TRAGÉDIA E SENTIMENTO TRÁGICO EM O MARINHEIRO, DE FERNANDO PESSOA

Autores

  • Mariana Cavalcante Oliveira Universidade Federal de Alagoas

Palavras-chave:

Fernando Pessoa. O marinheiro. Tragédia.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar o drama estático O marinheiro (1913), de Fernando Pessoa, a partir do diálogo que foi possível estabelecer entre a obra pessoana e as categorias de tragédia, enquanto gênero teatral concebido na Grécia Antiga, e sentimento trágico, forma pela qual o espírito trágico se abate sobre o mundo moderno. Com este fito, foram utilizados como fundamentação teórica trabalhos já realizados sobre a obra, como os de Gagliardi (2011) e Bechara (2017), além dos textos de Aristóteles (2004), Easteling (1997) e Serra (2006; 2007) para tratar sobre o trágico. A análise revelou que algumas alusões à tragédia grega se fazem presentes em O marinheiro, em primeiro plano, através de elementos da narrativa tais como as personagens, o espaço e o tempo, principalmente ao passo que estes últimos estabelecerem uma relação com o círculo, forma que se relaciona à tragédia a partir de sua origem ligada ao dionisismo. Além disso, aponta-se como ao longo do drama as personagens sofrem com uma crise ontológica e vivem um tensão entre duas das categorias trágicas apontadas por Serra (2006): a da ignorância e a do conhecimento. Sendo assim, verifica-se como o trágico se apresenta numa roupagem moderna enquanto sentimento trágico da vida, revelando um vazio, uma espera de não sei o quê, e como ele ocorre mediante a tomada de consciência do trágico, por parte das personagens, perante as limitações do ser humano.

Biografia do Autor

Mariana Cavalcante Oliveira, Universidade Federal de Alagoas

Mariana Cavalcante Oliveira é graduada em Letras-português pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e mestranda em Culturas Literárias Europeias pelas Universidades de Lisboa (ULisboa) e pela Université de Strasbourg (Unistra).

Referências

ARISTÓTELES. Poética. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004. Tradução de: Ana Maria Valente.

BECHARA, Thiago Sogayar. Tragicidade e heranças clássicas na obra de Fernando Pessoa, a partir do drama estático O marinheiro. 2017. 180 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Estudos do Teatro, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2017. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/30358. Acesso em: 10 dez. 2020. DISCINI, Norma. Intertextualidade e conto maravilhoso. 2. ed. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2004. EASTERLING, P. E.. A show for Dionysus. In: EASTERLING, P. E. (ed.). The Cambridge Companion to Greek Tragedy. Cambridge: Cambridge University Press, 1997. p. 36-53.

GAGLIARDI, Caio. A reflexividade discursiva em O Marinheiro, de Fernando Pessoa. Pitágoras 500, Campinas, SP, v. 1, n. 1, p. 97–118, 2011. DOI: 10.20396/pita.v1i1.8634756. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/pit500/article/view/8634756. Acesso em: 7 jun. 2021.

LIMA, Roberto Sarmento. O círculo e a palavra: constantes do poema lírico. Maceió: Edufal, 1997.

PESSOA, Fernando. O marinheiro. In: PESSOA, Fernando. Ficção e teatro - o banqueiro anarquista, novelas policiárias, o marinheiro e outros. [Lisboa]: Publicações Europa-América, 1986. p. 153-165. (Coleção Obra em prosa de Fernando Pessoa).

PRADO, Decio de Almeida. A Personagem no Teatro. In: CANDIDO, Antonio et al. A Personagem de Ficção. 2. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 1968. p. 81-102. (Debates).

SAMOYAULT, Tiphaine. A Intertextualidade. São Paulo: Editora Hucitec, 2008. Tradução de: Sandra Nitrini.

SERRA, José Pedro. Agamêmnon, En attendant Godot: da heróica palavra trágica ao trágico silêncio do exílio. Philosophica, Lisboa, n. 30, p. 183-202, nov. 2007. Disponível em: http://revistaphilosophica.weebly.com/2007.html#. Acesso em: 7/6/2021.

SERRA, José Pedro. Pensar o trágico: categorias da tragédia grega. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2006.

Downloads

Publicado

15/11/2021

Como Citar

OLIVEIRA, M. C. TRAGÉDIA E SENTIMENTO TRÁGICO EM O MARINHEIRO, DE FERNANDO PESSOA. Revista Areia, [S. l.], v. 4, n. 5, p. 266–276, 2021. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12499. Acesso em: 28 jan. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)