A PERSPECTIVA DECOLONIAL COMO ELEMENTO PARA A (RE)CONSTRUÇÃO DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Autores

  • Wanneska Thaymmá Vieira Silva de Andrade Faculdade de Letras - Universidade Federal de Alagoas
  • Silvio Nunes da Silva Júnior

Palavras-chave:

Decolonialidade; Língua Portuguesa; Educação; Ensino

Resumo

Este trabalho tem como objetivo refletir acerca da perspectiva decolonial como elemento para a reconstrução do sistema de ensino do componente curricular de Língua Portuguesa. Esse caminho é construído a partir do pressuposto que a língua e linguagem que rege uma sociedade é instrumento político de poder e discriminação nas relações humanas. Assim, pode ser usada para que estruturas hegemônicas de padrão eurocêntrico sejam problematizadas, repensadas e finalmente rompidas. A partir disso, ao compreender os efeitos coloniais que perpetuaram nas sociedades submetidas ao processo de colonização, reflete-se, especificamente sobre a colonialidade do poder, do ser e do saber – conceitos propostos pelo Grupo Modernidade/Colonialidade (M/C), no fim da década de 1990. Assim, medita-se sobre como esses conceitos estão presentes na concepção, ainda nos dias atuais, de educação. Para isso, o ensaio está dividido em: 1. Considerações Iniciais; 2. O ensino e a colonialidade do poder, ser e saber; 3. O ensino da Língua Portuguesa: uma (re)construção decolonial e 4. Considerações finais.  Por fim, entendendo a colonialidade como “um novo padrão de poder mundial”, a decoloniadade se mostra, por outro lado, um ponto de partida promissor para uma forma de pensar mais crítica. 

 

Referências

ALMEIDA, Silvio. Racismo Estrutural. Pólen livros: São Paulo, 2019.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 11. Brasília, maio - agosto de 2013, p. 89-117.

Base Nacional Curricular Comum - Material para o professor. Moderna, 2017.

FIORIN, José Luiz. Língua, discurso e política. Alea, v. 11, n. 1, p. 148-155, jan/jul, 2009, Disponível em: https://www.scielo.br/j/alea/a/djMj5DwcxCY7wXK3nzPTwhf/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 21 jan 2022.

FARACO, Carlos Alberto, As sete pragas do ensino de português, 1975. In: GERALDI, João Wanderley, et.al, O texto na sala de aula, ASSOESTE - Editora Educativa, Cascavel, 1984.

GERALDI, João Wanderley, Concepções da linguagem e o ensino de português, 1981. In: GERALDI, João Wanderley, et.al, O texto na sala de aula, ASSOESTE - Editora Educativa, Cascavel, 1984.

GNERRE, Maurízio. Linguagem, escrita e poder. Martins Fontes: São Paulo, 1991.

MANGUEIRA, Ana Beatriz da Costa. A contribuição do pensamento decolonial para o ensino básico e o acadêmico brasileiro: desafios e perspectivas. In: Congresso Internacional: América Latina: Resgatar a Democracia. Repensar a Integração, XVII, 2019, Foz do Iguaçu.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas, CLACSO, Buenos Aires, 2005, p. 118- 142.

Downloads

Publicado

30/05/2022

Como Citar

VIEIRA SILVA DE ANDRADE, W. T.; NUNES DA SILVA JÚNIOR, S. A PERSPECTIVA DECOLONIAL COMO ELEMENTO PARA A (RE)CONSTRUÇÃO DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA . Revista Areia, [S. l.], v. 5, n. 6, p. 58–65, 2022. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/13593. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Ensaios