REPENSANDO A NOÇÃO DE CATEGORIA GRAMATICAL OU SOBRE A INVENÇÃO DA TRADIÇÃO GRAMATICAL NA LINGUÍSTICA

Autores

Palavras-chave:

Gramática. Categoria gramatical. Epistemologia.

Resumo

O presente texto reúne algumas reflexões acerca do caráter disciplinador da gramática como veículo de investigação científica da linguagem. A linguística contemporânea, independentemente de filiação teórica, adota suas (macro e micro) partes, seja como metalinguagem, seja como paradigmas de análise universais. Para o desenvolvimento da discussão, abordo a noção de tradição gramatical como uma invenção ocidental, mais especificamente, uma escolha com fundo político, feita ainda na expansão europeia do início da Idade Moderna, e que baseou o desenvolvimento da Linguística como a conhecemos atualmente. A desnaturalização do que constitui uma língua, do que constrói uma sua gramática permite que questionemos qual é sua função. Credito a especificação da terminologia gramatical ao pensar indo-europeu, o que impôs um padrão classificatório às demais línguas do mundo. Assumindo-se que a categorização gramatical e, portanto, linguística, é uma criação grega, que parte da observação dos predicados de um ser aristotélico, fruto da cultura da época, aponto uma inadequação da própria delimitação de um número de categorias gramaticais em detrimento de outras que sequer foram pensadas. Essa violação dos diversos conhecimentos de mundo resultou no apagamento linguístico de diversas cosmovisões e na estrutura gramatical que conhecemos hoje, sem maiores questionamentos e com uma desmarcada obediência epistêmica.

Biografia do Autor

Danniel Carvalho, Universidade Federal da Bahia

Professor de Linguística e membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura da Universidade Federal da Bahia

Referências

ABELSON, Paul. As sete artes liberais: Um estudo sobre a cultura medieval. Tradução de Nelson Dias Corrêa. Campinas: Kírion. 2019 [1906]. BOAS, Franz. Race, Language and Culture. New York: The Macmillan Company, 1940.

BRITTO, Luiz Percival Leme. A sombra do caos: ensino de língua X tradição gramatical. Campinas: Mercado das Letras. 1997.

BURKE, Peter. Languages and communities in early Modern Europe. Cambridge: Cambridge University Press. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9780511617362. 2004.

CAMACHO, Roberto Gomes. Norma, Ideologia e a Teoria Da Linguagem. Alfa, v. 25, p. 19-30. 1981.

CANÇADO, Márcia; AMARAL, Luana. Introdução à Semântica Lexical. Papéis temáticos, aspecto lexical e decomposição de predicados. Petrópolis: Vozes, 2016.

CARVALHO, Danniel da Silva. A estrutura interna dos pronomes pessoais em português brasileiro. Tese de doutorado, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2008.

CARVALHO, Danniel da Silva. Geometria de traços e a sintaxe de pronomes no português brasileiro. In: VELOSO, João; BRITO, Ana Maria Barros; SILVA, Fátima; FIÉS, Alexandra. Textos Seleccionados do XXV Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. Lisboa: Tipografia Nunes Lda, p. 245-261, 2010.

CARVALHO, Danniel da Silva. The Internal Structure of Personal Pronouns. Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars Publishing, 2017.

CHOMSKY, Noam. Lectures on Government and Binding. Dordrecht: Foris. DOI: https://doi.org/10.1515/9783110884166. 1981

CHOMSKY, Noam. The Minimalist Program. Cambridge: MIT Press. 1995

CHOMSKY, Noam. Minimalist inquiries: the framework. In: MARTIN; Roger; MICHAELS, David; URIAGEREKA, Juan (Eds.). Step by Step: Essays on Minimalist Syntax in Honour of Howard Lasnik. Cambridge: MIT Press: 89-155. 2000.

CONNELL, Raewyn. Southern theory: the global dynamics of knowledge in social science. Cambridge: Polity. 2007.

COSERIU, Eugenio. Teoria da linguagem e lingüística geral: cinco estudos. Rio de Janeiro: Presença; São Paulo: Editora EDUSP. 1979.

DRYER, Matthews Synge. Are Grammatical Relations Universal? In: BYBEE, Joan; HAIMAN, John; THOMPSON, Sandra. (orgs.). Essays on Language Function and Language Type: Dedicated to T. Givón. Amsterdam: John Benjamins, p. 115-143. DOI: https://doi.org/10.1075/z.82.09dry. 1997.

ERRINGTON, Joseph. Colonial Linguistics. Annual Review of Anthropology, v. 30, p. 19-39. DOI: https://doi.org/10.1146/annurev.anthro.30.1.19. 2001.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Nascimento da Prisão. 2 ed. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes. 1999 [1975].

GARVIN, Paul. Kutenai III: morpheme distributions (prefix, theme, suffix). International Journal pf American Linguistics, n. 14, p. 171-187. 1948.

GREENBLATT, Stephen. Marvelous Possessions: The Wonder of the New World. Chicago: Univ. Chicago Press. 1991.

Downloads

Publicado

15/11/2021

Como Citar

CARVALHO, D. REPENSANDO A NOÇÃO DE CATEGORIA GRAMATICAL OU SOBRE A INVENÇÃO DA TRADIÇÃO GRAMATICAL NA LINGUÍSTICA. Revista Areia, [S. l.], v. 4, n. 5, p. 228–246, 2021. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12250. Acesso em: 17 ago. 2022.