v. 1, n. 4, p. p. 40 – 53, 2021. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12082. Acesso em: 20 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)