PELOS CAMINHOS DA LINGUÍSTICA:

CONTRIBUIÇÕES DO GRUPO PET/LETRAS/UFAL AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

Autores

Palavras-chave:

PET/Letras/UFAL. Linguística. Ensino de Língua Portuguesa. Projeto RALPE.

Resumo

O presente artigo tem como principal objetivo revisitar algumas das principais contribuições teóricas, metodológicas, educacionais e formativas do Grupo PET/Letras/UFAL acerca do processo de ensino e aprendizagem de Língua Portuguesa na Educação Básica. Para isso, parte dos pressupostos teóricos validados por diferentes campos do saber, buscando fazer um panorama daquilo que foi sendo proposto e executado pelo grupo PET no período de 2000 a 2002 no âmbito do Projeto RALPE (Reflexão e Análise Linguística vs. Produção Escrita nos 3º e 4º ciclos do Ensino Fundamental). Como consequência disso, apresentará como a Linguística teórica e Aplicada foi sendo investigada e trazida para o centro da sala de aula na Educação Básica, por meio de projetos didáticos e oficinas de aprendizagem desenvolvidos pelo projeto RALPE. Os resultados apresentados nas oficinas e projetos mostraram que o trabalho desenvolvido com a leitura e a produção textual pode ser criativo e mais próximo das necessidades de aprendizagem dos estudantes, contribuindo para práticas de letramento mais significativas e, consequentemente, para uma educação transformadora, que vise à construção da cidadania. Isso não significa deixar de lado o conhecimento gramatical e metalinguístico, mas transcender a tradição exclusivamente normativa e dogmática ainda tão presente em muitas aulas de Língua Portuguesa nas escolas brasileiras.

Palavras-chave: PET/Letras/UFAL. Linguística. Ensino de Língua Portuguesa. Projeto RALPE.

 

Biografia do Autor

Mirian Santos de Cerqueira, Universidade Federal de Goiás - UFG

Mirian Santos de Cerqueira é professora associada 1 do Departamento de Linguística e Língua Portuguesa da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás (UFG), campus de Goiânia, atuando nas áreas de Linguística e Ensino, com foco nas disciplinas de Estágio Curricular Obrigatório do Curso de Licenciatura em Letras/Português, Sintaxe, Sintaxe do Português e Psicolinguística Experimental.

Referências

ANTUNES, I. Aula de português: encontro & interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino fundamental 5ª 8ª séries. Brasília: Ministério da Educação, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9394 de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Dez. 1996.

BUNZEN, C. A fabricação da disciplina escolar Português. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 11, n. 34, p. 885-911, set./dez. 2011.

CERQUEIRA, M. S. de. Decolonizando o currículo de Língua Portuguesa: como o Estágio Curricular Obrigatório nos cursos de Licenciatura em Letras pode contribuir para isso?, 2021 (no prelo).

FARACO, C. A. As sete pragas do ensino de português. In: GERALDI, J. W. (Org.). O texto na sala de aula: leitura & produção. 3. ed. Cascavel: ASSOESTE, 1984.

FARIAS, J. G. de. Questões de texto, coesão e coerência textuais e ensino de língua portuguesa. In: MOURA, M. D.; MORAIS, G. Ler e escrever: rumo à compreensão e a interação com o mundo. Maceió: Edufal/ Fapeal, 2002. p. 53-69.

FARIAS, J. G. de; BARBOSA, K. M. da S. M.; CERQUEIRA, M. S de. Concepções de gramática e ensino de língua portuguesa. In: MOURA, M. D.; MORAIS, G. Ler e escrever: para quê? Maceió: Edufal/Fapeal, 2000. p. 41-55.

FRANCHI, C. Criatividade e gramática. Trabalhos em lingüística aplicada. Campinas: UNICAMP/ Instituto de Estudos da Linguagem, n. 9, p. 5-45, 1987.

FREGONEZI, E. Conteúdo programático de Língua Portuguesa. In: FREGONEZI, E. Elementos de ensino de língua portuguesa. São Paulo: Arte e Ciência, 1999.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GERALDI, J. W. O texto na sala de aula: leitura & produção. 3. ed. Cascavel: ASSOESTE, 1984.

GERALDI, J. W. Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

ILARI, R. A linguística e o ensino da língua portuguesa. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

MOURA, M. D. Os parâmetros curriculares nacionais e o ensino de português. In: MOURA, M. D.; MORAIS, G. Ler e escrever: para quê? Maceió: Edufal/ Fapeal, 2000. p. 11-18.

NEVES, M. H. M. Gramática de Usos do Português. São Paulo: Editora da UNESP, 2000.

PERINI, M. A. Para uma nova gramática do português. 5ª ed. São Paulo: Ática, 1991.

PERINI, M. A. Gramática descritiva do português. 4ª ed. São Paulo: Ática, 2003.

PIETRI, E. de. Sobre a constituição da disciplina curricular de língua portuguesa. Revista Brasileira de Educação. v.15, n. 43, jan./abr. 2010, p. 70-83.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. Mercado de Letras: Associação de Leitura do Brasil, 1996.

SOARES, M. Concepções de linguagem e o ensino de Língua Portuguesa. In: Língua Portuguesa: História, perspectivas, ensino. São Paulo: Educ, 1998, p. 53-60.

TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1. e 2. graus. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 1995.

Downloads

Publicado

15/11/2021

Como Citar

CERQUEIRA, M. S. de. PELOS CAMINHOS DA LINGUÍSTICA:: CONTRIBUIÇÕES DO GRUPO PET/LETRAS/UFAL AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO BÁSICA . Revista Areia, [S. l.], v. 4, n. 5, p. 105–122, 2021. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12362. Acesso em: 28 jan. 2022.